sábado, 29 de agosto de 2009

Erros cometidos pelo PT foram graves, diz Marina

Em entrevista à Revista Veja, a senadora Marina Silva, que se filia ao PV, diz que também é negra, "mas seria muito pretensioso da minha parte me apresentar como similar ao Obama".
Afirmou que "Os erros cometidos pelo PT foram graves, mas estão sendo corrigidos e investigados. Quando da criação do PT, eu idealizava uma agremiação perfeita. Hoje, sei que isso não existe".
Para o PT, a saída da senadora representou prejuízo foi duplo: não só perdeu um de seus poucos integrantes imaculadamente éticos, como ganhou uma adversária eleitoral de peso. Os petistas temem, e com razão, que a candidatura de Marina tire muitos votos da sua candidata ao Planalto, a ministra da Civil, Dilma Rousseff.


Entrevista

A senhora será candidata a presidente pelo Partido Verde?
Ainda não é hora de assumir candidatura. Há uma grande possibilidade de que isso aconteça, mas só anunciarei minha decisão em 2010.


Se sua candidatura sair, como parece provável, que perfil de eleitor a senhora pretende buscar?

Os jovens. Eles estão começando a reencontrar as utopias. Estão vendo que é possível se mobilizar a favor do , da sustentabilidade e do planeta. Minha geração ajudou a redemocratizar o país porque tínhamos mantenedores de utopia. Gente como Chico Mendes, Florestan Fernandes, Paulo Freire, Luiz Inácio Lula da Silva, Fernando Henrique Cardoso, que sustentava nossos e servia de referência. Agora, aos 51 anos, quero fazer o que eles fizeram por mim. Quero ser mantenedora de utopias e mobilizar as pessoas.

Sua saída abalou o PT. Além da possibilidade de disputar o Planalto, o que mais a moveu?

O PT teve uma visão progressista nos seus primeiros anos de vida, mas não fez a transição para os temas do século XXI. Isso me incomodava. O desafio dos nossos dias é dar resposta às crises ambiental e econômica, integrando duas questões fundamentais: estimular a criação de empregos e fomentar o desenvolvimento sem destruir o planeta. O crescimento econômico não pode acarretar mais efeitos negativos que positivos. Infelizmente, o PT não percebe isso. Cansei de tentar convencer o partido de que a questão do desenvolvimento sustentável é estratégica – como a sociedade, aliás, já sabe. Hoje, as pessoas podem eleger muito mais do que o presidente, o senador e o deputado. Elas podem optar por comprar madeira certificada ou carne e cereais produzidos em áreas que respeitam as reservas legais. A sociedade passou a fazer escolhas no seu dia a dia também baseada em valores éticos.

A crise moral que se abateu sobre o PT durante o governo Lula pesou na decisão?

Os erros cometidos pelo PT foram graves, mas estão sendo corrigidos e investigados. Quando da criação do PT, eu idealizava uma agremiação perfeita. Hoje, sei que isso não existe. Minha decisão não foi motivada pelos tropeços morais do partido, mesmo porque eles foram cometidos por uma minoria. Saí do PT, repito, por falta de atenção ao tema da sustentabilidade.

Ou seja, apesar de mudar de sigla, a senhora não rompeu com o petismo?

De jeito nenhum. Tenho um sentimento que mistura gratidão e perda em relação ao PT. Sair do partido foi, para mim, um processo muito doloroso. Perdi quase 3 quilos. Foi difícil explicar até para meus filhos. No álbum de fotografias, cada um deles está sempre com uma estrelinha do partido. É como se eu tivesse dividido uma casa por muito com um grupo de pessoas que me deram muitas alegrias e alguns constrangimentos. Mudei de casa, mas continuo na mesma rua, na mesma vizinhança.


No período em que comandou o Ministério do Meio Ambiente, a senhora acumulou desavenças com a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff. Como será enfrentá-la em sua eventual campanha à Presidência?

Não vou me colocar numa posição de vítima em relação à ministra Dilma. Quando eu era ministra e tínhamos divergências, era o presidente Lula quem arbitrava a solução. Não é por ter divergências com Dilma que vou transformá-la em vilã. Acredito que o Brasil pode fazer obras de infraestrutura com base no critério de sustentabilidade. Temos visões diferentes, mas não vou fazer o discurso fácil da demonização de quem quer que seja.

Um de seus maiores embates com a ministra Dilma foi causado pelas pressões da Casa Civil para licenciar as hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio, no Rio Madeira. A senhora é contra a construção de usinas?

No Brasil, quando a gente levanta algum "porém", já dizem que somos contra. Nunca me opus a nenhuma hidrelétrica. O que aconteceu naquele caso foi que eu disse que, antes de construir uma usina enorme no meio do rio, era preciso resolver o problema do mercúrio, de sedimentos, dos bagres, das populações locais e da malária. E eu tinha razão. Como as pessoas traduziram a minha posição? Dizendo que eu era contra hidrelétricas. Isso é falso.


Se a senhora for eleita presidente, proibirá o cultivo de transgênicos?

Eis outra falácia: dizer que sou contra os transgênicos. Nunca fui. Sou a favor, isso sim, de um regime de coexistência, em que seria possível ter transgênicos e não transgênicos. Mas agora esse debate está prejudicado, porque a legislação aprovada é tão permissiva que não será mais possível o modelo de coexistência. Já há uma contaminação irreversível das lavouras de milho, algodão e soja.

O que a senhora mudaria no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC)?

Eu não teria essa visão de só acelerar o crescimento. Buscaria o desenvolvimento com sustentabilidade, para que isso pudesse ser traduzido em qualidade de vida para as pessoas. Obviamente, é necessário que o país tenha infraestrutura adequada. Mas é preciso evitar os riscos e problemas que os empreendimentos podem trazer, sobretudo na questão ambiental.


Na economia, faria mudanças?

Não vou me colocar no lugar dos economistas. Prefiro ficar no lugar de política. Em linhas gerais, acho que o estado não deve se colocar como uma força que suplanta a capacidade criativa do mercado. Nem o estado deve ser onipresente, nem o mercado deve ser deificado. Também gosto da ideia do Banco Central com autonomia, como está, mas acho que estão certos os que defendem juros mais baixos.

No seu novo partido, o PV, há uma corrente que defende a descriminalização da maconha. Como a senhora se posiciona a respeito desse assunto?

Não sou favorável. Existem muitos argumentos em favor da descriminalização. Eles são defendidos por pessoas sérias e devem ser respeitados. Mas questões como essa não podem ser decididas pelo Executivo, e sim pelo Legislativo, que representa a sociedade. A minha posição não será um problema, porque o PV pretende aprovar na próxima convenção uma cláusula de consciência, para que haja divergências de opinião dentro do partido.

Os Estados Unidos elegeram o primeiro presidente negro de sua história, Barack Obama. Ele é de inspiração?

Eu também sou negra, mas seria muito pretensioso da minha parte me colocar como similar ao Obama. Ele é uma inspiração para todas as pessoas que ousam sonhar. A questão racial teve um peso importante na eleição americana. Mas os Estados Unidos têm uma realidade diferente da do Brasil. Eu nunca fui vítima de preconceito racial aqui.

A senhora poderia se apresentar como uma candidata negra na campanha presidencial?

Não. É legítimo que as pessoas decidam votar em alguém por se identificar com alguma de suas características, como o fato de ser mulher, negra e de origem humilde. Mas seria oportunismo explorar isso numa campanha. O Brasil tem uma vasta diversidade étnica e deve conviver com as suas diferentes realidades. Caetano Veloso (cantor baiano) já disse que "Narciso acha feio o que não é ". Nós temos de aprender a nos relacionar com as diferenças, e não estimular a divisão. A história engraçada é que, durante as prévias do Partido Democrata americano, quando a Hillary Clinton disputava a vaga com Obama, um amigo meu brincou comigo dizendo que os Estados Unidos tinham de escolher entre uma mulher e um negro, e, se eu fosse candidata no Brasil, não teríamos esse problema, porque sou mulher e negra.


A senhora é a favor da política de cotas raciais para o acesso às universidades?
Há quem ache que as cotas levam à segregação, mas eu sou a favor de que se mantenha essa política por um período determinado. Acho que há, sim, um resgate a ser feito de negros e índios, uma espécie de discriminação positiva.


