sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Pastor que assumiu ser gay frente a milhares de fiéis afirma estar em paz com Deus, mas se recusa a falar sobre homossexualismo na Bíblia



Um mês depois de sair de sua congregação como gay, um pastor da Geórgia disse que nunca esteve mais feliz ou mais em paz com Deus e consigo mesmo.

“Eu tenho favor diante de Deus e do homem, e os pontos positivos na minha vida até agora superam os negativos, que eu não posso pensar em mim de outra forma, mas abençoada,” Bishop Jim Swilley da Igreja Church in the Now, disse em seu blog na terça-feira. “Estou cercado de amor, mesmo em meio à perseguição esperada”.

Foi em 13 de outubro, quando ele disse à sua congregação que ele era gay. O homem de 52 anos, que fundou a Igreja Church in the Now, explicou que duas coisas lhe foram dadas em sua vida as quais ele não pediu – o chamado de Deus em sua vida e sua orientação sexual.

Swilley, que foi casado duas vezes e tem quatro filhos, deu uma série de entrevistas mês passado, contando o dia que assumiu ser gay, afirmando sua crença de que alguém não pode deixar de ser gay.

Foi a sua ex-esposa, Debye Swilley, que o encorajou a ser “verdadeiro” com a congregação, em conformidade com o lema da Igreja: “Pessoas reais Experimentando o Deus Real no Mundo Real.”

Os dois foram casados 21 anos. Debye, a co-pastora da mega-igreja, sabia que o Bispo Swilley era gay antes de se casar. Ela insistiu que eles estavam apaixonados e que seu casamento não foi uma farsa.

Bispo Swilley disse à CNN, no entanto, que “em certo ponto, você é quem você é. Fui contra a minha natureza.”

O pastor pentecostal disse que sabia que era gay desde que tinha quatro anos.

Desde que assumiu ser gay, Swilley se recusou a participar de qualquer debate teológico sobre a homossexualidade.

“Eu não tenho desejo de me defender ou descutir as Escrituras com aqueles que não estariam abertos a qualquer coisa que eu teria para dizer. A integridade não pode ser provada, deve ser dicernida,” escreveu ele em seu blog.

Durante uma entrevista anterior à CNN, ele diz que inicialmente sentiu o chamado de Deus em sua vida e sua orientação sexual não eram compatíveis. Mas ele não respondeu à pergunta do The Christian Post para explicar a sua atual postura teológica.

Na terça-feira, no entanto, ele promoveu uma breve discussão em seu blog.

Ele afirmou que estava “ciente” do que a Bíblia chama de “abominação. “Mas acrescentou: “Aqui está uma pequena lista de algumas das coisas que a Bíblia chama de abominação…” e percorreu uma a lista de cerca de três dezenas de coisas, incluindo a trapaça, o orgulho de coração, a testemunha falsa, e comer coisas impuras.

“Eu poderia continuar, mas basta dizer que, provavelmente somos todos culpados de cometer abominações regularmente (já teve um olhar orgulhoso em seu rosto, ou come carne de porco?), “Por isso precisamos manter o uso dessa palavra em perspectiva,” escreveu ele. “Graças a Deus pelo Cordeiro de Deus que tirou o pecado do mundo!”

Em suas entrevistas, Swilley também deixou claro que ele não acredita que alguém poderia ser “liberto de ser gay” ou mudar sua orientação sexual.

O reverendo Tom Brock, que foi assumiu sua luta contra a atração pelo mesmo sexo, no início deste ano pela revista GLBT (gays, lésbicas, bissexuais, transgêneros) Lavender, discorda. Há alguns que acham ser um tipo de liberdade, disse ele, e outros que simplesmente optam por não atuarem em seus desejos, inclusive ele próprio.

“Eu tenho a luta de atração pelo mesmo sexo em minha vida, mas você escolhe isso? Não sei se alguém escolhe suas tentações,” disse ele ao Christian Post.

“Minha opinião é que nós todos nascemos dos pecadores por causa do pecado de Adão – o pecado original – e ele assume diferentes formas e você não pode escolher conscientemente as tentações da vida, mas você escolhe o que fazer com eles,” disse ele.

“Eu não sei onde esse bispo está espiritualmente, mas se ele é da opinião que você pode se envolver em comportamento homossexual e ainda seguir a Cristo, ele está errado,” Brock, ex-pastor da Igreja Luterana Esperança em Minneapolis, sustenta.

Brock é um virgem de 57 anos que continua a lutar contra os desejos de pessoas do mesmo sexo, mas ele disse que ainda diz não a eles por amor de Cristo.

O Bispo Swilley saiu do Colégio dos Bispos da Comunidade Internacional da Igreja Carismática e já não está mais afiliado a organização. Ele está, no entanto, em diálogo com outra rede internacional sobre possível ordenação e filiação. Enquanto isso, ele continua a pastorear a Igreja Chuch in the Now. Com muito apoio de sua congregação, ele disse que pretende manter a pregação sobre a graça, amor e tolerância.

Fonte: Christian Post / Gospel+

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.