sexta-feira, 5 de março de 2010

Esposa de líder evangélico abre o jogo após o caso homossexual do marido

Confira a entrevista com Gayle Haggard, esposa do famoso Ted Haggard, pastor de uma grande igreja nos EUA que foi pego com um rapaz (gay) e foi um dos maiores escândalos nos EUA depois do Jimmy Swaggart. Haggard era do grupo dos ultraconservadores da direita americana.

Gayle Haggard diz ao Christianity Today (CT) porque ela permaneceu casada com Ted Haggard, mesmo depois que ele sugeriu que ela se divorciasse dele.

Se Ted tivesse contraído alguma doença sexualmente transmissível e me infectasse? Gayle Haggard perguntava pra si mesma, enquanto escovava os dentes em uma manhã de novembro de 2006. Horas antes de um acompanhante masculino alegar que seu marido, Ted Haggard, havia pago por sexo e metanfetamina. Ted, posteriormente, renunciou o cargo de presidente da Associação Nacional de Evangélicos e pastor líder da New Life Church, em Colorado Springs.
Sarah Pulliman Bailey, editora do CT online, falou com Gayle sobre seu livro 'Por que eu fiquei' As escolhas que fiz na minha hora mais escura. (Tyndale).

1-O que aconteceu depois que o seu marido te contou tudo o que aconteceu?
No início eu fiquei arrasada. Quando esta afirmação chegou, vi que tudo aquilo em que nós investimos e acreditávamos estava desmoronando. Eu chorava muito, como você deve imaginar. Naquela primeira noite, deitada na cama pensando no que estava acontecendo conosco, eu só me perguntava: Quem é você? Quem eu serei nesta história? Pra mim estava bem definido quem é Deus, e que eu acreditava na minha família, no meu marido, na força da minha família, e na amizade.

2-Você disse que tinha uma boa vida sexual. Você tem alguma ideia do porque seu marido tinha atração por pessoas do mesmo sexo?
Ele havia me dito no início que as lutas em pensamentos surgiam de tempos em tempos. Ele chegou a falar com alguém sobre isso, e tentou entender melhor, mas no fim não conseguiu a ajuda que precisava. Eu apenas pensei que isto era uma tentação, e não entendia a força disso em sua vida. Pensava que ele sabia lidar com a situação, mas quando isso veio à tona, me chocou. Nosso casamento era forte. Eu sei que a Oprah Winfrey e outros disseram que ele deveria aceitar que aquela era de fato a sua identidade. Honestamente, nossas identidades são constituídas por aquilo em que acreditamos, e como escolhemos viver nossas vidas. Essa não é a identidade que ele queria para si próprio. Ele descreveu isso como algo contraditório em relação a tudo o que ele acreditou e construiu em sua vida.

3- Você disse que ainda há boatos por aí, sobre o que seu marido fez ou deixou de fazer. Você gostaria de esclarecer isso?
A Escritura diz em Efésios 5, que não devemos falar sobre o que o desobediente faz em segredo. Isso é algo que eu e meu marido discutimos exaustiva e abertamente um com o outro e com o nosso conselheiro. Não sinto que algo, além disso, precise ser discutido.

4-Você escreveu sobre a sua preocupação de que Ted pode ter contraído doenças sexualmente transmissíveis e infectado você. Como você foi capaz de perdoá-lo após admitir isso?
Eu tive que lidar com o fato de que Ted estava de fato passando por essa luta e que tinha caído nela. Havia todos os tipos de implicações.
Será que pegou alguma doença e a passou pra mim? Claro que foi terrível lidar com essa situação. Foi doloroso saber que ele tinha me colocado nesta situação. Perdoá-lo fazia parte de todo o processo. Eu precisava entender o que o tinha levado aquele lugar. Quando entendi, ficou mais fácil de perdoá-lo por todas as dificuldades.

5- Você gasta uma parte significativa do livro que explica a forma como os superintendentes tinham tratado sua família, pedindo-lhe para romper os laços com a "Nova Vida" e sair do estado. Como é que a comunidade cristã agiu após o que aconteceu?
Fiquei desapontada, porque eu acreditava muito na igreja. Fiquei desapontada com as pessoas que começaram a pensar o pior a respeito do Ted, fomos cortados de nossa igreja, por pessoas que não eram representantes como um corpo num todo. Nós tínhamos uma família, uma igreja relacional, mas outras pessoas fizeram a decisão e nos separou dela. Isso foi devastador pra mim. Eu sentia que estava sendo dilacerada não só no meu relacionamento com meu marido, mas poucos dias depois, foi dito que eu já não pertencia à igreja, então eu senti que estava sendo rasgada e destruída também pela igreja, ou por certos dirigentes. Isso foi tão devastador pra mim quanto o que estava acontecendo em meu casamento. Eu investi muito em meu casamento e na minha igreja. Isso tudo me abalou, foi um período negro pra mim, enquanto eu tentava compreender. Mas Deus, o gentil restaurador, me fez caminhar através de toda essa situação. Eu não perdi a minha paixão pela igreja, mas eu quero que a igreja seja igreja, e pare de negar o poder do Evangelho na vida das pessoas.