Mas a senhora entrou numa universidade pública sem precisar de cotas, embora seja negra, de origem humilde e alfabetizada pelo Mobral.

Sou uma exceção. Tenho sete irmãos que não chegaram lá.

Aos 16 anos, a senhora deixou o seringal e foi para a cidade, a fim de se tornar freira. Como uma católica tão fervorosa trocou a Igreja pela Assembleia de Deus?

Fui católica praticante por 37 anos, um aspecto fundamental para a construção do meu senso de ética. Meu ingresso na Assembleia de Deus foi fruto de uma experiência de fé, que não se deu pela força ou pela violência, mas pelo toque do Espírito. Para quem não tem fé, não há como compreender. Esse meu processo interior aconteceu em 1997, quando já fazia um ano e oito meses que eu não me levantava da , com diagnóstico de contaminação por metais pesados. Hoje, estou bem.

A senhora é mesmo partidária do criacionismo, a visão religiosa segundo a qual Deus criou o mundo tal como ele é hoje, em oposição ao evolucionismo?

Eu creio que Deus criou todas as coisas como elas são, mas isso não significa que descreia da ciência. Não é necessário contrapor a ciência à religião. Há médicos, pesquisadores e cientistas que, apesar de todo o conhecimento científico, creem em Deus.

O criacionismo deveria ser ensinado nas escolas?

Uma vez, fiz uma palestra em uma escola adventista e me perguntaram sobre essa questão. Respondi que, desde que ensinem também o evolucionismo, não vejo problema, porque os jovens têm a oportunidade de fazer suas escolhas. Ou seja, não me oponho. Mas jamais defendi a ideia de que o criacionismo seja matéria obrigatória nas escolas, nem pretendo defender isso. Sou professora e uma pessoa que tem fé. Como 90% dos brasileiros, acredito que Deus criou o mundo. Só isso.

A senhora é contra todo tipo de aborto, mesmo os previstos em lei, como em casos de estupro?

Não julgo quem o faz. Quando uma mulher recorre ao aborto, está em um momento de dor, sofrimento e desamparo. Mas eu, pessoalmente, não defendo o aborto, defendo a vida. É uma questão de fé. Tenho a clareza, porém, de que o estado deve cumprir as leis que existem. Acho apenas que qualquer mudança nessa legislação, por envolver questões éticas e morais, deveria ser objeto de um plebiscito.

Brasília em Tempo Real/NC

Evangélicos promovem evento religioso em Guarulhos


Organizadores esperam participação de 100 mil fiéis.
Marcha para Jesus começa em frente ao Bosque Maia.

Cerca de 100 mil pessoas são esperadas para participar da 6ª edição da Marcha para Jesus, evento religioso marcado para este sábado (29), em Guarulhos, na Grande São Paulo. A concentração será em frente ao Bosque Maia. Às 10h, os participantes iniciarão a caminhada, prevista para terminar no Linear Transguarulhense.
A marcha seria realizada em julho, mas, segundo a organização, foi adiada por causa do mau . O mês foi considerado o mais chuvoso desde que começaram as medições pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) em 1943.
Entre as atrações musicais do evento estão os grupos Toque no Altar, Raiz Coral, Ao Cubo e Renascer Praise, além de Marcelo Aguiar e Paulo Cesar Baruk. A cerimônia religiosa será ministrada pelo apóstolo João Staub e pelo bispo José Bruno.
A Marcha para Jesus é organizada pela Confederação das Igrejas Apostólicas do (CIAB), pela Rede Apostólica Ministerial Siloé (Ramis) e pelo Conselho de Ministros Evangélicos de Guarulhos (Comeg). O evento reúne mais de 200 ministérios e lideranças de diferentes congregações, entre elas a Comunidade da Graça, a Missão Mundial Graça e Paz, a Assembleia de Deus e a Igreja Renascer em Cristo.

G1/NC

Evangélicos brasileiros representam 45% dos turistas em Israel

Cônsul geral da Embaixada Cristã em Israel, Arie Sommer, visitará a ExpoCristã no dia 08 de setembro às 9h.
A Expocristã receberá no dia 08 de setembro, às 9h, a visita do Cônsul geral das Américas, Arie Sommer. Ele participará da celebração inaugural ao lado do reverendo Hernandes Dias Lopes e do cantor/ pastor Fernandinho. A visita visa estimular o a região, que no ano de 2008 aumentou 55%.
Por ser tratar do maior encontro evangélico no o cônsul, que virá diretamente de Nova York, demonstrará na ExpoCristã o potencial do turismo na região e apresentará a programação anual de festas religiosas em Israel. Para 2009, segundo dados da Embaixada Cristã, há previsão de crescimento de 45% no número de visitantes brasileiros. A autoridade será recebida pelo presidente da EBF Eventos, Eduardo Berzin Filho e demais lideranças eclesiásticas.
A ExpoCristã acontece de 08 a 13 de setembro de 2009 no ExpoCenter Norte em São Paulo e reúne as mais importantes lideranças do meio cristão. Estão previstos para a 8ª edição shows de Lázaro, André Valadão, Fernandinho, Damares, além de lançamentos de , , e produtos alternativos. [www.expocrista.com.br]

Fator Brasil/NC

Surfistas de Cristo organizam surf trip

Depois de quatro anos curtindo as praias, as ondas, as ilhas e a beleza de Arraial do Cabo nosso destino este ano será Saquarema, o Maracanã do .
Estaremos nos dirigindo para a famosa pousada do Evaristo de Saquá e o grande nome do Longboard da cidade, Jeremias Mica da Silva, atual campeão brasileiro da categoria, vai estar conosco.
O que esperar de comum nesta viagem? O que se espera de toda Surfe Trip: a busca por altas ondas, a companhia de uma galera maneira, bons papos, novas amizades, diversão e a contemplação da beleza das praias.
O que esperar de extraordinário? A busca pela satisfação de algo muito maior do que tudo o que foi dito acima, o encontro com o Causador, com o Criador de tudo o que podemos admirar (debates atuais sobre o sentido da vida num mundo pós-religioso; o vazio VS a desistência de procurar respostas).
Teremos ainda sorteio de prêmios, lual e violão, trilha nortuna, estudos bíblicos e muito mais.

Serviço
O Que: A Trip do Ano
Quando: 04 a 07 de setembro.
Quanto: R$ 150,00 [3 noites de pousada; 3 refeições por dia; transporte].
Onde: Saquarema.

Vagas Limitadas (apenas 60). Faça já sua inscrição!

Mais informações
Missão Surfistas de Cristo - Cooperador Gabriel Igarashi, tel 21 7850 8044/ 87*6705, gabriel.igarashi@gmail.com

RicoSurf/NC

Igreja na Argentina pede política integral contra drogas

BUENOS AIRES - O bispo responsável na pela pastoral com os usuários de drogas, Dom Jorge Lozano, da diocese de Gualeguaychú, pediu uma política de Estado integral para a problemática da dependência, que contemple aspectos jurídicos, econômicos, sanitários, sociais e educativos.
Ele se manifestou após a decisão desta terça-feira da Suprema Corte do país que poderia abrir à despenalização do consumo privado de drogas, ao declarar inconstitucional a sentença contra cinco jovens que foram condenados por posse de cigarros de maconha.
Segundo o prelado, esta sentença pode ter uma leitura “contraditória e prejudicial”. “Uma questão tão complexa como esta não se resolve com uma decisão da Corte ou com um marco legal, requer uma política integral”, sublinhou em declarações à imprensa.
Após insistir em que “há que evitar tudo que facilite o acesso e consumo por parte dos jovens”, assegurou que a Igreja “não está de acordo com propostas que impliquem aspectos parciais e não integrais para a atenção do vício”.
Não obstante, esclareceu que essa posição não implica “criminalizar” o dependente químico. “Para nós, o dependente é um enfermo, não um criminoso, e como tal não tem de estar no cárcere mas no centro de saúde, para ser atendido e ajudado”, disse.
Já os bispos Dom Francisco Polti, de Santiago del Estero, Dom Adolfo Uriona, de Añatuya, afirmaram que não há que dar mais liberdades ao flagelo da droga. Dom Polti disse que a droga é um mal, e ao mal não há que conceder direitos.
Dom Uriona considerou que a decisão é como “ir abrindo as portas para algo que causa muito dano a nossa sociedade”. “Me parece que a lei deve ter um fim pedagógico, há que ajudar as pessoas a que descubram o dano do vício”.
Dom Poltri citou um comunicado emitido pelos sacerdotes que atuam na pastoral da saúde da arquidiocese de Buenos Aires. Os padres reconhecem a “boa intenção dos que buscam não criminalizar os dependentes”, mas advertem que no caso das famílias mais vulneráveis, a despenalização implica “deixar o dependente abandonado, não assumir a responsabilidade de seu direito à saúde”.
“A própria dinâmica da adição leva muitas vezes a fazer qualquer coisa para satisfazer o desejo de consumo. O próximo encontro entre o Estado e o dependente de drogas já não será na enfermidade, mas no delito que às vezes nasce dela”, alertaram.

