sábado, 17 de janeiro de 2009

Fotos de manifestação de brasileiros em Israel



Notícias Cristãs

Ônibus com slogan ateu são proibidos de circular na Itália

Órgão diz que anúncio fere regras da propaganda; Igreja diz que 'bom senso venceu'.
A associação italiana União dos Ateus e Agnósticos Racionalistas (UAAR) foi proibida de divulgar uma campanha publicitária nos ônibus de Gênova.
A concessionária de publicidade nos meios de transporte públicos IgpDecaux considerou que o slogan "Má notícia: Deus não existe; Boa notícia, você não precisa dele" é provocatório e não se enquadraria no código de ética da propaganda italiana.
Anúncio ateísta em ônibus na Itália. (Foto: União dos Ateus e Agnósticos Racionalistas (UAAR)/BBC)

"Não esperávamos a proibição da campanha, mas levávamos em conta o risco que corríamos. O contrato já estava pronto para ser assinado", disse à BBC Brasil Giorgio Villella, organizador dos eventos da UAAR e ex-secretário nacional da associação.
A IgpDecaux, com sede em Milão, argumentou que segundo os códigos 10 e 46 de autodisciplina regulamentar, a publicidade não deve ser ofensiva, e as campanhas não devem lesar o interesse de ninguém.
"Se irão apresentar outro slogan poderemos examinar. Não se trata de seguir ou não as indicações da Igreja", afirmou Fabrizio DuChene, administrador-delegado da empresa ao jornal "La Repubblica".
A UAAR promete lutar contra a proibição de veicular a mensagem de que Deus não existe.
"Vamos pedir que à prefeitura de Genova revogue o contrato com a IgpDecaux. A prefeita da cidade, que é laica, tinha se declarado favorável à campanha, realçando o direito de liberdade de expressão. E iremos até a Corte de Justiça Européia se for necessário", disse Villella.

Bom senso

Membros da cúria comentaram o cancelamento da campanha. Para o Monsenhor Marco Granara, reitor do Santuário de Nossa Senhora della Guardia, "venceu o bom senso".
"Todos os problemas deste tipo, o ateísmo, a homossexualidade não devem ser enfrentados com batalhas, mas sempre através do espaço para o diálogo", disse ele ao jornal "La Repubblica".
Durante a fase de discussão sobre a campanha alguns motoristas cristãos da empresa de transporte público de Gênova ameaçaram não conduzir ônibus que carregassem a propaganda ateísta.
A veiculação da campanha custaria cerca de 8 mil euros (cerca de R$ 23 mil). Dois ônibus circulariam a partir do dia 4 de fevereiro durante quatro semanas.
A iniciativa é semelhante à que está sendo realizada em Londres, Washington e Barcelona. Na Austrália, a proposta também foi vetada. Apesar da proibição, a UAAR, que existe há 22 anos, disse ter atingido o objetivo de "atrair visibilidade para a associação".
Segundo Villella, a associação de 3 mil sócios recebeu em poucos dias mais de 500 novas inscrições.
Ainda segundo ele, a UAAR já recebeu mais de 13 mil euros em doações, que vão ser usados na "batalha judicial para dar voz a quem não acredita em Deus".

G1

FONTE: noticiascristas.blogspot.com

LIÇÃO 03 - Josué Conduz Israel na Travessia do Jordão - EV. LUIZ HENRIQUE

PARTE 01


PARTE 02


PARTE 03


PARTE 04


PARTE 05

Ex-travestis se tornam pastores de igrejas evangélicas

igreja evangelica, noticias e destaques

SÃO PAULO - "Raspa careca!", ordenou Natasha, se despedindo das longas madeixas. "Tá louca?", respondeu o cabeleireiro, espantado com o pedido. "Me apaixonei por outro homem. Quero mudar o visual", justificou Natasha. "Então ele é rico!", exclamou o moço, já com a tesoura na mão. "Sim. Rico de amor. É Jesus...".

(Fonte: O Globo Online) - Esse diálogo aconteceu há cerca de 20 anos, num salão de beleza do centro da capital. Na época, Pedro Santana, conhecido na noite paulista como Natasha, largou a vida de travesti para se tornar pastor da Assembléia de Deus. Tosou o longo cabelo loiro e voltou a ser homem. Assim como ele, Paulo Rogério Ribeiro e Paulinho de Jesus seguiram o mesmo caminho:

- Só com fé esse milagre acontece. Tenho ganhado muitos homossexuais para Jesus - garante Paulinho de Jesus, ex-Paulete.

Era a segunda vez que Pedro renegava o próprio corpo.

- Ganhei seios por causa dos hormônios e silicone líquido. Tomava uma cartela inteira de anticoncepcional por dia. Perdia pêlos e ganhava peito - afirma Santana.

Ele garante que a exuberância feminina sumiu apenas com exercícios físicos e dieta. Hoje, aos 48 anos, está casado com Antônia, de 39, e tem três filhos: Daniel, de 20, Débora, de 18, e Samuel, de 15.

- Eles sabem da minha história. Não tenho vergonha, é meu testemunho - diz o pastor.

E esse testemunho lota igrejas evangélicas do Brasil e no exterior. Santana já viajou para dezenas de países por causa deste milagre, incluindo o Japão. Agora, ele é gordinho e usa bigode, mas continua dando show.

- Só uso roupa de macho. Nem compro sapato com fivela. Gostava do glamour, de aparecer, sempre fui bem vestida - brinca, durante seu testemunho. Entre uma revelação e outra, os fiéis comemoram, aos berros, com "Aleluia!" e "Jesus te ama!".

Trauma de infância

Ele lembra da infância difícil. Com 10 irmãos e sem pai, que morreu quando ele tinha 4 anos, a família passou necessidade e, desde cedo, pegou no pesado: como empacotador de supermercado e carregador de água em cemitério.

- Sempre tive interesse por meninos. E depois de ser estuprado, aos 6 anos, caí na vida - diz.

Ele conta que se prostituiu quando era menor. Fez ponto em locais famosos da capital. Quando estava no fundo do poço, foi levado a uma igreja evangélica.

- Só Jesus reverte esse processo. Dizem que uma vez gay, sempre gay. Mas há exceção - garante.

Paulo Rogério Ribeiro, de 37 anos, tem história semelhante, com graves problemas familiares e abuso sexual.

- Nunca fui aceito. Já na gravidez, minha mãe tentou abortar. Usou cinta até o sétimo mês para esconder a barriga. Nasci prematuro e fui para a casa da minha avó, porque minha mãe estava presa - conta.

Aos 9 anos, já sabia o que era a prostituição. A tia, que o acolheu após a morte de sua avó, fazia programa. Aos 17 anos, modificou o corpo.

- Nunca tive carinho... E depois de terem usado meu corpo, já não fazia mais diferença - diz Ribeiro. Hoje ele se diz "curado", mesmo que nunca tenha se relacionado com mulheres. Não está namorando, mas garante que olha diferente para elas.

- Talvez eu consiga ter um relacionamento quando eu tirar os seios. Mas preciso de R$ 4 mil - diz.

Ribeiro mantém o cabelo curto, usa paletó e camisa larga, porém não se livrou de alguns trejeitos femininos. Diz que são cicatrizes.

- Meu sonho é casar e ter filhos - afirma.

Cortesia: O Verbo

Acusados de matar criança em caso de magia negra estão sendo julgados

Estão sendo julgados, pelo 1º Tribunal do Júri de Goiânia, o pai-de-santo Wilian Domingos da Silva e a esteticista Elsa Soares da Silva, acusados de matar o garoto Michael Mendes, de 4 anos. O menino foi assassinado num ritual de magia negra, na noite de 8 de abril de 1989, dentro do terreiro de candomblé Axê Ilê Oxalufâ, situado no Setor Rio Formoso. A sessão está sendo presidida pela juíza Carmecy Rosa Maria Alves de Oliveira.
Elsa e Wilian estão sendo julgados por homicídio com três qualificadoras (circunstâncias que podem aumentar a pena): crime cometido por motivo torpe, com uso de meio cruel e de recurso que impossibilitou a defesa da vítima. O mestre de candomblé Alexandre dos Santos Silva Neto e a faxineira Eva dos Santos Marinho, outros dois acusados de participação no crime, já morreram.

O caso

De acordo com denúncia do MP, Michael Mendes morava com uma tia, que era vizinha de Elsa e freqüentava seu salão, eventualmente acompanhada do garoto. Decepcionada com sua vida amorosa, uma vez que seu companheiro a deixou por um homem, Elsa recorreu ao pai-de-santo em busca de um ritual de magia negra que pudesse desfazer o novo relacionamento dele.
Para tanto, ela usou o garoto que foi sacrificado num ritual de magia negra coordenado por Willian com o objetivo de resolver os problemas amorosos dela. Raptado, o menino foi amordaçado e passou por um ritual de sacrifício que envolveu, entre outras crueldades, espancamento, retirada de três dentes, amputação de todos os dedos das mãos para, ao final, ser decapitado.
Apesar da tentativa de ocultação do cadáver, o corpo do menino foi encontrado 20 dias depois do fato, semi-enterrado, com a barriga para baixo e a cabeça virada para cima. Ao lado do corpo havia sete copos descartáveis brancos, um pente de cabo vermelho, plástico de buquê de flores, fitas vermelhas, velas amarelas e vermelhas, cigarrilhas, talco, pingas, cerveja, vinho jurubeba, champanhe, uma caixa de papelão e um vidro de esmalte que tinha escrito, em seu rótulo, a palavra "pomba-gira", que segundo a promotoria significa uma entidade espiritual que exige sangue humano

Tribunal de Justiça de Goiás

FONTE: noticiascristas.blogspot.com

Vaticano diz que há menos de 1% de sacerdotes pederastas

O cardeal hondurenho Oscar Rodríguez Madariaga afirmou nesta quinta-feira que menos de 1% dos sacerdotes católicos no mundo estão envolvidos em casos de pederastia.
Em declarações à televisão mexicana, o ex-presidente do Episcopado Latino-americano atribuiu a amplitude do assunto à "manipulação tendenciosa" dos meios de comunicação.
Madariaga declarou que a pederastia é "mais uma doença mental que sexual". O religioso explicou que normalmente, "uma criança inspira respeito, ternura, bondade e carinho e, certamente, quando existem estas coisas (pederastia) trata-se de pessoas perturbadas mentalmente".
O cardeal, que participa no México do 6º Encontro Mundial das Famílias, organizado pelo Vaticano, declarou que há muitos casos de "pais de família" que abusam de seus filhos e de professores que fazem o mesmo com seus alunos, mas "não saem na mídia".
"Parece que há pessoas que têm anticorpos contra a hierarquia católica", declarou. A imprensa denunciou nesta semana um sacerdote que abusou de várias crianças órfãs no estado de mexicano de Veracruz, com a ajuda de uma suposta freira.

ANSA

FONTE: noticiascristas.blogspot.com

Repórter da Playboy se converte a igreja Maradoniana

A edição de Carnaval da revista 'Playboy' traz uma reportagem sobre a Igreja Maradoniana, criada há dez anos em Buenos Aires, para reverenciar o ídolo do futebol argentino, Diego Maradona. O repórter Jonathan Franklin frequentou a Igreja, passou por um rito de passagem e foi batizado, segundo informações da coluna Ooops do portal UOL.
Dentre as regras da igreja está que o nome do seu primogênito deverá ser Diego. O ritual de batismo faz referência ao gol que Maradona fez com as mãos na Copa de 1986, no México.
A igreja já foi, inclusive, um dos temas do documentário lançado pelo diretor e do jogador argentino, Emir Kusturica.

Correio

FONTE: noticiascristas.blogspot.com

Show gospel acaba em confusão


SÃO LUÍS - O público que pagou ingresso para assistir ao show do músico evangélico Lázaro, ex-vocalista do Olodum, protestou contra a organização do evento. Estavam programadas duas apresentações do artista; uma às 20h e outra às 22h.
Segundo informações no Blog do jornalista Décio Sá, o ex-vocalista do Olodum só subiu ao palco às 21h30 depois que o vice-governador orou com os presentes. Dos dois shows programados, só um foi realizado. Por conta disto, os consumidores que compraram ingressos para assistir ao segundo show começaram a protestar. A confusão foi geral As pessoas que iam chegando para o segundo show tentaram entrar enquanto as do primeiro ainda aguardavam a apresentação de Lázaro.
De acordo com Décio Sá, muita gente foi empurrada, crianças atropeladas por adultos e o jeito foi se acomodar até em cima das caixas de sons.
Imirante

Evangélico envolvido em crimes é assassinado O assassinato aconteceu quando ele voltava da igreja.

O evangélico Almir da Silva Nascimento, 27 anos, foi assassinado na noite desta sexta-feira quando retornava de um culto na igreja. Ele foi assassinado com vários tiros de revólver disparado por um homem que fugiu sem deixar pista.
O crime aconteceu na Travessa Delmiro Gouveia, no Mutange, e testemunhas contaram ao cabo PM Josenildo, do 4º Batalhão, que a vítima estava envolvida em vários crimes praticados na região. Almir havia se covertido recentemente.

FONTE: noticiascristas.blogspot.com

Juiz autoriza que Obama use Deus em discurso de posse

Ativista ateu diz que a menção a Deus exclui não-religiosos.
Juiz americano considerou legal o uso da frase 'com a ajuda de Deus'.
Barack Obama terá o direito de usar a frase "So help me God" ("com a ajuda de Deus", em livre tradução para o português). A liberação foi dada por uma corte distrital de Washington D.C, nesta quinta-feira (15).
O caso ganhou destaque após o advogado Michael Newdow, ativista ateu que busca tirar referências religiosas de práticas do governo do país, entrar com uma ação na Justiça em nome de um grupo de ateus.
Segundo Newdow, com a menção a Deus, incluída pela Suprema Corte, os cidadãos de outras crenças são excluídos do discurso que deveria ser representativo de toda a população do país. Se dependesse dele, o juramento iria se encerrar na menção à Constituição, sem falar em religião.
“O que reclamo é que a Suprema Corte dos Estados Unidos defina que o texto constitucional do juramento obrigatório para que o presidente assuma o cargo inclua uma citação a Deus. A Justiça não pode mudar a Constituição com base em religião nenhuma. Isso me ofende pessoalmente. Os indivíduos podem fazer o que quiserem, mas o meu governo não pode dizer que nós, como povo, acreditamos em nada”, havia dito Newdow, antes da decisão do juiz Reggie Walton desta quinta-feira (15).

Tradição

O texto do juramento diz: “Eu solenemente juro que vou executar fielmente o cargo de presidente dos Estados Unidos, e vou fazer o possível para proteger, preservar, proteger e defender a Constituição dos Estados Unidos”. Ele fez parte da posse de todos os presidentes, e a tradição diz que o primeiro líder do país, George Washington, teria incluído a menção a Deus no final, em 1789.
Por mais que se questione atualmente a falta de provas de que Washington tenha se referido a Deus, muitos defendem a conclusão como parte da tradição política do país. Newdow, entretanto, discorda do argumento e acusa a tradição de ter elementos nocivos para a sociedade.
“Este argumento da tradição já serviu para dizer que era tradição manter brancos e negros em lugares separados nos ônibus, ou dizer que as mulheres não podiam trabalhar. Muitas tradições são nocivas, e precisam ser analisadas para poder respeitar os direitos civis, independentemente do que dizem a história e a tradição”, disse.

G1

FONTE: noticiascristas.blogspot.com

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Saindo do Homossexualismo

Passos para quem se converteu a Jesus Cristo e quer deixar o comportamento homossexual

1- A mudança só será possível depois que o indivíduo reconhecer e confessar que sua atitude e conduta precisam ser transformadas. É uma questão de decisão. Homossexualismo não é imutável. Alguns psicólogos afirmam que as pessoas não são homossexuais, mas estão homossexuais. Homossexualismo é um comportamento aprendido e, portanto, pode ser desaprendido;

2- O homossexual deve confessar seus pecados e temores a Deus e pedir-lhe que o purifique no Sangue de Jesus (1 Co 6.9 a 11);

3- Aquele que deseja a mudança deve pedir a Deus que lhe dê profunda consciência de pecado através do Espírito Santo (Jo 16.8) e um grande desejo de mudança de mente (Rm 12.1, 2);

4- O envolvimento com uma igreja local é extremamente importante para o crescimento espiritual, para a restauração emocional, para a socialização com pessoas que sempre foram heterossexuais. Isso é o que nos ensina Hebreus 10.25: “Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações.” A unidade cristã é decisiva para o homem e a mulher que estão saindo do homossexualismo;

5- Saber que há tentações e que o pecado, o mundo, a carne e o diabo devem ser vencidos. As carências e vulnerabilidades do ser humano levam a equívocos sexuais. Buscar entender 2 Co 5.7. Observe o que declarou um ex-homossexual americano: “Você é heterossexual em Cristo. Não importa a profundidade de seus sentimentos homossexuais, pois profundamente jaz dentro de você sua identidade heterossexual, enterrada debaixo de milhares de temores.” (Extraído do livro Deixando o Homossexualismo, Ed. Mundo Cristão. Ver Apêndice Livros Indicados);

6- Esperar sempre em Deus a força e o poder para a mudança (Fp 1.6 a 9);

7- Obedecer os conselhos recebidos do conselheiro, se tem convicção que essa pessoa foi posta por Deus em sua vida;

8- É preciso aprender a disciplinar os pensamentos (Rm 12.1, 2) e hábitos (pessoais e públicos) para vencer as tentações;

9- Contar com a ajuda de um ministério cristão de apoio a homossexuais também é muito importante;

10- Falar com Deus sobre os problemas, tentações, tristezas, decepções etc., sempre com absoluta sinceridade, sabendo que Ele é onisciente e é, também, o amigo mais compreensivo;

11- Deve confessar a Deus e ao conselheiro se cair durante o processo pois, do contrário, pode haver desânimo profundo, hipocrisia e acusação do diabo. A confissão e o abandono do pecado também trazem uma profunda consciência do perdão de Deus (ler Pv 28.13 e Tg 5.16);

12- Uma vida de leitura bíblica, oração, jejum e louvor é a melhor arma para se vencer o homossexualismo pois, como disse Frank Worthen, fundador do ministério Amor em Ação (EUA) “Os indivíduos que têm maior chance de abandonar o homossexualismo são aqueles que se entusiasmam com Deus, que antecipam o que Ele vai fazer em suas vidas. Eles vêem Deus trabalhando até mesmo em pequenos detalhes da vida deles, e seus corações estão cheios de louvor.” (Extraído do livro Deixando o Homossexualismo, Ed. Mundo Cristão);

13- Evitar amizades que possam influenciar na volta às práticas homossexuais assim como filmes, programas, revistas e lugares onde há pornografia, objetos do passado e tudo que exerça influência homossexual etc.

“E assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas passaram; eis que se fizeram novas.” (2 Co 5.7)

Que Deus nos abençoe
Moses
http://www.moses.org.br
moses@moses.org.br

FONTE: www.linksdejesus.com

Evangelismo envolve 2000 jovens de todo mundo

Dezenas de igrejas em várias partes do mundo estão a planear participar numa jornada especial de missões que envolve levar Cristo e a Sua mensagem até uma grande comunidade onde o Evangelho não é o tema mais popular.

Até agora, cerca de 2.000 jovens já se inscreveram para as “Online Missions Trip” (Jornada de Missões Online) para bombardear sites populares de redes sociais com histórias acerca de Deus.

“Esta é uma oportunidade de duas semanas para todos nós de bombardear o Facebook, MySpace, YouTube, Twitter, qualquer lugar social a que você for online, com o Evangelho de Jesus Cristo”, explica Tim Schomoyer, o organizador da jornada de missões e pastor de jovens na Alexandria Covenant Church em Minnesota, no vídeo promocional da jornada de missões.

De 1 a 14 de Fevereiro, estudantes dos Estados Unidos, Canadá, Austrália, Reino Unido, Bermudas e de qualquer outro país irão usar o poder da Internet para partilhar Cristo com outras pessoas. Não só com aquelas que estão do outro lado do mundo, mas também do outro lado da rua e com os amigos na sua escola.

A pré-“jornada” de formação que explicará como partilhar efectivamente mensagens sobre Cristo por meio de redes sociais começa a 11 de Janeiro e prosseguirá até 31 de Janeiro.

Durante a “jornada”, os participantes irão enviar vídeos e fotos, links, e actualizações do estado de utilizador para partilhar o que Deus está a fazer nas suas vidas. Os participantes também irão escrever comentários, enviar mensagens, escrever em blogues, criar convites para o seu grupo da jovens, e fazer outras coisas que irão ajudar a apresentar Deus numa conversa online.

No entanto, as conversas online são apenas o passo inicial. O objectivo é eventualmente trazer as pessoas para discussões frente-a-frente. Eventos de divulgação e o acompanhamento dos novos crentes irão começar a 15 de Fevereiro e irão incluir uma sequência de quatro partes livres da Lifechurch.tv, intitulada “O que é que vem a seguir?”

