quarta-feira, 5 de maio de 2010

Mutirão da oração intercede por crianças em situação de risco

Das 185 milhões de crianças e adolescentes com menos de 18 anos de idade que vivem na América Latina, seis milhões sofrem de violência extrema e 80 mil morrem em suas próprias casas a cada ano, segundo dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).
Fortalecer uma cultura de bons tratos, contribuindo para a prevenção e o combate à violência, e desafiar a Igreja para uma comunicação mais saudável com a criança, por meio de ensino bíblico, modelos de trabalho e promoção da infância, são objetivos do Mutirão Mundial de Oração por Crianças e Adolescentes em Situação de Risco, agendado para os dias 4 a 6 de junho.
“Ame o seu próximo – bons tratos para a infância” reza o tema do Mutirão da Oração de 2010. No ano passado, 242 igrejas, 184 projetos sociais e 45 outras organizações de 21 Estados da federação envolveram-se na campanha, coordenada no Brasil pela Rede Mãos Dadas.
Dados do UNICEF apontam que a cada ano morrem no mundo 27 mil crianças por causa da fome ou de doenças evitáveis e 100 milhões de crianças vivem ou trabalham nas ruas. Estima-se que 2,2 milhões de crianças vivam em abrigos e das 700 milhões de crianças em idade escolar, 121 milhões estão fora das salas de aula.
Por isso, o Mutirão incentiva fiéis de igrejas, de congregações, militantes de organismos sociais e pessoas de boa vontade a orarem para que a sociedade civil responda às adoções, para que famílias dediquem tempo para ensinar, orar, brincar e abençoar seus filhos, para que governos mantenham o compromisso de prover educação universal para todas as crianças em idade primária.
Pede, ainda, que governos criem leis em favor das crianças, assim que elas tenham condições de fugir da pobreza e da falta de oportunidades. O Mutirão vai orar em favor das crianças que sofrem de abuso físico ou verbal dos pais e de adultos, em favor das crianças que se encontram em situação de perda, provocada por guerras, doenças, catástrofes ou pelo HIV-Aids.

ALC/Notícias Cristãs

Igreja aconselha mulheres viciadas em pornografia

Líder de grupo evangélico americano usa internet para divulgar programa de ajuda.
Foi a última sessão para as mulheres do Grupo Familiar Westside Contra o Vício em Pornografia, e a mais jovem participante, uma adolescente de 17 anos chamada Kelsie, não havia tido uma boa semana.
"Deslizei duas vezes", ela disse, sob acenos de cabeça das outras mulheres do grupo. "Decidi que cada vez que me sentir tentada irei falar com Deus", ela afirmou, "então irei orar pelos outros, fazer atos altruístas, para acabar com essa atitude egoísta."
A líder do grupo, Crystal Renaud, ofereceu um conselho gentil. "Reze por si mesma também," ela disse.
No amplo leque de programas oferecidos pelas megaigrejas evangélicas como a Westside, o grupo diz que o que Renaud prega é algo que deveria existir há muito tempo. As igrejas lidaram com o uso de pornografia entre os homens em suas congregações e clero, mas um grupo de mulheres que se dizem viciadas em pornografia é algo novo, ela explica.
"Na cultura cristã, as mulheres não são seres sexuais," disse Renaud, que também coordena um website chamado Dirty Girls Ministries (Ministério de Moças Safadas, em tradução livre), nome escolhido para atrair pessoas em busca de pornografia online. "É uma injustiça que a igreja não seja mais aberta a respeito da sexualidade. Deus criou o sexo. Mas o inimigo desvirtuou sua função".
O workshop Vitória Sobre a Pornografia, que Renaud começou em 2008, é um grupo pequeno. A cerimônia de formatura da semana passada, que marcou o fim de um curso de nove semanas, teve apenas três participantes.
Mas Renaud decidiu usar a criatividade e fazer uso das possibilidades da internet e de congregações cristãs. "Tantas coisas conseguem atenção viral", ela disse. "Eu uso Facebook e Twitter para impulsionar o tráfego ao site. Com isso, as pessoas fazem o marketing por mim".
Renaud adota tarefas semanais para controlar o vício, tiradas do livro "L. I. F. E. Guide for Women" (V.I.D.A. Guia para Mulheres), que enfatiza a oração, a companhia cristã e o uso de "parceiros de responsabilidade" para manter um elevado nível de abstinência.
Chanel Yeary, 19, disse que considerou fazer uso de um terapeuta secular mas que o tratamento seria caro demais. Além disso, ela disse, quando era mais nova a terapia teve pouco resultado.
"Com uma terapeuta você terá de pagar para ela estar ali," ela disse. "Aqui, com a minha parceira cristã eu sei que ela vai estar aqui para mim."

NYT/Notícias Cristãs

Mariana Valadão e Felippe Valadão terão programa de televisão


Mariana Valadão e Felippe Valadão terão programa de televisão

A cantora gospel Mariana Valadão terá em breve um programa de televisão junto com seu esposo, o pastor Felippe Valadão. O programa será apresentado na Rede Super, que tem como presidente o irmão da cantora, o também cantor André Valadão (relembre a notícia clicando aqui).

Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Biblia Online

Sobre o programa, pouco foi divulgado: “Não posso contar muita coisa ainda, só posso dizer que vai ser um tempo bem gostoso e divertido”, disse Mariana.

Mariana Valadão está ainda em ritmo de divulgação de seu segundo CD solo, “De todo Meu Coração”, cujas músicas são sucesso nas rádios e webrádios de todo o país. “Estou muito feliz com essa nova fase da minha vida, e ainda mais, com a receptividade das pessoas com o meu ministério. É até engraçado falar, mas o CD não tem hit do momento, na verdade, todas as canções estão sendo pedidas, tocadas e apreciadas nas rádios. Glória a Deus por isso”, conta a jovem cantora.

Mas para quem pensa que o programa de televisão é a única novidade de Mariana Valadão, se engana: está previsto para este ano o lançamento do primeiro CD da carreira da cantora em versão playback. Agora é só aguardar.

Fonte: Gospel+
Com informações de Elisandra Amâncio, Assessora de Imprensa de Mariana Valadão

Tabernáculo de Jah: reggae cristão com evangelismo


Tabernáculo de Jah: reggae cristão com evangelismo

A história da Tabernáculo de Jah é marcada por sua missão o evangelismo e missões urbanas. Em 2007, quatro amigos de Volta Redonda, Rio de Janeiro, juntaram-se para proclamar a Palavra de Deus através da cultura que muitos estavam inseridos: a cultura do Reggae.

Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Biblia Online

Atualment, a banda é composta por seis integrantes e mudou-se para São José dos Campos, onde desenvolve ações missionárias junto da Primeira Igreja Batista.

As missões urbanas ainda são um dos objetivos da banda – tocar pessoas e grupos que usualmente não são o alvo de evangelismo das igrejas, proclamar a todos a salvação de Cristo. Através dos shows, a banda tem conseguido levar a mensagem de Jesus em ambientes onde comumente não é levado. “Como igreja brasileira precisamos despertar para as coisas que realmente importam. Em todas as apresentações pregamos direcionando nossa fé a Jesus Cristo. Estamos nos preparando para um discipulado específico e capacitação de novos obreiros”, aponta Cacau Andrade, líder da banda.

O visual da banda é composto por um elemento presente em várias bandas tradicionais de reggae: dreadlocks. A abordagem é diferenciada, mas fiel às Escrituras Sagradas. “Graças a Deus temos conseguido manter nossas raízes tradicionais, não só pela liturgia, mas pela profundidade que cremos ter a mensagem do evangelho de Cristo. Somos o que somos e isso nos basta por que sabemos que Deus nos fez assim”, fala Cacau.

Sobre o ganho trazido pelo trabalho realizado pela banda, Cacau fala: “O ganho maior é viver debaixo da santa vontade de Deus. Nascemos e vivemos para isto Acredito que toda a igreja deveria pensar assim, aceitar o que cada um é e utilizar aquilo que somos como instrumento de Deus para o levante de uma geração poderosa, que fará exatamente aquilo que Deus esperava que fizéssemos, e não aquilo que achamos que devemos fazer”.

Para mais informações e contato, acesse o site http://www.tabernaculodejah.com/, ou ligue (12) 81316747 begin_of_the_skype_highlighting (12) 81316747 end_of_the_skype_highlighting e (12) 88248006 begin_of_the_skype_highlighting (12) 88248006 end_of_the_skype_highlighting.

Fonte: Gospel+
Com informações do portal Creio.com.br

Governador afirma que vazamento de petróleo foi um “ato de Deus”


Governador afirma que vazamento de petróleo foi um “ato de Deus”

O governador do Texas, Rick Perry, disse hoje que o vazamento de petróleo no Golfo do México é um “ato de Deus” e reforçou que não será inteligente especular a razão da explosão na plataforma.

Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel

Segundo ele, a expressão “ato de Deus”, que utilizou pela primeira vez na segunda-feira, quer dizer o mesmo que “ninguém sabe o que aconteceu”.

O poço subterrâneo joga ao redor de 800 mil litros diários de petróleo, equivalente a cerca de 5 mil barris de petróleo, segundo os números oficiais.

“Se a definição de ‘ato de Deus’ for olhada, a usamos em termos legais durante muito tempo neste estado”, disse Perry no Capitólio do Texas, na cidade de Austin.

“Ninguém sabe o que aconteceu e disse em meu discurso que há um montão de especulações. Pode ter sido um ato de Deus”, ressaltou o governador.

Fonte: UOL / Gospel+
Via: Pavablog

Os evangélicos criaram um novo jeito de ser, afirma pesquisadora. Confira a entrevista


Os evangélicos criaram um novo jeito de ser, afirma pesquisadora.  Confira a entrevista

Desde que o movimento pentecostal brasileiro tornou-se fenômeno de massa, no último quarto do século 20, especialistas das mais diversas áreas têm se debruçado sobre a Igreja Evangélica com lupas de pesquisador. O espantoso crescimento do segmento, que pulou de um traço estatístico para a posição de segundo maior grupo religioso do país, tem sido discutido e explicado de muitas maneiras – quase todas, diga-se de passagem, incompletas ou mesmo parciais. Por isso, trabalhos como o da professora Magali do Nascimento Cunha ganham relevância. Jornalista, doutora em Ciências de Comunicação e mestre em Memória Social e Documento, ela é docente em diversos cursos da Faculdade de Teologia da Igreja Metodista da Universidade Metodista de São Paulo e atua ainda como palestrante e conferencista. Mas observa o cenário evangélico nacional com ainda mais conhecimento de causa, já que é membro da Igreja Metodista do Brasil e do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CMI).

Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel

Ninguém pense, contudo, que Magali faz algum tipo de concessão ao corporativismo. Ao contrário – a pesquisadora não poupa as críticas que julga necessárias à Igreja contemporânea. No seu mais recente livro, A explosão gospel – Um olhar das ciências humanas sobre o cenário evangélico no Brasil (Mauad Editora), Magali constrói uma tese segundo a qual esse movimento chamado gospel fundamenta-se não apenas na lógica do mercado, mas também numa série de novos comportamentos e maneiras de enxergar e praticar o Evangelho. “Vivemos o surgimento de uma cultura religiosa nova”, afirma a professora. Segundo ela, a explosão gospel criou tantas demandas que afetou até mesmo a teologia cristã deste século 21. Entender este multifacetado universo de fé e todos os seus desdobramentos talvez seja tarefa para gerações. Mas nesta entrevista, Magali Cunha aponta alguns caminhos.

CRISTIANISMO HOJE – Como a senhora define a cultura gospel?

MAGALI DO NASCIMENTO CUNHA – Vivemos o surgimento de uma cultura religiosa nova, um jeito de ser diferente daquele construído pelos evangélicos brasileiros ao longo de sua história. Novos elementos foram adicionados como resposta ao tempo presente, que é fortemente marcado pelas culturas da mídia e do mercado, e pelo crescimento de novos movimentos evangélicos, principalmente o pentecostalismo. O movimento musical chamado gospel resultou deste processo sócio-religioso e abriu caminho para outras expressões. Isso quer dizer que testemunhamos uma ampliação, sem precedentes, do mercado religioso e de formas religiosas mercadológicas. Há também uma relativização da negação do mundo, tão cara aos evangélicos brasileiros – o corpo é valorizado, assim como a diversão. Com isso, temos uma nova cultura experimentada, um novo modo de ser evangélico: privilégio à expressão musical, envolvimento no mercado e espaço para o lazer e o entretenimento.

O termo “gospel” não é abrangente demais para abrigar tantos elementos e manifestações?

