sábado, 15 de outubro de 2011

Cantora cristã que passou dois anos presa em contêiner vem ao Brasil contar seu testemunho


A cantora cristã Helen Berhane, que foi torturada em seu país, Eritreia, por se recusar a negar a Cristo, e passou dois anos presa em um contêiner, no deserto, virá ao Brasil contar suas experiências a convite da ONG “Portas Abertas Brasil”.
Entre os dias 20 e 23, Helen ministrará palestras em um evento no Parque da Aclimação, em São Paulo contando as experiências vividas enquanto foi prisioneira de consciência na prisão militar de Mai Serwa, Eritreia.
Seu país, que ganhou independência em 1993, possuía uma Constituição que garantia a liberdade religiosa, porém Helen foi caçada, presa e torturada por manifestar suas ideias sobre religião e política. Na prisão militar, foi submetida a temperaturas extremas, pois no deserto, o calor durante o dia é severo, assim como o frio à noite. Em uma sessão de tortura, Helen foi dada como morta e levada a um hospital, o que possibilitou sua fuga para o Sudão.
O livro Canção da Liberdade, escrito por Helen, narra suas histórias na cadeia e no exílio, na Dinamarca. O livro foi lançado esse mês aqui no Brasil, pela Editora Vida. Atualmente, Helen e sua filha Eva, agora casada e trabalhando na Dinamarca, vivem em prol de divulgar sua trajetória e amor pelo cristianismo, em países onde não há censura. No site eritreialivre.org.br há uma agenda com a programação da viagem de Helen ao Brasil.
Abaixo, assista ao vídeo em que a cantora Fernanda Brum conta a história de Helen Berhane:
Fonte: Gospel+

Sentença de morte do Pastor Nadarkhani é cancelada: processo será revisado


O caso do Pastor Yusef Nadarkhani ganhou uma reviravolta, segundo o Centro Americano pela Lei e Justiça (ACLJ), que informou que o Supremo Tribunal do Irã anunciou que o veredito que condenava Nadarkhani à pena de morte por enforcamento foi cancelado, e deverá passar por uma revisão.
Desde que a notícia que o Pastor iraniano havia sido condenado à morte por se recusar a negar a Cristo, diversos países do mundo iniciaram um movimento de pressão ao Irã, para que a pena de morte fosse anulada.
Aqui no Brasil, além de entidades de Direitos Humanos que organizaram abaixo-assinados para enviar aquele país, alguns parlamentares, como o Bispo Marcelo Crivella e o Pastor Marco Feliciano,discutiram o caso e cobraram do Ministério das Relações Exteriores que interviesse junto ao Irã, porém o governo da Presidente Dilma se mantém em silêncio em relação ao assunto.
A nota do Supremo Tribunal do Irã afirma que “devido a algum defeito no processo de Nadarkhani, seu caso foi enviado à corte local para ser revisado e completado em alguns pontos”, e determina que após a revisão do caso “para correção de detalhes e eliminação dos defeitos, o veredicto será emitido novamente, e se o réu recorrer, então o caso será enviado à Corte Suprema, onde a setença definitiva será publicada”.
Fonte: Gospel+

Pregador mirim Matheus Moraes, é entrevistado por Danilo Gentili, no “Agora é Tarde” da Band


No especial do Dia das Crianças do programa “Agora é Tarde”, da Band, Danilo Gentili entrevistou Matheus Moraes, um pregador mirim de 13 anos de idade. Matheus contou no programa que desde os 6 anos de idade prega em igrejas e que desde os 2 anos de idade, já demonstrava vocação para isso.
O apresentador contou no programa que encontrou o pregador mirim através da internet e mostrou um vídeo em que Matheus aparece gritando em uma de suas pregações nos Estados Unidos. “Eu tinha 8 ou 9 anos”, contou Matheus.
Gentili questionou se o pregador mirim não tinha medo de que no futuro, tivesse problemas nas cordas vocais. “Não, não! Aonde eu vou, as pessoas comentam que grito muito, que meu estilo de gritar é muito esquisito” afirmou Matheus, despreocupado. Na sequência dessa resposta, o apresentador questiona se os vizinhos ficam incomodados com a gritaria: “Não, né cara. Eu prego na Igreja, não em casa”.
Sobre as críticas de colegas e outras crianças de sua idade por sua escolha, Matheus afirmou que “tem gente que gosta, diz que devo continuar, e tem gente que fala isso é muito estranho”. Após ser questionado pelo vocalista da banda “Ultraje a Rigor”, que participa do programa, se ele dava importância às críticas, Matheus arrancou aplausos da platéia com sua resposta: “Eu costumo dizer que o elogio destrói mais do que a crítica, porque a crítica, ainda que seja doída, ela ajuda você a melhorar cada vez mais, e o elogio destrói o homem, que é a vaidade”.
“É exatamente por causa disso que a gente continua no ar”, brincou Gentili.
Assista a entrevista: