quinta-feira, 10 de junho de 2010

Anne Rice, famosa escritora convertida: “O vampiro é a metáfora para a pessoa que se sente separada de Deus”


Anne Rice, famosa autora de Entrevista com o Vampiro, confessa que não há paz sem Deus, em um novo vídeo no qual ela fala sobre seu retorno para a fé cristã.

Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel

Por 38 anos, Rice foi uma “atéia assombrada por Cristo,” ela afirma em um vídeo publicado recentemente “I Am Second”. Seus romances vampirescos eram a reflexão de sua luta interna ao viver num mundo sem Deus que ela criou.

O vampiro, diz ela, é a metáfora para o marginal e a pessoa que se sente separado de Deus.

Rice alcançou a fama e a riqueza através de seus romances vampirescos, mas ela estava cada vez mais insatisfeita internamente com “o mundo em que a salvação não era uma possibilidade,” compartilhou.

“E a razão para a insatisfação era simples: eu realmente acreditava em Deus,” ela afirma no vídeo. Eu não só acreditava nele, mas também o amava, e não estava admitindo isto.”

Rice foi criada em um lar católico quando criança, mas rejeitou sua fé quando fez 18 anos, com intuito de obter liberdade e buscar conhecimento.

“Eu achava que haviam tantas coisas proibidas para mim por ser Cristã… Eu sentia uma necessidade desesperadora de ser livre,” ela relembra.

No vídeo “I am Second”, Rice disse que ela foi relembrada repetidamente novamente e novamente “que enquanto você estiver negando Deus, não provará de nenhum descanso. Você não provará de nenhuma paz.”

“Você não pode se salvar através da arte. Você não pode se salvar através da música •. Você não pode fazê-lo viajando. Você não pode fazê-lo através da riqueza. “Todas as suas tentativas de se salvar e de transcender através de outros meios irão falhar mais cedo ou mais tarde. Você se salva ou Deus te salva, quando você se volta para ele.”

Após quase quatro décadas negando Deus, Rice afirmou que ela finalmente estava pronta para se entregar a Ele. Ela retornou a Igreja Católica em 1998.
“Eu deixei de lado as dúvidas,” ela comentou. “Imperfeitamente e arrependida, eu retornei.”

E voltar para Deus mudou tudo na vida dela. Em primeiro lugar, ela sente que não pode mais trabalhar com a metáfora do vampiro.

“Eu não sou mais uma pessoa em um mundo sem Deus, bem longe disso,” ela comenta.

No momento, Rice dedica seu tempo escrevendo livros que são “diretamente para Deus e dedicados a Jesus Cristo.”

“Eu mudei e eu tinha que fazer isso,” ela afirma com determinação. “Eu tinha que escrever para Ele.”

Seus livros cristãos incluem Cristo, O Senhor: A Saída do Egito; Cristo, O Senhor: O Caminho para Canã; e Angel Time: The Songs of the Seraphin.

Rice é a mais recente celebridade a propiciar uma testemunha em vídeo no “I Am Second,” um movimento que procura exaltar Cristo ao declarar que Ele vem em primeiro e nós vimos em segundo.

Outras celebridades que propiciaram testemunhas incluem o ex-treinador do NFL Indianopolis Colts, Tony Dungy; o ex-guitarrista/co-fundador da banda de metal Korn, Brian “Head” Welch; e o defensor externo da liga principal de baseball do Texas Rangers, Josh Hamilton.

E3 Partners Ministry lançou uma campanha de alcance popular em 2 de dezembro de 2008, na área Dallas-Fort Worth. A campanha foi inicialmente destinada a atingir somente aqueles no norte do Texas, mas assim que o website foi lançado, rapidamente se tornou viral. Até agora, a campanha recebeu mais de dois milhões de visitas para seu website, provindas de mais de 211 países.

Na Web: www.iamsecond.com

Fonte: Christian Post / Gospel+
Via: Pavablog

Teologo e ex-aliado do PT: “A Marina [Silva] é o Lula melhorado”


Aliado de Lula em suas cinco campanhas presidenciais, o teólogo Leonardo Boff será a estrela da festa de lançamento da candidatura de Marina Silva (PV) ao Planalto, amanhã, em Brasília.

Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel

Ele subirá ao palanque com uma mensagem incômoda ao PT: defenderá que a senadora, e não a petista Dilma Rousseff, é a sucessora natural do presidente.

“A Marina é o Lula melhorado. Tem a mesma origem popular, mas soube pôr o foco na questão ambiental junto com a social”, disse à Folha de Petrópolis (RJ), onde vive, por telefone.

Símbolo da Teologia da Libertação, uma das raízes do PT, Boff defenderá o voto na senadora como opção de continuidade ao petismo.

“Não me sinto distanciado do Lula, porque acho que a sucessora natural dele seria a Marina. Acho triste que ela tenha deixado o PT. Se fosse candidata do partido, venceria no primeiro turno”, disse.

“Dilma é ligada a projetos importantes, mas não existe nela a dimensão de um conhecimento que seja ligado a questões tão diversas como as que temos hoje. Apoio Marina por imperativo ético.”

Ligado à causa ecológica, ele admitiu que a senadora tem pouca chance de vitória. “De qualquer maneira ela ganhará, por impor a ecologia como tema importante na eleição”, afirmou.

O reforço do pensador católico é visto no PV como antídoto às críticas que Marina vem sofrendo pela aproximação com líderes evangélicos de perfil conservador.

Os verdes temem perder espaço com o eleitorado progressista de classe média, que reagiu mal às suas declarações contra a legalização do aborto e o casamento gay.

Fonte: Folha de São Paulo / Gospel+

Jobson, de volta ao futebol, depois de ser suspenso por usar drogas: “Meu psicólogo é Deus”


Disputado por Flamengo e Botafogo, Jobson não a vê a hora de ser anunciado por um dos dois clubes cariocas. O atacante está treinando regularmente com o time B do Brasiliense na expectativa de decidir o seu futuro até esta sexta-feira. Em meio a reuniões com o presidente do Jacaré, Luis Estevão, e com o empresário Antenor Joaquim, ele não estabeleceu preferência pelo Rubro-Negro nem pelo Alvinegro. Mas deseja dar a volta por cima no Rio de Janeiro.

Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel

- Estou mais experiente e maduro. A minha cabeça se encontra bem melhor. Agora vou pensar antes de agir. Passei a ser uma pessoa totalmente de Deus – afirmou o atacante, que se converteu a uma igreja evangélica.

Flagrado em dois exames antidopings nas últimas rodadas do Campeonato Brasileiro do ano passado, Jobson foi punido com seis meses de suspensão pelo STJD, em segunda instância, por uso de cocaína. O gancho do jogador termina no próximo dia 20 de julho, e ele acha que não demorará muito a entrar em forma.

- Estou bem fisicamente. Só preciso de três ou quatro jogos para ganhar ritmo de jogo – declarou.

Para os céticos, Jobson garante que está livre das drogas e não precisa de acompanhamento médico.

- Meu psicólogo é Deus. Nunca mais usei drogas. Também não bebo mais cerveja nem vinho. Só refrigerante, que também quero parar porque faz mal.

O jovem atacante, de 22 anos, tem contrato com o Brasiliense até dezembro de 2012. No entanto, Botafogo e Flamengo pretendem adquirir 60% dos direitos federativos do atleta. Ambos os clubes estudam colocar uma cláusula no contrato do jogador, caso ele volte a usar drogas.

Fonte: Globo Esporte / Gospel+

Imagem de Jesus no ventre materno causa polémica


As Igrejas protestantes estão fazer uma campanha para promover o Natal, através de uma imagem de uma ecografia de Jesus no ventre materno, coroado com uma auréola, noticia o «Daily Mail».
A imagem, onde se lê «Ele está a caminho», está a gerar polémica, pois alguns grupos acreditam que pode mergulhar a Igreja num aceso debate contra o aborto.
«É o tipo de imagem usado pelos activistas anti-aborto e espero que a Igreja de Inglaterra não esteja a tentar usar o poster de campanha de Natal para marcar uma posição política», afirmou Terry Sanderson, da Sociedade Nacional Secular.
No entanto, o director da Sociedade Protectora das Crianças Não Nascidas, manifestou desejos que a imagem funcione como uma mensagem contra o aborto.
«Esta imagem envia uma mensagem poderosa a toda a gente na Grã-Bretanha, onde 570 bebés são mortos todos os dias no ventre materno, sob a lei do aborto. Cada vez que matamos uma criança num aborto, estamos a matar Jesus», defendeu.

TVI24/Notícias Cristãs


Anglicanos oram pela Copa

Por iniciativa do bispo de Croydon (a 14 Km de Londres), Nick Baines, torcedor do Liverpool, a Igreja Anglicana da Inglaterra compôs três orações para a Copa do Mundo de Futebol na África do Sul, num conjunto em que Deus é apresentado como um futebolista que brinca com o cosmos.
Mais da metade dos ingleses rezam em algum momento “e todo o mundo vai ser afetado pelo Mundial da África do Sul de um modo ou de outro. Por isso tem sentido dispor de algumas orações para quem as quiser usar”, entendem líderes da Igreja Anglicana.
“Senhor de todas as nações, que brincaste com o cosmos, dando-lhe vida, guia, guarda, protege a todos os que trabalham ou jogam no Mundial da África do Sul. Faze com que todos encontrem nessa competição um motivo de celebração, uma experiência comum de humanidade e uma crescente atitude de generosa esportividade para com os demais”, reza o texto de uma dessas orações.
A Copa do Mundo será aberta no dia 11 de junho, às 11h, no horário de Brasília, no Estádio Soccer City, em Johanesburgo, a maior cidade do país, quando a seleção da África do Sul enfrentará o México.

ALC/Notícias Cristãs


12 crianças morrem em culto para dar sorte


Ponte suspensa não aguentou o peso de adultos e crianças que participavam de um ritual para acabar com uma epidemia de sarampo.

Uma ponte caiu na Indonésia deixando 12 crianças mortas no domingo (6). Elas participavam de uma cerimônia tradicional para afastar maus agouros.
O chefe da polícia local Ibnu Hasyim disse que “37 crianças se juntaram em uma ponte suspensa por cabos quando entrou em colapso e elas caíram em um rio”.
Todas as crianças acidentadas tinham menos de 12 anos de idade. 25 crianças foram resgatadas com ferimentos menores, mas as outras 12 não resistiram à queda de dois metros e foram levadas pela forte correnteza do rio.
As crianças observavam uma cerimônia para afastar má sorte depois que uma epidemia de sarampo tomou conta do vilarejo.
Adultos jogavam galinhas como oferendas no rio para os deuses, mas parece que isso não bastou e a cerimônia acabou contando com o sacrifício humano involuntário.
Agora é esperar para ver se o pessoal que sobrou vai ficar livre do azar de agora em diante.

Virgula/Notícias Cristãs

Encontrados objetos de culto de 3,5 mil anos dentro de pedra


Especialista mostra escultura de um rosto que era utilizada em cerimônias religiosas na Idade do Bronze, em Jerusalém.
Autoridades responsáveis pela conservação de antiguidades de Israel apresentaram nesta segunda-feira um rosto em cerâmica datado do período conhecido como a idade do Bronze (3.300 a. C. até 700 a. C.) que foi encontrado dentro de uma pedra oca. O objeto foi achado durante escavações de um gasoduto na região de Tel-Qashsish.
O rosto, que arqueólogos estimam ter cerca de 3.500 anos de idade, era usado durante cerimônias religiosas. Junto a ele foram encontrados uma centena de vasos antigos.

AP/Notícias Cristãs


Mulher de Kaká grava música para homenagear o craque


Caroline Célico sem dúvida é uma das mulheres mais invejadas do mundo. Casada com Kaká, um dos bonitões da Seleção Brasileira e destaque da Copa do Mundo da África do Sul, ela concedeu uma entrevista à coluna de Mônica Bergamo, do jornal Folha de São Paulo, pouco antes de o jogador partir para o mundial.
Entre os assuntos abordados, Caroline contou que está muito feliz por ter conseguido gravar um CD com músicas gospel (que está finalizando), no qual inclusive tem a participação de Claudia Leitte. Do repertório escolhido, nove músicas são regravações e duas compostas pela própria Caroline, uma delas é para o filho Luca, de 2 anos.
Uma das surpresas também é uma carta escrita por Kaká e transformada em música por Caroline para o seu casamento em 2005. Trechos revelam o quanto o jogador é romântico. "Busquei você no altar de Deus/Recebi você das mãos de Deus/Eu busquei você no altar de Deus/Mais do que sonhei veio de Deus".
Já sobre o casamento... Caroline conta como lida com a distância do marido durante as disputas e cogita viajar para a África, caso o Brasil seja finalista.
"Falamos todos os dias por telefone, eu mando vídeos do Luca pra ele. Esta é a terceira Copa em que acompanho o Kaká. Em 2002, estávamos começando a namorar. Em 2006, na Alemanha, ia direto, porque morava em Milão, era ponte aérea. Pra África é mais complicado", disse ela, que mesmo assim pensa em viajar para o continente caso o Brasil chegue à final.

OFuxico/Notícias Cristãs


Alckmin se encontra com pastor da Assembleia de Deus em SP

O pré-candidato do PSDB ao governo do Estado, Geraldo Alckmin, foi recebido na manhã desta segunda-feira pelo presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil, pastor José Wellington, na zona leste de São Paulo. Acompanhado do pré-candidato do PMDB ao Senado, Orestes Quércia, Alckmin permaneceu no local por cerca de 40 minutos, onde acompanhou parte da reunião dos obreiros da igreja.
Wellington chegou a ser cogitado para a suplência na chapa de Orestes Quércia, porém a vaga será ocupada pelo vereador Antonio Goulart (PMDB). A segunda suplência ficará com o secretário-geral do PMDB de São Paulo, Airton Sandoval. Nesta segunda-feira, os dois conversaram sobre política, em uma sala da igreja.
No próximo domingo, o PSDB paulista realiza a sua convenção estadual, que lançará o nome de Alckmin ao governo paulista. O evento acontecerá no mesmo horário da convenção nacional do PT, que ocorre em Brasília.
O pré-candidato do PSDB à presidência da República, José Serra, comparecerá à convenção ao lado de Alckmin. A candidatura de Serra será oficializada em evento nacional no sábado, em Salvador.

Terra/Notícias Cristãs


Pastor de Rondônia cai com 40 kg de crack


Um pastor evangélico de 48 anos, natural de Rondônia, foi detido com outros seis homens, sendo dois deles potiguares, cujos nomes foram preservados, com 40kg de crack em uma casa da Avenida Casa Grande, no bairro de Novo Horizonte, em Ceará-Mirim, região metropolitana de Natal, por volta da 0h do domingo. Esta é a maior apreensão feita do entorpecente este ano no estado. Segundo o delegado regional executivo da Polícia Federal no Rio Grande do Norte, Sandro Caron, a droga pode ter vindo da Bolívia e iria abastecer a Grande Natal com até 80 mil pedras de crack. O material foi encontrado em garrafas PET dentro dos tanques de combustível de dois veículos.
O delegado conta que a PF vinha fazendo um trabalho de monitoramento de pontos de venda de drogas em Ceará-Mirim há cerca de um mês. No último sábado, agentes teriam visto os cinco acusados rondonenses conversando com um natalense, que é irmão de um traficante preso ano passado pela PF, em uma pousada da cidade. Além da movimentação, Sandro Caron revela que o cheiro de combustível forte chamou a atenção dos policiais. "Já tínhamos uma experiência anterior em que encontramos drogas dentro de tanques, então aumentou ainda mais a suspeita". Com isso, duas equipes passaram a monitorar o grupo até a casa de um sétimo acusado, morador do bairro Novo Horizonte.
A espera durou até as 0h do domingo, quando os dois veículos deixaram o local e o grupo foi então abordado pelos policiais. "Na mesma hora, eles confessaram que estavam transportando drogas". Os seis acusados revelaram que os entorpecentes estavam de posse do dono da casa. Ao ser questionado sobre os tóxicos, o proprietário da residência mostrou à polícia as garrafas PET contendo 40 kg de crack. "Os acusados disseram que trouxeram o material escondido nos tanques de combustível dos dois veículos".
Segundo Sandro Caron, o proprietário da casa admitiu que seria responsável por guardar a droga em sua residência. O delegado conta ainda que um dos rondonenses, que se identificou como pastor evangélico, sem informar a que denominação pertence, disse que foi o responsável pelo transporte dos entorpecentes, desde seu estado de origem. "E todos os que o acompanhavam sabiam que havia esse material nos carros". Ele acredita ainda que o natalense, que mora na Zona Norte da capital, seja a pessoa que adquiriu a carga e, possívelmente, iria distribuir pela cidade e municípios vizinhos. "Essa quantidade pode alcançar até 80 mil pedras de crack".
O delegado diz que as investigações devem continuar para apurar a origem da droga. "Pelo fato de fazer fronteira com Rondônia, acreditamos que o material tenha vindo da Bolívia". Sandro Caron afirma que ainda não foi possível checar se os rondonenses possuem algum antecedente criminal. Enquanto isso, os acusados foram transferidos para uma penintenciária estadual, cujo nome não foi informado. Eles foram autuados pelos crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico. Se condenados, poderão cumprir pena por 15 anos de prisão.

Anterior
Este ano, a PF já tinha feito outra apreensão de grande quantidade de crack na Grande Natal. Em 13 de abril, na Comunidade Santo Antonio, em São Gonçalo do Amarante, uma quadrilha composta por dois potiguares, um paulista e um matogrossense foi detida com a qual foram apreendidos 30,9 kg da droga. Com esses acusados, foram encontrados ainda R$ 10.850 reais em espécie, duas balanças de precisão, 10 celulares, duas pistolas 380, 21 cartuchos de igual calibre e quatro veículos de luxo: um land rover, um audi, uma S10 e um Polo.

Diário de Natal/Notícias Cristãs


Lula critica políticos que têm vergonha de usineiro e evangélico


Em discurso realizado nesta segunda-feira, em Brasília, durante evento para apresentação do Plano Agrícola e Pecuário 2010-2011, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou políticos que querem o apoio de usineiros durante as eleições, mas que, depois de eleitos, não dialogam mais com os empresários.
"Eu não preciso dizer que não tem nenhum governo que tratou vocês como eu tratei, inclusive recuperando a cidadania. Cidadania que havia sido perdida porque, por interesses eminentemente políticos, tinha governante que tinha vergonha de usineiro. Não tinha vergonha possivelmente de pedir dinheiro pra campanha, mas tinha vergonha de dizer que eram amigos de usineiros", disse. "Da mesma forma que tem político que tem vergonha de evangélico. Antes das eleições, todo evangélico é bom, mas depois das eleições, se puder, não recebe porque significa atraso", afirmou.
Lula disse que, com ele, "não tem essa história". "Não é possível governar um País desse tamanho com duas caras. Ou você se mostra e faz as coisas do jeito que têm que ser feitas, ou o Brasil não poderia dar certo. E todos nós somos testemunhas de que o Brasil está dando certo", afirmou.
O presidente disse "não ter vergonha" de defender "em qualquer país do mundo" os produtos nacionais, o empresariado brasileiro. "Não tenho vergonha nem demérito nenhum. Sinto orgulho de defender as coisas que esse País faz", afirmou.

Terra/Notícias Cristãs


Mulher de Kaká proibe jogador de fazer fotos vestindo só cueca


Os jogadores Muntari, Donovan, Kaká, Eto'o e Pato, que podem jogar a Copa de Copa 2010, em ensaio para a 'Vanity Fair' de junho.
O ensaio sensual publicado pela Vanity Fair com jogadores de futebol vestindo somente cuecas causou um furor entre aqueles que admiram os astros do esporte. O que ninguém havia entendido era o motivo de o brasileiro Kaká ser o único a vestir calça jeans nas fotos. De acordo com a coluna Gente Boa, do jornal O Globo, quem proibiu o rapaz de mostrar um pouco a mais foi sua mulher, Caroline Celico.
Em entrevista à revista Joyce Pascowitch, de junho, ela, que é pastora evangélica, disse que não permitiu o marido posar somente de cueca por achar que este tipo de conteúdo é exclusivo dela. Na mesma edição, Alexandre Pato e Samuel Etoo usam somente roupas íntimas, enquanto Kaká aparece com um jeans de cintura baixa.

Terra/Notícias Cristãs


quarta-feira, 9 de junho de 2010

Diante do Trono: Ana Paula Valadão conta de experiência com o Espírito Santo que os deixou literalmente embriagadosd


A líder do ministério de louvor e adoração Diante do Trono, Ana Paula Valadão, publicou ontem, dia 7 de junho, um novo texto em seu blog oficial. No texto, Ana conta experiências que tem passado junto do Ministério e como Deus os tem feito retornar a coisas antigas.

Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Biblia Online

Ana conta de experiências do passado e presente que marcaram a vida de todos do Diante do Trono nas duas últimas cidades em que eles se apresentaram: Londrina e Presidente Prudente.

Uma história em especial sobre Londrina é muito curiosa. Ana conta que no início da história do Ministério Diante do Trono, uma apresentação nesta cidade foi muito especial, chegando a ter, ao final, palmas de 12 minutos ininterruptos para louvar a Deus. Ela contou ainda no texto que sentia que a experiência com Deus era densa e que, ao receberem a notícia que seu vôo tinha sido cancelado, os integrantes do ministério se reuniram no saguão do hotel e lá oraram. Ana Paula Valadão conta que durante este momento sentiam-se como estivessem embriagados – efeito, segundo a cantora, da palpável presença de Deus. Um dos membros do ministério, inclusive, teve de ser carregado para entrar no avião: “Digo isso literalmente, pois alguns de nós foram tão cheios do Espírito, como um dos nossos trompistas, que teve que ser sustentado para entrar no avião, e de óculos escuros, porque estava completamente bêbado! Tínhamos receio de que não o deixassem entrar no vôo, mas deu tudo certo!”.

O texto ainda mostra como o diante do Trono apresentou-se em Presidente Prudente. A cantora fala que tudo começou a partir de uma fraude – um homem apresentou-se como representante do Diante do Trono e marcou lá um show. A verdade apareceu apenas quando 4mil ingressos já estavam vendidos. Apesar de o próprio ministério ter ido a público para falar que não havia sido culpa do pastor que contratou o evento, muitas pessoas o caluniavam. Um cancelamento de um show em Curitiba permitiu que Ana e o Ministério se apresentassem na cidade. Segundo ela, foi uma evento lindo.

Confira abaixo o texto de Ana Paula Valadão na íntegra, retirado do seu Blog Oficial:

Oi pessoal,

As viagens deste fim de semana foram muito abençoadas!

Ao nos aproximarmos de Londrina o Espírito Santo trouxe ao meu coração que era para voltarmos a marcos antigos, um tempo de renovo da fé. Nesta cidade, logo no começo do nosso ministério, tivemos experiências marcantes com Deus. Lembro-me, por exemplo, de um momento de palmas que duraram 12 minutos ininterruptos ao Senhor Jesus! Sua presença era tão sensível, podíamos como que tocá-Lo, e sem que eu comandasse isso, as palmas e glórias a Deus subiam ao céu sem parar. Foi uma experiência maravilhosa e inesquecível! Também me lembro de um momento em que nosso vôo foi cancelado e então fomos orar juntos, já que estávamos todos prontos, no saguão do hotel. Arrumamos uma sala e ali fomos embriagados da presença de Deus. Digo isso literalmente, pois alguns de nós foram tão cheios do Espírito, como um dos nossos trompistas, que teve que ser sustentado para entrar no avião, e de óculos escuros, porque estava completamente bêbado! Tínhamos receio de que não o deixassem entrar no vôo, mas deu tudo certo!

Desta vez o que vai me marcar a memória foram duas situações que vivi. Uma, foi a visita que fiz `a Prefeitura. O prefeito se converteu ao Senhor Jesus e neste feriado convocou um jejum de 3 dias e 3 noites em seu gabinete. Foi emocionante entrar ali ouvindo os louvores. No gabinete havia pastores e outros irmãos em Cristo e pude louvar a Deus, orar e compartilhar uma palavra com eles, que já estavam ali há quase 24 horas buscando a face do Senhor em favor da cidade. Lembrei-me de outras Prefeituras que já visitei onde o que se via era a consagração a demônios, e outras que já estavam sendo alcançadas pelo Evangelho e as histórias sobre um passado de trevas. Glorifiquei a Deus por poder participar de algo tão lindo!

A segunda experiência marcante foi o momento do apelo. Eu repeti o convite para entrega da vida a Cristo, pois eram tantas mãos erguidas que pensei que as pessoas tivessem se enganado e levantado as mãos sem compreender bem o que eu havia dito. Mas elas voltaram a erguer as mãos, uma verdadeira multidão se entregou a Jesus pela primeira vez ou se reconciliou com o Pai. Foi muito impactante! Eu teria outras tantas para dividir com vocês (como o fato de termos “ensaiado” para Barretos, ministrando em uma arena de boiadeiro; a chuva que ameaçava as pessoas de não irem, mas elas foram assim mesmo!), mas este post ficaria muito extenso!

Presidente Prudente foi um presente de Deus! Eu estava especialmente feliz por Deus ter nos ajudado a reverter algo terrível que tinha sido feito pelo inimigo ali. Uma pessoa se passou por representante do DT e fechou um contrato com um pastor para fazer um evento nosso. Já haviam vendido 4 mil ingressos quando ficamos cientes do golpe e ligamos para o pastor, que chorou muito. Devolveram todo o dinheiro. Ele foi caluniado na cidade, e até escrevemos uma nota no jornal para justificá-lo, mas sabemos que infelizmente seria difícil para ele recuperar-se de todas as consequências. Ele e seu filho, que é querido por ser ex-aluno do CTM, trabalham com crianças carentes, o Projeto Esperança, e um dos propósitos era levantar recursos para o Projeto. Quando o produtor do evento de Curitiba nos ligou dizendo que estava com dificuldades, Deus nos ilunimou e passamos a data disponível para Presidente Prudente. Foi um presente de Deus! O evento foi lindo, e me marcou também termos ficado tão próximos das pessoas, pois o palco foi montado perto das arquibancadas em um estádio de futebol. Parecia uma “parede humana” `a nossa frente, e as pessoas estavam com o coração muito aberto para Deus!

Agora é continuar com os preparativos para a gravação. Por favor, nos ajudem orando por nós e abençoando as nossas vidas!

Fonte: Gospel+
Com informações do blog oficial de Ana Paula Valadão e do portal Guia-me

Mais um Bispo deixa a Igreja Renascer. Toda a banda Resgate se desliga da denominação


Na noite do último domingo, 6 de junho, o Bispo Hamilton ex-líder da Regional Recife se desligou da Igreja Renascer em Cristo. Hamilton faz parte da banda Resgate e após o desligamento dos demais membros da banda, resolveu sair.

Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel

Em pleno culto de domingo, o bispo Gê ao lado de Hamilton informou o motivo da saída, segundo ele foi uma “direção de Deus” e que o ex-líder voltará para São Paulo debaixo do chamado do Senhor. Bispo Gê e a igreja os abençoaram e declararam seu amor e gratidão.

Os novos líderes da regional Recife são Bispo Daniel e Pastora Raquel. Pouco falado Daniel e Raquel são líderes de muito respeitado nas igrejas em que passaram, sempre tomam à frente de pequenas regionais e conseguem erguê-las. No último sábado, 5 de junho, Daniel foi recebido pelo Apóstolo Estevam como bispo estadual.

Pelo twitter o apóstolo Estevam Hernandes conversou com um usuário do serviço sobre o caso e as saídas de outros bispos. Na conversa o líder da Renascer afirma “não dá para entender”. Veja abaixo o diálogo:

Pergunta de Renascer Carlos: e verdade que o hamilton saiu? mais um dizendo q foi direção de deus?

Resposta de Apóstolo Estevam: vai saber ,Ne ?? vc sabe que is corações mudam ,mal. 3:6

Renascer Carlos: rs vai saber hahaha verdade, esse deus está muito confuso sei lá, fico com um pé atras, um sai em pleno jejum…só Deus rs

Apóstolo Estevam: verdade não da pra entender , mas jejum purifica

Renascer Carlos: cm o senhor fala sempre o homem muda…quem fica atrás de homens sempre se machuca e volta…vi vários casos já…

Apóstolo Estevam: verdade por isso devemos olhar p Jesus autor e consumador da fe

Renascer Carlos: sim, aprendi com o senhor, por isso q devemos dar graças a Deus pela sua vida. Mais do que um lider, um pai.

Apóstolo Estevam: Tê amoo

O bispo Doriva da Igreja Renascer regional Rio de Janeiro falou sobre o assunto no twitter. Leia abaixo:

Pergunta de Renascer Carlos: bp vc ñ está pensando em sair da Renascer né? Tá uma moda falar de direção de deus… hahaha abraços

Resposta Bispo Doriva: irmão eu sou devedor, jamais passou pela minha cabeça, sou RENASCER ATÉ MORRER, c mto orgulho e modismo sao p fracos. A direção de Deus p minha vida vem do apostolo Estevam como disse sou devedor, bjos

Em abril e maio o Gospel+ entrou em contato com a Igreja Renascer pedindo a confirmação da saída de vários bispos da denominação. A igreja afirmou que só o Bispo Zé Bruno e mais dois haviam deixado a denominação em todo o ano de 2010. Hoje nos bastidores da igreja já se falam em quase 20 bispos de todo o Brasil com a saída já confirmada da Igreja Renascer para entrar ou fundar outra denominação, 10 integrantes do ministério de louvor Renascer Praise foram para a Assembléia de Deus e vários outros membros e pastores já deixaram a denominação fundada por Estevam e Sônia Hernandes.

Em entrevista exclusiva para o Gospel+ a banda Resgate revelou antecipadamente a saída de todos os membros da banda. Confira a entrevista com a banda Resgate na integra.

Fonte: Folha Renascer / Gospel+

Presidente Lula afirma: “Antes das eleições, todo evangélico é bom”


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta segunda-feira que o sucesso internacional de empresas e setores econômicos brasileiros se deve ao empenho de seu governo em defender os interesses do país no exterior.

Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel

Ele também acusou governos passados de não fazerem o mesmo.

“[O Brasil] está dando certo porque eu não tenho vergonha de chegar em qualquer país do mundo e defender o algodão brasileiro, defender a cana e o álcool brasileiro, defender a soja, o milho e o empresário brasileiro.

Não tenho nenhuma vergonha, muito menos demérito. Sinto orgulho de defender as coisas que esse país faz”, disse Lula, durante anúncio do Plano Safra 2010/2011, na sede da Embrapa, em Brasília.

Lula disse que foi o governante que mais tratou com respeito os produtores de álcool e criticou governos políticos que só se aproximam dos usineiros com interesses eleitorais.

“Neste país, por interesses eminentemente políticos, tinha governante que tinha vergonha de usineiro. Não tinha vergonha possivelmente de pedir dinheiro para campanha, mas tinha vergonha depois de dizer que era amigo de usineiro.”