Na verdade, podemos dizer que as diferenças que existem entre os grupos evangélicos estão bastante “sufocadas” por essa forma cultural. Uso o termo “gospel” para definir esse modo de vida porque ele emerge do fenômeno que ganhou corpo nos anos 90 – o movimento musical que detonou um processo e configurou algo muito maior. Surgiu uma forma cultural, um modo de vida gospel. Ele não é uma expressão organizada, delimitada; mas resulta do cruzamento de discursos, atitudes e comportamentos entre si e com a realidade sociopolítica e histórica.

Mas existem traços comuns entre todas essas manifestações?

Há, principalmente, três elementos. Em primeiro lugar, a busca de modernidade e inserção dos evangélicos na lógica social da tecnologia, da mídia, do mercado e da política. Numa segunda perspectiva, tivemos as transformações na forma de cultuar e na ética de costumes de um significativo número de igrejas. Veja que atualmente não é mais possível identificar o que é um culto batista, ou um culto metodista, ou um culto presbiteriano. Identificamos, em nossas pesquisas, uma só forma de cultuar com as mesmas características. E, em terceiro lugar, um discurso comum que privilegia temas como “vitória” e “poder”, com ênfase no aqui e agora, bem diferente da tradição evangélica, cuja pregação privilegiava temas como o céu e a segunda vinda de Cristo como compensação pelos sofrimentos do presente. Essa produção de cultura alcançou uma amplitude que perpassa, senão todas, a grande maioria das igrejas e denominações evangélicas brasileiras.

O louvor tem importância cada vez maior nos cultos. Por que as igrejas têm dado tanto valor à música?

Quem é Deus e quem é Jesus na maioria das canções? A maior parte das composições traz imagens da teofania monárquica do Antigo Testamento. Assim, Deus e Jesus são intensamente relacionados a imagens de reinado, majestade, glória, domínio e poder. Nesta linha, ganha novo sentido a figura dos levitas, que passam a ser destacados e traduzidos na contemporaneidade como “os ministros de louvor”, terminologia assumida nas igrejas. Disso resulta também o estabelecimento de uma hierarquia de ministérios. Há maior destaque aos levitas, e isso pode ser observado no lugar que ocupam no culto. Quem toca e canta é considerado ministro; já quem realiza outras atividades de serviço raramente é apresentado e destacado dessa maneira.

Essa nova cultura gospel tem espaço para a ética cristã?

Vivemos hoje uma forte crise de ética cristã quando privilegiamos um modo de ser baseado no “eu” e na experiência. Isso é totalmente incompatível com o Evangelho. E a coisa se agrava quando aprendemos que ser cristão é consumir bens e serviços religiosos e divertir-se não como mera assimilação da cultura do mercado, mas como expressão religiosa. Quer dizer, a cultura gospel permitiu aos evangélicos brasileiros a inserção de elementos profanos na forma de viver sua fé e de relacionar-se com o sagrado.

Em seu livro Explosão gospel, a senhora diz que o fenômeno mercadológico mudou o jeito de ser evangélico no país. Afinal, o que mudou?

Mercado religioso não é novidade. A oferta de produtos relacionados à religião e à fé sempre existiu. O que ocorre hoje é que o mundo vive um momento em que o mercado é o centro da vida socioeconômica, determina políticas e relações. E esse momento tem reflexos no cristianismo quando, por exemplo, experimentamos um crescimento sem precedentes do mercado religioso e os cristãos se tornam segmento de mercado.

Qual o efeito disso sobre a teologia evangélica?

Observamos hoje o surgimento de teologias que resultam deste predomínio da lógica do mercado na cultura dos povos. A teologia da prosperidade, que apregoa o sucesso material, especialmente o financeiro, como resultado da bênção de Deus, é fruto disso. A confissão positiva, do “eu que tudo pode” – então, a bênção passa a ser resultado do esforço pessoal –, e a noção da guerra espiritual, que combate as forças espirituais malignas que prejudicam o homem, também. Mas não é só isso. Existe a idéia de que, ao comprar um produto de orientação cristã, o crente não está só adquirindo um bem, mas chegando mais perto de Deus. Ou seja, o caráter sagrado atribuído aos produtos cristãos os tornam uma espécie de mediadores entre Deus e o consumidor. Por isso, as pessoas compram adesivos para que seu carro seja protegido do mal ou adquirem camisetas que vão guardá-las de infortúnios. Isso sem falar em gente que compra um CD daquele cantor “abençoado”, acreditando que ouvir as músicas pode até proporcionar uma cura.

O individualismo é uma marca do cristianismo contemporâneo?

Ocorre hoje uma exacerbação desse individualismo porque a cultura do mercado que predomina entre os povos bebe dessa fonte, o que se reflete na religiosidade evangélica. Por isso, as canções nunca trouxerem tanto o predomínio do “eu”, do gozo espiritual intimista; ao mesmo tempo, muito pouco ou quase nada se fala do valor do outro, do serviço, da partilha e da mutualidade.

O surgimento das chamadas comunidades evangélicas, cujo apogeu ocorreu nos anos 1980, foi determinante para o surgimento da cultura gospel?

As igrejas alternativas surgem como uma reação ao protestantismo tradicional e ao seu comportamento restritivo. Por isso eram, e ainda são, majoritariamente jovens e modernas. Esse fenômeno contribuiu, sim, para a formação da cultura gospel, mas não podemos dizer que é responsável. Foi um elemento a mais. Mas vale dizer que este vanguardismo das igrejas alternativas nunca abdicou dos elementos básicos da cultura evangélica no Brasil – apenas deu-lhes nova roupagem.

Hoje, é comum as igrejas copiarem modelos eclesiásticos considerados de sucesso, sobretudo os grandes ministérios liderados por dirigentes carismáticos. Qual o papel da mídia nisso?

A cultura da mídia, que é um elemento forte nas sociedades contemporâneas, promove uma padronização de discursos e práticas. Temos um padrão para cantar, para se comportar, para falar de Deus e da Bíblia. Isso porque as grandes igrejas e os grupos mais expressivos, com suas respectivas lideranças, conseguem espaço na mídia e viram modelos a serem copiados ou adaptados para a realidade de um sem-número de comunidades.

Qual a crítica que a senhora faz ao uso que os evangélicos têm feito da mídia no Brasil?

A mídia evangélica é extremamente comercial. Ela reproduz a lógica da mídia secular e não faz diferença no meio. É diferente de mídias cristãs de outros países, que produzem documentários, lideram campanhas de cunho social, exibem mensagens bastante criativas relacionadas ao calendário cristão. Ainda não assisti a nenhuma programação desta natureza em nosso país. O programa mais criativo que assisti nos últimos tempos saiu do ar – era o 25ª hora, da Igreja Universal, que debatia temas da conjuntura com especialistas e pessoas cristãs que os relacionavam ao desafio do Evangelho. Os poucos programas de debates nas rádios ou TVs evangélicas de hoje são apenas doutrinadores do grupo que os lidera. O debate já tem conclusão antes de terminar. O tom evangelístico, de buscar a adesão de novos fiéis à proposta evangélica, é coisa do passado na mídia. Os programas não são mais dirigidos aos não-cristãos, mas sim a quem é crente, ligado a qualquer igreja, para receber doutrinação que corresponde ao discurso da cultura gospel e as ofertas dos produtos de quem lidera aquele veículo. A divulgação dos locais de reuniões públicas dos grupos condutores da programação é apenas um apêndice à veiculação massiva de conteúdo musical, já que o mercado fonográfico do segmento é uma força. Os demais aspectos da programação – debates, sessões de oração, estudos e sermões – não têm aquele cunho proselitista clássico, mas é carregado de ênfase doutrinária para conquistar novos espectadores e consumidores para os produtos oferecidos.

A Renovação Carismática Católica assemelha-se ao pentecostalismo pela espontaneidade litúrgica e na ênfase nos dons do Espírito Santo; contudo, é um movimento bastante conservador, por exemplo, na devoção a Maria. A senhora acredita que os pontos de identificação entre os dois grupos podem chegar ao ponto de superação das diferenças teológicas?

Ainda não tenho elementos para falar sobre este fenômeno de maneira mais sistemática, mas esta é uma realidade. O fato é que a Igreja Católica Romana têm perdido membros durante as últimas décadas para o pentecostalismo, assim como as igrejas evangélicas históricas. A Renovação Carismática Católica tem buscado práticas de inspiração pentecostal para preservar sua membresia, atrair de volta os fiéis perdidos e conquistar outros. Marcelo Rossi e os outros padres cantores, assim como a Rede Canção Nova, são fruto desta conjuntura. A liturgia é chave deste processo. Não é possível ainda fazer previsões, mas uma intuição me leva a dizer que não podemos esperar a superação das diferenças. Ao contrário, deve haver um reforço da competição, pois membresia e números são chaves motivadoras de tal processo. O tom da visita de Bento XVI ao Brasil em 2007 deixou isso claro.

A flutuação de membros é fenômeno comum nas igrejas evangélicas deste início de século, ao contrário da valorização do pertencimento que se observava até bem pouco tempo. Quais os motivos que levam a esta infidelidade denominacional?

Vários sociólogos da religião têm estudado este fenômeno e o denominado “trânsito religioso”. Eles indicam que é fruto deste fluxo de modernidade que experimentamos na contemporaneidade – o individualismo, a busca extrema da satisfação pessoal imediata, a valorização do descartável. As pessoas transitam por igrejas em busca da satisfação pessoal imediata. Descartam experiências em busca de outras mais intensas e interessantes, e o descompromisso dá o tom deste processo.

A senhora é membro da Igreja Metodista, denominação fortemente envolvida com o diálogo ecumênico. No Brasil, o ecumenismo é veementemente rechaçado por igrejas de linha pentecostal. Esta rejeição deve ser atribuída ao desconhecimento acerca do movimento ecumênico ou trata-se mesmo de preconceito?

Um dos mais fortes impedimentos para o ecumenismo é a indiferença ecumênica. Há, sim, o anti-ecumenismo, a manifestação contrária de gente que é contra e diz por quê. Mas o que é maior não é a oposição declarada, e sim a indiferença à necessidade da busca de unidade entre os cristãos. Podemos chamar isso de “convivência tranqüila” com as divisões. Entre as razões da rejeição ao ecumenismo, podemos fazer uma pequena lista. Existem, claro, as divergências teológico-doutrinárias que as igrejas enfrentam. Muita gente não sabe o que é ecumenismo, não conhece a sua história – preferem dizer que é “coisa da Igreja Católica”. Há ainda o preconceito, o exclusivismo religioso, o medo do diferente e a crise de identidade. Mas, se sabemos quem somos, temos certeza dos nossos valores e do que dá sentido à nossa fé, como podemos ter medo de sermos influenciados? Então, vou aprender e reter o que é bom.

Qual é a viabilidade do diálogo ecumênico em um universo religioso tão multifacetado como o brasileiro?

O diálogo ecumênico é algo de Deus. Pluralismo religioso sempre existiu e vai continuar existindo. Enquanto as religiões, principalmente as igrejas, não dialogarem e superarem suas divergências, o mundo não vai crer, como disse Jesus. Isso não quer dizer deixar de ser quem é e assumir outro jeito de ser. Diversidade é coisa boa. Deus permite isso porque quer que seja assim. A questão é sabermos lidar com isso e aprendermos. Precisamos que as igrejas dialoguem e cooperem entre si, a partir do que têm em comum, neste mundo tão dividido por natureza. As igrejas não podem ser mais uma fonte de divisão para este mundo esfacelado. O mundo não vai crer enquanto o crescimento evangélico for baseado em competição e divergências.

“O novo modo de ser evangélico caracteriza-se pelo privilégio à expressão musical, por envolvimento no mercado e espaço para o lazer e o entretenimento”

“Vivemos hoje uma forte crise de ética cristã quando privilegiamos um modo de ser baseado no “eu” e na experiência. Isso é totalmente incompatível com o Evangelho”

“A mídia evangélica brasileira é extremamente comercial. Ela reproduz a lógica da mídia secular e não faz diferença no meio”

Fonte: Cristianismo Hoje / Gospel+

Dinheiro público que custeou o Congresso Gideões é legal. PT entrará com representação na justiça


Dinheiro público que custeou o Congresso Gideões é legal. PT  entrará com representação na justiça

O PT anunciou nesta segunda-feira que pretende ir à Justiça contra o evento do pré-candidato tucano ao Planalto, José Serra, em Santa Catarina, ocorrido em um congresso evangélico parcialmente custeado por recursos do governo do estado e da prefeitura de Camboriú. As duas são gestões do PSDB, que doaram R$ 540 mil para patrocinar os eventos dos evangélicos com Serra no sábado à noite.

Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel

O presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, usou o Twitter para reclamar: “Estatal patrocinar o 1º de Maio é dinheiro público. Governo do estado e prefeitura em SC patrocinarem evento religioso é dinheiro do PSDB”, afirmou. Outras duas ações do PT reclamam do site tucano “Gente que mente” e seu coordenador, Eduardo Graeff .

A aplicação de dinheiro público pelo governo de Santa Catarina (R$ 300 mil) e pela prefeitura de Camboriú (R$ 240 mil) na infra-estrutura do 28º Congresso Internacional de Missões dos Gideões Missionários, vinculado à Assembleia de Deus e que contou com a presença de Serra, foi classificado como investimento em turismo religioso tanto pela prefeita, Luzia Coppi Mathias (PSDB), como pelo governo catarinense. O uso do dinheiro público no evento foi denunciado em reportagem da “Folha de S.Paulo” de segunda-feira.

Segundo a prefeita, a prefeitura de Camboriú não liberou recursos para os evangélicos, mas contratou serviços para o evento, como aluguel de banheiros e som. Para ela, o retorno aos cofres da prefeitura justifica o uso da verba, pois são mais de 160 mil pessoas que participam do encontro religioso.

- Só com a cobrança de alvarás para funcionamento de barracas e ambulantes ao redor do evento arrecadamos mais do que esse valor. Ainda tem os impostos do comércio por vender mais. Esse gasto existe há algum tempo, está previsto em lei aprovada pela Câmara de Vereadores e se enquadra como turismo religioso. Não há nada de irregular – disse Luzia Mathias.

Outra parte de recursos para o evento foi aplicada pelo governador do estado, Leonel Pavan (PSDB), que liberou R$ 300 mil do Fundo de Incentivo ao Turismo, neste caso, religioso.

Segundo o governo de Santa Catarina, o valor foi o mesmo destinado ao mesmo evento em 2009, sem ser ano eleitoral. Em dois anos anteriores, o congresso também recebera recursos públicos. “Convites aos eventuais candidatos nas próximas eleições são de responsabilidade dos organizadores do evento, já que não se trata de ação de Estado. Vale destacar que todos os pré-candidatos às eleições estaduais de outubro próximo estiveram no encontro”, diz a nota do governo catarinense.

Para driblar a lei, já que o estado não pode passar recursos diretamente para igrejas, o valor do governo foi depositado na conta da Associação Movimento Comunitário Paz no Vale, vinculada à Assembleia de Deus. Segundo um dos representantes da Gideões Missionários da Última Hora, Hueslei dos Santos, a associação organiza o evento:

- A lei federal não permite repassar o dinheiro à igreja, então vai para a associação, que fez o projeto do evento, os contratos e o procedimentos para viabilizar o congresso.

Nesta segunda-feira, o DEM protocolou duas reapresentações contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a pré-candidata do PT, Dilma Rousseff, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) . O partido questiona a festa realizada no Dia do Trabalho em São Paulo e ao pronunciamento oficial de Lula em cadeia de rádio e TV.

Fonte: O Globo / Gospel+

Igreja Universal – Um dos Bispos indiciados pelo Ministério Público é retirado da investigação


Igreja Universal – Um dos Bispos indiciados pelo Ministério  Público é retirado da investigação

O TJ-SP (Tribunal de Justiça) de São Paulo trancou ação penal contra Veríssimo de Jesus, integrante da Igreja Universal do Reino de Deus, acusado de formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. Na ação, que está em segredo de justiça, outros nove membros da igreja, entre eles o bispo Edir Macedo também são processados.

Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel

A decisão, tomada pela 16ª Câmara de Direito Criminal do TJ em março e divulgado agora, já foi comunicada ao Ministério Público, que analisa se irá recorrer.

A ação foi trancada porque o tribunal entendeu que a denúncia não evidenciou a participação do acusado no esquema. Segundo os juízes, ele não pode ser acusado apenas por ter sido diretor da igreja no período investigado.

O advogado Daniel Bialski, que defende Jesus, afirmou que a decisão pode ajudar os outros envolvidos. “Os motivos que levaram o tribunal a trancar a ação penal em relação a Veríssimo aproveitam a todos os outros”, disse o advogado que também defende João Luís Dutra Leite.

Em agosto do ano passado, a 9ª Vara Criminal de São Paulo aceitou a denúncia contra os integrantes da Universal e determinou o segredo de justiça na ação.

O Ministério Público acusa Edir Macedo e os demais envolvidos de usarem a Igreja Universal para a prática de fraudes em detrimento da própria igreja e de inúmeros fiéis. A defesa da igreja sempre negou as acusações.

Segundo o Ministério Público, a movimentação suspeita da Universal somou R$ 4 bilhões de 2003 a 2008.

Além de Jesus e Edir Macedo, foram denunciados Alba Maria da Costa, Edilson da Conceição Gonzales, Honorilton Gonçalves da Costa, Jerônimo Alves Ferreira, João Batista Ramos da Silva, João Luís Dutra Leite, Maurício Albuquerque e Silva e Osvaldo Scriorilli.

Fonte: Folha / Gospel+
Via: Pavablog

domingo, 2 de maio de 2010

Veja imagens da Arca de Noé – segundo pesquisadores



Um grupo de cientistas turcos e chineses afirma ter localizado a Arca de Noé no monte Ararat, de acordo com a imprensa turca. O pesquisador chinês Wing-cheung Yeung diz que eles encontraram uma estrutura antiga de madeira em uma altitude de 4 mil m no monte que fica no leste da Turquia, na fronteira com o Irã.

O cientista é membro de uma organização internacional dedicada à busca pela arca em que, conforme a Bíblia, Noé e sua família escaparam do Dilúvio Universal. Segundo Cing, a estrutura encontrada tem 4,8 mil anos, por testes de carbono.

“Não é 100% seguro que seja a arca, porém pensamos que é 99,9%”, disse Yeung à agência turca Anadolu. “A estrutura do barco tem muitos compartimentos, o que indica que podem ser os espaços onde se localizavam os animais”, afirmou.

O pesquisador disse ainda que pediu ao governo turco para que proteja a zona para poder iniciar as escavações. Além disso, ele afirmou que pediu à Unesco que coloque o local na sua lista de patrimônio da humanidade.

Não é a primeira vez que o grupo afirma ter encontrado a arca no Ararat, a montanha mais alta da Turquia e onde a Bíblia afirma que Noé desceu quando baixaram as águas do Dilúvio.

Veja as imagens na galeria abaixo:

Assista o vídeo da descoberta:



Fonte: Terra / Noah’s Ark Ministries International Limited/ O Verbo

Relatório da ONU pede $24 bilhões por ano para “planejamento familiar moderno” que inclui aborto


(Por Dra. Susan Yoshihara) – Um relatório recente da ONU apoiado pelas maiores organizações de controle populacional do mundo argumenta que as nações precisam duplicar seus investimentos em planejamento familiar e aborto nos países pobres para um total de $24 bilhões por ano, afirmando que isso reduziria dramaticamente as mortes maternais e infantis e resolveria muitos males sociais.

O relatório, com o título de “Somando: os custos e benefícios dos investimentos em planejamento familiar e saúde de recém-nascidos”, afirma que se os países membros da ONU investirem outros $12 bilhões por ano em “moderno planejamento familiar”, o resultado mundial incluirá economia de custos para os países pobres em saúde, água, saneamento básico e serviços sociais, uma redução de 2/3 de gravidezes não intencionais, uma diminuição de 70% em mortes maternais, uma diminuição de 44% em mortes de recém-nascidos, uma redução de 73% em abortos “inseguros” e uma redução de 60% em deficiências físicas.

O relatório argumenta que “se todas as mulheres que querem evitar uma gravidez usassem modernos contraceptivos, o declínio resultante em gravidezes não intencionais reduziria o custo de dar a todas essas mulheres o padrão recomendado de assistência maternal e infantil em $5.1 bilhões — de $6.9 bilhões para $1.8 bilhão.”

Elaborado e financiado pelo Instituto Guttmacher, que é o órgão de pesquisas da [organização abortista] Federação de Planejamento Familiar, junto com o Fundo de População das Nações Unidas (FNUAP), o relatório recebeu comentários de líderes das maiores instituições de controle populacional, inclusive o Conselho de População, a Ação Internacional de População e a Agência de Desenvolvimento Internacional dos EUA (conhecida pela sigla em inglês USAID).

O aborto “seguro” é promovido como um meio de melhorar a saúde maternal e infantil no relatório. Os autores afirmam que “em 2003, aproximadamente 20 milhões de abortos no mundo inteiro — quase 47% de todos os abortos — foram procedimentos inseguros”. Para sustentar essa declaração, o relatório cita um documento polêmico de 2009 do Guttmacher, escrito pelo mesmo autor.

Os críticos argumentam que a única razão para usar mortes maternais e infantis no recente relatório brota da necessidade do lobby do controle populacional de criar uma sensação de urgência para que as nações que fazem contribuições invistam em planejamento familiar. O relatório critica o fato de que “a assistência, vinda de nações que fazem doações, dedicada especificamente ao planejamento familiar caiu dramaticamente em quantias absolutas de dólar desde meados da década de 1990”.

De acordo com o relatório: “Os serviços de planejamento familiar e saúde maternal têm de ser vistos como partes interconectadas de uma sequência de assistência”. Como resultado, não se sabe quanto das alegadas melhorias em saúde maternal e infantil vem de melhor assistência pré-natal e quanto viria de impedir nascimentos todos combinados por meio do planejamento familiar. Os autores dizem: “Comparados com os serviços de contraceptivos, os serviços maternais e de recém-nascidos são mais complexos e mais difíceis de definir e medir”, e que “Avaliar os benefícios de assistência maternal e de recém-nascidos é difícil porque poucos estudos examinaram a questão”.

Essa é a primeira vez que o relatório “Somando”, primeiramente publicado em 2003, tentou usar a questão da saúde maternal e infantil para justificar mais financiamentos para serviços mundiais de contracepção e aborto. De acordo com o relatório, a análise foi expandida para “incluir assistência maternal e de recém-nascidos e os efeitos sinérgicos de se investir simultaneamente nessa assistência e em planejamento familiar.

Este artigo foi reproduzido com a permissão de: www.c-fam.org

Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com/OVERBO

Padres de Rolante abandonam a Igreja para serem pais

Sacerdotes que engravidaram fiéis se tornam o tema das conversas de município do Vale do Paranhana.
Em um período de poucas semanas, dois padres de Rolante, no Vale do Paranhana, deixaram a comunidade católica perplexa pelo mesmo motivo: ambos mantiveram romances com mulheres que acabaram grávidas quase ao mesmo tempo. Desde a Páscoa, quando o escândalo ganhou dimensão, o assunto domina as conversas no município de 20 mil habitantes e provoca consternação entre os fiéis.
Há vários meses, vinham sendo feitas denúncias anônimas à diocese de que os religiosos estavam desrespeitando a norma sacerdotal do celibato. Superiores da diocese de Novo Hamburgo chegaram a visitar a cidade e questionar os envolvidos, mas nada foi provado. Este ano, a gravidez das duas mulheres confirmou as suspeitas, deixou perplexos os devotos e levou os dois sacerdotes a deixarem o altar.
– Eu chorei quando soube. Muita gente chorou. Abalou a nossa comunidade. Hoje, menos gente vai à missa do que antes porque muitas pessoas deixam de acreditar. Mas vai passar – afirma o ministro da Eucaristia João Schierholt, que soma três décadas de trabalho junto à igreja rolantense.
O ex-padre auxiliar da paróquia Elton Miller Jahnn afastou-se da vida religiosa ainda no final de fevereiro, quando já havia deixado Rolante e participava de uma missão em uma paróquia de Porto Velho (RO). A grande surpresa, porém, estava ironicamente reservada para o período da Páscoa. O principal sacerdote de Rolante, o pároco Leandro Schneider, havia pouco mais de dois anos liderava com empatia a igreja localizada na região central da cidade. Antes das missas, recebia um por um os fiéis com um aperto de mão e um abraço. Seu último dia de trabalho, já sob a pressão dos comentários, foi no domingo do feriado.
Na quarta-feira seguinte, como a notícia sobre o comportamento dos padres repercutia por toda a cidade, o bispo da diocese de Novo Hamburgo, dom Zeno Hastenteufel, dirigiu-se ao município para falar ao rebanho. Procurou serenar os ânimos.
– Quem nunca pecou, atire a primeira pedra – declarou.
Muitos católicos ficaram em dúvida sobre a validade dos sacramentos realizados pela dupla. A empresária Clélia da Silva, 42 anos, teve duas filhas batizadas pelo pároco e ficou com medo de que os sacramentos fossem formalmente inválidos devido ao descumprimento do compromisso sacerdotal.
– O bispo nos explicou que o que havia sido feito estava bem feito e não precisávamos nos preocupar. É que foi uma surpresa para nós – diz Clélia.
Elton Jahnn trocou a batina pelo avental. Zero Hora localizou-o trabalhando em uma fábrica de biscoitos da cidade. Afirmou que não daria entrevista por querer evitar constrangimentos ainda maiores a sua família e à Igreja Católica da região. Apenas confirmou que será pai de uma menina dentro de pouco mais de um mês. Leandro Schneider deixou a cidade e teria se abrigado na casa de parentes, em Campo Bom. Procurado por ZH, não foi encontrado. Seu pai, Luís, preferiu não se pronunciar.