6- O que você aprendeu sobre a disciplina da igreja e da restauração?

Eu acredito que a Escritura diz que quando um irmão peca, aqueles que são espirituais deverão restaurá-los gentilmente. E eu acho que restaurar, significa restaurar a saúde, de modo que a pessoa possa cumprir os seus dons e vocações em Deus. Gostaria de compará-lo com a história do filho pródigo, mesmo que ele pensasse que merecesse o status de segunda classe, o pai não respondeu de tal forma. O pai jogou um manto em torno dele e restaurou-o como seu filho.

7- O que você quer que as pessoas e igrejas aprendam com isso?

Eu realmente quero que a nossa história possa oferecer esperança para as pessoas que se encontram em uma crise de qualquer tipo. Os ensinamentos de Jesus irão nos guiar. Eu também quero encorajar a igreja de que nós existimos para trazer prazer e cura para as vidas das pessoas, e não aumentar os encargos com o julgamento e escrutínio.

8- O que você diria mulheres que descobrem que seus maridos estão tendo um caso ou algo semelhante?

Gostaria de incentivá-las a definir a sua trajetória na direção do perdão. É um processo que deve ser encarado com a cabeça erguida, deixando Deus guiá-los a cura de seus corações. Eu não posso dizer que outras histórias serão como a minha, porque o Ted decidiu lutar por nosso casamento. Ele decidiu se arrepender e se agarrar na sua fé em Deus, e passar por tudo isso ao meu lado. Nem todos os maridos fazem isso. Eu diria a todas as mulheres que perdoem e amem.

9- Se alguma esposa deixar o marido para proteger suas crianças. Você acha esse procedimento correto?
Honrar o marido, ainda que ele os tenha feito algum mal, é importante para a criança que a mãe mostre a eles como encontrar uma maneira de honrar o pai delas. O amor da mãe pelo pai passa confiança para as crianças. Amar o pai não quer dizer necessariamente que o casamento venha ser salvo. Talvez ele não responda de uma forma gentil. Talvez ele saia de casa e ela não poderá fazer nada a respeito.

10-Você escreveu que queria saber todos os detalhes de Ted. As mulheres devem saber os detalhes da infidelidade do seu marido?

Acho que isso depende de cada pessoa. Eu era o tipo de pessoa que realmente queria saber a verdade. Eu queria conhecer o meu marido, eu queria saber o que tinha acontecido. Nem todas as mulheres são assim, e alguns conselheiros dizem que é melhor para elas não saberem. Eu precisava saber, e assim fiz, e o resultado foi esse. Falo por saber, pelo menos eu estava lidando com a verdade e não com a minha imaginação

11- Ted sugeriu que você tinha se divorcisse dele. Você considerou o divórcio?

Não. Eu conhecia meu marido, e eu sabia que eu acreditava. Senti que poderíamos lutar. Eu acredito no poder da confissão. Isto trouxe meu marido para o local onde ele teve de enfrentar seus pecados e confessá-los. Depois que ele fez isso, ele desfez o poder de sigilo. O segredo é o que habilita o pecado. Fomos capazes de curar juntos. Senti-me encorajada pelo fato de que meu marido foi capaz de confessar abertamente o que tinha sido a sua luta.

12- Em poucas palavras, por que ficar?

Eu fiquei porque acredito nos ensinamentos de Jesus, que se nós escolhermos o perdão e o amor, nossos relacionamentos podem ser curados. Eu fiquei porque meu marido é digno. Eu não iria deixar que a luta que ele estava passando desqualificasse ou anulasse os 30 anos de vida que construímos juntos, o lindo casamento que temos, a família e a igreja que construímos. Eu não iria deixar isso negar tudo o que gastamos ou investimos em nossas vidas. Se eu fosse embora, eu seria a negação de tudo isso.

13- Você tinha sido líder do ministério de mulheres em um contexto de igreja. Você vê o seu papel de forma diferente agora?
Eu enxergo as pessoas com mais compaixão. Eu não sabia o que era ser uma pessoa que desesperadamente necessitava de compaixão. Eu vivo para compartilhar a graça de Deus com as pessoas que realmente precisam.
A mensagem que quero transmitir é que as pessoas não estão sozinhas quando elas passam por seus respectivos momentos de escuridão. Elas podem confiar em Deus, Ele não as abandonará no meio de suas horas de dor. Com Ele, elas nunca estarão a sós. O amor dEle cobre uma multidão de pecados.

Adaptação/Tradução: O GalileO

Cristianity Today/Notícias cristãs

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.