O presidente também criticou políticos que se aproximam dos evangélicos apenas em época de eleições e disse que não tem “duas caras.”

“Tem político que tem vergonha de evangélico. Antes das eleições,todo evangélico é bom. Depois das eleições, se puder não recebe porque significa atraso. Comigo não tem essa história.

“Não é possível governar um País desse tamanho com duas caras. Ou você se mostra e faz as coisas do jeito que têm que ser feitas, ou o Brasil não poderia dar certo. E todos nós somos testemunhas de que o Brasil está dando certo”, afirmou.

Recentemente o presidente Lula visitou o Missionário R. R. Soares para pedir apoio da Igreja Internacional da Graça a candidata Dilma Rousseff que nesse período pré-eleição já visitou eventos de diversas religiões diferentes, inclusive evangélicas. O pré-candidato José Serra recentemente financiou e participou do evento Gideões Missionários da Última Hora da Igreja Assembléia de Deus.

Fonte: Folha e Gospel+

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Carol Celico, pastora da Renascer, sobre Sônia e Estevam Hernandes: “eles são os líderes da igreja, e não da minha vida”

Caroline Celico, mulher do craque brasileiro Kaká, diz que já viu o marido entrar em campo morrendo de febre e sem reclamar; pastora, ela vai lançar um CD e um DVD

Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel

Na quarta-feira, enquanto o craque Kaká chutava a bola pela primeira vez na África, no penúltimo amistoso antes da Copa, a mulher dele, Caroline Celico, 22, entrava em estúdio em São Paulo para finalizar seu primeiro -e talvez único- CD. “Estou também fazendo um DVD. Mas ainda é surpresa.”

São nove regravações de músicas gospel, duas de sua própria lavra (uma para o filho, Luca, 2, e outra que gravou com Claudia Leitte) e -surpresa!- uma carta que Kaká escreveu para ela e que musicou para a cerimônia do casamento deles, em 2005.

“Eu busquei você no altar de Deus/Recebi você das mãos de Deus/Eu busquei você no altar de Deus/Mais do que sonhei venho de Deus”, diz a letra de Kaká.

Na semana passada, a mulher do craque se encontrou com a repórter Lígia Mesquita num café em São Paulo para uma conversa rara (ela quase nunca atende jornalistas e prefere responder a perguntas por e-mail). Chegou ao encontro dirigindo um jipe Toyota, calçando sapatilhas Chanel que trocou por saltos Louboutin antes de desembarcar. Tomou apenas café com leite.

Responde a uma das perguntas, sobre a lesão de Kaká, com outra: “Você quer mesmo que eu fale sobre isso?”. “A maioria dos atletas tem lesões o tempo todo. Ele se tratava de manhã, de tarde e de noite.” Sem reclamar. “Uma coisa que admiro no Kaká é a responsabilidade, o quanto ele mostra pra mim e pra família que está bem, que vai superar. Muitas vezes já vi ele entrar em campo com 40 graus de febre. Ele tá gripado, com dor, e joga. Tenta o máximo que pode.”

“Falamos todos os dias por telefone, eu mando vídeos do Luca pra ele. Esta é a terceira Copa em que acompanho o Kaká. Em 2002, estávamos começando a namorar. Em 2006, na Alemanha, ia direto, porque morava em Milão, era ponte aérea. Pra África, é mais complicado.”

Caroline diz que “apagou” da memória quase tudo o que aconteceu na Alemanha, quando o Brasil foi derrotado nas quartas de final pela França. “Eu estava lá [na partida], com meus sogros, meus pais, meu irmão. Quando começou o jogo, eu já comecei a chorar. Eu olhava pra minha sogra e dizia: “Acho que não vai dar, vamos perder. E o Kaká?”. É muito triste ir pra lá e perder.”

Neste ano, se o Brasil for para a final, “e, se Deus quiser, vai”, ela pensa em viajar à África para acompanhar o jogo. “Assisto a todos”, diz Caroline. “Nos pênaltis, tenho aflição e viro pro outro lado. Só dou uma olhada quando a bola entrou.”

Em março, o então técnico do Real Madrid, Manuel Pellegrini, tirou Kaká de campo no meio de um jogo da Copa dos Campeões. Ela não aguentou. Publicou um protesto no Twitter em que o chefe do marido era chamado de “covarde”. “Encaminhei uma mensagem de outra pessoa e na mesma hora pensei em tirar. Foi sem querer. Foi um momento de uma esposa, torcedora, ao ver o marido sair num jogo tão importante. É difícil pra qualquer um.”

Em cinco anos de casamento, essa foi uma das raras vezes em que Caroline fez um gol contra. Filha do empresário Celso Celico e de Rosangela Lyra, representante da Dior no Brasil, ela foi criada para ser princesa. Estudou no colégio britânico St. Paul’s. Aos sete anos, foi matriculada pela avó num curso de culinária e aprendeu a fazer “um linguado ao forno que o Kaká adora”. Fez curso de gastronomia na Le Cordon Bleu, em Paris. Aprendeu a tocar piano, “o sonho do meu avô”. Aos 15, começou a namorar Kaká. Casou-se três anos depois -segundo diz, ainda virgem.

Sempre frequentou a igreja com a mãe, católica fervorosa. Já namorando Kaká, entrou para a igreja Renascer, evangélica, que ele segue. Foi um desgosto para a mãe. “Ela gostaria que eu continuasse no caminho que tinha me ensinado. Mas essa história de que teve uma rixa entre nós não é verdadeira.”

“Desde pequena, eu achava lindo em filme quando as famílias davam as mãos, aquela coisa do “Thanksgiving” [Dia de Ação de Graças], e agradeciam nas suas palavras a Deus.” Ainda acha “lindo” e, por isso, Caroline e Kaká sempre oram antes das refeições.

“Você vai querer falar sobre isso mesmo?” pergunta mais uma vez. O assunto é a prisão da bispa Sônia e do apóstolo Estevam Hernandes, líderes da Renascer, detidos nos EUA há três anos com dólares na Bíblia. “Faz tanto tempo… nem lembro.”

“A primeira igreja evangélica que eu frequentei foi a Renascer. E sou muito grata por tudo o que [Sônia e Estevam] já me mostraram e ensinaram, de acordo com a Bíblia. Mas eles são os líderes da igreja, e não da minha vida. Quem lidera minha vida é Deus e o que leio na Bíblia.”

Há cerca de um ano, ela foi “consagrada” ou “separada” para ser pastora “dentro do reino de Deus”. Montou um grupo semanal de estudos da Bíblia em Madri, onde vive hoje. “Não é para abrir igreja”, diz. “As pessoas podem não entender [o que é uma pastora]. Uns acham que é ridículo, outros acreditam em lavagem cerebral ou que [os pastores] pedem dinheiro. Prefiro que falem que eu sirvo a Deus. Pastora, freira… cada um dá um nome. Sou uma serva.”

É ela quem cuida da rotina doméstica. “Não posso cobrar do Kaká coisas que outra esposa cobraria do marido. Ele tem desgaste físico. Não posso querer que, de madrugada, levante e troque fralda. Estou acostumada a poupá-lo para que ele descanse e o corpo esteja bem.”

Quando morava em Milão, na época em que Kaká jogava no Milan, chegou a trabalhar “com eventos” e a organizar um casamento em parceria com a cenógrafa Chris Ayrosa. Em Madri, leva o filho para parquinhos, cuida da casa e faz “um pouco de ginástica”. Quer fazer um curso de sommelier. “Não sei beber vinho, mas acho uma cultura linda.” O casal “adora” sair com os amigos “para jantar e ir a shows”, como o de Alicia Keys.

A ideia do CD surgiu em meio a orações. “Minha sogra, Simone, fazia uma reunião com mulheres em Milão. A gente lia a Bíblia e orava. Começamos a colocar louvor, a cantar. Partiu daí a vontade de fazer o CD.” Mas Caroline, que, além de piano, arranha o violão e fez aulas de canto antes de gravar, diz que não pretende seguir carreira. “Estou fazendo esse CD para dar de presente. Não vou vender. Vou colocar num site e as pessoas poderão baixar todas as músicas.”

Fonte: Folha Ilustrada / Gospel+

Apóstolo Estevam Hernandes se emociona e admite precisar de um milagre em sua vida

Vera Lúcia de Oliveira, da Mundial do Poder de Deus, uma jovem senhora era o retrato da Fé e da 18ª edição da Marcha para Jesus, que aconteceu nesta quinta-feira, dia 03, em São Paulo. Espremida pelo cordão do isolamento e sem o glamour dos lideres apadrinhados que desfilavam em luxuosos trio elétricos, ela caminhava com um cartaz com a foto de sua família. Em cada parada ela pedia um clamor de cura de sua família. “ È tudo que tenho. Preciso de um milagre”, repetia. Assim como ela, cerca de cinco milhões de pessoas – dados não confirmados pela Polícia Militar-, participaram da 18ª edição do evento que começou no Metrô Tiradentes e terminou com uma maratona de show na Praça Heróis da FEB, próximo ao campo de marte.

Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel

Assim como Vera Lúcia, Estevam Hernandes, apóstolo e presidente da Igreja Renascer em Cristo, também clamou por milagres, por uma espécie de calvário que passa em sua vida. Implorou, se emocionou, por diversas vezes para que seu filho, Bispo Tid, que segue internado em uma UTI, levantasse da cama. A dor foi mais forte ao se deparar, ainda no trajeto da Marcha para Jesus 2010 com um longo bandeirão estendido por seus fiéis. “É um dos meus principais pedidos, eu preciso de um milagre em minha vida”, confirmou Hernandes, durante a tumultuada coletiva de imprensa.

No evento foram distribuídas algumas palmilhas, chamadas de “palmilhinhas apostólicas”, para que as pessoas escrevessem seus desafios e pedidos. Na coletiva, o apóstolo foi questionado sobre o que teria escrito em sua palmilha, se o nome de seu filho, Bispo Tid, estava lá. Emocionado, Hernandes disse que esse é o primeiro de seus pedidos, e que além dele, também colocou alguns desafios pessoais.

Oração pelo Prefeito de São Paulo, Giberto Kassab

Durante a Marcha para Jesus 2010, quando já passava das 19hs, o Apóstolo Estevam pediu para que a multidão cantasse: “Eu sou brasileiro com muito orgulho, com muito amor”, seguida pela frase “Eu sou de Jesus com muito orgulho, com muito amor’”. Hernandes pediu para que todos acenassem com os celulares ligados e declarassem que eram a luz do mundo. O apóstolo fez uma oração pelo prefeito da cidade. “Que o Gilberto Kassab seja um homem temente a Deus.. dê a ele graça e saúde”, disse Hernandes, que em seguida pediu uma salva de aplausos ao prefeito.