“Depois disso, você terá talvez alguns eventos que poderá usar, como eventos no Facebook para convidar os seus amigos para vir a pequenos grupos ou grupos de jovens,” diz Schmoyer.

A Alexandria Covenant Church, por exemplo, irá usar o programa de juventude “Gospel Journey Maui” do popular ministério jovem Dare 2 Share e enviar convites a um grande número de jovens na área para discutir acerca das crenças dos Cristãos e o porquê dessas crenças, e também quais as crenças de outras religiões.

O programa pós-”jornada” na Alexandria Covenant Church está previsto abranger mais cerca de nove semanas depois da jornada de missões online terminar.

Schmoyer diz que espera que mais gente se registe para a jornada até ao seu início em Fevereiro porque a Dare 2 Share enviou recentemente um e-mail especial a cerca de 20.000 pastores de jovens, de acordo com a Evangelical Covenant Church.

Recursos e outros materiais úteis para a “jornada” já estão disponíveis online.

Reportagem por Fonte internet

FONTE: www.linksdejesus.com

Epísódio de “Os Simpsons” gera polêmica com Islamismo

A popular série de desenhos animados "Os Simpsons" gerou polêmica no Reino Unido depois que Homer acusou seus vizinhos muçulmanos de serem terroristas.

Na nova temporada da série, o pai da popular família norte-americana convence seus amigos de que seus vizinhos vindos do Oriente Médio planejam explodir um centro comercial de Springfield.

Homer descobre mais tarde que Amid, o chefe da família muçulmana em questão, trabalha para uma companhia de demolição.

Quando Homer convida a família vizinha para um jantar, demonstra sua ignorância em relação ao Islã, chamando Alá de "Oliver" e Alcorão de "A Coroa".

Um porta-voz do Centro Cultural Islâmico e da Mesquita Central de Londres acusou o programa de incentivar o preconceito contra o islã e recomendou que os muçulmanos não assistissem à série.

Já o criador de "Os Simpsons", Matt Groening, defendeu o novo episódio ao dizer que os desenhos "trabalham com estereótipos" e "nós tratamos de ser sensíveis a respeito".

Reportagem por Folha Online

FONTE: www.linksdejesus.com

Por que tanto barulho?


O evangelista, que já orou em uma posse, mostra sua opinião sobre a recente controvérsia Obama e Warren.
O presidente eleito Barack Obama escolheu o pastor Rick Warren, da mega igreja da Califórnia, para fazer a oração de posse em 20 de janeiro, despertando a fúria dos defensores do casamento entre pessoas do mesmo sexo e dos progressistas.

Obama e Warren justificaram suas decisões, mesmo sendo um futuro presidente e um pastor de uma mega igreja. O evangelista Franklin Graham já esteve nesta mesma situação quando orou em nome de Jesus na posse do presidente Bush em 2001. Ele falou com a Christianity Today e mostrou sua opinião quanto à decisão de Obama, além de dar seu conselho para Warren.

CHRISTIANITY TODAY: Você ficou surpreso por Obama escolher Rick Warren para fazer a oração de posse?
FRANKLIN GRAHAM: Absolutamente, não. Rick Warren convidou o presidente eleito Barack Obama há dois anos para o seu fórum sobre AIDS, e, naturalmente, manteve o debate de forma não oficial em sua igreja com Obama e o senador McCain. Rick demonstrou a Obama que ele é um amigo, mas que, ao mesmo tempo, não mudaria suas convicções. Eu acho que ele é simples e que muitas pessoas vão gostar de ver Rick Warren lá. Acho que ele é uma ótima escolha. Ele é um batista do sul. Ele crê na Bíblia da mesma forma que eu.

Rick Warren parece estar enfrentando críticas de ambos os lados, dos defensores do casamento entre pessoas do mesmo sexo e de evangélicos que dizem que ele não deveria orar na posse de Obama. Você desempenhou este mesmo papel na posse do presidente Bush, em 2001, e seu pai também já desempenhou este papel. Vocês enfrentaram os mesmos desafios?
O presidente Bush foi processado porque eu orei em nome de Jesus. Este processo foi encerrado. Mas em qualquer momento em que você tomar uma posição ao lado de Cristo, haverá controvérsias. Rick Warren é um homem de Deus. Ele é um pregador do evangelho de Jesus Cristo. As pessoas da extrema esquerda odeiam Deus, eles odeiam Seus padrões e odeiam o nome de Seu Filho. As pessoas da esquerda não vão apoiar qualquer relacionamento com pessoas do outro lado. Barack Obama tem mostrado que vai chegar a todos esses limites. Ele está envolvendo evangélicos na cerimônia de posse, mas não sei se ele os incluirá em sua administração. O tempo dirá. Mas Rick Warren será ouvido por Obama em assuntos importantes.

A aceitação do convite por parte de Warren dá uma aprovação implícita à administração de Obama?
Eu não concordo com tudo o que George Bush fez. Eu não concordo com tudo o que ele acredita. Quando eu aceitei o convite, isto não significava que eu concordava com o presidente Bush. Eu estava lá para falar com Deus, para liderar a nação numa oração pelo nosso presidente. Nas Escrituras somos chamados a orar pelos que nos lideram. Portanto, quem estiver aborrecido por Warren oferecer uma oração ao Deus Todo Poderoso, pedindo por sabedoria e orientação à administração de Obama, é ridículo.

As críticas direcionadas a Warren têm como alvo o seu posicionamento contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Os evangélicos deveriam tomar uma posição pública em relação ao assunto?
É bíblico. Rick Warren ou Franklin Graham ou qualquer outro pregador do evangelho não tem outra escolha além de alertar as pessoas sobre o que Deus diz. Qualquer tipo de relacionamento sexual fora do casamento entre um homem e uma mulher é um pecado contra Deus. É muito sério. Deus vai julgar o pecado e Rick Warren está se posicionando contra o casamento gay. Ele está absolutamente certo, porque esta é a posição de Deus.
Eu apenas sei o que Rick Warren acredita, que o homossexualismo é pecado, e um pecado contra Deus. Deus perdoa os pecados. Mas, para que Deus perdoe os pecados, o pecador tem que se arrepender e se desviar deles, reconhecer Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador e segui-Lo em obediência. Uma pessoa não pode dizer “eu vou seguir a Jesus e pecar”, ela não pode fazer isso. Deus perdoará um homossexual e todos nós como pecadores. Franklin Graham é um pecador, mas eu pedi o perdão de Deus e me afastei do pecado. Quando eu peco, eu tenho que pedir o perdão de Deus e que Ele me limpe.
Os pecadores serão separados de Deus no inferno. O inferno é um lago de fogo eterno – para sempre e sempre. O único caminho que você pode usar para escapar do inferno é através do perdão, através de Jesus Cristo. Seja você um muçulmano, um budista ou hindu, Jesus Cristo morreu por você e derramou Seu sangue na cruz do calvário. Ele pode entrar no coração das pessoas e limpá-lo, se elas quiserem se render a Ele.

A constituição dos Estados Unidos deveria limitar o casamento para um homem e uma mulher?
O casamento é bíblico e secular. Dois machos não podem produzir filhos e duas fêmeas não podem produzir filhos. É preciso um macho e uma fêmea. É óbvio que Deus fez o sexo para que a raça humana existisse. Não é apenas uma instituição secular, mas uma instituição bíblica. Deus instituiu o casamento. É um compromisso sagrado quando tomamos o juramento entre um homem e uma mulher. Nós não podemos mudar as normas que Deus nos deu.

Quando você orou na posse do presidente Bush em 2001, você orou “Agora, ó Senhor, nós dedicamos a Ti esta cerimônia de posse do presidente. Possa este ser o começo de um novo amanhecer para a América, se humildemente nos humilharmos diante de ti e reconhecermos somente a ti como nosso Senhor, nosso Salvador e nosso Redentor. Nós oramos assim em nome do Pai, do Filho, o Senhor Jesus, e do Espírito Santo. Amém”. Rick Warren deveria orar no nome de Jesus, na cerimônia de posse?
Eu espero que ele o faça, pois é um ministro do evangelho. Não há outra forma de orar. Um muçulmano não deveria ficar ofendido. [Warren] não tem outra forma de orar que não seja em nome de Jesus. Ninguém deveria se sentir ofendido, porque Rick Warren deve ser quem ele é, e ele é um ministro de Jesus Cristo.

Você acredita que Rick Warren tornou-se um “pastor de presidente”, num modelo parecido com o do seu pai?
Eu não acho que você assume este papel. É algo que é dado por Deus. O tempo dirá. Meu pai tem sido amigo de todos os presidentes, desde Truman. Não há nenhum outro americano que tenha tido mais influência na Casa Branca. Talvez Rick Warren tenha um relacionamento com presidentes no futuro. Mas não é algo que você busque. Meu pai nunca perseguiu isso; Deus simplesmente deu isto a ele. Se Rick Warren é fiel a Deus, Ele continuará abrindo portas.

Eu sei que você disse, há um mês, que seu pai não estaria servindo como conselheiro espiritual a Barack Obama.
Ele tem 90 anos de idade. Ele fica feliz simplesmente por poder acordar de manhã. As notícias, na maior parte das vezes, querem fazer muito barulho. Mas são poucas as pessoas de extrema esquerda que sentem que Obama não deveria ter nenhum evangélico ou cristão envolvido na cerimônia de posse. Milhões de cristãos votaram em Obama, e eles têm toda razão em querer estar à mesa. Esta é a cerimônia de posse e Obama tem todo o direito de fazer isso. Aqueles que estão fazendo este barulho se esquecem que esta cerimônia não é deles. É de Obama.

Você tem algum conselho para Rick Warren?
Meu conselho para o Rick é estar certo de suas convicções e não ceder nenhum passo. Eu não penso que ele fará isso. Quando você tem a extrema esquerda e os defensores dos homossexuais bravos com você, então você deve estar fazendo a coisa certa. Estou orgulhoso do Rick. Ele não retrocedeu nem um pouco e nem deveria.
Eu apenas oro pelo presidente eleito, para que Deus o guie enquanto toma decisões que afetam a todos nós. O presidente tem uma bagunça à sua frente. Infelizmente eu não acho que ele consiga resolver os problemas que estamos enfrentando. Os problemas que estamos tendo no Oriente Médio, os problemas de recursos naturais e aquecimento global estão além de qualquer pessoa. Será preciso que Deus mande seu Filho de volta para redimir este mundo.

