sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Estudo diz que 56% dos jovens num novo relacionamento sexual estão infectados com o HPV

(Por John-Henry Westen) – MONTREAL, Canadá — Se já houve uma razão para os pais avisarem seus filhos adolescentes a evitar encontros sexuais antes do casamento, um estudo a descobriu. O estudo pioneiro de casais revelou que mais da metade (56 por cento) dos jovens num novo relacionamento sexual estavam infectados com a doença sexualmente transmissível HPV — o vírus do papiloma humano.

O HPV, um vírus contra o qual a camisinha não dá proteção, é a principal causa de câncer do colo do útero. Dos que estão infectados com o HPV, aproximadamente metade (44 por cento) estavam infectados com um tipo de HPV que provoca câncer.

O estudo, dirigido pelo Professor Eduardo Franco, diretor da Unidade de Epidemiologia e Câncer da Universidade de McGill, em colaboração com uma equipe de colegas da Universidade de McGill e do Centro Hospitalar da Universidade de Montreal, é o primeiro estudo de grande escala de infecção do HPV entre casais no começo de seus relacionamentos sexuais, quando a transmissão é mais provável.

Os resultados, publicados nas edições de janeiro de 2010 da revista de Epidemiologia e Doenças Sexualmente Transmissíveis, também indicam que há elevada probabilidade de transmissão do HPV entre parceiros. Quando um parceiro tinha o HPV, os pesquisadores observaram que em 42 por cento dos casais, o outro parceiro também tinha a infecção.

Além disso, os pesquisadores descobriram que a presença do HPV num parceiro é o fator que mais prognostica a descoberta do mesmo tipo de HPV no outro parceiro. Se um parceiro estava infectado com o HPV, a chance de o outro também estar infectado com o mesmo tipo de HPV aumentava para mais de 50 vezes.

Além do câncer de colo de útero, o HPV provoca outros cânceres, inclusive o de vulva, vagina, ânus e pênis. Embora os vírus do HPV sejam muito comuns — mais de 70 por cento das mulheres e dos homens terão esse tipo de infecção em algum ponto — a vasta maioria das infecções são assintomáticas e duram não mais que um ou dois anos. Muito embora menos de 1 por cento das mulheres que têm o HPV contrairão câncer do colo do útero, os números permanecem alarmantes.

Embora a abstinência antes do casamento seja o único modo seguro de evitar infecções, as empresas farmacêuticas desenvolveram uma polêmica vacina contra o HPV que vem sendo fortemente promovida pelos governos. A vacina — Gardasil — foi desenvolvida apressadamente e está cheia de relatórios de riscos de saúde, e está associada a várias mortes.

Uma organização defensora dos direitos dos cidadãos chamada Judicial Watch obteve informações sobre a Gardasil a partir de pedidos de Liberdade de Informação em 2007 e 2008, descobrindo um total de 47 mortes e milhares de efeitos colaterais graves ligados à vacina.

Traduzido por Julio Severo

Fonte: http://noticiasprofamilia.blogspot.com / www.juliosevero.com/OVERBO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.