Fonte: Gospel+

*Com informações de Creio e Guia-me

Parada Gay 2010 – Não houve evangelismo na edição dedicada a política

Neste ano não houve evangelismo na Parada Gay, que aconteceu neste domingo, dia 06, em São Paulo. Diferente dos anos anteriores em que grupos missionários aproveitavam o encontro LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais) para falar de Jesus, a Missão Cena, Jocum e Moses ficaram de fora. A saída aconteceu no momento em que a Igreja trava uma briga jurídica e política com aprovação dos projetos como PLC 122/06 que pode criar uma especie de ditadura gay inibindo a opinião de quem não aprova a conduta homossexual.

Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel

A Missão Cena (Comunidade Evangélica Nova Aurora) por telefone disse que há um tempo deixou de fazer este tipo de trabalho na Parada Gay, para se focar no evangelismo a travestis na cracolândia. O Moses também confirmou que deixará de fazer este tipo de ação, assim como Jocum.

Segundo os organizadores a Parada Gay 2010 espera ter a política como centro das atenções. A manifestação, que terá como tema “Vote Contra a Homofobia – Defenda a Cidadania”, vai pedir aos participantes e simpatizantes que votem em candidatos que assumam e defendam publicamente a causa LGBT. “O voto deve ser dado aos que assumidamente defendem a causa LGBT. Isso não é um recado só para nós. Mas para todos que querem eleger um país mais democrático. Você se lembra em quem votou? Quais declarações públicas que ele ou ela tem feito sobre nós? O que fez para a população LGBT? Implementou políticas públicas para nós?”, questionou Alexandre Santos, presidente da Associação da Parada do Orgulho LGBT. A estimativa de público para a Parada Gay de 2010 é de 3 milhões de pessoas, segundo os organizadores.

Fonte: Creio / Gospel+

Polícia Federal investiga diretoria da Assembleia de Deus


Membros da diretoria da igreja evangélica, os irmãos Jônatas, Samuel e Dan Câmara são investigados sob suspeita de ‘lavagem de dinheiro’ e evasão de divisas.
A Polícia Federal (PF) instaurou um inquérito policial para investigar os irmãos Jônatas, Samuel e Dan Câmara, a Igreja Assembleia de Deus e a Fundação Boas Novas - entidades dirigidas por eles - por suspeita de ‘lavagem de dinheiro’ e evasão de divisas.
O inquérito está no site do Tribunal Federal da 1ª Região (www.am.trf1.gov.br), no processo 2005.01.00. 000005-4. A investigação foi confirmada pelo superintendente da PF no Amazonas, Sérgio Fontes. Jônatas é presidente da Assembleia de Deus no Estado, Samuel dirige a igreja no Pará e Dan Câmara é pastor da igreja e comandante-geral da Polícia Militar (PM) do Estado.
Segundo o superintendente da PF, o inquérito é um desdobramento das investigações da operação Farol da Colina, deflagrada em setembro de 2004, que apurou crimes de lavagem de dinheiro e remessa ilegal de recursos para o exterior envolvendo empresários de sete Estados, incluindo o Amazonas.
Na época, a PF descobriu que havia nos Estados um esquema milionário de evasão de divisas, com o envio de dinheiro a uma conta de um banco em Nova York, nos Estados Unidos, o ‘Beacon Hill Service Corporation’. O dinheiro, de acordo com a PF, foi enviado no período de 1999 a 2002. Os valores variavam de R$ 30 mil a R$ 20 milhões, sem declaração ao fisco.
Um ano depois de deflagrada a operação, a PF abriu 350 inquéritos, informou, na época, o ex-superintendente da instituição, Kérsio Pinto. “Muitas pessoas foram citadas e precisamos abrir inquérito para cada uma delas”, disse Kérsio, em outubro de 2005.
Sérgio Fontes disse que entre os inquéritos originados da operação ‘Farol da Colina’ está uma investigação contra os irmãos Câmara. “Documentos e gravações de escutas telefônicas da operação Farol da Colina mostraram indícios de que os referidos pastores enviaram grandes quantias ao exterior, naquele caso envolvendo a conta do Beacon Hill (banco de Nova York). Por isso, decidimos instaurar um inquérito para apurar as informações”, declarou.
Sobre a investigação do crime de ‘lavagem de dinheiro’, o superintendente disse que não podia falar sobre o assunto para não atrapalhar as investigações. A ‘lavagem de dinheiro’ é uma forma de tornar legítimo o dinheiro obtido de maneira ilícita.
De acordo com o superintendente da Polícia Federal, o inquérito em que os três dirigentes da Assembleia de Deus são investigados não foi concluído e informações ainda estão sendo apuradas. “Precisamos deixar claro que se trata de uma investigação e, até agora, não se tem culpados”, afirmou.
Complexo
O delegado federal Eduardo Izel - que apura as denúncias contra os irmãos Câmara - disse que as investigações, iniciadas em 2004, ainda não foram finalizadas porque ‘muitas’ pessoas precisaram ser ouvidas, principalmente, fora do Brasil.
“Esse inquérito é muito complexo, porque muita gente foi ouvida e algumas eram de fora do Brasil”, explicou Izel. Ele disse que, até o final de junho, o inquérito será concluído e enviado à Justiça. O delegado informou também que, até o final deste mês, mais duas pessoas serão ouvidas. Ele não quis identificá-las, alegando segredo de Justiça.
De acordo com o site do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), o inquérito contra os irmãos Câmara e a Assembleia de Deus já teve pelo menos 62 movimentações desde o dia em que foi instaurado em 2 de dezembro de 2004. Atualmente, o processo, segundo o site, está na Polícia Federal para o cumprimento de diligências. Além do delegado federal Eduardo Izel, também atua no processo o procurador da República Ageu Florêncio que, segundo a assessoria de imprensa do Ministério Público Federal (MPF), está de férias.

Jornal Diário do Amazonas on line
http://www.d24am.com


Igrejas podem dar toque mais humano à Copa

O diretor do Centro de Pesquisa da Universidade da África do Sul e presidente do Conselho de Igrejas da África (Unisa), professor Tinyiko Maluleke, circulou, pela Conferência de Edimburgo, vestindo uma camiseta da seleção do seu país e levando debaixo do braço uma corneta (vuvuzela), que torcedores usam nos estádios de futebol.
Frequentemente encarado de forma negativa, a África recebe uma injeção de moral com a Copa do Mundo de Futebol, disse.
“Vesti a camiseta e trouxe a ‘vuvuzela’ porque a África continua sendo vista e ouvida de uma forma que não nos agrada. Assim, vejo a ‘vuvuzela’ como uma tentativa desesperada do continente ser ouvido”, explicou, agregando: “Ali tem um continente que não cessa de clamar por reconhecimento, por dignidade”.
Ele fez uma conexão entre esse o desejo e a Conferência, que se celebra agora num momento em que o Sul Global - África, Ásia, América Latina - passa a ser o lugar onde a Igreja está registrando o crescimento mais rápido, com uma missão cristã vibrante.

Por que crê você que a Igreja está crescendo mais rápido no Sul Global do que em Occidente?
- É difícil de responder. Penso que é porque nessa parte do mundo a gente não tem a longa história de presença cristã com todos os problemas que chegaram com ela. Sejamos realistas, a história do cristianismo é uma história de altos e baixos. Ela inclui as Cruzadas e as guerras contra o Islã na Idade Média. Inclui as duas Guerras Mundiais que vimos nos últimos 100 anos, guerras que foram desatadas e mantidas desde nações cristãs. Isto inclui toda a história do “apartheid” na África do Sul. O “apartheid” era uma doutrina ‘cristã’, e é parte da história.
- Creio que no Sul a gente não tem uma história do cristianismo tão acidentada como no Norte, e é por isso que ainda há espaço para uma afirmação positiva e apropriada do cristianismo. Creio que as pessoas se sentem mais livres para ser cristãs, sem a vergonha que agora se dá na Europa e outros lugares. Assim mesmo, a noção de progresso e desenvolvimento que tende a relegar a religião ao âmbito privado é algo que não creio que tenha possibilidades de penetrar com sucesso no pensamento da gente no Sul.

Você escreveu em seu blog, “recentemente” que lhe agradaria "pospor a Copa do Mundo". Pode explicar-nos que quer dizer com isto?
- A Copa do Mundo, como os Jogos Olímpicos e outros grandes eventos, sempre provoca nos países onde se celebram esta pergunta: "E depois, o quê?" Preocupa-me o que vá suceder depois, porque não temos nada tão grande que esperar como este projeto. Eu não me queixo da Copa do Mundo, creio que é uma excelente oportunidade. Mas uma oportunidade que me agradaria que se pudesse ser estendida e prolongada o maior tempo possível.

Como vê o papel da igreja na Copa do Mundo? E que papel a igreja pode desempenhar no desenvolvimento do futuro da África do Sul?
- Creio que há muita margem para as igrejas trabalharem com a Copa do Mundo. Em primeiro lugar, a Copa do Mundo significa hospitalidade, ao menos de um ponto de vista africano. Assim que a hospitalidade vai ser um tema muito importante, e é ai que as igrejas podem ajudar ao mundo secular, mais orientado a uma mentalidade empresarial.
- A Copa do Mundo atrai os ricos de todo o mundo, mas também traz pobres. Marginalizados, pessoas vulneráveis, prostitutas, vendedores ambulantes de todo o mundo chegam dispostos a vender o que possam ganhar um dinheiro. Creio que a igreja deve cuidar daqueles que não podem cuidar de si mesmos durante este tempo.
- Inteirei-me de que várias igrejas, entre elas o Conselho de Iglesias, desenvolveram projetos para ajudar crianças vítimas de gangues, prostitutas, para trabalhar com elas durante este tempo, tratando de ser úteis a elas, de maneira que não seja só uma Copa do Mundo por e para os ricos.

Você acredita que o futebol é a religião moderna?

