quarta-feira, 24 de março de 2010

Anna Carolina Jatobá, madrasta da Isabella Nardoni, diz ter se convertido e pedido para ser batizada


Nesta segunda-feira (22/03) teve início o julgamento do casal Nardoni, acusados de matar Isabela Nardoni, filha de Alexandre. De acordo com o Ministério Público, Jatobá esganou Isabella e Alexandre a jogou pela janela do sexto andar do apartamento onde o casal morava, em Santana, na Zona Norte da capital. O crime ocorreu em 29 de março de 2008. A Promotoria diz que houve uma discussão antes da morte da criança. O casal Nardoni alegou inocência sustentando a idéia de que um ladrão matou a menina. Essa terceira pessoa nunca foi encontrada pela polícia.

Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel

Presos na cadeia de Tremembé (SP) desde o ocorrido, o casal segue uma rotina de serviços diários prestados na própria penitenciária. Porém, os hábitos de Anna Carolina Jatobá são diferentes dos de Alexandre. Suas atividades diárias incluem oração e freqüência em cultos evangélicos.


Desde que foi presa, Jatobá já haveria pedido ao pastor da penitenciária para ser batizada, mas o pastor alegou que ainda não era o momento porque ela não estava preparada.

Jatobá divide a cela de 12m2 com mais quatro evangélicas e é vista com freqüência fazendo orações. Funcionários do presídio alegaram que Jatobá não fala muito e que, por isso, ganhou confiança, sendo chamada de “Aninha”.

Segundo uma reportagem da revista Veja em 2008, o fato de Ana Carolina ter virado evangélica seria para ter proteção, já que o tipo de crime de que foi acusada não é “aceito” por outros detentos. A “lei” dos detentos rege que pessoas convertidas à religião evangélica têm imunidade desde que não entrem pela disputa do poder dentro da cadeia.

A reportagem ainda afirma que antes de ser presa, Ana Carolina afirmava ser católica, porém lia sobre espiritismo. Depois que foi presa e virou evangélica ela freqüenta cultos, ora e faz parte do coral.

Anna Carolina Jatobá evangélica e ciumenta

A mãe de Isabela e ex-mulher de Alexandre Nardoni, Ana Carolina Oliveira afirmou que acredita na condenação do casal. Em entrevista concedida ao portal de notícias G1, da Rede Globo, Ana Carolina Oliveira afirmou que o ciúmes de Jatobá matou sua filha.

“Eu sei tudo sobre a minha filha e a criança meiga, alegre e carinhosa que ela era. Convivi bastante tempo também com o Alexandre e sua família, conheço seu comportamento; sofri com os ciúmes da Anna Jatobá e posso dizer que, infelizmente, foi esse ciúme que levou a minha filha…”, disse Oliveira.

Um dos depoimentos da mãe de Isabella dados ao juiz Maurício Fossen, ainda na fase de instrução, em 2009, já mostrava a preocupação de Ana Carolina Oliveira com os ciúmes de Jatobá. De acordo com seu relato, a madrasta tinha ciúmes de Alexandre por causa do relacionamento que ele teve com Ana Carolina Oliveira. No entender da mãe de Isabella, sua filha pagou por isso com a vida. Foi a avó de Isabella, Rosa Oliveira, quem afirmou à Justiça no ano passado que Jatobá tinha raiva da menina.

De acordo com o depoimento de Rosa, para evitar que Alexandre conversasse por telefone com Ana Carolina Oliveira sobre questões relacionadas a Isabella, Jatobá passou a cuidar desses assuntos. Há relatos de que Jatobá falava com Oliveira, por exemplo, sobre quando pegar Isabella na escola. A pensão para a menina era discutida com o avó paterno, Antonio Nardoni.

Caso Anna Carolina Jatobá seja considerada culpada cumprirá pena de 12 a 30 anos por Homicídio Doloso (quando há a intenção de matar) triplamente qualificado por meio cruel (asfixia).

Fonte: Gospel+

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.