domingo, 6 de março de 2011

MEDITEM: As igrejas evangélicas estão crescendo, mas em qualidade ou apenas em quantidade?


Após ter lido a opinião de um leitor chamando os evangélicos de “Exércitos de alienados e fanáticos” o pastor e autor Ciro Sanches Zibordi refletiu em torno do grande crescimento numérico da Igreja evangélica no Brasil.
Hoje em seu blog, o pastor da Igreja Assembléia de Cordovil, RJ, escreveu que os evangélicos entusiásticos proclamam, “Em breve, o Brasil será predominantemente evangélico.” Mas ele diz que prefere ser “mais realista do que triunfalista.”
Para ele, há um número crescente de evangélicos que constam das estatísticas, “mas nunca viveram um Cristianismo genuinamente bíblico.”
“Ser Cristão, hoje, é ter privilégios e direitos; é ser senhor, e não servo; é encarar a obediência como uma virtude descartável,” disse ele.
Pastor Ciro demonstra sua preocupação citando uma publicação da Veja de 1994 que diz: “Está surgindo no país uma versão moderna, mais liberal e classe média do crente tradicional … esse novo evangélico é da pesada….”
“Temos valorizado extremamente a contextualização do Evangelho,” disse ele.
“Agimos como se fosse imperioso aculturar a nossa mensagem,” diz ele e critica o fato de “adaptar a mensagem do Evangelho à presente realidade.”
Segundo ele, esse é o argumento baseado na interpretação forçada de 1 Coríntios 9:22, “Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns.” E questiona, é “o Evangelho que muda culturas, ou estas que mudam aquele?”
Falando sobre o público a ser alcançado, Ciro diz que os jovens estão sendo priorizados em detrimento de outros “públicos,” e urge que o Evangelho deve atingir todos, não somente a juventude.
“Sabemos que é necessário atrair os jovens e adolescentes para o caminho do Senhor. Mas, e os velhos? E as crianças? Todas as pessoas são almas preciosas para Deus.”
Mencionando Mateus 5:13-16 e Filipenses 2:5, ele diz que quanto mais “nos igualarmos aos incrédulos, tanto mais será difícil os evangelizarmos. Não havendo identidade, nos tornamos imperceptíveis.”
O pastor enfatizou que o evangelho deve ser transmitido da maneira como as pessoas precisam ouví-lo e que seguir a Jesus não é apenas deter “título de Cristão.”
“Quando o Senhor chamou seus discípulos, disse a cada um: ‘Segue-me’ (Mt 8:22; Lc 5:27; 9:59; Jo 1:43), pois Ele não queria ter fãs,” disse ele afirmando que muitos o seguiram maravilhados por seus milagres, mas que depois o abandonaram, citando João 6:22-71.
A linguagem utilizada também é algo que o preocupa, explicando que a Bíblia ensina a ter uma “Linguagem sã e irrepreensível, para que o adversário se envergonhe, não tendo nenhum mal que dizer de nós (Tito 2.8).” Entretando ele advertiu que às vezes, “pronunciamos impropérios até em cima do púlpito.”
Com relação a música, Ciro comentou que a música secular erotizante “entrou com facilidade em nossos templos.”
“Algumas canções ditas cristãs sequer mencionam o nome de Jesus, e outras, não bastasse isso, possuem letras do tipo ‘quero sentir você me tocar,’ reforçadas por melodias voluptuosas.”
“Com a ascensão da chamada música gospel, o exibicionismo entrou em cena. Nossos púlpitos viraram palcos, e os cantores passaram a ser vistos como astros,” disse ele.
O pastor e autor tem esperança na união dos Cristãos em torno do “Evangelho da cruz, em prol de uma Igreja cheia do Espírito, avivada, perseverante na sã doutrina e mantenedora dos princípios verdadeiramente Cristãos.”
E deixou a sua pergunta ao final: “Ou será que já nos conformamos com este mundo?”
Fonte: Gospel+

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.