- O futebol é uma forma de religião. Creio que é uma forma pobre de religião frente ao cristianismo, que para mim é uma religião real. Sem dúvida, o futebol move massas de uma maneira particular e toma emprestado, mais e mais, formas da religião em termos do canto e inclusive o abandono com do que a gente se acerca ao futebol.
- No futebol há emoções muito poderosas, como o nacionalismo ou o culto ao herói, que são elementos da religião. Trata-se de uma quase-religião em muitos sentidos. Creio que é importante para nós, como igrejas, lembrar uns aos outros que se trata de um jogo. Mas para o garoto pobre em algum lugar da África do Sul é realmente um jogo que o inspira a se esforçar para dar o melhor de si.
- É importante que coloquemos as coisas em seu devido lugar, que dessacralizemos o futebol. Não o façamos tão sagrado como os meios de comunicação o tornam, porque, depois de tudo, é uma coisa muito humana.

ALC/Notícias Cristãs

Líder do movimento homossexual do Brasil confessa existência de ex-gays


Diz: “Nós precisamos de vocês, heterossexuais. Amamos vocês para que reproduzam filhos que se tornem homossexuais”.

(Por Matthew Cullinan Hoffman) – Luiz Mott, o incontestável líder do movimento homossexual do Brasil, confessou na televisão nacional que ninguém nasce homossexual, e que as pessoas podem mudar sua orientação sexual

Numa participação recente no “Programa do Jô”, um programa de entrevista tarde da noite e muito popular transmitido pela Rede Globo, Mott disse ao apresentador que ele é um “ex-heterossexual”.

“Eu sou um heterossexual como existem ex-gays, pessoas que não eram 100% homossexuais”, disse Mott. “Eles tiveram algumas experiências, não gostaram e daí passaram para o outro lado”.

Embora Mott tenha atribuído mudança às pessoas que não eram “100% homossexuais”, ele deixou claro para o apresentador Jô Soares que ele crê que “todos os seres humanos têm, como Freud diz, um desejo bissexual”, e que a preferência sexual é algo flexível e mutável.

“Felizmente, a sexualidade humana é cultural e construída e pode mudar. Eu acho que não vou mudar mais porque já tô muito acostumado e feliz”, ele disse para Soares.

“Eu costumo falar: Nós precisamos de vocês, heterossexuais. Amamos vocês para que reproduzam filhos que se tornem homossexuais… novos gays e novas lésbicas”, acrescentou Mott durante a entrevista, que foi transmitida em 24 de abril.

Conforme LifeSiteNews comentou em artigos passados, Mott é também conhecido por sua aberta atração para com adolescentes e considera restrições ao sexo com menores como baseadas em “preconceitos”.

Links relacionados:

Extratos da entrevista da entrevista de Mott no Programa do Jô:


Veja o artigo de Julio Severo sobre Luiz Mott: “Pedofilia Já” (Atenção: contém palavras ofensivas)

Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com

OVERBO

Guilherme de Pádua sala sobre seu testemunho e prisão: “As pessoas pisam em mim porque sabem que sou inofensivo”


Dezoito anos se passaram desde aquela noite de dezembro de 1992 quando a atriz Daniela Perez foi morta num matagal na cidade do Rio de Janeiro, um dos crimes que mais chocaram o Brasil. Com a palavra, um dos condenados, o ex-ator Guilherme de Pádua

Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel

O encontro foi marcado para uma quinta-feira à tarde na igreja Batista da Lagoinha, região central de Belo Horizonte. O templo, onde acontecem os cultos religiosos, impressiona pela grandiosidade e beleza: uma construção circular, em três níveis, tudo impecavelmente limpo e bem cuidado. Além do templo, a construção se desdobra em outros andares, com diversas salas. Quem nos recebe é Paula Maia, esposa de Guilherme de Pádua. Cerca de quarenta minutos depois chega Guilherme, ofegante, após subir a pé a ladeira que dá acesso à entrada principal do templo.

“Estou meio fora de forma”, comenta. Ele nos mostra o local em que passa boa parte do dia trabalhando, um pequeno cômodo no fundo do templo, com equipamentos de edição e um computador. Seguimos para o local onde funciona a rádio Lagoinha. É lá que acontece a entrevista. O cômodo, com cerca de quatro metros quadrados, possui uma mesa circular, vários microfones e paredes revestidas de espuma por uma questão de acústica. Dois gravadores posicionados, uma câmera de vídeo devidamente montada sobre um tripé e tem início a conversa. Sentada ao lado de Guilherme, a esposa Paula. Os dois permanecem de mãos dadas durante uma hora e meia de duração da entrevista. Perdão, culpa, preconceito, discriminação, resignação. Nada é abstrato na vida de Guilherme. Ele convive diariamente com seus fantasmas. Perguntado se acha, intimamente, que pagou pelo que fez, responde com outra pergunta: “Os erros que a gente cometeu na vida, as pessoas que magoamos, como medir isso?”

Caso Daniela Perez

Atriz, Daniela Perez tinha 22 anos quando interpretou a personagem Yasmim, na novela De Corpo e Alma, de autoria de sua mãe, a autora Glória Perez. No dia 28 de dezembro de 1992, a atriz foi encontrada morta em um matagal no Rio de Janeiro, assassinada com 18 golpes de tesoura. Desde o início, ele e a esposa ficaram presos e foram acusados do crime. A promotoria alegou que Guilherme e Paula teriam fechado o carro de Daniela em frente a um posto de gasolina, que ele e a atriz teriam saído de seus carros discutindo e que ele teria dado um soco em Daniela, desacordando-a. Ele então teria arrastado a vítima para o carro dela, tomado a direção enquanto sua ex-esposa conduzia o outro carro até o local onde cometeram o crime.

Inicialmente, por cerca de oito meses, Guilherme assumiu a autoria do crime sozinho, mas posteriormente, depois que Paula começou a acusá-lo, mudou a versão do assassinato, dizendo ter separado uma briga entre a esposa e a vítima, movida por ciúmes. Em sua defesa, ele alegou que segurara a vítima com muita força na tentativa de proteger a esposa, que estava passando por uma gravidez delicada e que isso teria resultado no desmaio ou na própria morte de Daniela. Segundo o que passou a declarar, ao pensarem que Daniela estivesse morta, Paula teria cometido os golpes de tesoura na tentativa de forjar um crime de algum fã fanático enquanto ele tentava adulterar a placa do veículo para escaparem do local sem serem responsabilizados.

Paula, por sua vez, sempre se declarara inocente, dizendo que nem mesmo estava no local do crime e que teria passado mais de oito horas esperando pelo marido em um shopping. O ator Guilherme de Pádua e sua mulher na época, Paula Thomaz, foram condenados a dezenove e a dezoito anos e seis meses, respectivamente, por crime qualificado, como queria a acusação.

Por terem ambos cumprido cerca de seis anos e nove meses de prisão (por questões burocráticas Paula ficou alguns dias a mais na prisão), Glória Perez iniciou uma campanha popular para modificar a Lei dos Crimes Hediondos. Desde então, o homicídio qualificado (praticado por motivo torpe ou fútil, ou cometido com crueldade) não permite pagamento de fianças, com o dever de o condenado cumprir um tempo maior de pena para a progressão do regime fechado ao semiaberto.

Quem é o Guilherme de Pádua hoje?
Sou um cara que trabalho demais, mas muito mesmo. Não tenho grandes confortos, grandes luxos. É uma vida totalmente voltada para o mundo cristão. Depois que me converti, vivo no ambiente cristão. Lógico que fica a família, mas o mundo onde você vive é o mundo com que você acaba se relacionando. Sou uma pessoa que acordo cedo, durmo tarde, tenho três cachorros vira-latas. E posso dizer que não aproveitei muito ainda o meu casamento por trabalhar demais.

Você fala que trabalha muito. O que você faz?
Trabalho na igreja. Sou obreiro (é um cargo de alguém que sonha em ser pastor, missionário ou evangelista). São coisas que se faz na obra de Deus para levar a Palavra Dele para outras pessoas. Cumprir o chamado que Jesus deu: ide e pregai o evangelho. Todas as pessoas que vêm para a igreja têm dentro de si o desejo de levar a palavra, falar a boa nova, falar sobre Deus. Quando você recebe Cristo você fica tão feliz que quer contar para todo mundo o que aconteceu.

E como é sua vida?
Não vou para bares, não bebo, não fumo, não olho para as mulheres que estão passando. Porque quem vem para igreja, quem tem um compromisso com Deus, e tem a felicidade de receber uma graça, tem esse compromisso. Eu saí da cadeia, quantas coisas aconteceram comigo que hoje considero um milagre estar vivo. Eu poderia ter morrido dez vezes. Então, a gente fica tentando não errar porque Deus fez a parte dele por mim. Agora é a minha vez de fazer a minha parte.

Você falou que poderia ter morrido dez vezes. É sobre o tempo na prisão?
Principalmente, porque eu convivia muito de perto com a morte. Quando entrei no presídio do Rio de Janeiro, escutei de longe uma pessoa gritar. Havia quase dois mil homens dentro daquele presídio. Estava no pátio de visita, é complicado você chegando, tirando a roupa para vistoria, no meio de toda aquela opressão. Aí, de repente, escuto uma voz falando: “Guilherme de Pádua chegou aê”, e outras pessoas respondendo “demorou” e o prédio todo balançando. Já escutei muitas pessoas falando “eu vou te matar”.

E qual era a sensação neste momento?
No começo, nem sei explicar. O meu primeiro dia atrás das grades foi no réveillon, faltou água na cadeia e começaram a botar fogo em tudo, houve um início de rebelião. Pensei em me matar naquele dia. Mas houve a intervenção de uma senhora que trouxe uma cesta de café da manhã, uma carta, uma bíblia e falando que Deus me amava. Fiquei muito impressionado porque até então não sabia dos evangélicos, que eram pessoas que tinham esse amor. Posteriormente, acabei me convertendo e quando cheguei ao presídio ficava perguntando a Deus se tinha chegado a hora de morrer. E neste momento há vários questionamentos na nossa cabeça, como se fosse moribundo, pessoa que está no hospital, em estado terminal, você começa a pensar em Deus. A coisa mais certa que temos na vida é a morte, só que ninguém se lembra. A cadeia é muito terrível. Assisti várias mortes, já teve gente que tirei da morte, fiz pedido, na linguagem de cadeia. Pessoas sem socorro. É um lugar muito árido, sem comida, sem remédio. Se não tivesse a fé para me apoiar, teria enlouquecido. Talvez tenha sido uma forma de fuga, mas me tornei uma pessoa muito dedicada a Deus.