Cristianismo Hoje

A perigosa tarefa de desvendar o passado


Arqueólogos cristãos arriscam o próprio pescoço em busca de fragmentos que comprovem a fidedignidade da Bíblia.
O professor Rodrigo Silva em um sítio arqueológico: “Corremos riscos, mas vale a pena”
O cinema popularizou a figura de aventureiros que enfrentam todos os perigos para desvendar os enigmas do passado. Quem nunca assistiu, por exemplo, um filme do herói Indiana Jones, vivido pelo ator Harrison Ford, que arrisca o próprio pescoço em expedições pelos quatro cantos da Terra? Mas na vida real, os pesquisadores levam uma vida bem menos glamurosa, palmilhando antigas ruínas e cidades perdidas em busca de vestígios de antigas civilizações. Um trabalho duro, que passa longe dos olhos do grande público – a não ser, claro, no caso de uma descoberta espetacular. Com a arrancada da arqueologia bíblica, cada vez mais estudiosos cristãos têm se dedicado a juntar peças e documentos que comprovam a veracidade das Escrituras Sagradas. Movidos pelo interesse científico e pela paixão religiosa, pesquisadores ligados a universidades confessionais ou mesmo autônomos vasculham sítios arqueológicos, sobretudo na Terra Santa, em busca de provas de que heróis bíblicos como Davi, Sansão ou Gideão tenham existido de fato. E, a exemplo do intrépido Jones, também eles já passaram por maus bocados – com a diferença de que, no seu caso, os riscos foram reais.
O doutor Rodrigo Pereira Silva, especialista em arqueologia pela Universidade Hebraica, tem mais de dez anos de experiência em escavações ao redor do mundo. Embora não se sinta um herói, ele admite que já correu risco de morte em algumas situações. Uma delas foi em Jerusalém. “Costumava sempre passar num mercado quando voltava do sítio arqueológico de Shaar ha Golan”, lembra. “Certo dia, não me lembro por quê, segui por outro caminho. Não demorou muito e alguns amigos vieram desesperados me contar que um atentado a bomba no mercado tinha feito 50 vítimas, entre mortos e feridos.” Silva, de 38 anos, é professor de Novo Testamento no Centro Universitário Adventista (Unasp) e curador do Museu de Arqueologia Bíblica Paulo Bork, instalado naquela instituição, no município paulista de Engenheiro Coelho.
Cada descoberta, claro, tem seu preço. Além de muito trabalho e perseverança, Rodrigo Silva, volta e meia, é envolvido numa situação de perigo. Em 2001, no auge da Intifada, o pesquisador alugou um carro com placa israelense e dirigiu-se a Nazaré, área sob administração palestina. “Errei o caminho e fui atacado com paus e pedras pelos moradores da região, que devem ter pensado que eu era judeu.” No sufoco, fez o que qualquer crente faria – pediu socorro a Deus. “A ajuda veio através de outro motorista, que acenou para que eu o seguisse. Nem sei de onde veio o sujeito, mas ele me indicou o caminho certo e fugi dali”, lembra, divertido. Há dois anos, Silva fazia escavações em Tel Dan, próximo ao Mar Mediterrâneo, quando estourou um conflito entre Israel e Líbano por causa do seqüestro de dois soldados israelenses pelo grupo radical Hizbolla. “Eu só ouvia os caças israelenses passando por cima da minha cabeça e depois o estrondo das explosões dos mísseis.” Por segurança, todos os arqueólogos foram retirados da região. Mesmo assim, Rodrigo Silva não desiste do trabalho: “O que me move é a paixão pela descoberta, pois confio no cuidado e proteção de Deus”, afirma, cheio de fé.
“Vale a pena” – “Temos descoberto tantas evidências que iluminam a parte histórica da Bíblia que isso tem tornado muitos céticos em crentes”, comemora o pesquisador Michelson Borges, citando as palavras do arqueólogo Paulo Bork, um dos mais respeitados arqueólogos bíblicos do Brasil. O estudioso hoje vive nos Estados Unidos, onde dá continuidade aos seus trabalhos. “Ele me dizia que sempre existirão aqueles que não crêem na Bíblia e a criticam. Muitos deles não vão mudar sua forma de pensar, independentemente das evidências arqueológicas”, reconhece. Segundo Borges, Bork escavou, em mais de cinco décadas de carreira, em diversos países, como Egito, Iêmen, Jordânia e Turquia, além, é claro, de Israel. Sob o patrocínio do Museu Arqueológico de Jerusalém, realizou entre 1975 e 1978 um trabalho inédito para traçar e definir a localização dos muros e portões da antiga Cidade Santa.
Outro que conhece bem os perigos do ofício de coletar peças antigas in loco é Jorge Fabbro, coordenador do curso de pós-graduação em arqueologia do Oriente Médio Antigo na Universidade de Santo Amaro (Unisa). Ele estava em Megido – local apontado pelo Apocalipse como cenário da batalha do Armagedon, que deve anteceder ao fim dos tempos – em busca de peças da época da ocupação cananita da região, por volta do século 10 a.C. Encantado com a descoberta de uma escama de bronze que provavelmente pertenceu a um guerreiro do período, nem percebeu os combates entre caças israelenses e bases militares do exército do Líbano. Apesar do risco que correu, Fabbro acha que o trabalho valeu a pena. “Os achados foram abundantes e incluem as bases de imensas colunas e os alicerces de um templo monumental do ano 3100 a.C. e muitos outros itens”, entusiasma-se.
De outra feita, caminhando pelas ruas do bairro árabe da Cidade Antiga de Jerusalém a caminho do Monte do Templo, o arqueólogo inadvertidamente já ia entrando no santuário islâmico pela porta de acesso exclusivo a muçulmanos. Ele passava distraído pelas barracas de mercadores que vendem toda sorte de produtos e quinquilharias quando foi agarrado pelo braço. “Fui puxado com grosseria por um soldado da Autoridade Palestina, muito bravo, e nem tive tempo de explicar o engano”, conta. Fabbro só teve tempo de olhar o fuzil do militar e sair rapidamente dali. “É pena que os tempos mudam mas os conflitos humanos permanecem”, comenta o estudioso.

Cristiasnimo Hoje

FONTE: noticiascristas.blogspot.com

Apresentada a primeira Bíblia interconfessional em espanhol

Depois de 30 anos de intenso trabalho, foi apresentada na Espanha, nesta quarta-feira, a primeira Bíblia interconfissional em castelhano, um texto elaborado por uma equipe composta de católicos e protestantes espanhóis.
Trata-se da primeira tradução interconfissional da Bíblia, feita a partir das línguas originais do texto: hebraico, aramaico e grego. A obra, de 2.200 páginas, que será vendida por €21,00 (R$ 63,00), inclui um vocabulário de termos bíblicos e uma cronologia histórico-literária.
O volume contém também tabelas de equivalências de pesos, medidas e moedas, uma resenha do calendário judaico e mapas que orientam sobre os lugares onde ocorreram os acontecimentos narrados na Bíblia. A tradução e a supervisão do texto foram coordenadas e dirigidas pela Casa da Bíblia e pela Sociedade Bíblica da Espanha.
Antes da apresentação da obra ao público, o teólogo e catedrático da Faculdade de Teologia da Pontifícia Universidade de Salamanca, José Manuel Sánchez Caro, disse que a Bíblia Interconfissional em castelhano é "um feito" e um "dos grandes eventos da história da Igreja na Espanha".
Por sua vez, o professor de Teologia da mesma Universidade, Fernando Rodríguez Garrapucho, ressaltou o tempo da elaboração da obra − 30 anos – sublinhando a importância de que ela seja fruto do trabalho conjunto de católicos e protestantes.
O biblista e teólogo protestante, José Luis Andavert, explicou que, na tradução, "não há grandes diferenças", mas salientou – no contexto da obra – as notas, os comentários e as introduções, que "não são de caráter confissional, mas sim histórico, lingüístico e literário" ao contrário do que acontecia até agora.
Andavert ressaltou que "a verdade pública" oferecida no novo texto "é fundamental" para compreender "nossa cultura, nossas ideias, nossa música e nossa literatura".

AF/RV/NC

FONTE: noticiascristas.blogspot.com

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

A Importância de Qualidade Musical Na Igreja

E no Tabernáculo de Davi? Havia qualidade musical? Havia divisão de vozes? Havia vários instrumentos? Havia ensaios?

Querido leitor, eu quero levá-lo a ver algumas verdades sobre a necessidade de usar a música com qualidade para a glória de Deus!
Se você ler cuidadosamente os livros das Crônicas, você conseguirá observar estes detalhes preciosos. Quero aqui neste breve artigo ressaltar duas partes deste livro que me chamam mais a atenção.
No capítulo 15 do primeiro livro, lemos, a partir do verso dezesseis:

“E disse Davi aos chefes dos levitas que constituíssem, de seus irmãos, cantores, para que com instrumentos musicais, com alaúdes, jarpas e címbalos, se fizessem ouvir, levantando a voz com alegria. Designaram, pois os levitas a Henâ (...) Asafae (..) Etã (...)”
“E os cantores, Hemã, Asafe e Etã, se faziam ouvir com címbalos de metal; E Zacarias, Aziel, Semiramote, Jeiel, Uni, Eliabe, Maaséias, e Benaia, com alaúdes, sobre Alamote. E E Matitias, Elifeleu, Micnéias, Obede-Edom, Jeiel, e Azazias, com harpas, sobre Seminite, para sobressaírem. E Quenanias, chefe dos levitas, tinha o encargo de dirigir o canto; ensinava-os a entoá-lo, porque era entendido” (v. 19-22)

Talvez sua Bíblia já tenha traduzidos os termos Alamote e Seminite, por exemplo. (várias Bíblias hoje já são assim). Se a sua for uma delas, você vai poder confirmar o que vou dizer.
O termo Alamote, do orginial significa SOPRANO, e Seminite, significa TOM DE OITAVA.
Algumas Bíblias até tem a tradução de Alamote como com alaúdes, em voz de soprano, e de Seminite como em voz de baixo, para conduzir o canto.
A Bíblia amplificada chega a comentar sobre Alamote: “Provavelmente as vozes agudas, da Clave de Sol”
E de Seminite: “Provavelmente as vozes graves, da Clave de Fá”.
O versículo 22 diz que Quenanias era entendido, em outra versão, era ‘perito’ no canto. Outra ainda diz que ele era o ‘regente do coral, pois era um músico habilidoso’.
Temos algumas interpretações diferentes para nós hoje, devido ao fator tempo, instrumentos musicais, termos não definidos, etc. Mas mesmo assim, uma coisa podemos afirmar sem medo de errar: Havia qualidade, havia postos designados, ensaiados, diversidade de instrumentos, de vozes e arranjos dos mesmos. Por que hoje há tanto problema com relação a pessoas que não querem estudar música, que são contra ensaios e não querem aprimorar o dom que o Senhor lhes deu? Estes dons serão cobrados um dia, e deverão ser multiplicados (ver Mt. 25:14-29 ).
Outra passagem de I Crônicas é do capítulo 25, versos 6 e 7:
“Todos estes estavam sob a direção de seu pai, para a música da casa do Senhor, com saltérios, címbalos e harpas, para o ministério da casa de Deus; e Asafe, Jedutum, e Hemã, estavam sob as ordens do rei. E era o número deles, juntamente com seus irmãos instruídos no canto ao Senhor, todos eles mestres, duzentos e oitenta e oito”.
Neste tempo havia um coral de 288 vozes! E não somente vozes não trabalhadas, mas MESTRES, peritos no canto a Deus!

