domingo, 15 de novembro de 2009

Pastor R.R. Soares compra avião de R$ 8,6 milhões, diz revista


O pastor R.R. Soares, que é fundador da Igreja Internacional da Graça de Deus e apresenta o programa "Show da Fé", da Band, comprou por US$ 5 milhões [cerca de R$ 8,6 milhões] um avião turboélice King Air 350 com a bordo e capacidade para oito passageiros.
A informação foi divulgada neste sábado pela "Veja".
Além de apresentar o "Show da Fé" --que também é exibido pela CNT e pela RIT (Rede Internacional de televisão), o pastor mantém horários alugados nas madrugadas e fins de tarde na emissora RedeTV!.
Em junho deste ano, a coluna "Ooops!", do UOL, informou que o missionário teria oferecido R$ 5 milhões por mês por 3 horas diárias (das 2h às 5h) no SBT.
Além de fundador da Igreja Internacional da Graça de Deus -- que conta com cerca de 900 igrejas espalhadas em todo o país-- R.R. Soares é dono da gravadora gospel Graça Music e da Graça Editorial.

/Notícias Cristãs

Padre faz o casamento da própria filha em Minas Gerais

Carlos Devitta ficou viúvo e é padre em Nova Lima.
Ele celebrou o da filha Ana Cristina.


O padre mineiro Carlos Devitta e sua filha Ana Cristina passaram por uma situação incomum: ele levou a filha ao altar e depois celebrou o casamento dela.
Carlos abandonou o seminário para se casar com Terezinha. Depois de 15 anos de casamento, a mulher de Carlos morreu em um acidente de . Ele é viúvo há mais de vinte anos, mas diz que não passa um dia sem que pense em Terezinha.
Carlos, então, decidiu se dedicar à sua outra paixão, a religião, e se tornou padre. Pelo Direito Canônico e pelas leis da Santa Sé, qualquer viúvo pode ser ordenado.
Na pequena capela em Nova Lima (MG), o padre fez o casamento de Ana Cristina, uma de seus cinco filhos. "Eu não consigo, de fato, descrever essa sensação", diz Ana Cristina. "Ele é de fato um paizão."
"Não cabem muitas palavras, não", diz Carlos. "Cabe a vida, a emoção."

G1/Notícias Cristãs

Igreja Universal “concentra” seus deputados no PRB

SÃO PAULO – A Igreja Universal do Reino de Deus agrupou no PRB, este ano, deputados federais que ajudou a eleger por outras legendas em 2006, inflando para oito parlamentares a bancada do partido na Câmara que disputará as eleições de 2010. Com as transferências, a Universal deixa a postura anterior, de manter parlamentares em siglas diferentes, para se concentrar em uma legenda.

O presidente do partido, bispo Vitor Paulo dos Santos, não respondeu quando a reportagem lhe perguntou se a igreja ajudou no crescimento, limitando-se a afirmar que o PRB é “indiferente” à opção religiosa dos filiados.

“A Universal resolveu concentrar todo mundo no PRB”, conta um parlamentar evangélico que prefere não ser identificado. “Mas não tem legenda lá, eles sempre ganharam por outros partidos.” Os novos deputados do PRB passaram por PMDB, PR, PAN e PSB. Mesmo tendo como seu filiado o vice-presidente José Alencar, o PRB elegeu em 2006 somente um deputado federal: Léo Vivas, da Universal do Rio de Janeiro.

Até o início de setembro deste ano, a legenda conseguira três adesões de parlamentares sem ligações com a igreja. Um é seu líder, Cleber Verde (MA), da Assembleia de Deus. Outro é Marcos Antônio (PE), cantor evangélico da Igreja Metodista. Ambos ficaram na bancada, como o deputado Léo Vivas. Walter Brito Neto (PB) trocou o DEM pelo PRB, mas, por causa da mudança, perdeu o mandato no Supremo Tribunal Federal (STF).