Zenit/NC

Católicos tentam barrar no Senado a PEC do divórcio rápido

Ao comentar os obstáculos que a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do divórcio direto enfrenta no Congresso Nacional, o deputado federal Sérgio Carneiro (PT-BA) disse, que os setores contrários à proposta deveriam promover um debate aberto sobre o assunto.
Parlamentares católicos manobram para adiar a votação da medida, prevista para ocorrer em setembro, no Senado. Entre eles, o senador Flávio Arns (PT-PR).
Na opinião do deputado baiano Sérgio Carneiro, a posição da Igreja está dissociada da realidade. "As pessoas tomam a decisão de se separar, depois providenciam a separação de corpos. Na PEC procuramos eliminar as custas e o prazo de dois anos para dar entrada no divórcio, visando desburocratizar este ato", explicou Sérgio Carneiro, que é advogado de família.
A PEC 33/2007 foi aprovada em junho e o texto elaborado pelo deputado Sérgio Carneiro acolheu a proposição do Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFAM). Com esta iniciativa, o deputado defendeu modificação no artigo 226 da Constituição Federal para que o civil possa ser dissolvido pelo divórcio consensual ou litigioso, de forma mais rápida, eliminando-se a separação judicial.
Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que, para cada quatro casamentos realizados em 2007, foi registrada uma separação. Foram 916 mil casamentos no , quase 3% a mais do que em 2006. No entanto, o número de dissoluções – que é a soma dos divórcios diretos sem recurso e separações, chegou a mais de 231 mil, a maior taxa na série mantida pelo IBGE desde 1984. Em 23 anos, a taxa de divórcios monitorada pelo IBGE teve crescimento superior a 200%, ou seja, mais de 179 mil registros em 2007.

Católicos - Parlamentares representantes da Igreja e a CNBB querem manter o prazo atual (de dois anos) porque consideram necessário para reflexão do casal.

Forte na Notícias/NC

Eduardo Tavares recebe Ordem dos Pastores Evangélicos de AL


Lideranças elogiaram ações de combate a corrupção e a criminalidade.
O procurador-geral de Justiça, Eduardo Tavares, recebeu nesta sexta-feira (28) a visita de integrantes da Ordem dos Pastores Evangélicos de Alagoas (Opeal). Eles vieram prestar solidariedade ao Ministério Público Estadual pelas ações que estão sendo desenvolvidas no combate a corrupção e a criminalidade em Alagoas. As lideranças evangélicas prometeram apoiar promotores e procuradores de Justiça na luta contra a pistolagem. O promotor de Justiça Sidrack Nascimento também participou do encontro.
Tavares agradeceu a presença dos pastores e aproveitou o encontro para explicar ponto por ponto o que tem sido feito pelo MPE para melhorar a vida em Alagoas. Ele detalhou como está o andamento de investigações da Operação Taturana, crimes eleitorais, afastamento de políticos, crimes de mando e ações em defesa da vida. “O MP segue normalmente sua caminhada no combate à violência, à criminalidade e à corrupção tão reinantes entre nós”, disse.
“Estamos acostumados à postura de maus políticos e maus gestores que, lamentavelmente, em pleno século XXI, insistem em praticar os seus atos com base na prepotência, na arrogância, no obscurantismo e com total desapego aos bens maiores da sociedade e da humanidade, como a vida e o patrimônio público. Temos consciência de que essas pessoas não gostam da atuação do MP. Mas nada disso nos intimida”, reforçou o procurador-geral de Justiça.
Segundo o pastor Jonas Bispo o momento é importante para que toda população esteja unida para repudiar toda e qualquer prática de corrupção política. "Acreditamos muito no que está sendo feito e por isso estamos juntos", afirmou. “Para Deus nada é impossível e nós sabemos que Ele sempre está do lado dos justos”, enfatizou o pastor Manoel Claudino de Sousa. Ele explicou que a Opeal reúne fiéis de mais de 50 congregações evangélicas em Alagoas.
Já o pastor João Carlos Vasconcelos apontou que não se pode permitir que um político se aproprie de recursos públicos e goze de impunidade. “Estaremos ao lado do MP todas as vezes em que ele coibir a injustiça e tudo aquilo que atenta contra a vida em sociedade”, afirmou. Enquanto isso, o pastor Fernando Feijó clamou para que Deus proteja os integrantes do Ministério Público no desenvolvimento de suas ações ministeriais. O líder estudantil Raudrin Lima também esteve no encontro.

GazetaWeb/NC

Protesto de cristãos irrita fãs de Marilyn Manson


RIO - A essa altura do campeonato, ainda consegue escandalizar alguém? Pelo visto, sim, a julgar pelos protestos de cristãos na frente de uma de shows na Califórnia, onde o soturno astro do se apresentou na noite de quinta-feira. Do lado de fora do Pomona Fox Theater, em Los Angeles, erguiam cartazes com dizeres do tipo "Creia em Jesus, arrependa-se" e entoavam canções cristãs. Um deles, Rod Warner, disse ao jornal da região "San Bernardino Sun": "Cada que você vê aqui descreve apenas a morte. Eles dizem que poderiam ser cristãos se quisessem, mas Deus disse 'cultue-me com o coração, não com palavras'". As informações são do site Gigwise.
O protesto dos cristãos irritou os fãs de Manson. Cesar Haro, de 19 anos, disse: "Argumentar com essas pessoas pode ser legal. Mas eles estão desrespeitando nosso direito de estar aqui. E nós pagamos por isso", queixou-se. Apesar dos protestos, o show correu sem maiores problemas. Manson ainda recebeu no palco o músico do Slayer Kerry King.

gLOBO/nc

Canção “Sobre as Águas” é sucesso em rádios de todo o país



A canção Sobre as Águas vem sendo destaque na audiência das principais rádios evangélicas em todo o Brasil. A composição é uma das faixas inéditas do álbum Nívea Soares Acústico, ao lado de Tua Glória a Brilhar (Facedown). Para se ter uma ideia, a música lidera a lista das 12 mais pedidas na Rádio Vida, em São Paulo.

Além da Rádio Vida, em São Paulo (SP), as rádios Novo Tempo, em Vitória (ES), Boas Novas, em Manaus (AM), FM Gospel, em Fortaleza (CE) e 107 FM, em Belo Horizonte (MG) estão tocando o lançamento de Nívea em suas programações.

Ouça você também acessando os links:

Rádio Vida (SP) - http://www.vidafm.com.br/home.php

Rádio Novo Tempo - http://www.novotempo.org.br/radio/vitoria/index.asp

Rádio Boas Novas - http://www.rbn.org.br/

Rádio 107 FM - http://www.radio107fm.com/

Rádio FM Gospel - http://www.fmgospel.com.br/portal/

Fonte: Assessoria de Imprensa Aliança/ O VERBO

Regis Danese no Hoje em Dia: Ex-peões da Fazenda se emocionam com a apresentação de “Faz Um Milagre em Mim”


Na manhã de quarta-feira, dia 26/8, o cantor Regis Danese participou do programa “Hoje em Dia”, na Rede Record. Além dos apresentadores da atração, também estavam presentes os participantes do reality show “A Fazenda”. Os ex-peões, que durante o confinamento acompanharam Carlinhos e Pedro interpretando “Faz Um Milagre em Mim”, se emocionaram ao conferir o hit na voz de Danese.

Comandado por Chris Flores, Celso Zucatelli, Edu Guedes, Ana Hickmann e Giani Albertoni, o “Hoje em Dia”, que está no ar desde 2005, é um dos destaques da programação da Rede Record. Em busca de notícias, prestação de serviços e entretenimento na medida certa, telespectadores de todo o Brasil já se tornaram público fiel do programa.