ZH/Notícias Cristãs

Paquistão: Violência contra Cristãos

Violências cotidianas no Paquistão contra os cristãos no silêncio geral: é o que denuncia a Agência Fides, citando fontes paquistanesas. Em uma nota divulgada ontem Fides declara: “Quarta-feira, na localidade de Quetta (Baluchistão), um cidadão cristão foi assassinado na rua por pessoas não identificadas, causando horror à comunidade local”. Ainda na quarta-feira, no Punjab foi surrado e violentado um barbeiro de 29 anos acusado por um grupo de muçulmanos tradicionalistas de ter cortado a barba de um jovem muçulmano.
Nos dias passados, sempre no Punjab, foi incendiada pelos denominados “talebãs paquistaneses” a escola feminina “St.Deny’s Girls High School”, administrada pela Igreja protestante do Paquistão. Também na capital Islamabad “outro caso de violência contra uma jovem cristã. Acusada, sem provas, de ter roubado algumas jóias; a jovem foi mantida como refém, surrada e torturada durante 5 dias para obrigá-la a confessar, uma confissão de algo que ela, inocente, não fez. Agora está internada num hospital e corre o perigo de perder o uso das pernas”.
Por causa desses e de outros casos de violência a Comissão “Justiça e Paz” da Conferência Episcopal do Paquistão, pediu mais atenção por parte do governo à situação. Segundo o Diretor do Centro de Pesquisa para os Direitos Humanos, Christian Study Center de Rawalpindi, Francis Mehboob Sada, “a maior parte das violências se verifica no silêncio e na indiferença geral”.

RV/Notícias Cristãs

Padres suspeitos de exploração sexual são indiciados em Alagoas

Um deles também foi indiciado por ameaça.
Se condenados, eles podem cumprir pena de 4 a 10 anos de detenção.
Os três padres suspeitos de terem cometido exploração sexual contra adolescentes em Arapiraca (AL) foram indiciados pela Polícia Civil de Maceió nesta terça-feira (27). Um dos religiosos cumpre prisão preventiva em regime domiciliar desde o dia 20 de abril, em Arapiraca, após prestar depoimento na CPI da Pedofilia. O relatório da investigação ainda indiciou um dos padres pelos crimes de ameaça e importunação ofensiva ao pudor, de acordo com a Lei de Contravenções Penais.
Segundo a delegada Bárbara Arrais, uma das responsáveis pelo inquérito policial, o crime mais grave cometido pelos padres foi o de exploração sexual. "Segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente, a pena para o crime pode variar de 4 a 10 anos. Essa, sem dúvida alguma, é a mais grave de todas as acusações contra eles que coletamos no inquérito."
Um dos envolvidos fez acordo com a Justiça e aceitou a proposta de delação premiada. De acordo com a delegada, o depoimento prestado por esse religioso foi importante para ajudar a investigação do caso. Agora, de acordo com Bárbara, o relatório será analisado pelo Ministério Público Estadual. "Os promotores podem decidir pela realização de novas diligências ou oferecer denúncia contra os indiciados", disse a delegada ao G1.

Afastamento dos padres
Os três religiosos foram afastados de suas funções pelo bispo dom Valério Breda, da Diocese de Penedo (AL), de acordo com nota divulgada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Dois deles foram impedidos pela polícia de deixar a cidade.
A CNBB informou ainda que foi instaurado um Processo Administrativo Penal, de acordo com o Código de Direito Canônico. No texto, o bispo disse "reprovar, de forma irrestrita e com o coração despedaçado pela vergonha e pela tristeza, os fatos, mesmo que ainda não provados". Breda informou que, "nenhuma das supostas vítimas citadas nos supostos atos de abuso, tampouco seus familiares, procuraram oficialmente o bispo diocesano para denunciar o caso."
No documento, o bispo informou ainda que foi aberto um Processo Administrativo Penal, nos termos do Código de Direito Canônico. Ele disse ainda que vai ajudar a polícia e a Justiça no esclarecimento do caso

Prisão domiciliar
O advogado Edson Maia, que representa um dos monsenhores, disse ao G1 que pediu a revogação da prisão preventiva com base da Lei de Execuções Penais, que prevê o benefício para réus e investigados com mais de 70 anos de idade e problemas de saúde. De acordo com a delegada, o religios permanecia cumprindo prisão domiciliar até a manhã desta sexta-feira (30).
Maia explicou que a prisão domiciliar terá efeito até que o juiz John Silas, da 8ª Vara Criminal de Arapiraca, analise o pedido do advogado pela revogação da prisão preventiva. "A prisão não tem limite de prazo para acabar."
O advogado disse que o religioso segue com o mesmo discurso que prestou à Polícia Civil e aos integrantes da CPI da Pedofilia. "Ele confirma que manteve relações sexuais com os coroinhas, mas quando estes já estavam na fase adulta. Ele afirma categoricamente que não manteve relações com eles enquanto eram menores de idade. O monsenhor nega que seja pedófilo."

G1/Notícias Cristãs

Pastor é preso em flagrante por corrupção de menor em Candeia

Foi preso na última sexta-feira (30) um pastor da Igreja Universal do Reino de Deus, em flagrante, por corrupção de menor, no município de Candeias.
Alex Santos Gouveia, de 31 anos, estava no carro com uma adolescente de 13 anos, estacionado no acostamento da estrada que dá acesso à cidade, próximo ao Posto Rodoviário Estadual, no bairro Mamão, quando policiais abordaram o pastor. Alex continua preso e a Delegacia de Candeias não possui informações sobre a adolescente.

Correio da Bahia/Notícias Cristãs

Casal cristão é forçado a vender hotel depois de ser absolvido de acusações de discriminação religiosa

INGLATERRA — Um casal cristão da Inglaterra foi forçado a colocar seu hotel à venda, mesmo depois de ter sido absolvido de todas as acusações num caso de discriminação religiosa. Ben e Sharon Vogelenzang disseram que a atividade comercial em seu Hotel Bounty House, de nove dormitórios, se desmoronou e eles estão perdendo 8.000 libras por mês.