Até o fim do prazo para filiação, encerrado no mês passado, migraram para o PRB outros cinco deputados, todos ligados à Igreja Universal: Flávio Bezerra (CE), Márcio Marinho (BA), George Hilton (MG), Eduardo Lopes (RJ) e Antônio Bulhões (SP).

Fonte: Estadão/OVERBO

Promotores dos EUA rastreiam contas da Universal


Promotores dos Estados Unidos estão rastreando dezenas de contas bancárias naquele país ligadas ao bispo Edir Macedo que, segundo os promotores de Justiça de São Paulo, foram usadas para adquirir a Rede Record e empresas de comunicação do grupo com recursos desviados da Igreja Universal. A informação é da Folha de S. Paulo.

O pedido brasileiro de colaboração, entregue ao governo norte-americano na semana passada, diz que a igreja arrecadou no Brasil dízimo junto aos fiéis e remeteu os recursos para os EUA por meio de doleiros. Em seguida, o dinheiro teria sido repatriado e usado para montar a rede de comunicação de Macedo.

Os alvos dos promotores nos EUA são Macedo, a Record, quatro empresas “offshore” e dez pessoas, incluindo o ex-deputado federal e bispo João Batista Ramos da Silva, que participaram da compra de veículos de comunicação no Brasil.

Os promotores brasileiros pediram aos EUA que quebrem o sigilo e bloqueiem os valores eventualmente encontrados em 15 contas bancárias localizadas em Miami, Nova York e Jacksonville, incluindo as registradas em nome do irmão de Edir, Celso Bezerra Macedo, e de uma empresa “offshore” ligada a ele, a CEC Trading. Os EUA já descobriram que essas 15 contas alimentaram dezenas de outras, que também estão sendo rastreadas. A CEC recebeu US$ 1,2 milhão da Record, a emissora disse se referir à compra de equipamentos.

O alvo dos promotores inclui as contas “Titia”, “Pelican”, “Florida” e “Milano Finance”, já investigadas pelas autoridades brasileiras por serem geridas por doleiros brasileiros e abrigarem, nos EUA, milhões de dólares cujo destino final não é inteiramente conhecido. Elas são chamadas de “contas-ônibus”, por receberem e enviarem recursos para pessoas e empresas diferentes, muitas não relacionadas entre si. Só uma das contas, “Florida”, girou US$ 164 milhões (cerca de R$ 276 milhões). Segundo os promotores, essa conta é relacionada à empresa Diskline Câmbio, sediada no Rio e hoje fechada. A agência fez “inúmeras operações” supostamente ligadas à Universal, segundo os promotores. O uso de doleiros nas remessas caracteriza crime tanto no Brasil quanto nos EUA.

Os promotores querem a devassa em 17 anos de movimentações (desde 1º de janeiro de 1992) das contas e a apreensão dos documentos a elas relacionados, como faturas de cartões de crédito e cheques. Os documentos servirão como eventual prova nas investigações realizadas no Brasil.

Além do pedido de cooperação, os promotores enviaram aos EUA um relatório que narra os supostos crimes que Edir Macedo teria cometido naquele país. O relato, chamado tecnicamente de comunicação espontânea, pode servir para os EUA iniciarem investigação própria sobre Macedo. O Brasil também enviou cópia do depoimento do ex-pastor da Universal em Nova Iorque, Gustavo Alves da Rocha. Ouvido pelos promotores, Rocha teria confirmado que a Igreja usou recursos de fiéis para financiar empresas do grupo. Também ouvido por promotores no dia 21 de outubro, o ex-pastor da igreja, Carlos Magno de Miranda, afirmou que parte da compra da TV Record, avaliada pelos promotores em US$ 45 milhões, foi obtido “por meio de uma operação ilícita na Colômbia”.

O secretário nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior, disse que o pedido de cooperação internacional “é um trabalho corriqueiro, que a secretaria tem enfatizado nos últimos anos”. “A política do ministro [Tarso Genro] avança na área da cooperação internacional.”