Fonte: Assessoria de Imprensa Line Records/ O VERBO

Saramago culpa Deus pelo pecado de Caim em sua nova obra


Ateu convicto, o escritor português José Saramago volta a atacar a religião em Caim, seu novo romance, que será publicado em outubro e no qual redime o protagonista do assassinato de Abel e aponta Deus “como o autor intelectual do crime, ao desprezar o sacrifício que Caim Lhe havia oferecido”.

Ele falou à Efe por e-mail que o que pretende dizer com Caim é que “Deus não é de se fiar. Que diabo de Deus é esse que, para enaltecer Abel, despreza Caim?”

Quase 20 anos depois de seu discutido livro O Evangelho Segundo Jesus Cristo, que foi vetado pelo governo português para competir pelo Prêmio Europeu de Literatura, o Nobel português faz uma irreverente, irônica e mordaz leitura por diversas passagens da Bíblia, mas não teme que voltem a crucificá-lo.

“Alguns talvez o façam - afirma Saramago - mas o espetáculo será menos interessante. O Deus dos cristãos não é esse Jeová. E mais, os católicos não leem o Antigo Testamento. Se os judeus reagirem não me surpreenderei. Já estou habituado.”

No entanto, acrescentou: “Mas é difícil para mim compreender como o povo judeu fez do Antigo Testamento seu livro sagrado. Isso é uma enxurrada de absurdos que um homem só seria incapaz de inventar. Foram necessárias gerações e gerações para produzir esse texto”.

José Saramago não considera esse romance seu particular e definitivo ajuste de contas com Deus, porque “as contas com Deus não são definitivas, mas sim com os homens que O inventaram”, disse. “Deus, o demônio, o bem, o mal, tudo isso está em nossa cabeça, não no céu ou no inferno, que também inventamos. Não nos damos conta de que, tendo inventado Deus, imediatamente nos tornamos Seus escravos”, assinalou o autor.

O escritor nega que o fato de ter chegado perto da morte há um ano, quando foi hospitalizado por conta de uma pneumonia, o tenha feito pensar mais em Deus. “Tenho assumido que Deus não existe, portanto não tive de chamá-Lo em uma situação gravíssima na qual me encontrava. Mas se eu o chamasse, e ele aparecesse, que poderia dizer ou pedir a Ele, que prolongasse minha vida?” Saramago diz ainda que “morreremos quando tivermos que morrer. E diz que quem o salvou foram os médicos, Pilar (sua esposa e tradutora) e o excelente coração que tenho, apesar da idade. O resto é literatura, da pior espécie”, polemizou o velho escritor.

Fonte: Estadão / O Verbo (www.overbo.com.br)

Igreja do Evangelho Quandrangular anuncia apoia a marca de água mineral cristã


Reuniram-se no dia 22 de Junho, um segunda-feira, o Diretor da empresa 100% Jesus com os líderes nacionais da Igreja do Evangelho Quadrangular em Porto Alegre-RS. Estavam presentes o ex-deputado do PTB, Carlos Riella, o Presidente Nacional da Igreja e também Deputado Federal Rev. Mário de Oliveira, o Primeiro Vice-Presidente da Igreja, Pr. Rogério Amorim, o Presidente do CED/RJ, Rev. Rui Barbosa e o Secretário Geral de Comunicação da Igreja, Rev. Celso Nascimento, que declaram total apoio a Marca 100% Jesus para sua Igrejas, eventos e ministrados.

Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Biblia Online

“Também estaremos desenvolvendo um produto específico para a Igreja do Evangélio Quadrangular para os próximos meses. Foi uma idéia genial me passada pelo Pr. Rogério Amorim, mas não posso revelar ainda”, adianta Christian Cavalcanti, diretor nacional da 100% Jesus.

“Isso mostra a força de nossa marca e que as maiores Igrejas e lideres do país estão acreditando em nosso propósito e no futuro da marca junto ao público evangélico”, finaliza Christian.

Fonte: 100% Jesus / Gospel+

Pacto com evangélicos garante aprovação do Acordo Brasil-Vaticano

Sob protestos do PSOL, a Câmara aprovou na noite desta quarta-feira (27), o acordo entre o Brasil e o Vaticano, que prevê a instituição do ensino religioso em escolas públicas, isenções fiscais e imunidade das instituições religiosas perante as leis trabalhistas. O assunto gerou polêmica durante a votação e exigiu um entendimento com a bancada evangélica. Foi aprovado também um projeto de lei estendendo os privilégios às demais religiões.

O líder do PSOL, deputado Ivan Valente (SP), utilizou todo o tempo disponível durante as votações na manhã desta quinta-feira (28), para queixar-se do resultado da votação. Segundo ele, o estado brasileiro é laico e não caberia, portanto, nenhuma regulamentação em lei sobre a prática religiosa.

Ele reclamou principalmente das manobras regimentais feitas durante a votação para garantir a aprovação das propostas – o acordo que atende os interesses da Igreja Católica e o projeto de lei que beneficia a bancada evangélica. Disse que vai usar todos os recursos cabíveis para questionar o resultado da votação.

O primeiro vice-presidente da Câmara, deputado Marco Maia (PT-RS), que presidia a sessão, disse que a matéria era “vencida” e não cabia mais discussão sobre ela.

Assinado no final do ano passado pelo presidente Lula e o Papa Bento 16, o acordo Brasil-Vaticano prevê também a manutenção, com recursos do estado, de bens culturais da igreja católica, como prédios, acervos e bibliotecas. O texto também trata da prestação de assistência espiritual em presídios e hospitais.

O texto possui ainda um artigo que reforço o vínculo não empregatício entre religiosos e instituições católicas, garante o sigilo de ofício dos sacerdotes e a dispensa de visto aos estrangeiros que venham ao Brasil realizar atividade pastoral.

O acordo para disciplinar procedimentos de natureza religiosa só é possível porque o Vaticano é reconhecido como um Estado, com personalidade jurídica de Direito Internacional Público.

Maior divergência

A maior divergência do acordo diz respeito a importância do ensino religioso. Mesmo com a ressalva de que a matrícula nessa disciplina é facultativa nas escolas públicas, o líder do PCdoB na Câmara, deputado Daniel Almeida (BA), disse que o Partido lutaria para suprimir o artigo do acordo para evitar falsas sobre interpretações sobre o assunto (PCdoB quer tirar ensino religioso do acordo Brasil-Vaticano).

O relator da matéria na Comissão de Educação, deputado Chico Abreu (PR-GO), apresentou emenda para suprimir a expressão "católico e de outras confissões" do artigo que prevê o ensino religioso. O líder do DEM, Ronaldo Caiado (GO), criticou essa decisão de Abreu, com o argumento de que a Constituição não permite mudanças nos textos de tratados internacionais assinados pelo presidente da República. Diante dessa polêmica, o relator retirou a emenda.

Em voto em separado contra o projeto, o deputado Regis de Oliveira (PSC-SP) criticou a determinação de que os municípios reservem espaços em seus territórios para fins religiosos. O tratado estabelece que esses espaços serão previstos "nos instrumentos de planejamento urbano a serem estabelecidos no respectivo plano diretor" - o que seria, portanto, uma interferência nas leis dos municípios.

De Brasília
Márcia Xavier
Com agências

PORTAL VERMELHO

Quase 30% dos policiais gostariam de estudar Teologia


Recente consulta do Ministério da Justiça com 65 mil profissionais de segurança pública (policiais civis e militares, bombeiros, guardas municipais e agentes) sobre o contexto em que estão inseridos trouxe uma informação inusitada sobre religião: Quando perguntado aos profissionais da segurança pública em que campos eles gostariam de aprofundar seus conhecimentos, além dos cursos e especialidades oferecidos na corporação, cerca de 28% responderam que gostariam de estudar Teologia. A escolha por Direito ou Criminologia apareceu em primeiro lugar para os profissionais de todas as corporações, com exceção dos bombeiros, para os quais essa opção veio em terceiro lugar (Informática e Educação Física vieram na frente). Também aparecem na frente da Teologia a Comunicação (62%), Psicologia (56%), Administração (54%), Ciências Sociais (38%) e Estatística (31%).