Você é feliz hoje?
A felicidade é muito abstrata. Tenho muitos conflitos, todo mundo tem. Mas me considero feliz porque aceito que essa vida é passageira. Quem se apega demais à vida, à riqueza, compara-se demais aos outros, acha que tem que ter sucesso, fama, tem de ser mais bonito, é muito frustrado. Sou um resignado com as minhas coisas. Aceito a realidade e as dificuldades que tenho. Não é fácil. Dizer que é feliz não é dizer que se está sempre alegre. É dizer que você aceita a sua realidade, que está disposto a encarar, tentar mudar, tentar melhorar. Um guerreiro é feliz, apesar de estar na guerra, porque tem um propósito. Eu creio que sou mais feliz do que antes porque hoje tenho um propósito de seguir a Cristo, de tirar pessoas da morte, que estão prestes a se drogar. Tenho dedicado bastante da minha energia em fazer coisas bacanas. Se não tivesse a fé, eu já teria me matado ou teria enlouquecido. É muito difícil ser o Guilherme de Pádua .

Como é conviver com isso: ter seu nome sempre associado a uma pessoa e a um fato ruim?
São tantos sentimentos que causam na gente. Sou uma pessoa muito analítica, penso muito nas coisas, me coloco no lugar do outro. É uma coisa boa que me faz aceitar melhor as situações. Compreendo os sentimentos das pessoas. Mais uma vez a fé vem me fortalecer nisso, que diz para amar aquele que o persegue, bendizer quem maldiz, abençoar quem o amaldiçoa. É um mandado de Jesus. É transcender os limites do normal. É muito duro saber que pagou uma pena, num país em que pouca gente paga. A gente sabe: quem tem política, quem tem poder, dinheiro dá uma driblada geral.

Você sente que pagou pelo que fez?
Não sei dizer como é pagar corretamente. Quando você faz uma pergunta dessa, o que analiso é que está querendo saber se foi justo ou não foi. As pessoas questionam isso, não tenho como lhe responder. Sei que se fosse com um familiar seu, talvez quisesse uma pena mais branda. Mas se fosse contra um familiar seu, a pena teria de ser mais dura. O que sei é que o que a lei mandou eu fazer, eu fiz. Talvez fosse mais fácil se tivesse havido uma pena de morte. Teria ficado livre. Pago e ainda sou perseguido, acham que não tenho o direito… Não tenho chance.

Mas, e intimamente, você sente que pagou o que tinha de pagar?
Não tenho condições de falar, não sei como medir isso. Os erros que a gente cometeu na vida, as pessoas que magoamos, como medir isso?

Mas você ainda pensa no que aconteceu todos os dias?
Não penso todos os dias porque temos muitas preocupações. Tenho que pagar as contas. Então a gente corre sempre atrás dos afazeres. Dói-me muito ser uma pessoa que tem uma história triste. Quantas vezes desejei que fosse diferente. Sinto muita culpa. Dá-me muita tristeza saber que causei tanta dor. Não sei se paguei. Agora, como estou no Evangelho, eu creio que nenhum de nós pagou. A gente crê, quando estudamos o que Jesus ensinou, que as pessoas têm o costume de achar que o meu pecado é mais tranquilo. Eu roubei o emprego daquela, eu menti, eu traí meu marido, minha esposa, mas está tudo certo, isso é normal. A gente aprende que o ser humano comete erros demais. Primeiramente, creio que os meus pecados foram pagos na cruz. Eu pendurei os meus pecados junto com Jesus. Independentemente de ser Guilherme de Pádua, o Joaquim das Couves, a Maria da Silva, quem sou eu para pagar os meus pecados! Continuo sendo pecador, continuo tendo maus pensamentos. Por vezes fico com raiva e não desejo o bem que deveria desejar, às vezes falo coisas que não deveria falar, penso o que não deveria pensar. O ser humano tem tendência de justificar os seus erros. Todos se acham tão bons, mas todos são tão carentes de Deus. No meu caso, vejo como as pessoas adoram pisar. Se fosse um criminoso de nome, da vida do crime, todo mundo respeitaria. Uma coisa até me traz tranquilidade no coração, as pessoas não têm o menor receio de pisar em mim. Sabe por que? Elas têm consciência de que sou inofensivo. As pessoas me pisam porque sabem que estou num caminho diferente agora.

Quando aconteceu o crime, você era uma pessoa que estava construindo uma carreira na maior emissora do país. Você não acha que as pessoas ainda fazem a relação do Guilherme de hoje com o Guilherme de antigamente?
Deixa eu tentar olhar com a ótica de quem não está na igreja para tentar falar sobre isso. Onze anos depois de ter sido solto, de estar na igreja, pensei em falar o que Deus havia feito na minha vida. É o desejo do cristão em si. E, de repente, aparecem pessoas para me oferecer falar, sempre com aquela história de mostrar minha vida atual. O problema é que sempre que falam no meu nome parece que aconteceu ontem. As pessoas próximas, que me conhecem, sabem da minha conduta, do meu jeito de ser. Para as pessoas que estão distantes, parece que tudo aconteceu ontem.

Por que você escolheu um programa como o do Ratinho para fazer sua volta? Por que não falou o que queria? Teve medo?
É lógico que encarar um programa ao vivo dá medo demais. Quando era ator e entrava em cena, sempre sentia frio na barriga. Pensei que era hora de eu falar. Deixa eu falar por mim mesmo, entende? Não me arrependo de ter ido ao Ratinho. Abençoo a vida dele, a vida do programa. Acho que eles, do programa, talvez pudessem ter feito algo diferente. Mas cada um faz as suas opções, faz suas escolhas. Cada um puxa a sardinha para o lado que tem de puxar. Às vezes, as pessoas são honestas ou não. São justas, ou não. Mas sempre de acordo com os interesses.

Mas você falou que não pode ir a um restaurante, ir a um cinema, sair com as pessoas. Você sente falta disso, dessa vida de poder sair e mostrar a cara sem ter o risco de sofrer qualquer tipo de discriminação, preconceito ou rejeição?
Sinto falta, lógico. Minha esposa não vai a um restaurante quase nunca. Muitas vezes falo para ela ir com o pessoal. Eu evito bem. Tem horas que não consigo evitar, os parentes me arrastam. No dia dos pais, das mães, o aniversário do tio, da prima… Sinto falta de ir a lugares públicos como espectador. De certa forma o artista é privado um pouco disso, só que é diferente. Ele é famoso. Eu equacionei: hoje é um sobre a fama (1/fama), que é a equação matemática da minha vida, quanto maior a fama, mais problemático fica para mim.

Você já pensou em mudar de nome, de país, começar sua vida em outro lugar?
Pensei. Mudar de nome não adianta, teria que mudar de cara. E isso é complicado. Já pensou se me descobrem depois? Muda o olho, muda a boca, muda a sobrancelha, aí você não é você, mas todo mundo sabe que você é você. Isso dá muito certo em filme, mas na vida real, não. Pensei em mudar de país e ainda penso muito. Não sei como fazer isso. Não posso ir de forma ilegal. Conhecemos gente que vai até com coiote, mas sei que se for eu, alguém vai descobrir e vai dar zebra. Tenho que andar na linha. Para mim o ideal seria morar em outro país, que já daria uma aliviada boa. Porque ninguém me conhece tanto, já seria ótimo.

Se tivesse oportunidade de ficar frente a frente com a Glória Perez. O que diria a ela?
Nossa. Já sonhei com esse momento. Acho que beijaria os pés dela, deixaria ela me bater. Eu ia ter para dizer para ela que o mesmo Jesus que consegue salvar um criminoso e fazer a vida dele ter sentido, é o mesmo que faz uma mãe que perdeu a filha fazer coisas maravilhosas. A gente na igreja está sempre orando pelas pessoas que sofrem. Eu e várias pessoas. Minha oração talvez não signifique grande coisa nesse caso. Outras pessoas estão orando para vir uma mensagem que possa mudar o mundo. A gente vive num mundo onde árabes e judeus se odeiam e esse ódio já tem mais de cinco mil anos. Creio no meu coração que até o ódio que se perpetuou tanto tempo, que é persistente, que é alimentado, nutrido, enquanto outras pessoas vão se abrandando, está no propósito de Deus. A palavra que eu tenho, o testemunho que tenho é de transformação de vida. Apesar das dificuldades, apesar do que você vive, apesar da desgraça que está sua vida, creia porque Deus pode mudar sua vida. Mas não tenho uma mensagem de perdão, que possa mudar o mundo.

Você já falou que sente raiva, às vezes não tem pensamentos bons. Diante disso, como é conviver com o fato de a Glória Perez monitorar o que você está fazendo?
No começo, porque são 18 anos, às vezes me revoltava. Não porque eu achava que ela estava errada, porque todo mundo compreende. E talvez, no lugar dela, eu fizesse muito mais. A gente crê que até é louvável demais, que enfim, deve ter todas as suas qualidades, a forma como ela lidou com tudo. Por que sentia um pouco de revolta? Porque ela tem acesso e poder para que as decisões fiquem do lado dela, do lado da acusação. Quantas coisas foram faladas e ficaram por isso mesmo. Lembro-me de que algumas vezes ouvia falarem nos programas: esse michê, homossexual, desclassificado, e ficou por isso mesmo. Já vi gente na televisão instigando a população de Belo Horizonte a fazer alguma coisa contra mim. No começo, sentia um pouco de revolta. Sempre a Justiça estava contra mim! Estava lutando contra um rolo compressor. Mas hoje não sei se essa loucura da fé entrou tanto na minha cabeça, falo loucura falando a linguagem de vocês, porque para mim acho loucura não ter fé. Hoje eu torço tanto para Deus mover e fazer uma coisa milagrosa.

E o que seria essa coisa milagrosa?
O mundo precisa de perdão, de tolerância. Imagina, vamos pensar assim, nu e cru, se a gente for só vingar. Se você arrancou meu dedo, vou arrancar sua perna. É como os árabes e os judeus. Alguém tem que trazer uma coisa diferente. E pessoas como a Glória Perez são preparadas para isso. No dia que Deus derramar uma coisa assim e falar: olha filha, dessa vida aqui todo mundo vai embora daqui a pouco.

