sábado, 27 de março de 2010

Vaticano rebate mais acusações do ‘New York Times’ contra o papa sobre abusos

Jornal trouxe novas informações sobre suposta omissão de Bento XVI. Na véspera, ‘NYT’ havia revelado que Vaticano acobertuou caso nos EUA.

O Vaticano desmentiu nesta sexta-feira (26) as informações publicadas pelo jornal “New York Times”, que afirmam que o cardeal Joseph Ratzinger, atual papa, não fez nada para impedir em 1980 que um padre acusado de pedofilia retomasse o sacerdócio em uma outra paróquia na Alemanha, um dia depois de revelar um caso parecido ocorrido nos Estados Unidos.

“O artigo do “New York Times” não possui informações novas. O arcebispo (de Munique) confirma que o então arcebispo (Joseph Ratzinger) não estava a par da decisão de reintegrar o padre H. nas atividades pastorais da paróquia”, afirma o Vaticano em um comunicado.

“São rejeitadas todas as demais versões como resultado de especulações”, afirma a nota oficial do porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombari.

O Vaticano recordou que o vigário geral na época, monsenhor Gerhard Gruber, assumiu a “plena responsabilidade” das decisões equivocadas tomadas nessa época, conclui o comunicado.

Segundo o jornal, no final de 1979 em Essen, Alemanha, o padre Peter Hullermann foi suspenso após várias queixas de pais que o acusavam de pedofilia. Uma avaliação psiquiátrica ressaltou os instintos pedófilos, indica o diário americano.

Algumas semanas depois, em janeiro de 1980, o cardeal Ratzinger, futuro papa Bento XVI, que era na época arcebispo de Munique, dirigiu uma reunião durante a qual a transferência do padre de Essen para Munique foi aprovada. O futuro pontífice recebeu alguns dias depois uma nota na qual foi informado de que o padre Hullermann havia retomado o serviço pastoral.

Em 1986, este padre foi declarado culpado de ter agredido sexualmente meninos em uma outra paróquia de Munique, após a transferência para a cidade bávara.

Nesta semana, novas acusações de pedofilia vieram à tona, envolvendo o início e o fim de seu sacerdócio.

“Este caso é particularmente interessante porque ele revela que na época o cardeal Ratzinger estava em posição de lançar de processos contra o padre, ou pelo menos, de fazer com que não tivesse mais contato com crianças”, destaca o jornal.

“O padre Hullermann passou diretamente da vergonha ligada à suspensão de suas funções em Essen à possibilidade de trabalhar sem qualquer restrição em Munique, mesmo tendo sido descrito como um ‘perigo’ na carta que pedia a transferência”, acrescenta o NYT.

Pelo segundo dia seguido, o ”New York Times” revela documentos comprometedores para o Vaticano. Na quinta-feira, o jornal revelou que o futuro Papa Bento XVI havia acobertado abusos sexuais de um padre americano, acusado de ter abusado de 200 crianças surdas de uma escola do Wisconsin (norte dos Estados Unidos).

O Vaticano saiu em defesa do Papa afirmando que ele só teve conhecimento dos fatos quando era tarde, quando o idoso sacerdote já estava muito doente.


O presidente da Guatemala, Álvaro Colom, beija a mão do papa Bento XVI durante encontro no Vaticano nesta sexta-feira (26). (Foto: AFP)

Fonte: G1/OVERBO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.