domingo, 22 de janeiro de 2012

Idosa tatua 666 na testa e na mão porque achou bonito

 Vizinhos chamaram a polícia alegando que ela estava sendo mantida presa dentro de sua própria casa

Uma idosa de 84 anos resolveu tatuar o 666 na testa e na mão direita porque achou “bonito”, dona Nina que mora da baixada fluminense vivia trancada dentro de sua própria casa sem comida com um casal que pertence à igreja Crescendo em Graça que usa o símbolo para dizer que esse número é símbolo do filho de Deus.

Os vizinhos perceberam as tatuagens e chamaram a polícia, para eles dona Nina informou que contratou o casal para fazer uma reforma, mas que eles acabaram ficando na casa e lhe apresentaram a seita liderada pelo porto-riquenho José Luis de Jesús Miranda.

Para o apresentador Wagner Montes a idosa confessou que assistiu vários vídeos do líder da seita e que acabou aceitando fazer as tatuagens, mas disse também que desistiu de fazer parte da Crescendo em Graça.
“Achei bonito, harmonioso. Fazia propaganda da 666. As pessoas ficam doidas. Ou então [dizem] ‘ah é muito bonito, a senhora foi corajosa’. [a reação das pessoas] Varia muito”, disse ela ao apresentador do Balanço Geral que vai ao ar no Rio de Janeiro.

Sua saída da seita foi justificada por dona Nina dizendo “não ter fé suficiente”, mas apesar de não acreditar no fim do mundo em 2012 a idosa crê que “coisas ruins irão acontecer”.

Jorge Henrique Cosme e Silva, o homem que converteu Dona Nina, explica que o número 666, para os adeptos da seita, significa “sabedoria, riqueza, honra e é o número do nome de Deus”. José Miranda é conhecido como Jesus Homem e prega que seu corpo será transformado esse ano e todos verão que ele é realmente Jesus. Essa seita já está presente em 11 estados brasileiros e em vários países do mundo.

Assista:

 

Com informações R7
 http://noticias.gospelprime.com.br/idosa-tatua-666-na-testa-e-na-mao-porque-achou-bonito/

Vítima de Pastora “cai na realidade” depois de sete anos de abusos, diz família

A família e a vítima da pastora da Igreja Pentecostal Unidos Pela Fé, Julieta de Souza, de 51 anos, prestaram depoimentos nesta tarde de sexta-feira (20), na 1ª Depac, em Campo Grande. Segundo a família, o processo estava em segredo de justiça há dois anos e, finalmente, foi possível reunir provas contra a pastora, por ludibriar a fé de Orlanda de Oliveira Rosa, de 80 anos.
Os irmãos da vítima, Olegário de Oliveira, de 72 anos e Idalina Rosa, de 79, contaram que já desconfiavam da pastora durante todo este tempo. A irmã, que tinha boa situação financeira, por ser aposentada e ter verba de parceria pecuária, começou a passar dificuldades financeiras e se afastou do convívio familiar.
Eles lamentam por não terem conseguido alertá-la. Também disseram que Orlanda é carente e ingênua. “Após sete anos de abusos, ela finalmente caiu na realidade. Mas agora já é tarde, o prejuízo foi grande. O problema é que ela não queria a nossa ajuda e não consegue fazer nada sozinha”, contou Olegário. O sobrinho, Angelo Rodrigues de Oliveira Rosa, de 31, destacou que a partir de agora, eles vão acompanhar de perto a vida da tia.

Vítima
Dona Orlanda contou que é amiga da pastora há mais de seis anos e que nem desconfiava dos golpes. “Ela falou que eu estava doente, com câncer na garganta. Dei dinheiro para tirar o demônio da minha vida, para o espírito do meu pai descansar em paz, para fazerem preces por mim. Eu acreditava nela, em tudo que dizia. Ás vezes ela nem pedia nada, eu é quem dava as coisas para ela”, contou a vítima.
Mas segundo a idosa, ela percebeu que seus pertences começaram a sumir de casa, então, um amigo, conhecido como Geovani, foi quem a alertou, há dois meses sobre o golpe. Conforme o delegado Miguel Said, da 1ª Delegacia de Polícia, foi uma das filhas da pastora que fez com que o rapaz ajudasse a senhora. A filha estava inconformada com as atitudes da mãe (pastora) e não aguentava mais vê-la explorando a idosa.

Prejuízos
O delegado informou que a vítima passou uma procuração para a pastora poder movimentar a conta bancária dela e também fez inúmeros empréstimos em seu nome, que ainda serão contabilizados. Em março de 2010, a idosa comprou uma casa no valor de R$ 535 mil para a líder religiosa, na rua do Rosário, na Vila Célia.
Ao realizar a investigação sobre o caso, a polícia civil conseguiu frustrar a venda do veículo da vítima, que seria vendido em uma garagem de Campo Grande. Mas a idosa já está com mais de R$ 7.000,00 atrasado em condomínio, com as contas de luz e de água atrasadas e demais dívidas.

Acusação
Tanto a pastora Julieta, como o seu marido e pastor, Nelson Jimenes, foram indiciados por estelionato, retenção de documentos e crime contra o idoso, de acordo com o Estatuto do Idoso, Lei 10.741/2003.

Notícias Cristãs com informações da Midiamax