Fonte: Conjur/OVERBO

Ao contrário de católicos, pastor diz que evangélicos procuram entender o homossexualismo


Em entrevista ao portal PB Agora o vereador pastor Edimílson (PRB) comentou a polêmica Proposta de Emenda Constitucional 122, que prevê pena de até cinco anos de reclusão por qualquer ato de censura, preconceito ou agressão contra os homossexuais. Edimílson disse que a igreja evangélica não é contra o homossexualismo, pelo contrário, procura compreender.
“Não somos contra a nenhum cidadão que escolha seu estilo de vida, a igreja não é contra, pelo contrário, procura compreender o porquê de a pessoa ter escolhido aquele modo de vida homossexual”, revelou.
Segundo Edimílson o direito de escolha é algo que todos possuem. “A lei diz que todos têm livre arbítrio para tomar decisões, agora lógico, como cidadão ele também possui seus direitos fundamentais”, afirmou.
Pastor Edimílson disse que não pode criminalizar o ato homossexual, mas também não aceita que uma lei o criminalize por traçar opiniões ou críticas à prática.
“Sou contra o estilo de vida gay, mas defendo os homossexuais por seus direitos como cidadãos, afinal, nenhum estilo de vida é perfeito ou igual a outro na sua prática. Na essência talvez seja, inclusive nas igrejas”, disse Edimílson.
“De vez enquanto assistimos escândalos envolvendo nomes de padres e pastores, quer dizer, na essência é perfeita, mas na prática não é”, disparou.
Questionado sobre as declarações de Dom Aldo Pagotto, pastor Edimíson disse apenas que o arcebispo mostrou sua posição.
“Nós não discriminamos o homossexual, somos sim contra a lei que nos amordaça de forma que não possamos mostrar às pessoas que somos contra aquele estilo de vida”, concluiu.

PB Agora/Notícias Cristãs

Condenado a 175 anos por abuso de menores

O pastor evangélico Tony Alamo, outrora aclamado pregador e líder da Igreja «Ministérios Cristãos», foi condenado esta sexta-feira a 175 anos de cadeia por abusar de meninas com as quais se «casava» e mantinha relações sexuais.
A condenação é mais pesada porque o pastor levou várias das suas «esposas» - com algumas das quais chegou a trocar anéis de - para fora do Estado onde exercia o seu sacerdócio, o Arcansas, o que é um delito federal, recorda a Lusa.
A sentença ditada pelo juiz do Arcansas, nos EUA, Harry Barnes, é praticamente uma pena de prisão perpétua, já que o condenado tem 75 anos e terá que cumprir pelo menos 85 por cento da condenação antes de poder aceder à liberdade condicional.

Iol Diário/Notícias Cristãs

Pai e filhos violavam crianças

Seis vítimas pertenciam à família dos violadores. Polícia procura corpos.
Foi de fato laranja que Burrell Edward Mohler Sr. de 77 anos, e os quatro filhos, com idades entre 53 e 47 anos, se apresentaram no tribunal de Lexington, no estado americano do Missuri. Todos são acusados de abusos sexuais sobre seis crianças da família. As violações terão acontecido em meados dos anos 1980 e 1995. Ontem, a polícia deteve um sexto suspeito, sócio dos Mohler, quer terá também de responder por violação de uma criança menor de 14 anos.
As seis vítimas, hoje adultas, relataram à polícia terem sido forçadas a participar em rituais estranhos antes de serem violadas. As acusações baseiam-se no testemunho de uma mulher de 26 anos que garante ter começado a sofrer abusos aos cinco. Num episódio que descreveu ao Kansas City Star terá sido forçada a encenar o com um tio. Levada para uma capoeira, ouviu o avô dizer "divirtam-se muito", antes de tapar a com uma colcha. Aos 11 anos, a vítima foi forçada a abortar após engravidar dos violadores.
Três suspeitos eram pastores da Comunidade de Cristo, igreja protestante mas com ligação histórica aos mórmons. Em Lexington, a comunidade está chocada com este caso que pode ficar ainda mais chocante: a polícia procura um ou mais corpos na antiga quinta dos Mohler.

DN/Notícias Cristãs