Os primeiros resultados da pesquisa “O que pensam os profissionais da segurança pública, no Brasil” foram divulgado em 25/8. A iniciativa abre um espaço exclusivo para estes profissionais, livres de condicionantes institucionais, expressarem diretamente suas opiniões. O parágrafo de abertura do relatório da consulta declara: “Finalmente entra em cena, com direito a voz e exercitando a liberdade de crítica, o principal ator no drama da segurança pública, o protagonista de épicos e tragédias, o cidadão comum e trabalhador — sempre alvo de cobranças, frequentemente objeto de preconceitos –,aquele que, até hoje, paradoxalmente, não foi escutado e, por vezes, foi silenciado: o policial; a policial. E também o bombeiro militar, o guarda civil municipal e o agente penitenciário”.

A questão da ocorrência com morte preocupa bastante o profissional da área de Segurança Pública. Quase 100% deles concordam que, o procedimento em caso de profissional de segurança participar de ocorrência com morte é “garantir-lhe apoio jurídico e psicológico”.

O estudo deve ser lido também por religiosos porque, a partir da análise da visão do profissional, é possível entender as circunstâncias que cercam sua rotina e como o poder público pode atuar como ente de transformação cultural. Também serve para que se torne público o sentimento existente entre os operadores de segurança com relação à percepção das suas instituições.

Acesse a síntese de relatório da consulta, que revela a opinião de quase 65.000 agentes de Segurança Pública de todo o país sobre qual o modelo ideal de polícia para o Brasil, a hierarquia e a disciplina em seu ambiente de trabalho, a importância do controle externo e accountability, a atuação do Ministério Público e do Poder Judiciário e as situações de vitimização a que estão cotidianamente submetidos.

Fonte: Agência Soma/ OVERBO

Supostos pastores são presos com cocaína em Rondônia


A Polícia Federal vem realizando fiscalização em algumas estradas de Rondônia, visando reprimir o tráfico de drogas. Na tarde desta quarta-feira, 26, durante barreira policial montada na rodovia federal BR-364, km 760, foi fiscalizada a caminhonete L-200, transportada por dois homens que disseram ser pastores da Igreja Adventista em São Luis do Maranhão e que estavam retornando de uma pregação em Acrelândia, Estado do Acre. No entanto, os dois homens não souberam indicar exatamente onde estiveram e nem quem seria o proprietário do veículo, o qual estava registrado em nome de terceira pessoa.

Durante revista, foi constatado que o tanque de combustível da caminhonete possuía alterações, razão pela foi desmontado e para surpresa dos policiais, dentro do tanque foi encontrada a cocaína, que pesou 37 kg. Em seguida, os dois homens receberam voz de prisão em flagrante delito.

Ao serem interrogados, os dois homens afirmaram que foram contratados por um outro membro da Igreja para fazer uma “pregação” no Acre, o qual também emprestou a caminhonete.

Após as formalidades decorrentes das prisões, os presos foram indiciados como incursos nas sanções estabelecidas no artigo 33, c/c artigo 40, inciso V, ambos da Lei nº 11.343/2006 (tráfico de drogas interestadual, pena de 5 a 15 anos de reclusão) e encaminhados à Casa de Detenção José Mario Alves da Silva, onde se encontram à disposição da Vara de Delitos de Tóxicos da Comarca de Porto Velho/RO.

Polícia Federal flagra, em Pimenta Bueno/RO, veículo utilitário transportando 42 Kg de cocaína

Após receber denúncia anônima, a Polícia Federal foi informada de que um homem estaria levando droga da cidade de Rolim de Moura para a região de Vilhena, dirigindo uma caminhoneta Fiat Strada, de cor cinza. Uma equipe de policiais passou a patrulhar a rodovia BR-364 e conseguiu encontrar o suposto carro entre os municípios de Pimenta Bueno e Vilhena.

O motorista, E.B.L., de 41 anos de idade, e que declarou trabalhar como cantor, foi preso em flagrante, sendo autuado no Posto Avançado da Polícia Federal existente em Pimenta Bueno/RO, sendo indiciado nas sanções estabelecidas no artigo 33, c/c artigo 40, inciso V, ambos da Lei nº 11.343/2006 e encaminhado ao Presídio daquela cidade, onde permanece à disposição da Justiça Estadual.

Fonte: Rondônia Dinâmica

O VERBO

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Câmara aprova criação do Dia Nacional do Evangélico

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania aprovou hoje o Projeto de Lei 3541/08, do deputado Cleber Verde (PRB-MA), que institui o Dia Nacional do Evangélico em 30 de novembro de cada ano.

O projeto não impõe um feriado nessa data. Atualmente, o Distrito Federal e o Amapá consideram a data como feriado.

Aprovado em caráter conclusivo, o projeto seguirá para o Senado, a menos que haja recurso de 51 deputados para que seja votado pelo Plenário.

Segundo o autor, o objetivo é homenagear esse segmento, que vem crescendo substancialmente em todo o País. "De acordo com pesquisas do IBGE, os evangélicos representam hoje 20,3% da população brasileira. Esse percentual corresponde a mais de 34 milhões de pessoas", afirma. Citando reportagem da revista Veja, ele afirma que o país mais católico do mundo está cada vez mais evangélico.

O coordenador da Frente Parlamentar Evangélica, deputado João Campos (PSDB-GO), comemorou a aprovação e ressaltou que não haverá feriado nessa data, mas um dia para celebrar a espiritualidade de uma parte importante dos brasileiros.

Alteração

O projeto também colocava a data no calendário oficial do Congresso Nacional, quando não haveria votações, apenas homenagens à religião evangélica. Após debate na comissão, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) considerou inconstitucional a medida e a retirou do projeto.

24 HORAS NEWS

Câmara brasileira aprova acordo e lei similar para demais igrejas

Brasília - Congressistas católicos e evangélicos aprovaram no plenário da Câmara dos Deputados o acordo assinado com o Vaticano e um projeto de lei parecido para os demais credos, informaram hoje fontes oficiais.
Tanto o chamado Estatuto da Igreja Católica como a Lei Geral das Religiões foram aprovados na noite da quarta-feira por voto simbólico, ou seja, por um acordo entre os -vozes dos partidos, informou hoje a Câmara em seu site.
"Esse foi o acordo: nós aprovamos o deles e eles aprovam o nosso", admitiu o deputado, locutor e teólogo George Hilton, do Partido Progressista (PP) e autor do projeto de lei dos evangélicos.
A Lei Geral das Religiões, redigida pelos legisladores evangélicos, copia vários dos 20 artigos do acordo mas com uma redação como projeto de lei para diferenciá-lo do acordo internacional assinado com o Vaticano.
O acordo entre católicos e evangélicos após quatro horas de debates pôs fim à polêmica gerada por líderes de diferentes religiões, organizações laicas e associações de cientistas e juristas que se opunham a que o Congresso ratificasse um acordo que, segundo eles, concede privilégios à Igreja Católica.
Os críticos alegam que o texto concede privilégios aos católicos e é inconstitucional por ferir as bases laicas do Estado e da educação pública.
O acordo entre a Santa Sé e , o país com maior número de católicos do mundo, foi assinado o 13 de novembro do ano passado durante a visita que o presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, fez ao papa Bento XVI.
O documento regula os aspectos jurídicos da Igreja Católica no país, até agora regidos por um decreto de 1890 da então nascente República e hoje considerado ultrapassado.
O acordo prevê direitos já existentes no país como o ensino religioso nas escolas públicas, isenções fiscais, imunidade das entidades religiosas perante as leis trabalhistas, sigilo de ofício dos sacerdotes e o valor civil do católico.
Em seu artigo mais polêmico, o acordo destaca a importância do ensino religioso nas escolas públicas, mas aclara que pode ser católico ou de outra religião, uma decisão que é facultativa das escolas.
Após sua ratificação no plenário da Câmara dos Deputados, o acordo passa agora a votação no Senado, assim como a Lei Geral das Religiões.
A grande diferença entre os dois textos é a substituição da expressão "Igreja Católica" por "todas as confissões religiosas".
A Lei Geral das Religiões regulamenta o direito ao livre exercício da confissão religiosa e do culto.
Assim como o acordo concede isenções fiscais e trabalhistas aos templos, permite o livre acesso de sacerdotes de todas as religiões a estabelecimentos carcerários e militares.
Uma de poucas inovações contra o acordo é o artigo que garante a livre manifestação religiosa em locais públicos.
Apesar do acordo entre os partidos majoritários, os dois acordos foram aprovados com o veto de legisladores de pequenos partidos, como Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), que qualificou a manobra como um fruto do "mercado da fé".
Segundo dados oficiais, enquanto a percentagem de católicos na população brasileira caiu de 83% no Censo de 1991 a 74% no de 2000, o de evangélicos subiu de 9,1% a 15,4% no mesmo período, e o dos que se declara sem religião passou de 4,8% a 7,4%.

