quarta-feira, 31 de março de 2010

Cinco por cento dos cristãos do planeta sofrem perseguição

Dos 2 bilhões de cristãos no mundo, pelo menos 100 milhões sofrem algum tipo de opressão ou perseguição, de modo especial em países islâmicos. O dado é da ONG Missão Portas Abertas.
“As coisas parecem estar piorando”, disse Ângela Wu, diretora internacional do Departamento Legal do Fundo Becket para a Liberdade Religiosa, com sede em Washington.
Os fatos justificam a observação de Wu. Na quarta-feira da semana passada, dez atiradores invadiram escritório da Visão Mundial em Mansehra, distrito ao norte de Islamabad, capital do Paquistão, matando seis funcionários e ferindo outros sete.
O governo do Marrocos expulsou, no início do mês, 26 cristãos, a maioria evangélicos, acusados de proselitismo. Em fevereiro, pelo menos oito cristãos foram assassinados na região de Mosul, no Iraque. No Egito, oito cristãos coptas foram mortos a tiros quando saíam de missa, num domingo, em janeiro.
“Embora tenha surgido no Oriente Próximo, o cristianismo é visto como influência estrangeira ocidental em muitos lugares do mundo”, explicou Wu.
De acordo com levantamento da Missão Portas Abertas, que abrange o período de novembro de 2008 a outubro de 2009, a Coréia do Norte desponta na classificação de países por perseguição. Comentam, inclusive, que cristãos foram usados como cobaias para testes de armas químicas e biológicas realizadas no país.
Em segundo lugar aparece o Irã, onde templos foram fechados no ano passado e estima-se que 85 cristãos estejam presos. O islã é a religião oficial no Irã, e todas as leis devem ser compatíveis com a interpretação oficial da sharia (lei islâmica).
Seguem-se na lista dos dez países onde a liberdade religiosa é letra morta: Arábia Saudita, Somália, Maldivas, Afeganistão, Iêmen, Mauritânia, Laos e o Uzbequistão.
Em pesquisa realizada entre metade de 2006 e metade de 2008, em 198 países, o Pew Fórum on Religion & Public Life, de Washington, concluiu que 70% dos 6,8 bilhões de habitantes do planeta vivem em nações com alguns ou elevados limites à liberdade religiosa. Apenas 15% da população vivem em países onde a manifestação religiosa é livre.
Essa pesquisa arrola também a China e a Índia entre os países com restrições religiosas. O Pew Fórum faz uma distinção entre países nos quais os governos impõem restrições e países onde a população discrimina quem não se alinha à religião hegemônica.
Na China e no Vietnã, são governos que restringem a liberdade religiosa. Na China, as restrições atingem budistas do Tibete, muçulmanos do Uighur, e cristãos, que sequer são registrados.
Se os governos da Nigéria e de Bangladesh se mostram moderados, é a sociedade civil que explode contra seguidores de uma ou outra religião. O mesmo ocorre na Índia, onde as hostilidades são perpetradas mais por grupos sociais do que pelo governo.
Na lista do Pew Fórum a Arábia Saudita aparece em primeiro lugar porque no país tanto autoridades quanto população são hostis às religiões “inimigas”. Governos do Sri Lanka, Myanmar e Camboja defendem uma só religião, o budismo, reprimindo as outras.
No país mais islâmico do mundo, a Indonésia, os muçulmanos Ahmadi são os oprimidos, enquanto na Turquia são os muçulmanos Alevi.
Mapa desenhado pelo Pew Fórum mostra que os países que apresentam maior liberdade religiosa são aqueles onde o cristianismo é majoritário: Europa, Américas, Austrália e África subsaariana. Na Grécia, porém, só os cristãos ortodoxos, os judeus e os muçulmanos podem se organizar como religião e deter propriedades.
Estatística da Missão Portas Abertas indica que de cada 100 pessoas no mundo 19 são muçulmanas, 18 não têm religião, 17 são católicas, 17 são ortodoxas, anglicanas, protestantes, evangélicas e pentecostais, 14 são hindus e seis são budistas.

ALC/Notícias Cristãs

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.