quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Jornal da Record defende Edir Macedo e Universal e revela o que está por trás do ataque da Globo. Assista


Na noite desta quarta-feira (12), a Igreja Universal usou o “Jornal da Record” para responder ao indiciamento de Edir Macedo e mais nove pessoas pelo Ministério Público de São Paulo (MP-SP), sob acusação de “por desvio de recursos da instituição religiosa para a compra de empresas de comunicação e outros bens”.

Durante todo o telejornal, os apresentadores Ana Paula Padrão e Celso Freitas faziam chamadas da matéria que viria no último bloco: “Crescimento da Rede Record incomoda a concorrência” foi uma das frases utilizadas, em referência aos dez minutos que a Rede Globo disponibilizou no “Jornal Nacional” da última terça-feira (11) para tratar sobre o tema.

Ao repórter Lúcio Sturm (ex-Rede Globo) coube a primeira reportagem. De longa duração, a matéria em nenhum momento falou sobre as denúncias contra Edir Macedo, apenas atacou a Rede Globo, questionando qual seria o motivo de a emissora da família Marinho ter dado tanto destaque à denúncia contra Macedo. Segundo infográfico, Band, SBT e Globo noticiaram o assunto, sendo que a duração das matérias foi de dois, quatro e dez minutos, respectivamente.

Na sequência, as denúncias contra Macedo (não mencionadas) foram contrapostas com uma retrospectiva que visava mostrar o “jogo de interesse” notícia. “A família Marinho sempre usou a emissora a favor de seus interesses pessoais”, disse o texto, que também apontou a suposta perseguição da TV Globo à Lula, citando, por exemplo, o debate de 1989, contra o então candidato Fernando Collor de Melo.

Em seguida, foi ao ar a matéria de Ogg Ibrahim, com entrevistas com fieis da Universal, além de imagens de projetos apoiados pela Igreja. Nesta reportagem apenas uma vez é citada a denúncia do Ministério Público.

Segundo o texto, a Igreja “não esconde que gasta para adquirir bens que ache necessários, como um jatinho para que pastores visitem os templos da Universal em todo o mundo”.

No final, a reportagem diz que o destaque dado pela TV Globo à denúncia tem a ver com o “desespero” da emissora por estar perdendo o “monopólio” da informação no país. O “Jornal da Record” terminou com Celso Freitas citando o trecho de uma nota oficial publicada pela Igreja. “A Universal afirma que confia na Justiça brasileira, que não se influencia pelo interesse de qualquer grupo, mesmo aquele que quer manter o monopólio da informação”.

Do outro lado

O “Jornal Nacional” começou sua edição desta quarta-feira (12) com reportagem de César Tralli, que afirmou que o Ministério Público pedirá ajuda internacional para rastrear as movimentações financeiras na investigação de lavagem de dinheiro contra Edir Macedo.

Na matéria, Tralli cita reportagem do jornal O Estado de S. Paulo que teve acesso a documentos que comprovariam a investigação de que a Igreja desviava recursos de fiéis para a compra de veículos de comunicação. “A reportagem afirma: ‘oito empresas de comunicação, entre elas a rádio e televisão Record estão entre as dez principais beneficiárias de transferências eletrônicas ou depósitos bancários que saíram da Igreja Universal do Reino de Deus’.”

Segundo a reportagem, teriam sido beneficiadas com dinheiro de fiéis as empresas Edminas, Rede Mulher de Televisão, Editora Gráfica Universal, e Rede Família de Comunicação, todas ligadas que fazem parte do mesmo grupo.

Assista a reportagem do Jornal da Record, de 12/08/2009:


Fonte: Portal Imprensa / O Verbo (www.overbo.com.br)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.