sábado, 22 de dezembro de 2012

Fim do Calendário Maia: pânico se espalha pelo mundo todo

Fim do Calendário Maia: pânico se espalha pelo mundo todo
Não importa o quanto os governos e especialistas desmintam a possibilidade de o mundo acabar dia 21 de dezembro, teorias divulgadas na Internet tem gerado pânico em vários lugares do mundo.

Até mesmo a NASA já desmentiu a possibilidade, mas muito se fala sobre o mítico planeta Nibiru, que poderia se chocar contra a Terra.

O pico Bugarach, uma montanha de 1.231 metros situada no sul da França, onde vivem 188 pessoas, é apontada como um dos únicos lugares seguros do mundo. O pequeno povoado, aos pés do maciço de Corbières e dos Pirineus, seria uma espécie de “pista de aterrissagem” para uma nave de extraterrestres. Segundo movimentos da Nova Era, eles poderão salvar algumas pessoas que estiverem no local. Embora o prefeito já tenha avisado que não quer “turistas apocalípticos”, há quem peça na internet 2,5 mil euros por barracas e tendas de campanha que podem ser instaladas nas florestas próximas ao refúgio e até mesmo a oferta de um “bunker” no local por 25 mil euros.

Segundo o relatório de 2010 da comissão francesa de luta contra as seitas, Miniviludes, “os adeptos do pico Bugarach propagaram diversas hipóteses ligadas às teorias apocalípticas: terremotos, tsunamis, inversão dos pólos magnéticos, aumento da atividade solar e a colisão com o planeta Nibiru”.

Ron Hubbard, que fabrica abrigos subterrâneos para sobrevivência de furacões, disse ter visto uma explosão no seu negócio. “Passamos de um por mês para um por dia”, disse. “Eu não tenho uma opinião formada sobre o calendário maia, mas quando os astrofísicos começaram a vir, comprar meus abrigos e me dizer para estar preparado para erupções solares, radiação, pulsos eletromagnéticos… Decidi que vou ficar debaixo da terra do dia 19 até o dia 23. é melhor me prevenir, caso algum deles esteja certo”. Os abrigos fabricados pela Atlas, empresa de Hubbard, devem ser enterrados a, no mínimo, 8 metros de profundidade e o mais barato sai por 15 mil dólares.

Na Rússia viu pessoas em Omutninsk, na região de Kirov, correndo para comprar querosene e suprimentos depois de um artigo de jornal, supostamente escrito por um monge tibetano, confirmou o fim do mundo para dia 21. Em Barnaul, perto das montanhas de Altai, os moradores compraram todas as lanternas e garrafas térmicas disponíveis no mercado.

Dmitry Medvedev, o primeiro-ministro russo, chegou a falar sobre a situação na TV, tentando acalmar a população.

Na China, que não tem um histórico de preocupação com o fim do mundo, testemunhou uma onda crescente de paranóia sobre o apocalipse desde o lançamento do filme “2012″, três anos atrás. Como o longa foi um sucesso na China, os telespectadores parecem ter assimilado a mensagem de que algo terrível ocorrerá com a humanidade. Na província de Sichuan, por exemplo, nos últimos dias houve uma corrida às lojas para se comprar velas. O motivo seria uma mensagem divulgada na rede social Sina Weibo (similar ao Twitter) sobre os “três dias de escuridão” que a Terra enfrentará a partir do dia 21. Em vários supermercados da região acabaram os estoques de velas.

Enquanto isso, no México, local da antiga civilização maia, esse “tempo do fim” está sendo encarado como uma boa oportunidade de lucro. O país divulgou que o turismo quase dobrou na região este ano e centenas de eventos serão realizados para comemorar o “apocalipse maia”.

Pedro Celestino Yac Noj, um sábio maia, afirma que apenas queimará sementes e frutos para marcar o fim deste calendário, em uma cerimônia especial. Mas ele explica: “O dia 21 é para dar graças e o 22 saúda um novo ciclo, um novo amanhecer.”

(Fonte Gospel Prime com informações de Telegraph)
O VERBO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.