O casal está recebendo ajuda do Instituto Cristão e está considerando ação legal contra a polícia de Merseyside e a promotoria federal. As acusações foram feitas em abril de 2009 por uma cliente do hotel que se converteu ao islamismo. Ericka Tazi acusou o casal de insultar as convicções religiosas dela durante uma discussão sobre religião, dizendo que Maomé era um “déspota” e que as mulheres muçulmanas são oprimidas, depois que ela deixou seu quarto vestindo o tradicional Hajib muçulmano. A polícia de Merseyside lançou uma investigação e acusou o casal de crime contra a ordem pública, com agravante religioso.

Numa decisão que foi comemorada como vitória pela liberdade de expressão, o juiz regional Richard Clancy do tribunal de pequenas causas rejeitou as acusações, dizendo que não dava para se confiar no relato da Sra. Tazi. A polícia de Merseyside está sendo muito criticada por perturbar os dois hoteleiros, que são cidadãos que cumprem a lei.

“Antes das acusações, nós realmente não tínhamos sentido os efeitos da recessão, pois recebíamos clientes regulares, que eram pacientes que compareciam aos cursos de alívio de dores no Centro Walton, parte do Hospital Aintree”, Ben Vogelenzang disse para a imprensa local. Apesar de receber doações de cristãos do mundo inteiro, o casal disse que está com dívidas de 400.000 libras.

“Aproximadamente 80 a 90 por cento de nossos dormitórios estavam sempre ocupados, mas desde as acusações temos tido só dois a três clientes por semana. Até mesmo depois que fomos absolvidos, o negócio não voltou ao normal — tudo por causa de uma inocente conversa que ocorreu em nossa sala de refeição”.

O casal, que tem cinco filhos adotados, poderá agora ser forçado a colocar seu negócio à venda a fim de pagar aos credores. Se não conseguirem vender o hotel, eles poderão ir à falência.

“O hotel estava indo muito bem, e tínhamos um trato em vigor com um hospital local para dar acomodação para pacientes num programa de tratamento de um mês”, disse Ben Vogelenzang. “Mas logo que essa calúnia infundada foi inventada o hospital parou de usar o hotel e muitas de nossas outras atividades comerciais sofreram muito por causa dos efeitos secundários”.

Apesar de ter sido absolvido de todas as acusações, o casal diz que pelo fato de que o caso levou oito meses para ser julgado, seu negócio sofreu um grande declínio e o relacionamento com o programa do hospital foi perdido. “Temos tentado todo esforço possível para salvá-lo, mas o banco não nos dará mais nenhum tempo ou dinheiro. Devido inteiramente ao caso judicial, hoje estamos sem condições de pagar nossas contas e estamos sendo forçados a ir ao leiloeiro para vender o hotel”.

“Estou muito amargurado com o modo como a polícia de Merseyside lidou com o caso”, disse ele. “Uma policial em particular disparou nas alegações e ela era como um cachorro com um osso. Não havia nenhuma evidência real contra nós, mas ela não queria largar o caso”

Na audiência, as acusações foram descartadas imediatamente. O juiz Richard Clancy disse naquela ocasião: “Vocês levantaram a questão da liberdade de expressão. A União Européia dá a todos nós o direito à liberdade religiosa, e pessoas não têm medido esforços para preservar essa integridade”.

Um porta-voz da promotoria federal respondeu ao veredicto dizendo: “Ainda assim, levaríamos adiante um caso semelhante no futuro, pois cremos que é do interesse público”.

A polícia de Merseyside também se recusou a admitir que errou. Um porta-voz disse: “Respeitamos a decisão do tribunal hoje. Crime de ódio não é só racismo — pessoas podem ser tornar alvo de ataques por causa de sua deficiência física, raça, religião ou convicção, orientação sexual e identidade de gênero.

“Todos os incidentes de crime de ódio são investigados totalmente pela polícia de Merseyside e continuaremos a trabalhar com nossos parceiros, principalmente com a promotoria federal, para levar adiante tais incidentes nos tribunais”.

Mas Ben Vogelenzang disse que ele e sua esposa estão “devastados” com a perda de sua subsistência, mesmo depois de serem completamente absolvidos. “Muitas pessoas achavam que quando ganhássemos no tribunal, tudo estaria resolvido. Na realidade, o caso nos levou à beira da destruição, de modo que não foi de forma alguma uma vitória”, ele disse para o jornal Daily Mail.

Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com/OVERBO

Durante evento dos Gideões, Serra pede orações ‘para enfrentar as batalhas’


Pré-candidato falou para público de 10 mil pessoas em Santa Catarina. Em referência à eleição, disse que batalhas são voltadas ao progresso do país.

Ao participar de um evento religioso em Santa Catarina, na noite deste sábado, o pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB, José Serra, fez um discurso repleto de referências à Bíblia e pediu orações ao público.

De acordo com a organização do 28º Congresso Internacional de Missões dos Gideões Missionários da Última Hora, promovido pela Assembleia de Deus, em Camboriú, Serra falou para um público de 10 mil pessoas, acompanhado de líderes políticos da região.

O pré-candidato começou o discurso com “que todos estejam com a paz do Senhor”, tradicional saudação dos evangélicos. Em seguida, fez um pedido por orações: “Peçam que Ele me dê sabedoria para enfrentar as batalhas daqui por diante. Todas elas voltadas ao progresso do país”.

Ao longo do discurso, Serra falou sobre saúde e fez ligações entre passagens da Bíblia e sua atuação no Ministério da Saúde. Destacou ainda a importância da vacinação contra a nova gripe e criticou os fumantes.

“A pessoa que fuma sabe que o cigarro vai fazer mal, mas continua assim mesmo. Depois, adoece e mesmo assim continua fumando. Assim é uma pessoa sem Deus. Sabe que Ele está ali, mas não o procura”, afirmou o pré-candidato.

Serra foi tratado várias vezes como “futuro presidente”. No meio de sua oração, o pastor Cezino Bernardino pediu para que os fiéis orassem para que Serra se elegesse e convidou o pré-candidato a voltar ao encontro no ano que vem como presidente da República.

Depois de ganhar uma Bíblia do pastor, Serra encontrou jornalistas para uma rápida entrevista. Defendeu o trabalho missionário das igrejas e evitou falar sobre a investigação contra o governador do Estado, Leonal Pavan (PSDB). “Não tenho avaliação sobre isso. Não conheço os termos desta investigação”, disse.

Ao sair do ginásio onde ocorreu o evento, foi saudado por uma multidão e fez o V de vitória. Após quase duas horas em Camboriú, seguiu com a comitiva em direção ao Aeroporto Internacional de Navegantes Ministro Victor Konder, de onde partiria de volta a São Paulo.

Fonte: G1/overbo