quinta-feira, 20 de maio de 2010

Conflitos interreligiosos entre cristãos e muçulmanos têm carácter económico-diz em embaixador do Mali

Os conflitos interreligiosos entre cristãos e muçulmanos em África são provocados , sobretudo, por questões económicas e a pobreza das populações, descartando haver outro fundamento, disse hoje (terça-feira) à Angop em Luanda, o embaixador do Mali em Angola, Farouk Camara.
Falando à Angop, por ocasião dos 50 anos das independências de países africanos, iniciadas nos anos 60 do século XX, Camara realçou que “os conflitos são de carácter económica quer sejam por causa da escassez de terras, quer os que ocorrem por tentativas de ocupação de campos pelos por pastores nómadas, e alguns deles motivados pela pobreza".
Esclareceu que o Mali é oficialmente um Estado laico, embora 85 porcento da sua população seja muçulmana, há a tolerância e coabitação entre cristãos, islâmicos e animistas.
Frisou que no seu país há casamentos entre cidadãos de outras confissões religiosas, sem a obrigatoriedade do cônjuges trocar de religião, acrescentando que outra prova de tolerância é a participação de muçulmanos no natal e de cristãos nas festas islâmicas, sem qualquer constrangimentos da ordem moral ou pública.
O diplomata não vê, na sua opinião, motivos para divisão porque alguns profetas de cristãos são os mesmos para os muçulmanos, no caso de Abraão, pai de Ismael, ascendente do Mohamed, profeta do Islão, "assim como Jesus Cristo, conhecido pelos islâmicos por profeta Issa".
Disse que leu recentemente numa francesa que muçulmanos revoltaram-se por se insultar Jesus Cristo, porque o consideram também seu profeta.Acrescentando não compreender, "porque as pessoas se agridem ou se matam por serem cristão ou muçulmano, já que ambas religiões têm os mesmos anciãos e profetas".
“A livre participação de comunidades em festas de outras religiosas, principalmente, o natal, no e vice-versa no Mali, admira os observadores, porque o país tem um povo maioritariamente muçulmano. É isso que se considera coabitação”, sustentou.
Justificou não haver necessidade de conflitos entre muçulmanos e cristãos como ocorre noutros lugares, porque além da pertença a uma religião, todos são irmãos e filhos da mesma nação.
Frisou que para evitar guerras, conflitos inter-confessional funciona no Mali um Alto Conselho Religioso, no qual participam cristãos, muçulmanos e animistas, cujo objectivo é o de regular os problemas tendentes a provocar fricções.
Informou que as recomendações do Alto Conselho são encaminhadas ao Governo para a decisão final.

Angop/Notícias Cristãs

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.