quarta-feira, 29 de julho de 2009

Evangélicos lamentam não ter sido ouvidos


A Aliança Evangélica Portuguesa (AEP) lamentou hoje nunca ter sido contactada sobre a assistência religiosa nos hospitais, prisões e forças armadas e de segurança e duvida que alguma coisa mude com a nova regulamentação, "continuando a discriminação".

"Nunca fomos auscultados nem ninguém nos contactou para darmos a nossa opinião na fase de preparação do regulamento. A impressão que temos é que se mantêm os privilégios da Igreja Católica, não existe igualdade de tratamento", disse à Lusa o pastor Samuel Pinheiro, -voz da AEP.

A Lusa noticiou segunda-feira que a Igreja Católica e o Estado chegaram a acordo sobre a assistência religiosa nos hospitais, prisões, forças armadas e de segurança, matéria por regular da Concordata de 2004, sendo que a regulamentação será aplicada a todas as confissões religiosas, respeitando a Lei de Liberdade Religiosa e a laicidade do Estado.

De João Pinheiro de Almeida (LUSA)

IGOOPEL

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.