sexta-feira, 10 de julho de 2009

Obama promete ao papa reduzir número de abortos nos EUA, diz Vaticano

Presidente e Bento XVI tiveram seu primeiro encontro oficial.
Outros temas de política internacional também foram discutidos.


O presidente dos EUA, Barack Obama, comprometeu-se nesta sexta-feira (10) com o Papa Bento XVI a "tentar reduzir" o número de abertos nos EUA, disse o porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi.

O presidente e o papa tiveram seu primeiro encontro oficial nesta sexta, a portas fechadas. Também foram abordados temas de política internacional, como Oriente Médio, América Latina, imigração, narcotrágico e bioética.

A Casa Branca não confirmou o teor da conversa, que durou 40 minutos.

No encontro, o primeiro do chefe de Estado Americano com o pontífice, Obama disse a seu interlocutor que a cúpula do G8 (os sete países mais industrializados e a Rússia), realizada na cidade italiana de L'Aquila, foi "muito produtiva", já que nela foram definidas "ajudas para os países pobres".

Foto: AP
O presidente dos EUA, Barack Obama, e a primeira-dama, Michelle, encontram-se nesta sexta-feira (10) com o Papa Bento XVI no Vaticano. (Foto: AP)

"Santidade, é uma honra para mim estar aqui", disse Obama, recebido pelo papa com um cordial apertão de mão na sala anexa à Biblioteca Privada, local da audiência.


Uma vez sentados um de frente para o outro, Bento XVI perguntou a Obama sobre a cúpula do G8, concluída horas antes.


O presidente americano, sempre sorrindo, disse: "Foi muito produtiva. Decidimos ajudas aos países pobres".


Depois, os dois brincaram sobre o grande número de fotógrafos presentes na sala para registrar o encontro. "Tenho certeza de que o senhor está acostumado a ser fotografado. Eu também estou", comentou Obama.


Logo em seguida, os fotógrafos, cinegrafistas e jornalistas abandonaram a Biblioteca Privada. As portas foram fechadas e a reunião começou, com a participação de dois intérpretes.


Protegido por um forte esquema de segurança e acompanhado por uma comitiva de 17 pessoas, Obama chegou ao Vaticano às 16h (11h de Brasília). O Arco dos Sinos foi o local escolhido para a entrada do presidente, que cruzou a Praça de São Pedro.


Dezenas de carabineiros e policiais da tropa de choque montaram guarda para proteger a praça vaticana e a Via da Conciliação, a ampla rua que liga o Vaticano a Roma, onde grupos de pessoas aplaudiram a comitiva presidencial.


Por ocasião da visita de Obama, a Basílica de São Pedro foi fechada aos turistas, e o tráfego na região foi desviado.


Antes de se reunir com o pontífice, Obama manteve um encontro de aproximadamente dez minutos com o secretário de Estado da Santa Sé, cardeal Tarcisio Bertone.


Do local em que se reuniu com Bertone, anexo à monumental Sala Clementina, Obama seguiu para a biblioteca do papa.


Ao término da audiência, o papa presentearia Obama com uma cópia assinada da última encíclica, "Caritas in Veritate", e com um mosaico da Praça de São Pedro e da basílica vaticana.


Já Obama doaria ao pontífice uma estola de São João Nepomuceno Neumann, padroeiro das crianças doentes e dos imigrantes.


Cerca de uma hora antes da chegada de Obama, chegaram ao Vaticano a primeira-dama americana, Michelle, as duas do casal e avó materna destas. As quatro visitaram a Basílica de São Pedro, a cripta onde estão enterrados os papas e a Capela Sistina.

G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.