Mas você não acha que falar em perdão para você é mais fácil? Ela tem a ausência da filha…
Com certeza. Não tenho dúvida. Não tenho palavra de perdão porque qualquer pessoa diria que ‘falar de perdão para você é fácil, porque você precisa ser perdoado’. Eu falar de perdão não convence, não comove o coração. Mas se alguma outra pessoa falar, vai comover o coração . Nós precisamos dessas pessoas para levar essa mensagem. Agora, se você fosse uma pessoa drogada, desenganada, que não tem chances, (estou tentando mostrar que as pessoas têm missões diferentes), se você fosse uma pessoa assim, que não tem chance e eu começasse a falar sobre as coisas que Deus tem feito na minha vida, eu iria conseguir o levar esperança, levar uma mensagem válida. A mensagem do perdão que o mundo tanto precisa, tem pessoas que têm essa pedra preciosa na mão. Que podem mudar o mundo. Para mim não vai mudar nada, porque as pessoas que me julgam, continuarão me julgando, que querem minha morte, vão continuar querendo; as intolerantes vão continuar sendo. Mas para muita gente vai mudar. É uma mensagem maravilhosa que poucas pessoas têm mais capacidade, têm uma mensagem mais verdadeira, consistente para passar. E é isso que oro sempre. Para que pessoas como a Glória Perez, pessoas que passaram por grandes perdas, tragam essa mensagem. Muitos podem pensar: esse povo crente é louco. Somos loucos, mas é o que desejamos.

O que motivou o assassinato da Daniela Perez: foi vaidade, ciúme?
Sempre tem que ter essa pergunta e agora descobri que não posso responder. Fui ao Ratinho pensando: é a minha versão e posso contá-la para quem eu quiser. Aí surgiu aquela ameaça no twitter: cuidado porque você já foi condenado, solto e agora não é mais réu. Você não pode mais falar. Porque determinadas coisas que falar são coisas íntimas. Quem sabe do relacionamento que tinha com as pessoas da Globo? Quem sabe o nível de intimidade que tinha com cada um? Se eu falar que o Joaquim das Couves ou a Maria da Silva, que tinha uma intimidade ou amizade diferente. Que era amigo e frequentava a casa. Aí a pessoa vai falar: ‘como o Guilherme de Pádua foi falar isso? Vou processá-lo.’ Como vou provar que tinha?

Mas não é possível falar sem citar nomes?
Não tem jeito. Não tem porque a situação em si já é citar o nome. Além da questão do twitter, recebi uma correspondência dos advogados da Glória Perez me alertando oficialmente que não posso falar.

Mas teria mais coisas a dizer, muitos fatos novos?
Para a maioria das pessoas seriam fatos novos. A versão que ficou conhecida foi só a da acusação. Já cumpri pena e acho que há coisas mais significativas para se falar. Pessoalmente para alguém eu posso falar, mas perante uma câmera, num programa de auditório, ou escrever numa revista, não posso.

Você se sente frustrado por isso, de ser obrigado a ficar calado pelo resto da sua vida?
Eu me senti muito frustrado. Uma das coisas que no começo me deixava revoltado é que era sempre aquela história, como a história do sequestro que é ridícula. Nem um menino de dez anos acreditaria se pegar a lógica das coisas. Mas ninguém podia admitir que era ela quem dirigia o carro. Ou não quiseram, ou não acreditaram, é triste. Já fiquei muito revoltado, hoje estou resignado. É incrível pensar isso: as pessoas pensam o pior do pior, não tentam avaliar outras possibilidades. Mas até como cristão eu pensar que fui o pior e que Deus me restaurou e hoje sou o melhor, é até bom pensar nisso, o milagre é maior. Da fé sempre vem alguma coisa que ameniza a sua dor. Já me revoltou o fato de as pessoas pensarem: ‘mas falaram na televisão, então é tudo verdade’. Lembro-me de que depois que fui preso, apareceu um chofer de táxi dizendo que eu tinha assaltado o táxi dele. Ele foi fazer o reconhecimento para ver se era eu mesmo, não bastava estar na novela das oito. Achei que fosse igual aos Estados Unidos, onde várias pessoas do mesmo porte e tipo ficavam numa sala. Só que foi o contrário. Cheguei e tinha um velho de barba branca, um baixinho gordo, um negão fortão, e todas com roupa normal, e eu o único com cara de preso, de bermuda, chinelo, verde com cara de quem não toma sol. Olhei de um lado, olhei para o outro, e pensei: mas precisa de reconhecimento? E a polícia perguntou ao chofer de táxi: mas você não viu que ele trabalhava na novela? E o taxista: ‘eu trabalho muito e não vejo novela. Agora que vi no jornal’. E eram histórias que apareciam, isso me revoltou tanto. Mas agora, tudo bem: daqui a cem anos todas as coisas serão resolvidas.

Sua mulher acaba de lançar um livro Que amor é esse? A história real de Guilherme de Pádua. Ela vai detalhar alguma coisa, será sua vida pós-prisão ou terá fatos que as pessoas não conhecem?
Todos os fatos são novos. A ótica é um pouco diferente. É um livro que consideraria de autoajuda para pessoas que precisam romper e enfrentar problemas. A Paula foi muito feliz porque ela tem uma ótica mais otimista, feminina.

Seria uma forma de desabafar pelo fato de você não estar podendo falar?
Talvez. Em alguns momentos é um desabafo. E muito do que vivi dentro da cadeia. Muitos conflitos. A Paula gastou uns três anos, podia ter levado mais tempo para fazer mais coisas.

Mas há detalhes do crime?
Só lendo o livro. Talvez tenha coisas que você não está esperando. É igual a um filme, não posso contar o final.

Houve ameaça no twitter, você diz que tem um documento dos advogados de Glória Perez. Não tem medo que o livro gere um processo contra você?
Advogados avaliaram se a coisa estava dentro, digamos, de uma coerência, de um direito. Dizem que não tem como. Mas um processo injusto, de perseguição, sempre estamos sujeitos. Estamos encarando esse risco (fala para a mulher). Na verdade não estava encarando não, mas se você ler o primeiro capítulo, vai ver que é uma discussão nossa de ela insistindo que tinha que mostrar ao mundo que não é bem assim. E eu falando que não adianta. É uma discussão que continuará durante algum tempo. Parece que o livro é muito correto em suas colocações, muito justo. Creio que se houver Justiça mesmo, não tem por que privarem o público de mais esse acesso à informação.

Você é diretor de um grupo de teatro na igreja. Pensa em voltar a atuar?
Nunca pensei nisso. Até uma coisa que meu deu muita paz, porque em nenhum momento tentei resgatar minha carreira. Poderia ter ficado depressivo e mergulhado num buraco sem fim. A questão da fé me resignou porque não sinto saudade de nada. Uma vez em Belo Horizonte, me chamaram para fazer teatro. Perguntei se os diretores iriam colocar detector de metais para ver quem iria entrar para me dar um tiro. Eles falaram que essa coisa de ator está no sangue, mas falei para deixar quieto. Mas na igreja é diferente. É muito difícil fazer teatro na igreja. No mundão, as pessoas têm aquela gana, querem romper e ser ator. E o crente faz meio de hobby, não tem aquele compromisso. A gente quer é adorar a Deus, cantar, louvar, orar. E isso aí pega muito: quando a gente vai dirigir um grupo de teatro, dá nos nervos, porque as pessoas não são comprometidas. Mas como tem gente talentosa! O problema é que as prioridades são outras, mas talento tem demais.

Você e sua esposa pensam em ter outros filhos?
Pensamos sim. A gente tem um pouco de insegurança financeira. Tenho lutado muito para ter as coisas e ficamos com medo de não termos condições. Às vezes quase decidimos ter, mas aí seguramos. (Paula interrompe e diz: “Tenho medo é do parto. Mas, por enquanto, nós temos três cachorros, na hora que vier um nenenzinho vai ser bem-vindo”). Também tem a insegurança de ser quem eu sou. Quero tentar arrumar as proteções máximas que puder, o ambiente e o dinheiro para pagar as coisas.

Você acha que seu filho sofreria?
Com certeza. Imagina as outras criancinhas falando, os adultos. O ser humano gosta de pisar.

Você já sonhou ou ainda sonha com a Daniela Perez?
Sim, mas sinceramente prefiro não falar sobre esse assunto. Mas tive sonhos com certeza. Sonho com tanta coisa, sonho com cadeia…

Se tivesse um minuto em rede nacional o que você gostaria de falar?
Não sei se tem alguma coisa que possa falar que fará a diferença. Sabe o programa do Ratinho? Interessante que, quando ele levanta e vira as costas, primeiro ele perguntou se alguém tinha cuspido na minha cara. E eu falei claro, já aconteceu. Porque já havia contado para a produção. Poderia, naquele momento, falar dez versículos, mas no momento em que ele levanta e me deixa sozinho lá, não é preciso mostrar mais nada. É como se ele tivesse cuspido na minha cara ao vivo. Aquela hora sintetiza tudo o que eu sofro. Aquilo falou muito mais do que qualquer coisa que eu poderia falar. Tenho certeza de que quem tem bom senso falou, pensou: espera aí, o cara foi preso, pagou, foi convidado para o programa do outro. É meio estranho. Pelo menos é uma falta de compostura, uma falta de ética, uma falta de educação, uma pessoa pisar num cara que já não é mais para ser pisado. Isso falou muito mais do que eu tinha para falar. Tem uma frase que a gente usa de um grande pregador: pregue sempre o Evangelho, se preciso use palavras. Agora se você me dá um minuto, o que vale? Tantos vão lá e mentem? Qual a diferença? Acho que mandaria o cara me acompanhar um minuto no meu dia a dia, câmera escondida. Seria mais sensato do que falar alguma coisa.

Se não estivesse na igreja hoje, como estaria?
Eu era um cara que tinha muita tendência a fazer coisa errada. Gandaia. Era meio pervertido. Hoje vejo os meninos de 18 anos, todos certinhos e namorando, trabalhando para comprar apartamento. Aí casam e o casamento dá certo e dá uma inveja. Aí penso, meu Deus do céu, onde estava com a cabeça para ser o doido varrido que era no passado? Só queria saber de mulherada, droga, gandaia, e coisa e tal. A igreja mudou minha vida e de certa forma me fez ver o quanto perdi tempo, oportunidade.

E os seus pais, como ficaram?
Meus pais sofreram demais. Não tem nem como descrever. Até hoje. Qualquer coisa que os dois velhinhos, eles tem 86 e 75 anos, leem nos jornais ainda traz muito sofrimento.

E você ainda conserva amigos de antes do crime?
Sim. Tinha um amigo da época de gandaia, mulherada, bebidas, e ele acabou virando crente. E ficávamos zoando com ele. E hoje encontro com ele e falo: cara, a gente zoava tanto a sua cara. Tenho orgulho de você porque foi o primeiro que viu que aquele caminho não era legal.

Esse caminho errado foi o maior motivador do crime?
Acho que sim. Era uma vida de muita gandaia. Uma vida de fazer coisas que não se deve fazer.

Fonte: Viver Brasil / Gospel+