Continue desenvolvendo seu dom no Senhor! Esse é nosso chamado como ministros ao Senhor com a música. O que possui um dom deve se esmerar no que faz. Aquele que ensina, deve estudar, aprimorar-se, etc. O que prega, deve buscar a cada dia mais. E o que usa a música como ferramenta de adoração, também de estudar e sempre melhorar no que faz, sabendo que um dia lhe será cobrado, e ciente também, de que se veio do Senhor, para Ele, e a Ele somente, é devida toda a glória.

Deus te abençoe.
Em Cristo,
Raquel

A serviço do Rei, olhando para o alto
Raquel Emerick
raquelcpn@hotmail.com

FONTE: www.linksdejesus.com

Acordo suspende processo contra fundadores da Renascer

Um processo a que respondia o casal Estevam e Sônia Hernandes, fundadores da Igreja Renascer, na 30ª Vara Criminal de São Paulo por sonegação fiscal, foi suspenso na sexta-feira (18/1).

De acordo com o Tribunal de Justiça de São Paulo, houve o trancamento da ação após um acordo para o pagamento da dívida feito pelos bispos com a Secretaria estadual de Fazenda de São Paulo. Se o pagamento não for efetuado nos termos do acordo, a ação voltará a ter eficácia.

A assessoria de imprensa da Renascer informou que a dívida, de aproximadamente R$ 4 milhões, já estava sendo negociada desde o início do processo, inclusive, com algumas parcelas já quitadas.

Estevam Hernandes Filho, conhecido como apóstolo, e sua esposa, Sonia Haddad Moraes Hernandes, conhecida como bispa Sonia, respondem a ação penal por prática de crimes de lavagem de dinheiro ou ocultação de bens, estelionato e formação de quadrilha. Ambos têm prisão preventiva decretada no Brasil.

Em denúncia apresentada pelo promotor Marcelo Mendroni, Estevam Hernandes Filho e a mulher são acusados de arrecadar "altíssimos valores" com a igreja, "às custas, principalmente, de ludibriar fiéis e de deixar de honrar incontáveis compromissos financeiros, tornando-os habitualidade, com evidências de características criminosas". "Eles criaram um produto que é a fé. E vendem essa fé em moldes de organização criminosa", afirma o promotor.

O valor da dívida com o Fisco paulista foi divulgado por Mendroni em outubro, supostamente de R$ 6,5 milhões, como uma descoberta do Ministério Público.

Em nota, a igreja criticou o promotor, afirmando que "trata-se de uma dívida legal, declarada, reconhecida, que vem sendo paga em parcelas, conforme negociação nos termos da lei, dentro das normas do PPI, aplicáveis a qualquer pessoa ou instituição".

(Fonte: Última Instância)

FONTE: www.linksdejesus.com/

Religião: Igreja "não tem nada contra" casamentos inter-religiosos

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), D. Jorge Ortiga, disse hoje que a Igreja "não tem nada contra" casamentos entre católicos e fiéis de outras religiões, mas pediu que essas uniões respeitem os "valores católicos" da família.
Sem comentar directamente as declarações do cardeal D. José Policarpo que alertava para os riscos dos casamentos com muçulmanos, D. Jorge Ortiga reconheceu que essas uniões "são coisas que vão acontecendo" um "pouco por toda a Europa" e "Portugal não é excepção".
No entanto, "alertamos a quem se quer casar pela Igreja" que o cônjuge "não se pode opor à educação católica", explicou.
De resto, as "pessoas podem encontrar compromissos" no respeito da fé de cada um podendo existir casamentos entre católicos e "hindus, muçulmanos, judeus ou evangélicos".
"Tem é que haver um cuidados nos processos" no "sentido do respeito e liberdade de cada um", alertou D. Jorge Ortiga.
O cardeal-patriarca de Lisboa, D. José Policarpo, advertiu na terça-feira à noite as jovens portuguesas para o "monte de sarilhos" de se casarem com muçulmanos.
Falando no Casino da Figueira da Foz, D. José Policarpo deixou um conselho às jovens portuguesas quanto a eventuais relações amorosas com muçulmanos, afirmando: "Cautela com os amores. Pensem duas vezes em casar com um muçulmano, pensem muito seriamente, é meter-se num monte de sarilhos que nem Alá sabe onde é que acabam".
Sem querer abordar directamente esta polémica, o presidente da CEP recordou que a Igreja é apenas intransigente na educação dos filhos, admitindo mesmo cerimónias religiosas.
Caso o cônjuge católico queira um casamento religioso, terá de ser aprovada a "dispensa canónica de paridade de culto" para que possa casar com um não-católico, explicou D. Jorge Ortiga.
Para tal, o elemento do casal que não professa a fé católica deve comprometer-se em educar os filhos na fé cristã, respeitando a monogamia e as tradições religiosas do cônjuge.
"Desde sempre, estes casamentos têm acontecido, em cerimónias parecidas" com os matrimónios católicos, mas apenas limitados à "Celebração da Palavra".
Numa nota de 2004, o Conselho Pontifício que trata a mobilidade humana, o Vaticano sustenta que "casamentos entre católicos e imigrantes não-cristãos devem ser desencorajados", embora com algumas excepções,
"Nas famílias com os pais católicos, é mais fácil para eles partilhar a fé comum com os filhos", escreveu o próprio João Paulo II.
Nos casos de casamentos entre mulheres católicas e homens muçulmanos, a "experiência amarga ensina-nos" que é necessário um "particular cuidado" para que o matrimónio resulte, alerta o Conselho
Isso só será possível, se os dois elementos do casal assumirem as "diferenças culturais e religiosas profundas" que existem entre eles e entre as sociedades de onde provêem.
"Se o casamento é registado no consulado de um país islâmico, a parte católica deve estar atenta à assinatura de documentos" relacionados com qualquer tipo de profissão de fé muçulmana.

Lusa

FONTE: noticiascristas.blogspot.com

Patriarca alerta para perigos de casamentos com muçulmanos


O Cardeal Patriarca de Lisboa alertou as jovens portuguesas que o casamento com um muçulmano acarreta um “monte de sarilhos” devido ao fosso entre as duas culturas. D. José Policarpo admite que a comunidade cristã é muito ignorante em relação à muçulmana, sendo o conhecimento o primeiro passo para um diálogo, que classifica de “muito difícil”. A comunidade islâmica não comenta, para já, as declarações do cardeal.
“Só é possível dialogar com quem quer dialogar. Por exemplo, com os nossos irmãos muçulmanos o diálogo é muito difícil”, respondeu no encontro “125 minutos com Fátima Campos Ferreira”, realizado no auditório do Casino da Figueira da Foz.
“Estão a dar-se os primeiros passos, mas é muito difícil porque eles não admitem sequer (a crítica)”, disse, referindo-se à difícil relação com a crítica pela comunidade muçulmana. “A verdade deles é única e é toda”, afirmou.
O representante da igreja católica portuguesa junto do Vaticano entende que a comunidade muçulmana aproveita o diálogo com os cristãos como um método para demarcar o seu espaço, “como fazem os lobos na floresta”. D. José Policarpo acrescentou respeitar “estes espaços” muçulmanos, num país maioritariamente católico, e considera que estão agora a dar-se “os primeiros passos” no diálogo entre diferentes religiões.
As relações do Patriarcado com a comunidade muçulmana de Lisboa, composta por 100 mil fiéis, “centrados à volta de três grandes mesquitas” são “habitualmente boas e muito simpáticas”, classificou.
A comunidade islâmica em Portugal não vai reagir, de momento, às declarações de D. José Policarpo. O líder religioso da comunidade, o sheik David Munir, respondeu que a resposta será dada em comunicado e só após contacto com o Patriarcado.
Os responsáveis pela comunidade islâmica em Portugal confessam estar muito surpreendidos com as declarações do líder da igreja católica portuguesa.

Avisos contra casamentos entre católicos e muçulmanos

“Pensem duas vezes antes de casar com um muçulmanos. Nem Alá sabe onde é que acabam”, afirmou o cardeal, numa alusão às diferenças entre as duas religiões e respectivas tradições.
Este fosso será o principal factor que motiva o aviso “às jovens portuguesas: cautela com os amores”. Se "uma jovem europeia de formação cristã, se casa com um muçulmano, a primeira vez que vá para o país deles é sujeita ao regime das mulheres muçulmanas. Imagine-se lá!”, prosseguiu.
O Cardeal Patriarca referiu conhecer “casos dramáticos” de casamentos entre mulheres de formação cristã e homens muçulmanos, mas que não especificou.

Cristãos desconhecem fundamentos da religião muçulmana
Um dos principais entraves ao diálogo entre cristãos e muçulmanos é a ignorância relativamente a aspectos fundamentais da religião e que determinam posicionamentos de vida, considera D. José Policarpo.
“Nós somos muito ignorantes. Queremos dialogar com muçulmanos e não gastámos uma hora da nossa vida a perceber o que é que eles são. Quem é que, em Portugal, já leu o Alcorão?”, questionou o representante máximo da Igreja Católica em Portugal.
“Se queremos dialogar com muçulmanos temos de saber o bê-a-bá da sua compreensão da vida, da sua fé. Portanto, a primeira coisa é conhecer melhor, respeitar”, sublinhou.
O conhecimento de princípios essenciais da comunidade muçulmana facilitaria até as relações religiosas. D.José Policarpo justificou esta opinião, dando como exemplo “um problema sério” que aconteceu na Cardeal de Colónia, Alemanha, cedida à comunidade muçulmana para uma cerimónia no Ramadão.
Após o “empréstimo”, a comunidade muçulmana não abdicava da Catedral de Colónia, tendo sido necessária a intervenção policial. “Os muçulmanos têm uma visão da sua religião em que o sítio onde se reúnem para rezar fica na posse deles. É o sítio onde Alá se encontrou com eles, portanto, mais ninguém pode rezar naquele sítio”, explicou.

