segunda-feira, 6 de julho de 2009

Taxista reencontra filhos após 28 anos e ouve "Pai", de Fábio Jr.



Filha ficou escondida para ouvir relato do pai antes de se revelar.
Reencontro de oito dos dez irmãos foi marcado pela emoção.

O taxista aposentado Edson Evangelista Dias, de 74 anos, encontrou no domingo (5) um casal de filhos que não via há 28 anos. O homem deixou a família para viver com outra mulher e pediu perdão. Na época, a menina tinha cinco anos e o menino tinha quatro. Abandonados pelo pai, deixaram a capital paulista e foram para o interior do estado com a mãe, professora. Quando ele voltou meses depois, não encontrou mais ninguém e desistiu de procurar pela família.

O taxista confessou à filha Sandra Telma Dantas Dias, de 50 anos, fruto do primeiro relacionamento, que sempre teve vontade de rever a família perdida. Jéssica, a neta do taxista, hoje com 20 anos, pesquisou por dois meses na rede social Orkut e conseguiu localizar Renata Kelly, seu irmão, Rômulo, e a mãe deles, dona Norma, há duas semanas.


Os três viajaram de Ourinhos, a 380 km da capital, para Embu, na Região Metropolitana de São Paulo, para reencontrar o patriarca, que não sabia da surpresa. O almoço marcado para o domingo foi preparado por Telma para reunir os oito dos dez filhos do taxista. Tinha nhoque, arroz, maionese, pudim e sorvete.

Reencontro

Agachada, de costas e fora do alcance da vista do pai, Renata Kelly ouviu o relato dele sobre como se perdeu dos filhos há quase 30 anos e do arrependimento que sentia por isso. No momento em que ela se virou para ele e fez a revelação, todos choraram. Quando as lágrimas começaram a secar, a anfitriã colocou para tocar um CD do cantor Fábio Jr., com a música "Pai". Aí todo mundo chorou de novo.

"Eu estava de costas, agachada e ele falando. Eu fiquei muito emocionada. Ele contando as coisas, porque foi embora, porque não foi. Todo mundo chorou. Colocaram uma música do Fabio Jr., aquela do pai e abriram uma champanhe", disse Renata Kelly.

O aposentado Edson Evangelista Dias entre os filhos Rômulo e Renata (Foto: Reprodução)

Ela diz que perdoa o pai e até brinca com a situação. "Ele foi embora porque tinha outra, o sem-vergonha. Ele foi com essa pessoa embora, nós mudamos de lugar e ele não nos procurou mais. Meu irmão ficou passado, paralisado, estático. Minha mãe chorou muito", contou ela. Segundo Renata, o pai não para de pedir perdão.

Hoje com 62 anos, a professora Norma afirma que toda a dor já passou. "Ele falava que era solteiro. Não sabia que ele tinha outra família. Meus filhos estão felizes de saber que têm mais irmãos. Eu já perdoei. Hoje, o Rômulo tem 32 anos e é hippie. A Renata tem 31 e é jornalista. Com sacrifício, paguei a faculdade para ela. Graças a Deus, ela conseguiu serviço no jornal da cidade. Antes disso, foi muito difícil. Era o sonho dela ver o pai. E nunca teve uma reposta", afirmou.

Grande família

Segundo Renata, além da mãe dela, a professora Norma, o pai conheceu Maria Helena, com quem teve cinco filhos. Também teve relacionamento com Dirce, que deu à luz outras duas crianças, que ainda foram não localizadas.

Hoje, o aposentado vive com Inês, com quem ainda não teve filhos. "Somos todos bem parecidos. Os homens se parecem bem e têm um sobrinho que é a cara do meu irmão", disse Renata.

Dias também viveu com Elza, que não teve filhos e com Lindete, que deu a ele a caçula, Ingrid, agora com 10 anos de idade.

G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.