EFE/NC

Vaticano investiga casos de abuso sexual

Cidade do Panamá - Numa iniciativa sem precedentes no país, o Vaticano abriu processo canônico contra religiosos, suspeitos de práticas de abuso sexual contra pessoas de menos idade.
O tema era comentado como fofoca, no final de maio, mas ganhou outra dimensão quando monsenhor Óscar José Vélez Isaza, enviado da Santa Sé, entrevistou vários religiosos, incluindo um bispo.
Sem mencionar nomes, o presidente da Conferência Episcopal Panamenha (CEP), monsenhor José Luis Lacunza, confirmou que a Santa Sé investiga uma congregação em Colón. Esse tipo de processo surge “quando o Vaticano tem indícios de que algo não funciona bem em algum grupo da Igreja”.
O processo incluiu entrevistas na Nunciatura Apostólica, realizadas entre 19 a 27 de maio de 2009.
O enviado do Vaticano reuniu-se com monsenhor Audilio Aguilar Aguilar, bispo da Diocese de Colón-Kuna Yala, denunciado no dia 22 de agosto de 2008 ante o Ministério Público por supostamente encobrir um religioso que teria cometido atos de pederastia em congregação sob sua jurisdição.
O religioso pertencia à Fraternidade da Divina Misericórdia (FDM), cujo superior é o sacerdote Teófilo Rodríguez, que enfrenta outras três denúncias no Ministério Público pelo delito de suposto encobrimento. Rodríguez assegurou que desconhece qualquer imputação que o vincule a esse assunto.
Os fatos pesquisados pelo Vaticano são conhecidos pelos bispos panamenhos e teriam ocorrido entre 2006 a 2008, numa entidade de Howard, que atende meninos, meninas e adolescentes em risco social.
A Comissão Pontifícia deve emitir parecer sobre o caso em breve. Os resultados, no entanto, não serão de domínio público pelo princípio de confidencialidade estabelecido no Código de Direito Canônico.

ALC/NC

Líder muçulmano da Itália critica Mourinho por fala sobre Ramadã


MILÃO - Um líder muçulmano italiano criticou nesta terça-feira o técnico da Inter de Milão, José Mourinho, por comentários feitos pelo técnico português sobre o Ramadã.

O meio-campista Sulley Muntari foi substituído no primeiro tempo da partida em que a Inter, campeã e defensora do título, empatou em 1 x 1 no domingo diante do recém-promovido Bari, e Mourinho disse que o ganês possivelmente estava sem energias devido ao rigor com que se dedica ao jejum exigido no mês muçulmano do Ramadã.

“Creio que Mourinho poderia falar um pouco menos”, opinou Mohamed Nour Dachan, presidente da união de comunidades e organizações islâmicas da Itália, em declarações à rede de tevê Sky.

“Um jogador que acredita no cristianismo, no judaísmo ou no Islã definitivamente tem uma predisposição psicológica muito tranquila, e isso o ajudará mais”, acrescentou.

Fonte: Estadão

O VERBO

André Valadão: Uma noite para ficar na história


Uma noite para ficar na história e na memória! Apesar da previsão de chuva, não choveu e não houve impedimento para a grande festa. A alegria do público somada a disposição para adorar a Deus marcou a noite do dia 24 de agosto, na 54ª Festa de Peão de Barretos. O cantor André Valadão foi a primeira apresentação da noite na festa.

André Valadão foi notícia em diversas mídias, com destaque ao portal de Notícias UOL que publicou em sua primeira página uma entrevista sobre a participação do cantor na Festa de Barretos. Confira a entrevista no UOL - clique aqui.

O público cantou, celebrou e dançou músicas que exaltam ao nome de Jesus e provaram que é possível agradar a Deus independente do lugar. “É assim, quebrando paradigmas, rompendo as humilhações da mídia e de muitos do meio dos grandes eventos brasileiros que vamos chegando devagar, com calma e levando além de um grande espetáculo, uma mensagem que todo o Brasil precisa ouvir: Jesus Cristo é amor e é o mesmo ontem, hoje e para sempre”, afirma o cantor.

Ao final de sua apresentação, André Valadão convidou ao público para levantar suas mãos entregando suas vidas totalmente para Jesus. Foi um momento marcante, onde ali, muitos jovens deixaram a bebida de lado, para entregar-se à Deus em lágrimas. “A realidade da música cristã, hoje, é romper as quatro paredes da igreja. Tocar em Barretos e em outras festas pelo Brasil é entender que a música não se limita à igreja, a mensagem é global”, diz André Valadão em sua entrevista ao portal UOL. Lembrando que o Ministério André Valadão não recebeu cachê por esta participação.

Fonte: Assessoria de Imprensa André Valadão/ O VERBO

Igreja Ortodoxa condena show de Madonna na Bulgária


Os fãs de Madonna estão sendo aconselhados a não comparecer ao show que a cantora fará no próximo sábado na Bulgária. A Igreja Ortodoxa do país condenou a apresentação por considerar que a popstar “não respeita os cristãos”.

A igreja divulgou um comunicado em que diz desaprovar a passagem da turnê Sticky and Sweet pela Bulgária. “Essa senhora mostra falta de respeito e tratamento intolerante em relação aos cristãos”, diz a nota. O Santo Sínodo da Igreja Ortodoxa é a máxima autoridade religiosa da Bulgária.

O show, que acontece no estádio Vasil Levski, em Sófia, deve receber cerca de 50.000 pessoas. A fúria da igreja deve-se ainda ao fato de que a apresentação está marcada para o mesmo dia em que os fiéis relembram o martírio de São João Batista, um dos grandes santos para os ortodoxos.

Fonte: Veja

O VERBO

Escolas de Houston proíbem 'torpedos sexuais' entre alunos


Conteúdo cada vez mais comum é chamado de 'sexting'. Mais de 200 mil alunos ficaram sabendo da proibição ao voltar de férias.

Milhares de estudantes em Houston, no Texas, descobriram na volta às aulas que estão proibidos de enviar mensagens, fotos e vídeos via telefone celular com conteúdo sexual -- a prática, cada vez mais comum entre os adolescentes, é conhecida como sexting.


Uma das maiores escolas da cidade norte-americana decidiu adotar a nova regra antes que seus 200 mil alunos voltassem das férias.

“Alguns diretores levantaram essa questão, então criamos esse documento dizendo ser proibido enviar, receber e possuir mensagens com conteúdo sexual”, afirmou Hans Graff, assistente-geral do conselho da Houston Independent School.

A organização é responsável pelo sistema de escolas públicas do Texas e fornece aos alunos uma educação especializada, voltada ao mercado profissional. “Os diretores afirmaram que essa questão [do sexting] pode se tornar um problema cada vez maior”, disse Graff à France Presse.


Um estudo recente, realizado nos EUA, descobriu que 22% das adolescentes e 18% dos jovens norte-americanos já enviaram ou publicaram imagens ou vídeos na internet em que eles aparecem nus ou semi-nus. “Um aluno pode enviar fotos para seu namorado e, depois que eles terminam, ele repassa essas imagens para todo mundo”, disse Graff.

Além de causar possíveis traumas, o assistente-geral afirma que esse tipo de conteúdo viola as leis que proíbem fotos sexuais em que aparecem crianças. “Qualquer imagem desse tipo pode ser considerada pornografia infantil, e não estamos interessados em ver nossos alunos sendo punidos criminalmente”, afirmou.