RTP

FONTE: noticiascristas.blogspot.com

Processo contra bispo Edir Macedo foi arquivado

Recebi há pouco da assessoria de imprensa da Rede Record de Televisão a nota que segue abaixo:

"A área jurídica da RECORD tem acompanhado o andamento processual da ação judiciária da 4a. Vara Criminal de São Paulo. A direção da RECORD tomou conhecimento da notícia publicada hoje pelo seu Blog "Prisão do bispo Edir Macedo foi expedida", fato que não confere com a realidade. É importante esclarecer que os autos processuais foram arquivados e tanto o acionista Edir Macedo como os demais diretores foram absolvidos da acusação.
Portanto, peço a sua atenção imediata no sentido de corrigir a informação divulgada evitando repercussões equivocadas por parte da Imprensa."

Blog do Noblat

FONTE: noticiascristas.blogspot.com

Vaticano aperta cerco contra pregadores de aparições

Comprovação de aparições da Virgem Maria vai depender da avaliação de psicólogos, teólogos e exorcistas.
Católicos que afirmarem ter testemunhado "aparições" da Virgem Maria terão que se submeter a um voto de silêncio sobre o fenômeno até que ele seja devidamente investigado pelo Vaticano, segundo um conjunto de novas diretrizes a serem encaminhadas a bispos e dioceses do mundo inteiro.
As supostas aparições passarão a ser examinadas por comitês de dioceses, formados por exorcistas, teólogos e psiquiatras.
A decisão foi divulgada pelo jornal católico online Petrus, dedicado ao pontificado do papa Bento 16.
O diário antecipou alguns detalhes da ordenança papal que atualiza regras determinadas em 1978. Serão investigadas alegações de aparições da Virgem Maria, de santos, de Jesus Cristo e "fenômenos" como estátuas que derramam lágrimas de sangue e o surgimento de chagas no corpo.
A Santa Sé está preocupada com a divulgação de mensagens inconsistentes que poderiam causar desorientação nos fiéis.

Investigação

Pelas novas diretrizes, cada diocese deverá compor o seu próprio grupo de especialistas, e o bispo tem autonomia para interromper ou dar prosseguimento ao caso.
Eles deverão receber as informações sobre a suposta aparição e investigar a vida de quem alega ter entrado em contato com a Virgem Maria.
Para isso, os membros dos comitês, em casos específicos, podem até mesmo solicitar análises de computadores pessoais para rastrear possíveis pesquisas em internet.
O autor da denúncia da hipotética aparição também deverá se submeter a visitas de psiquiatras e psicólogos ateus e católicos. O objetivo é atestar a saúde mental e descartar a ocorrência de delírios ou doenças de caráter histérico.
O Vaticano desconfia ainda que muitos dos "fenômenos" suspeitos "sejam obra de demônios" e, durante o processo de apuração, em última instância, o fiel deverá enfrentar o interrogatório de um ou mais exorcistas.
A Igreja quer também ser a única a poder anunciar o que considera como verdadeiros " milagres".
O voto do silêncio é a condição principal para que uma aparição seja levada a sério. O descumprimento desta deliberação vai esvaziar o provável interesse das autoridades eclesiásticas em estudar o caso.

Aparições

A comprovação de uma aparição pelo Vaticano pode levar tempo.
A última confirmada foi a visão de Nossa Senhora de Laus, na França, que recebeu a bênção da Igreja em maio de 2008, três
séculos depois de ter ocorrido.
Segundo estudo do teólogo René Laurentin, ao longo da história da Igreja Católica, a Virgem Maria teria aparecido 2.450 vezes.
Dos 300 processos de investigação abertos no século 20, apenas 12 foram oficialmente reconhecidos como legítimos pelo Vaticano.

BBC Brasil

FONTE: noticiascristas.blogspot.com

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

A história de dois adolescentes que levantaram mais de 1 milhão de dólares para os órfãos da AIDS na África.


Os adolescentes norte-americanos estão se importando com alguma coisa.
De acordo com um estudo feito em 2005 pela Corporation for National and Community Service, aproximadamente 15,5 milhões de adolescentes – 55 por cento – participam de atividades voluntárias. O número de adolescentes voluntários é quase duas vezes maior que o de adultos, com 29 por cento. Os jovens voluntários somam mais de 1,3 bilhões de horas de serviços comunitários a cada ano, no EUA.
Muitos dos serviços são prestados em igrejas, levantando dinheiro para os mais necessitados. Grupos de jovens que se esforçam para levantar fundos (maratonas de voley, corridas de 30 horas) são matérias de capa dos jornais locais. Mas, às vezes, o empenho da juventude cristã é tão extraordinário, que se torna notícia nacional.
Christianity Today entrevistou dois desses adolescentes, também para contribuir com esse movimento.
Na maior parte dos times de basquete, se você errar a metade de seus três arremessos, simplesmente você estará no banco. A menos que você esteja jogando pelo Hoops of Hope (Gritos de Esperança). Mesmo o capitão do time – Austin Gutwein, que fundou o grupo há 14 anos – só acerta 50 por cento de seus arremessos livres. Mas, tudo o que importa para ele é que, por cada lance livre que ele arremessa – não importa quantos ele marque – um outro órfão da AIDS na África é ajudado. Esta é a premissa do Hoops of Hope, cujo fundador Austin, na idade de nove anos, criou após assistir a um vídeo da Visão Mundial sobre a AIDS na África. A história focava uma menininha da Zâmbia que havia perdido seus pais para a AIDS.
“Ela estava sozinha vivendo dentro de uma cabana de barro, encolhida sob uma lona, na chuva”, diz Austin, que vive com sua família – os pais Dan e Denise e a irmã Brittany, 13 anos – em Mesa, Arizona. “Era incrivelmente triste. Eu comecei a pensar em como seria a minha vida se eu perdesse os meus pais, e eu nem conseguia imaginar isso”.

“Eu senti como se Deus estivesse me dizendo para fazer alguma coisa”.

2057 lances livres - O que ele fez foi dar início ao que ele chama de levantamento de fundos “arremesso-uma-tonelada”. Ele pediu padrinhos que garantissem dinheiro enquanto ele arremessava uma ‘tonelada’ de lances livres – dando um novo significado ao termo “Golpe de Caridade”.
O Hoope of Hope lançou oficialmente o Dia Mundial da AIDS em dezembro de 2004, quando Austin lançou 2057 arremessos livres – um por cada criança órfã durante um típico dia escolar (baseado nas estimativas das Nações Unidas de que 6000 crianças no mundo ficam órfãs diariamente como resultado da AIDS).
Austin levantou mais de 3 mil dólares naquele ano e apadrinhou oito órfãos através da Visão Mundial. Esta agência de ajuda começou a anunciar a Hoope of Hope e pessoas ao redor do mundo começaram a apoiar seus eventos. A caridade, continuando a sua parceria com a Visão Mundial, tem levantado quase 500 mil dólares em quatro anos.
Parte do dinheiro foi utilizada para construir escolas na Zâmbia. Austin esteve na última grande abertura do outono, onde líderes da aldeia agradeceram a ele diante de uma multidão de mais de mil pessoas.

“Eu estava sem fôlego”, diz Austin. “Esta escola vai fazer muito por estas crianças e por esta aldeia”.

Em 2007, com mais de 5 mil participantes em todo o mundo, Hoope of Hope angariou mais de 200 mil dólares para a construção de um laboratório médico e um centro de aconselhamento em Zâmbia; Austin pretende visitar este projeto em março.
Neste ano a Hoope of Hope almeja levantar dinheiro suficiente para construir uma outra clínica em Zâmbia, com foco na prevenção da transmissão do vírus da AIDS de mãe para filho.
“A prevenção é parte importante de nossa missão”, diz Austin. “Em primeiro lugar queremos prevenir que crianças fiquem órfãs. Queremos que aqueles que têm AIDS recebam tratamento. E queremos que eles aprendam sobre o amor de Cristo”.
Hoopes of Hope adicionou outro parceiro este ano: o Revolve Tour, em evento para apresentar adolescentes musicistas e oradores cristãos – incluindo Austin. Milhares estão se inscrevendo para participar do projeto.
Quando Austin fala nas conferências, ele diz às meninas, ”vocês não têm que mudar o mundo. Você só muda o mundo através de uma pessoa”. Austin não criticou as questões políticas ou morais da AIDS.
“Quando crianças, não nos preocupam a respeito do por que e como qualquer pessoa contrai a doença”, ele diz. “Tudo o que nós, crianças, queremos fazer é ajudar outras crianças”.
“Nós podemos mudar o mundo como crianças”, ele acrescenta, citando I Timóteo 4:12 como sua motivação. “Nós não precisamos esperar até ficarmos adultos. Nós podemos fazer a diferença agora”.

Outra pequena missionária - Enquanto uma pré-escolar, Kendall Ciesemier acreditava que cresceria para ser famosa, embora ela não soubesse para quê.
Então, um dia, na quarta série, Kendall foi até seus pais, Mike e Ellery, e disse, “Deus me disse que vou ser famosa para ajudar as pessoas”.
Mas que pessoas? Ela encontrou a resposta um ano mais tarde enquanto assistia a um programa especial da ‘Oprah’ sobre os órfãos da AIDS na África. Kendall, então com 11 anos, foi movida pela história de uma menina de 12 anos que havia perdido seus pais para a AIDS e estava cuidando de seus três irmãos mais novos.
“Eu pensei”, como alguém consegue fazer aquilo?”, Kendal, agora com 15 anos, diz: “Minha mãe estava lá sentada, chorando, mas eu pensava, ‘você pode chorar, mas eu vou fazer alguma coisa a respeito disso’”.
Ela foi para o seu quarto, fez uma pesquisa na internet sobre “Órfãos da AIDS na África” e encontrou o site da Visão Mundial, onde ela aprendeu que poderia apadrinhar uma criança com 360 dólares por ano. Então ela juntou o dinheiro para o seu aniversário, para o natal e parte de suas economias, encheu um envelope e pediu um selo a seus pais.
“Eu estou apadrinhando uma criança”, anunciou ela. “E não me façam muitas perguntas, porque eu quero fazer isto por mim mesma”.
Seis meses depois, Kendall precisou de um transplante de fígado. Nascida com uma rara doença chamada “atresia biliar”, ela viveu uma infância relativamente normal, embora com freqüentes cuidados médicos. Passou a maior parte do verão de 2004 no hospital. O primeiro transplante falhou devido a complicações, mas o segundo foi um sucesso.
Pouco antes de ser admitida no hospital, Kendall teve uma idéia: Ao invés de juntar a variedade usual de flores, bolas e ursos de pelúcia que ganharia enquanto estivesse no leito do hospital, porque não pedir às pessoas donativos para os órfãos da AIDS? Ela voltou ao site da Visão Mundial e aprendeu que ela poderia apadrinhar uma comunidade em Zâmbia com 60 mil dólares.
“Então este será o meu objetivo”, diz ela. “Meus pais disseram algo como ‘talvez você devesse dar mil dólares’. Eles tentaram me convencer a diminuir meu alvo, mas eu estava numa de ‘de jeito nenhum’”.
E, com isso, às vésperas de uma cirurgia à qual ela poderia não sobreviver, nasceu a Kids Caring 4 Kids.
Uma vez fora do hospital, ela recrutou amigos e assou pães para vender, montou uma barraca de limonada e vendeu camisetas do KC4K. Em outubro de 2006 ela alcançou os 60 mil dólares.
Kendall também se associou ao ministério para AIDS da Wheaton Bible Church, uma congregação no bairro suburbano de Chicago, que sua família estava freqüentando naquela época. Através dos parceiros e missionários da igreja, Kendall e o KC4K começaram a sustentar, com o Hope for Life, um ministério para órfãos no Kenia.
Informações sobre o KC4K começaram a se espalhar. A CBS fez uma chamada para o The Early Show. Ainda em 2007, Kendall foi nomeada uma das ‘Dez Mais Jovens Voluntárias’ na nação, pela Prudential.

