segunda-feira, 24 de maio de 2010

Morreu o fundador de “Judeus por Jesus”


Moishe Rosen fundou e liderou uma das organizações religiosas mais polémicas das últimas décadas, um ministério cristão evangélico, liderado por judeus e direccionado a judeus.

Foram muitas as ocasiões em que Moishe Rosen ou os seus missionários foram ameaçados fisicamente pelas suas atividades. A sua organização, fundada em 1973 em São Francisco, nos Estados Unidos, continua a ser liminarmente rejeitada pela comunidade judaica internacional e olhada de lado por muitas organizações cristãs.

Nascido e criado judeu, Rosen converteu-se ao Cristianismo em 1953, mas recusou-se a aceitar que a fé em Jesus o obrigaria a abandonar certas práticas religiosas mais associadas ao judaísmo, tal como o jejum do dia de Yom Kipur ou a ceia de Páscoa ao estilo judaico.

Desta sua convicção nasceu Judeus por Jesus, uma organização missionária dedicada a divulgar a boa-nova cristã aos judeus. Embora o grupo aceite membros que não são etnicamente judeus, por uma questão de princípios apenas envia em missão judeus ou pessoas casadas com judeus.

Moishe liderou a organização até 1996. Morreu a semana passada de cancro e foi sepultado envergando o Talit, um xaile com que alguns judeus se cobrem para rezar.

Esta forma de proselitismo, que é rejeitada pela Igreja Católica e mal vista em muitos países com uma significativa população judaica, fez-se acompanhar sempre de polémica, que resultou em vários casos nos tribunais de diversos países. A organização, que tem filiais em muitos países, incluindo o Brasil (www.judeusporjesus.org.br), publica um boletim que, alega, é enviado para mais de 200 mil pessoas.

Fonte: Rádio Renascença/OVERBO

Um comentário:

  1. Acho relevante éssa idéia de cristãos serem monoteístas,pra mim, cristianismo é monoteista
    mas,cristãos são politeistas pois acreditam em pai o filho e o espirito santo.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.