quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Senado exibe resultado das investigações sobre finanças de televangelistas famosos


Estados Unidos – Uma investigação do Senado sobre os gastos de seis tele-evangelistas foi concluída, na quinta-feira, com uma lista de preocupações e um apelo para a formação de um comitê consultivo federal para garantir que as organizações religiosas cumpram as leis.
Três anos após a divulgação do inquérito, o senador Charles Grassley, membro do ranking da Comissão de Finanças, divulgou uma análise das práticas dos populares ministros da mídia.
Segundo o relatório, apenas dois dos seis ministérios – o Ministério Joyce Meyer e a Igreja World Healing Center de Benny Hinn Healing – cooperaram plenamente com a investigação e até mesmo implantaram reformas financeiras.
“As reformas empreendidas pelo Pastor Hinn e Joyce Meyer são extensas e estão sendo elogiadas,” afirma a análise.
Enquanto isso, os outros quatro ministérios, não forneceram respostas ou forneceram respostas incompletas para as consultas feitas pelo Comitê Financeiro do Senado. Esses grupos incluem Igreja Changes World Church International de Creflo Dollar, a Igreja Batista New Birth Missionary de Eddie Long, o Ministério Kenneth Copeland, e a Igreja Without Walls Internacional Church – anteriormente pastoreada por ambos Randy e Paula White, que estão divorciados. A mega Igreja da Florida está sendo liderada por Paula White.
Apesar da sua falta de cooperação, nenhuma penalidade foi aplicada. Grande parte das informações detalhadas na análise dos ministérios foi obtida através de registros públicos e de terceiros, inclusive de membros. Mas pouco pôde ser confirmado sobre os salários e gastos atuais dos tele-evangelistas.
A investigação foi lançada em 2007, após Grassley receber solicitações de membros do público a revisar os seis ministérios por gastos abastados alegados e eventual abuso do estatuto de organização sem fins lucrativos. Os grupos também foram questionados pelos guardiões do ministério e da mídia.
Depois que a investigação foi divulgada, o escritório Grassley recebeu mais pedidos de pessoas em todo o país, solicitando investigações do congresso para outras Igrejas e organizações religiosas.
“O setor de isenção fiscal é tão amplo que de vez em quando, certas práticas despertam o interesse público,” disse Grassley em uma declaração quinta-feira. “Meu objetivo é ajudar a melhorar a responsabilidade e boa administração, assim os grupos de isenção fiscal mantém a confiança pública nas suas operações.”
Grassley observou que a política de isenção fiscal envolvendo Igrejas e organizações religiosas não tem sido observada pelo Congresso em décadas. E através da investigação, ele pretendia desencadear discussões em torno da transparência e responsabilidade entre todos os tipos de Igrejas e organizações religiosas.
“A matéria da análise prepara um cenário para uma ampla discussão entre as Igrejas e organizações religiosas. Espero ajudar a facilitar o diálogo e promover um ambiente de auto-reforma no seio da comunidade,” disse Grassley.
Enquanto a investigação do Senado recebeu o apoio de alguns grupos cristãos, mas também gerou protestos de outras pessoas, que temiam que o inquérito pudesse entrar indevidamente em questões teológicas.
Os seis tele-evangelistas pregam o que os críticos chamam de “evangelho da prosperidade,” que ensina que a riqueza de alguma forma é um sinal da bênção de Deus.
O Ministério Kenneth Copeland, que forneceu uma resposta insuficiente para o escritório de Grassley, argumentou que o inquérito foi uma violação da liberdade religiosa, uma invasão de privacidade e uma ameaça à separação entre Igreja e estado. O KCM, como o resto dos ministérios visados pela investigação, que manteve o pleno cumprimento de todas as leis.
A revisão de Grassley cita preocupações com a falta de supervisão governamental, independente ou denominacional, especialmente quando as Igrejas “podem chegar ao tamanho das grandes corporações tributáveis, controle numerosos das subsidiários tributáveis e não tributáveis, e conferem benefícios do tamanho de Wall Street aos de seus ministros.”
O relatório detalhou alguns dos ativos e práticas questionáveis de cada um dos ministérios, incluindo membros da família que detém todas as posições-chave e ocupando grande parte da assentos no conselho; generosos subsídios de alojamento que permitam a tele-evangelistas que viverem em casas de milhões de dólares; o uso pessoal de aviões de propriedade Igreja e de compensação aos familiares.
O relatório destacou que a isenção de impostos para as instituições religiosas é um privilégio e não um direito constitucional. Embora eliminar a exceção da Igreja seria mais provável para resistir ao escrutínio constitucional, relatório afirma que seria “sobrecarregar sem necessitar a grande maioria das Igrejas, particularmente aquelas que já estão com dificuldades financeiras” e também seria contrário à intenção do Congresso” – ou seja, a mínima interferência do IRS nas operações da Igreja.
“O desafio é encorajar a boa adestração e melhores práticas e assim preservar a confiança no setor de isenção fiscal, sem impor regras que inibem a liberdade religiosa ou são funcionalmente ineficazes,” disse Grassley.
Os assessores de Grassley recomendaram que o IRS patrocinasse um comitê consultivo composto por representantes de Igrejas e organizações religiosas, incluindo médicos ou outros especialistas, e que consideram apenas as questões relacionadas com as Igrejas e organizações religiosas.
“Acreditamos que essa comissão seria útil para facilitar um diálogo contínuo entre as Igrejas e organizações religiosas e o IRS.”
Grassley também pediu ao Conselho Evangélico de Contabilidade Financeira (ECFA), uma agência de acreditação, para analisar as questões levantadas no relatório. Em resposta, o ECFA formou uma comissão, independente nacional para conduzir uma revisão e fornecer informações sobre as principais responsabilidades e questões políticas que afetam as Igrejas e outras organizações religiosas.
Notavelmente, o Ministério Joyce Meyer se juntou ao ECFA em março 2009.
Fonte: Gospel+
Traduzido por Christian Post

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.