Reunião surpresa – Então Oprah comentou. Trabalhando secretamente com os pais de Kendall, a equipe de Oprah organizou uma reunião surpresa na Escola Secundária de Wheaton, em setembro de 2007. O ex-presidente Bill Clinton, na época promovendo seu novo livro Ofertando, estava lá como convidado especial.
Enquanto Clinton fazia um discurso geral sobre os serviços prestados pela escola, Kendall, sentada no meio da multidão, pensava, “Nós não somos diferentes de qualquer outra escola. Isto é tão pouco”. A próxima coisa que ela ouviu foi o ex-presidente Clinton chamar seu nome, acenando para que ela fosse ao palco. Clinton disse que ele estava tirando-a de Chicago – agora mesmo – para ser uma convidada especial no programa da Oprah. Kendall, seus pais e seu irmão mais velho se amontoaram dentro de uma caravana com o ex-presidente. Duas horas mais tarde ela estava na TV, sentada entre Oprah e Clinton, falando sobre a KC4K para os telespectadores.

“Eu me perguntava se estava sonhando”, ela diz agora. “Foi algo absurdo”.

Ficou mais absurdo ainda quando Clinton anunciou que um amigo anônimo estava doando um cheque para o KC4K no valor de 500 mil dólares. “Eu simplesmente comecei a chorar”, diz Kendall. “Eu pensei ‘isto não poderia ser melhor’”.
Agora, completamente saudável, ela foi liberada pelos médicos para fazer sua primeira viagem à África, que espera que aconteça no próximo ano. Kendall diz que o total levantado pelo KC4K, em 5 anos, é superior a 700 mil dólares.
O dinheiro está sendo gasto para ajudar crianças africanas. Dois projetos recentes, ambos com a Bright Hope International, incluem a construção de um dormitório num orfanato Keniano e um programa alimentar para 600 viúvas, órfãos e pacientes com AIDS em Zâmbia. Eles estão pesquisando mais projetos para fundar.
O pai de Kendall supervisiona as negociações finais, mas nenhum cheque é preenchido sem aprovação da menina. “Eu tenho que checar tudo por ser a pessoa que toma a decisão final”, diz ela. “Funciona como uma espécie de compra – eu tenho que ir ao shopping com o dinheiro todo para escolher projetos que eu possa apoiar para mudar a vida de pessoas”.
Ela resume sua experiência dizendo, “Quando você se entrega totalmente como instrumento nas mãos de Deus e deixa que Ele trabalhe através de você, Ele ouve. E ele trabalha”.


Judith Nichols, uma especialista em geração de ofertas, tem comparado quatro gerações, que nasceram entre a primeira e a segunda Guerra Mundial, e a juventude hoje. Ela conclui que os que compuseram a geração mais antiga e os da mais nova têm mais senso de civismo do que as que estão no meio. “Mas, enquanto a mais antiga estava focada na América, os jovens de hoje incorporaram uma preocupação com o mundo inteiro. Kendall e Austin são exemplos profundos disso”. Para mais informação, visite o site hoopesofhope.org e kidscaring4kids.com.

FONTE: noticiascristas.blogspot.com

‘A teologia da prosperidade é demoníaca’


Depois de reaparecer na televisão, agora ligado à Igreja Mundial do Poder de Deus, Ronaldo Didini repudia parte do que acreditou no passado.
Nos últimos meses, a notícia de que uma igreja assumiria o controle de mais um canal da TV brasileira causou burburinho. Trata-se da Igreja Mundial do Poder de Deus (IMPD), comandada pelo seu apóstolo Valdemiro Santiago, egresso da Igreja Universal do Reino de Deus. A denominação assumiu o controle da Rede 21. Um dos grupos neopentecostais com crescimento mais rápido no país, a IMPD iniciou as transmissões disposta a se expandir ainda mais. O slogan da nova emissora – “Vem pra cá, Brasil” – já sugere o caráter do empreendimento. O carro-chefe da programação são os cultos, cheios de imagens de exorcismo e curas, promovidos por Valdemiro. Na telinha, ele chama as pessoas à plataforma, abraça-as e chora com elas, num ambiente que mistura comoção e alguma histeria. O investimento da IMPD em mídia é mantido em sigilo absoluto, mas comenta-se no mercado que chegaria a 4 milhões de reais mensais.
Tamanho investimento vale a pena? Para o pastor Ronaldo Didini, sim. Quando a Igreja Universal comprou a Record, há quase 20 anos, foi ele, na época pastor da denominação de Edir Macedo, quem esteve à frente das negociações. Naquela emissora, comandou o 25ª hora, programa que marcou época na radiodifusão evangélica. Dali, ligou-se à Igreja Internacional da Graça de Deus, comandada pelo missionário Romildo Ribeiro Soares, onde colaborou na implantação da Nossa TV e da Rede Internacional de Televisão (RIT). Agora, depois de servir de interlocutor e sacramentar o negócio entre o Grupo Bandeirantes e a Mundial, ele é o gestor da Rede 21. Inteligente e bem articulado, Didini apresenta o programa Hora Brasil, exibido diariamente entre meia-noite e 1h30. “É uma continuação do que fazia no 25ª Hora”, define.
Aos 51 anos, casado e pai de duas filhas, Didini considera a televisão um poderoso instrumento para a evangelização. Sua trajetória chama a atenção não apenas por sua especialidade em TV evangélica, mas também por sua migração denominacional. Tendo peregrinado por igrejas como Universal, Graça e agora a Mundial do Poder de Deus – fora o período em que esteve em Portugal, onde montou a dirigiu a Igreja do Caminho –, ele conhece como poucos o mundo do neopentecostalismo. “Não nego meu passado, mas amadureci”, diz o religioso. Hoje, Didini é um detrator da teologia da prosperidade, que, segundo ele, é um câncer que está consumindo a Igreja brasileira. “E muitos pastores a defendem abertamente em rede nacional. É o que existe de pior na televisão do país”, critica. O religioso recebeu a reportagem de CRISTIANISMO HOJE em sua nova casa no bairro do Morumbi, em São Paulo:

CRISTIANISMO HOJE – O senhor tornou-se uma referência para a m´dia evangélica por ter comandado o 25ª Hora, exibido pela Rede Record nos anos 1990. Como foi aquela experiência?
RONALDO DIDINI – Foi uma experiência riquíssima, tanto do ponto de vista religioso como sociológico. Aquela foi a primeira vez que pastores evangélicos discutiram abertamente com a sociedade todos os problemas do nosso tempo. Quebramos barreiras, pois deixamos claro que o evangélico é um cidadão como qualquer outro. Ali, falávamos abertamente sobre qualquer assunto, como sexo e política, coisas então consideradas tabu em nosso meio, sem perder o compromisso com os valores da Palavra.

Como o senhor avalia a programação evangélica feita hoje no Brasil?
O que existe de melhor, a meu ver, é a combinação que a Igreja Mundial do Poder de Deus faz entre proclamação da Palavra e demonstração do poder de Deus. Também gosto de alguns programas que estudam a Bíblia nas madrugadas. Um exemplo são os programas de Silas Malafaia naquele horário, onde ele recebe pastores e gente interessante. Os peixes mais graúdos são os que estão ligados na madrugada. Quando alguém prega com mansidão e de maneira equilibrada nesse horário, em que a pessoa liga a TV porque precisa ouvir a Palavra, não há quem não se quebrante.

Com a entrada maciça dos evangélicos na televisão, não há uma “guerra santa” pela audiência?
Não creio. Por mais que o homem fale, quem está no controle da Igreja é o Espírito Santo. Mas podemos fazer uma leitura diferente do que acontece no Brasil. Em 1985, acabou o regime militar. As pessoas esperavam por algo novo, desejavam mudanças, inclusive na esfera espiritual, já que a presença católica era hegemônica. A abertura também trouxe esse novo momento, em que as igrejas passaram a ter liberdade para usar os meios de comunicação. Houve imaturidade, inconsistência? Sim. A sociedade e a Igreja não souberam medir isso. Por outro lado, a liberdade foi também exacerbada. Há dez anos, as crianças estavam dançando na boquinha da garrafa por causa da TV. Hoje, amadurecemos e não se vê mais isso. Acho que o mesmo aconteceu com a Igreja Evangélica em seu crescimento; agora, é preciso colocar os pés no chão.

Comenta-se à boca miúda que R.R.Soares paga R$ 5 milhões mensais à Bandeirantes e que Malafaia desembolsa outro tanto. Há informações de que sua igreja teria um investimento em TV estimado em 4 milhões por mês. Essas cifras são reais?
Não acredito que sejam reais, até porque, nesse caso, o mercado seria super-inflacionado e não haveria condições de se pagar tanto. O próprio mercado publicitário não teria condições de concorrer com esses valores. Vivo no meio e posso dizer que falam de números muito mais altos que os reais.

