sábado, 20 de julho de 2013

Pastor pede respeito aos evangélicos “Não somos gado”

O pastor Geremias de Couto criticou a falta de propósito da reunião das cantoras evangélicas com a presidente Dilma Rousseff, em um post no seu blog chamado “Não somos gado, Dilma Rousseff” . Além de pastor assembleiano, Couto é escritor e jornalista.

O pastor falou sobre Dilma abrir seu gabinete para ouvir diversos grupos e numa tentativa de ouvir o que estes tem a dizer sobre a atual situação do país, diante dos protestos realizados.

A questão que Geremias levantou é de que um pessoa ou grupo de pessoas, não pode ser identificado com “representante” de um todo. Cada grupo, segundo ele, fala representando – no máximo – a si próprio.

Afinal “não temos nenhuma voz institucional com procuração para falar em nosso nome. Cada grupo fala, no máximo, representando o próprio grupo. Somos diversificados e as nossas lideranças não são ainda capazes de estar unidas em questões dessa monta”, argumenta.


Geremias pensa como certamente a maioria dos líderes evangélicos, é que se aproveitasse a oportunidade para o que chamou na ocasião de “exercício da voz profética”. Segundo a imprensa; músicas, orações e palavras de apoio à presidente. Aconteceram lá dentro durante a reunião.

Ele ainda classificou assim como Feliciano, negligência o fato de as cantoras e pastoras não quererem. “discutir uma pauta definida que contemple os anseios da população e confronte os erros do governante com suas medidas injustas, opressivas e destruidoras dos valores que sustentam a sociedade”.

O pastor lamentou que nada de concreto resultou o encontro, e classificou como “uma estratégia eleitoral para engabelar os cristãos”. O pastor acredita que Dilma não pode olhar para os evangélicos como “mero curral eleitoral”. Mas sim como “voz profética que tem muito a oferecer para a construção de um país mais justo e mais próspero”.

O VERBO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.