G1

Distritais aprovam regularização de áreas para igrejas

Os deputados distritais aprovaram nesta terça-feira (25), em sessão extraordinária, o projeto de lei complementar 128/2009, do GDF, que inclui áreas de igrejas para regularização urbanística e fundiária. A proposta foi votada por meio de substitutivo apresento pelo relator Brunelli (DEM).
A aprovação do projeto, em primeiro e segundo turnos, recebeu o voto favorável de 18 deputados e um contrário - do deputado Reguffe (PDT). Este comentou que, embora católico, discorda da política de concessão de áreas públicas para igrejas.
Entidades - A proposta conceitua as entidades religiosas como aquelas que desenvolvem atividades de organizações religiosas e funcionam como igreja, mosteiros, conventos ou similar, realizando catequese, celebrações ou organizações de cultos. O projeto contém 10 anexos, discriminados no art. 21 da proposição, que apontam a real situação fundiária dos lotes e áreas públicas disponibilizadas. Em síntese, trata intrinsecamente de legislar sobre áreas pertencentes à Terracap e ao Distrito Federal.

CLDF/NC

MEC critica acordo do Brasil com Santa Sé


Para ministério, parte do texto que fala sobre ensino religioso fere legislação e pode gerar discriminação em escolas públicas. Itamaraty diz que o MEC deu parecer favorável ao artigo em dezembro de 2007; a CNBB nega privilégio à Igreja Católica no acordo

Um artigo sobre ensino religioso faz com que o acordo entre o Brasil e a Santa Sé seja criticado dentro do próprio governo federal. O documento foi assinado em novembro de 2008 e está prestes a ser votado no Congresso Nacional.

Um dos pontos do texto diz que “o ensino religioso, católico e de outras confissões religiosas, de matrícula facultativa, constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental”. A discórdia está na expressão “católico e de outras confissões religiosas”.

Isso porque a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, de 1996, ao falar sobre o ensino religioso, não menciona nenhuma fé específica e também veda o “proselitismo”, ou seja, a promoção de uma religião. Por isso, em parecer datado de junho deste ano, a Coordenadoria de Ensino Fundamental do MEC afirma que o acordo fere a legislação brasileira e poderá gerar discriminação dentro da escola pública.

No caso da particular, o documento ressalta que as instituições de ensino cristãs têm autonomia para deliberar sobre o conteúdo. O Itamaraty diz que o MEC havia dado parecer favorável ao artigo em dezembro de 2007. Já o ministério afirma que já havia manifestado sua discordância anteriormente.

A CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) nega privilégio à Igreja Católica no artigo. “Por que aparece “católico’? Porque está falando do acordo com a Igreja Católica. Se fosse com a religião budista, diria “budista e de outras confissões religiosas’”, disse na sexta-feira dom Geraldo Lyrio Rocha, presidente da entidade.

“O fato de o texto nomear uma religião e referir outras a esta a coloca em uma situação de privilégio”, rebate Maria José Rosado Nunes, coordenadora-geral da ONG Católicas pelo Direito de Decidir.
A ONG encomendou ao instituto Ibope pesquisa que mostra que a maior parte da população brasileira rejeita a ideia de a Igreja Católica ganhar mais poderes no país.

Foram entrevistadas 2.002 pessoas de todo o país. Era feita a afirmação: “Atualmente, existe no Congresso uma proposta de acordo entre o Brasil e a Igreja Católica, que dará mais direitos à Igreja Católica em território nacional”. Em seguida, os entrevistados diziam se concordavam ou não com três frases que eram lidas.

O resultado reforça o apoio à laicidade: para 46%, “o governo não deve fazer acordo com nenhuma religião, pois não existe uma religião oficial no país”. Para outros 32%, ele não deve ser feito porque desrespeita outras religiões. Ou seja, 78% são contrários ao acordo. Manifestaram-se favoravelmente 15% dos entrevistados, por ser o catolicismo a religião da maioria dos brasileiros. Para a CNBB, a formulação da pergunta foi tendenciosa, porque sugere um privilégio aos católicos.

Fonte: Vooz/ OVERBO

Turquia junta em 'reality show' religiosos e ateus

RIO - Um sacerdote católico e outro ortodoxo, um rabino, um líder muçulmano e um monge budista de um lado da . Do outro, 10 ateus, ou como dizem os organizadores, 10 pessoas sem a fé necessária para serem consideradas crentes. Com esses ingredientes está se construindo o primeiro reality show da com a religião como pano de fundo: "Tobvekarlar Yarisiyor" (em turco, "Penitentes em competição"), informa o jornal espanhol "El País".
O programa nem começou ainda a ser transmitido pela emissora Kanal T - uma pequena rede turca que já conseguiu mais de 200 candidatos a participar do "reality show" - e já provoca polêmica em associações religiosas de todas as cores.
O prêmio é uma peregrinação aos lugares santos da região escolhida pelo ganhador. O formato do "reality show" não tem parâmetro na história da TV. O ganhador avaliado por um "grupo de especialistas" com o objetivo que fique que é um crente e não um penitente qualquer em busca de uma viagem grátis.
Mas apesar da promessa de seus organizadores de que o programa em nenhum momento fará ridicularização do sentimento religioso de seus participantes, já há um primeiro obstáculo: o mais importante órgão muçulmano turco se negou a autorizar qualquer líder de participar da atração, que considera "uma zombaria". Uma das máximas autoridades religiosas da Turquia, Hamza Aktan, declarou à agência de notícias local Anatoli: "Fazer algo assim simplesmente para ganhar audiência é desrespeitoso com todas as religiões".
A notícia provocou um acalorado debate na sociedade turca, como se pode observar em diversos fóruns no país e em páginas na Internet como a da rede de notícias Al Arabiya, onde crentes e laicos tentam descobrir se o país está preparado para um prograva que banaliza a religião ou se, pelo contrário, as autoridades devem intervir para barrar o programa e assim evitar maiores danos.
Apesar de toda a polêmica os produtores da rede de TV se mostram convencidos de que em setembro estarão prontos para começar o "reality show". Já estão prontos os anúncios da atração: "Neste programa encontrarás a serenidade". Amém.

GLOBO/nc

Megan Fox sente-se «ferida» por ser sex symbol


A actriz Megan Fox declarou em entrevista ao The Daily Star Sunday que se sente ferida sempre que é chamada de symbol.
«Quando olham para nós e nos dizem que somos atraentes, acabam por alimentar as nossas inseguranças, e isso torna-se uma pressão quase insuportável», disse a protagonista de «».
A artista referiu que o facto de ter sido criada na religião Pentecostal – um ramo mais radical da Igreja Protestante – tê-la-á deixado mais insegura em relação à beleza e à sexualidade, informa o UOL.
«Na religião em que fui criada tudo era maligno e errado. Fui ensinada que o era mau», explica a actriz.
Recentemente, Megan Fox confessou que tinha que beber para conseguir assistir aos seus .