O Hora Brasil tem a mesma proposta do 25ª Hora?
O Hora Brasil funciona como se fosse um termômetro. Obviamente, do 25ª Hora para cá, a sociedade evoluiu muito. Hoje, cerca de 30% da população é evangélica. Eu chamo a sociedade para dialogar sobre assuntos religiosos, médicos, problemas sociais. Estou fazendo jornalismo e já pude observar algo interessante: uma preocupação generalizada com a preservação da família. Pessoas com as mais diferentes linhas de pensamento estão preocupados com o destino das famílias, com seus valores – ao contrário do que a mídia em geral incentiva, que é a falta de compromisso, a infidelidade conjugal, o individualismo e a libertinagem, que tanto marcam nosso tempo. Mas o Brasil não é uma Sodoma ou Gomorra. Isso é resultado do esforço feito ao longo dos anos por homens e mulheres de Deus para pregar o Evangelho, e que levou ao boom dos crentes na mídia. Os especialistas criticam esse avanço, mas ele é uma âncora de valores há muito esquecidos e desprestigiados. Infelizmente, esse avanço tem dois lados: o positivo, do qual já falei, e o negativo, que são os escândalos. Mas Jesus já disse que escândalos viriam. Temos que nos preocupar com os “ais” que os sucederão, para que não sejamos seus causadores. É preciso haver limites.

Quais são esses limites?
Fiquei assustado com o que fez o pastor Marcos Feliciano em seu programa. Ao mesmo tempo em que pregava o Evangelho, ele anunciava terrenos para as pessoas comprarem em prestações, dizendo que Deus abençoaria aquela compra. Isso ultrapassa o limite. Ao mesmo tempo em que se anuncia a salvação, vincula-se isso à venda de produtos para receber a bênção de Deus. Lógico que aquele comercial está sendo pago. Feliciano ultrapassou a barreira ética. Para mim, isso é o que existe de mais vulgar na teologia da prosperidade. A igreja precisa de fundos? Sim. Mas de onde vêm? Dos dízimos e ofertas. Apenas eles têm fundamento bíblico. Sem esse pastor perceber, creio que o próprio Deus o fez tropeçar para expor a nudez desses cruéis ensinos. A teologia da prosperidade é um câncer no segmento evangélico.

Por que o senhor critica tanto a teologia da prosperidade?
Porque ela é demoníaca. Penso que os líderes evangélicos deveriam se unir e dar um basta nesses ensinos. A teologia da prosperidade bateu no fundo do poço e já deveria haver uma conscientização de muitos líderes acerca disso. Todos que optam por esse caminho ficam satisfeitos apenas em ir bem financeiramente, não ter sofrimento de nenhum tipo. Querem ficar independentes, achando que não precisam de mais nada. Os pregadores da prosperidade não têm contato com o povo e não enxergam isso, porque são pobres, cegos, miseráveis e estão nus. O homem não tem que ditar regras a Deus e dizer a ele como e a que horas fazer o milagre. Minha crítica a essa teologia é que ela proclama aquilo que é terreno e não o que é sagrado, sobrenatural. Com o tempo, tal mensagem se desgasta e o resultado está aí. Eu fui missionário em nações muito pobres da África. Por que a teologia da prosperidade não funciona lá? Para responder essa questão, o teólogo da prosperidade não está preparado. Se não funciona lá, ela é antibíblica. Jesus falou que é mais fácil um camelo passar pelo fundo da agulha do que um rico entrar no Reino dos Céus. Ora, se a teologia da prosperidade fosse bíblica, todos seriam ricos e quase ninguém acabaria salvo. Pregar e acreditar na teologia da prosperidade é como construir um castelo na areia ou fazer um gigante com pés de barro – mais cedo ou mais tarde, tudo cairá.

Mas durante muito tempo o senhor militou em igrejas propagadoras da teologia da prosperidade... Quem mudou, suas ex-igrejas ou o senhor?
Não mudei o meu pensamento. Foi a obra do Espírito Santo que me amadureceu. Sou muito grato por tudo que recebi na Igreja Universal e na Igreja da Graça. Não tenho nada contra essas instituições e nem contra seus líderes. Minha diferença é doutrinária. Uma coisa é enxergar, e outra é mudar, se for preciso, sair do sistema, quando ele se torna mais poderoso do que a Bíblia. O catolicismo está cheio de exemplos assim. Todos os padres sabem que não é uma bula papal que pode dizer que o líder é infalível ou que Maria subiu ao céu com seu corpo. Mas o sistema Católico Apostólico Romano requer que essa doutrina seja aceita, e muitos a defendem em nome desse sistema.

O senhor não teme ser considerado ingrato por seus ex-líderes?
Como eu disse, nada tenho contra Macedo ou Soares. Tanto, que quando eu saí da Universal, foi como que se perdesse meu chão. A Iurd para mim era mais importante que qualquer outra coisa na vida; eu amava aquele ministério, dava minha vida por ele. Depois, conheci a Igreja da Graça. O missionário Soares me ajudou muito naquela época, pastoreando minha vida por dois anos. Foi um verdadeiro pai, preocupando-se com minha alma, porque eu não estava bem espiritualmente. A teologia da prosperidade me fez um mal tremendo. Continuei caindo e bati no fundo do poço quando abri a igreja lá em Portugal [a Igreja do Caminho, inaugurada por Didini em Lisboa em 2003]. Estava sozinho com minha mulher e duas malas de roupas começando uma igreja na periferia. Então, aprendi que ou dependia de Deus ou o meu ministério ia acabar. Deus me ensinou muito naqueles cinco anos, até me colocar ao lado do apóstolo Valdemiro.

O bispo Renato Suhett, que saiu atirando da Universal e até abriu uma igreja onde criticava abertamente o que chamava de “sistema religioso” montado por Edir Macedo, acaba de voltar à Iurd. O senhor já foi chamado para retornar á Universal?
Nunca fui chamado para retornar à Igreja Universal, até porque já disse publicamente que não tenho interesse em regressar. Aqui, na Mundial, é como que se eu tivesse voltado para a Iurd em que comecei nos anos 80, uma igreja viva. Creio que, se o Suhett voltou, sabe o que está fazendo. Mas eu estou em casa agora.

Rupturas no seio neopentecostal são comuns. Macedo e Soares começaram juntos na Cruzada do Caminho Eterno, saíram e fundaram a Universal, de onde o último desligou-se para fundar a Igreja da Graça. Valdemiro também é oriundo da Universal; o próprio Macedo começou na Nova Vida, de onde também saiu Miguel Ângelo, que dali fundou a Cristo Vive. As justificativas para a dança de cadeiras são sempre semelhantes, como a de divergências teológicas ou mudanças de visão – contudo, as novas igrejas que surgem acabam trazendo muito das denominações de origem, inclusive os aspectos que criticavam. O que acarreta tantas rupturas?
Uma árvore pode ter muitos ramos, muitos galhos. O importante é observar o que Jesus fala em João 15, e estar alicerçado nos ensinos de Cristo e na prática da verdade. Quando a igreja nasce pela vontade humana, para ser uma maneira de levar a vida, é complicado. Paulo também defende sua autoridade apostólica em Cristo. Por isso, não interessa quem pregou, se foi Paulo, Pedro ou Apolo – o importante é estar firmado em Jesus. No fim das contas, vejo que muitas ramificações poderiam ser evitadas se houvesse menos vaidade humana e mais compromisso com a videira verdadeira que é Jesus.

Então, as divisões acontecem porque cada um quer ter seu próprio espaço?
Nem sempre. O que o dedo faz, os olhos não podem fazer. Não importa a função de cada um; importa que Cristo seja o cabeça do corpo. A Igreja Mundial, por exemplo, tem uma função que as outras igrejas mais tradicionais ou adeptas de ensinos não ortodoxos não podem cumprir. Mas no momento em que algum órgão do corpo adoece, todo o organismo passa a sofrer. A Igreja de Cristo hoje precisa se voltar para a mensagem original e entender o recado: o agricultor é o Pai e a videira aqui é Jesus. Então, vamos parar de vaidade! Eu, por exemplo, quando assumi a Igreja Internacional da Graça de Deus em Portugal, tornei-me vice-presidente vitalício da denominação. Poderia hoje reivindicar isso, já que nunca renunciei. Mas jamais chegaria lá e tentaria tomar a igreja. O verdadeiro pastor é Jesus. Acredito que se existir essa consciência, haverá menos ramificações.

Pode explicar como foi sua adesão à Igreja Mundial?
Sou amicíssimo do apóstolo Valdemiro. Talvez seja uma das pessoas mais chegadas a ele, fora sua família. Mas não vim para cá só pela amizade. Nunca daria certo. Primeiro, reconheci que a Mundial era um movimento de fé muito forte, e depois comecei a observá-la. Fiz quatro viagens para o Brasil e observei claramente o reavivamento bíblico no século 21. Depois veio a fase mais difícil, a de submeter-me à autoridade espiritual dele, sendo seu amigo. Então, peguei a chave da minha igreja e dei na mão dele, dizendo: “Seu trabalho é maior que o meu. Você é mais importante que eu em Portugal”. E vim para ajudá-lo com os dons que Deus me deu. Acredito que estou em uma fase na qual Deus não quer me ensinar mais. É hora de dar frutos, pois ele já investiu muito em mim.

O senhor tem salário na igreja?
Não. Tenho funções executivas na Igreja Mundial, mas não sou funcionário, não recebo qualquer benefício financeiro.

Então, de onde vem seu sustento?
Sou contratado como jornalista pela Rede Bandeirantes. Pela misericórdia de Deus, eu moro numa boa casa, tenho um bom carro, visto boas roupas; mas nada disso me pertence, tudo é dado pelo Senhor. Por isso, posso exercer com liberdade minha vocação. Aliás, esse foi o motivo por que saí da Graça. Comecei a me sentir um funcionário da igreja, sem aquele algo mais, sem um desafio. Eu tinha o mais alto salário, carro à disposição, liberdade para pregar em qualquer lugar; todos os pastores da Graça me tratavam muito bem, eu era sempre recebido com festa. Mas não me sentia bem como executivo, com tarefas meramente burocráticas dentro de uma organização. Resolvi sair. Hoje, aprendi a lição.

Quando estava em Portugal, o senhor se queixava de que os evangélicos brasileiros enfrentavam muitas restrições lá. Essa situação ainda persiste?
Persiste e piora. Digo isso por causa dessa lei xenófoba da imigração. Quase não são liberados vistos para brasileiros. O segundo problema gravíssimo que presenciei lá, quando participei de um congresso da Assembléia de Deus portuguesa, é que não há comunhão entre a Assembléia de Deus brasileira e a de lá. O pastor Joel, filho do José Wellington [presidente da Convenção Geral das Assembléias de Deus do Brasil], esteve presente também. As lideranças portuguesas não aceitam os pastores brasileiros que são enviados para lá. Como o Brasil se tornou um exportador de missionários, maior é a rejeição. No mundo inteiro, especialmente na Europa, igrejas com lideranças brasileiras atraem apenas público brasileiro. As únicas exceções são trabalhos com negros, que são imigrantes também, vindos de lugares como Cabo Verde, Quênia, Jamaica, Nigéria.

Cristianismo Hoje

FONTE: noticiascristas.blogspot.com