sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Pelo fim do celibato para todos

Movimento dos Padres Casados espera que abertura do Papa Bento XVI para sacerdotes anglicanos seja estendida a quem já faz parte da Igreja Católica. Bispo abre polêmica e vê na iniciativa uma convocação dos que se converteram.

Rio - A decisão do Vaticano de fazer católicos e anglicanos comungar da mesma hóstia provocou divergência entre representantes religiosos. Uns festejam o progresso; outros acham que foi pouco e torcem para que a iniciativa do Papa Bento XVI seja o primeiro passo rumo à permissão para o de padres católicos.
Foto: Álbum de família
: Álbum de família
Félix (de barba), que é casado com Fernanda (de branco), é um sacerdote anglicano.

Para o presidente do Movimento dos Padres Casados do , Félix Batista Filho, a Igreja Católica avançou ao legitimar o anglicanismo, mas cometeu a incoerência de esquecer do próprio clero. “Os padres anglicanos são casados e terão suas tradições mantidas, ao contrário dos padres católicos casados, que não são reconhecidos e terão que manter o celibato, por terem feito o voto de castidade”, criticou.
Na terça-feira, o Papa criou uma estrutura especial para que fiéis e padres anglicanos — aos quais é permitido casar — se convertam sem abandonar suas tradições. Padre Félix se converteu ao anglicanismo em maio e, caso queira, poderá voltar a ser católico quando deixar a presidência do grupo, em janeiro. “Não acho que dei o pulo do , como um amigo me disse, até porque, no momento, não penso em voltar ao Catolicismo”, garantiu Félix, sem, no entanto, descartar a possibilidade de regressar à Igreja Católica um dia. Há 20 anos ele deixou a batina para se casar com Fernanda Batista, com quem teve dois filhos.
Já a professora e pesquisadora Maria Clara Birminger, decana do Centro de Teologia e Ciências da PUC-RJ, aplaudiu a novidade: “O Vaticano tomou uma decisão muito sábia ao abrir as portas favorecendo a comunhão entre as igrejas de doutrinas cristãs. É uma resposta natural à evolução do ecumenismo, que ganha forças no mundo”.

CRÍTICA DE ANGLICANOS
O bispo Philadelfo Oliveira, da Diocese Anglicana do , recebeu com muita preocupação a decisão do Vaticano: “Soou como proselitismo, ingerência, quase uma convocação”. O bispo garantiu que não teme um êxodo de fiéis e padres para a Igreja Católica. “Aqui no Brasil, somos tradicionalistas com uma tendência progressista: não celebramos casamento entre pessoas do mesmo , mas aceitamos o casal. Não nos preocupamos com a escolha sexual das pessoas”, explicou.

Convertidos poderão celebrar missas e batizados
Os padres anglicanos, convertidos ao catolicismo, poderão celebrar missas, casamentos e batizados como fazem os presbíteros católicos. “Como em geral os padres anglicanos são casados, a Constituição permite que, uma vez reconhecidos na Igreja Católica, eles conservem os laços conjugais em sintonia com o exercício do seu ministério”, explicou o padre Elias Wolff, assessor da Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso, da CNBB.
Padres e fiéis convertidos passam a reconhecer a autoridade do Papa e os sete sacramentos que, segundo a Igreja Católica, são instituições divinas. A decisão do Vaticano manteve proibições como o sacerdócio de mulheres, ordenação de homossexuais e casamento de pessoas do mesmo sexo.
A Igreja Anglicana tem 77 milhões de fiéis. Foi criada em 1534 pelo rei inglês Henrique VIII, quando ele teve o pedido de anulação do casamento negado pelo Papa Clemente VII.

O Dia/Notícias Cristãs

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.