Diário Digital/NC

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Uma evangélica Presidente

Pe. Crispim Guimarães*

A política brasileira revela a cada dia, facetas surpreendentes. O embrulho dos partidos chega ao mau cheiro. Não bastasse a isenção, por parte do Conselho de Ética, para com os senadores José Sarney e Arthur Virgílio, fruto de um acordo entre Governo e oposição, o Presidente da República enquadrou seu partido a calar-se diante da pizza, servida quentinha ao povo brasileiro; assim o senador Aloízio Mercadante de irrevogável renúncia à liderança do Governo, no Senado, virou o maior amigo de Lula, a quem não pode negar um pedido, mesmo que a solicitação seja contra a ética. Também a ex-secretária da Receita Federal, Lina Vieira, que afirma ter entrado no da Ministra Dilma Rousseff, para tratar de assuntos relacionados a Sarney, não pode provar sua ida ao gabinete porque as do não foram preservadas. Os governos guardam tudo, até os bilhetes de Getúlio Vargas, 54 anos depois de sua morte, como o Planalto iria apagar tão rapidamente este fato?
Nada justifica tamanho disparate por parte do Governo e da oposição, a não a busca do poder a qualquer custo. Tenho certeza que Niccolò di Bernardo dei Machiavelli, (Maquiavel) quando escreveu "O Principe", não imaginaria que um dia uma nação superaria sua astúcia, não que "o fim justifique os meios", como erroneamente se atribui esta frase a Maquiavel, mas algo tão pernicioso quanto. Em, "O Principe", o Estado pode praticar todo tipo de mal, seja aos seus cidadãos, seja a outros Estados. Ao mesmo , o julgamento posterior de uma atitude que parecia boa, pode mostrá-la má, ele separa a ética da política. Para Maquiavel, um governante não deve medir esforços, nem hesitar, mesmo diante da crueldade ou da trapaça, se o que estiver em for a "integridade" nacional e o "bem" do seu povo. Você já ouviu isso no quando se fala de governabilidade? Foi exatamente assim que Sarney foi isentado de tudo, em nome do bem do país!
Não é por acaso que para este Governo e muitos outros da América Latina, Fidel Castro é ; Lula, Chaves, Morales e Correa, etc., vivem beijando as mãos de Castro e elogiando o modelo cubano, uma ditadura comunista das mais ferrenhas do mundo, onde o poder é exercido por um único partido, que na verdade, nada mais é que capacho de seu chefe, Fidel. Você encontra alguma coincidência?
Mas, eis que surge inesperadamente uma mulher, talvez esta se assemelhe àquela do Apocalipse de São João, que frustrou os planos do Dragão, carregando na cabeça 12 estrelas. A mulher, da qual tanto se fala agora, é evangélica, simples, dizem que é Lula melhorado, e ainda não envenenado pelo poder; a mulher carrega a esperança de mudanças, as mesmas mudanças que ela acreditou e viu frustradas no governo do qual fez parte e saiu por divergências com Dilma Rousseff e como o próprio Presidente, e pelo modo com o qual se enfrentou as questões de corrupção.
Até então, parece que a senadora Marina Silva desponta como um sinal, como uma luz no final do túnel da campanha presidencial, que se anuvia próxima. Ainda é cedo para avaliações, mas o currículo da senadora é invejável, exatamente numa matéria da qual estamos tão carentes: ética. Muitos falarão que ela não terá governabilidade, porque necessitará de conchavos com os partidos, é a velha mania de usar os "meios para justificar os fins".
Contudo, não é mais possível guardar ilusões e acreditar que Marina Silva encontrará um partido ético para se filiar, não! O Partido Verde, não poderá oferecer-lhe esta oportunidade, mas a personalidade forte, auxiliada pela vivência do Evangelho, pode dar à senadora Marina um excelente suporte para conduzir o povo brasileiro aos bons costumes e valores até agora ignorados.
Marina começou suas lutas sociais com irmãs religiosas e fez parte das Comunidades Eclesiais de Base. Pode ser uma oportunidade de mudança. Esperamos que dela não se descubra coisas comprometedoras ou ainda, pode aparecer alguém melhor. Oxalá apareça! Quanto mais candidatos decentes, melhor para o Brasil.

*Coordenador de Pastoral e Assessor de Comunicação da Diocese de Dourados

O Progresso/NC

Candidatura de Marina Silva divide militantes do movimento LBGT nacional


A pré-candidatura da senadora Marina Silva ao Governo Federal nas próximas eleições pode dividir opiniões entre os ativistas mais importantes do movimento LGBT brasileiro. Parte da militância é tradicionalmente apoiadora do PT e seus políticos. Esse apoio tem fundo ideológico mas também pragmático: a maior bancada de deputados signatários da Frente Parlamentar pela Cidadania LGBT são do PT e de outros partidos tradicionalmente ligados à esquerda. Marina foi convidada mas nunca assinou sua entrada na Frente Parlamentar LGBT. E sua trajetória pessoal conta com um aparente agravante para esta comunidade: Marina é evangélica.

Partido
A ABGLT _principal entidade de articulação política do movimento brasileiro_ vem adotando uma atitude cada vez mais pragmática, com diálogo aberto a políticos não ligados à causa, tanto quanto com setores religiosos moderados. No embate José Serra x Lula, seria esperado um apoio mais a Lula. Com a recente presença de mais um nome nesta disputa, o de Marina Silva, o movimento LGBT deve cobrar posições da candidata. Em especial, por ter em Marina uma que pouco se sabe sobre suas convicções a respeito dos direitos civis homossexuais. É o que pondera Toni Reis, presidente da ABGLT: "Marina foi convidada para entrar na Frente Parlamentar pela Cidadania LGBT. Não entrou. Mas também não entrou na Frente Evangélica".
O ativista Julian Rodrigues, que possui bastante trânsito em Brasília, confirma a posição de Toni. "Nunca vi a senadora tratar destas questões (gays). Se, por um lado, ela não faz parte da tropa de choque homofóbica, vinculada ao fundametalismo religioso, por outro, ela também não é uma parceira da luta LGBT. Nunca se destacou por ações de combate à homofobia, priorizando outros temas". Marina vai se candidatar pelo PV, um partido tradicionalmente ligado a causas sociais e que possui em seus um dos maiores defensores dos direitos gays, Fernando Gabeira. Mas Julian não acredita que o partido de fato interfira nas posições de Marina já que "o PV é um Partido heterogêneo, muito desigual. Tem setores conservadores e ouros progressistas. Não é uma uniformemente vinculada a luta dos direitos humanos. Tem o Gabeira, mas tem também o Zequinha Sarney".

Posição clara
O histórico da senadora não é muito animador para a comunidade homossexual. Segundo Toni Reis, Marina "foi pressionada para se pronunciar contra o PLC 122 e adoção de crianças por casais homoafetivos e não se pronunciou nem contra e nem a favor". Essa neutralidade preocupa, já que Lula e José Serra já se manifestaram completamente favoráveis à lei que criminaliza a homofobia, em trâmite no Congresso. Marina não. Lula e Serra também já declararam apoio à união civil gay. Até Kassab, outro político de direita em ascensão, declarou seu apoio a essas leis. Marina não o fez. Toni e Julian concordam, contudo, em abrir diálogo com Marina. "Vejo que Marina Silva é a demonstração
Publicar postagem
de que o diálogo e o respeito entre o movimento LGBT e uma determinada parcela da população evangélica é possível e pode ser salutar", segundo análise de Toni, presidente da ABGLT. "Defendo que o movimento LGBT dialogue com ela e com todas as outras candidaturas, cobrando um avanço na nossa pauta no próximo governo", defende Julian.

Mix /NC

Evangélicos tentam impedir acordo com Santa Sé

BRASÍLIA - A bancada evangélica usa de todos artifícios para tentar impedir a votação do acordo entre o e a Santa Sé no Congresso Nacional. Esses religiosos tentam dar caráter de urgência para aprovar um texto muito semelhante ao do tratado, mas que não restringe as prerrogativas à Igreja Católica. Os evangélicos estão colhendo assinaturas dos líderes para que seja incluída na pauta, ainda esta semana, a Lei Geral das Religiões, de autoria do deputado George Hilton (PP-MG), ligado à Igreja Universal do Reino de Deus.
Essa lei geral, na verdade, é uma cópia do acordo do governo com o Vaticano, e tem os mesmos 19 artigos. No entanto, na versão evangélica, a expressão católica é excluída ou substituída por "todas confissões religiosas". É o caso do polêmico artigo 11, que trata do ensino religioso. O tratado diz que "o ensino religioso, católico e de outras confissões religiosas, de matrícula facultativa, constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental".
No texto de Hilton, o artigo fica assim: "o ensino religioso, de matrícula facultativa é parte integrante da formação básica do cidadão e constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas e de ensino fundamental, assegurado o respeito à diversidade cultural religioso da Brasil".

Apresentação de emendas ao acordo não é permitida
Por ser um acordo internacional, não é permitida apresentação de emendas ao tratado. Para tentar barrar o acordo, que estava previsto para ser votado nesta terça-feira, mas foi adiado, os evangélicos correm para incluir também seu texto na pauta.
O deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), evangélico vinculado à igreja Sarah Nossa Terra, é quem está incumbido de conseguir assinaturas dos líderes partidários para dar urgência e levar o texto de Hilton ao plenário.
Em nota publicada ontem em jornais, entidades evangélicas argumentaram que o acordo é um "cheque em branco" para a Igreja Católica e fizeram ameaças de perseguição, nas eleições de 2010, aos parlamentares que votarem a favor do texto oficial.
O Ministério da Educação informou ontem que apoia o acordo entre o Brasil e o Vaticano, mas, de acordo com a assessoria, a fez ressalvas ao documento. O ponto criticado pela Coordenadoria de Ensino Fundamental do ministério envolve também a questão do ensino religioso. O ministério alertou que o artigo poderia causar "discriminação dentro da escola pública".

Globo/NC