sábado, 2 de agosto de 2008

Monge capuchinho polonês prega "o sexo divino" com a benção da Igreja

Apelidado de 'o apóstolo do Kama Sutra católico', o padre Ksawery Knotz, um monge capuchinho polonês que dá conselhos a casais casados de sobre como praticar sexo, afirma que simplesmente faz um trabalho para Deus.

"Claro que animo os casais casados a rezar para que eles tenham uma vida sexual boa e feliz. Para mim, este é um meio de se aproximar de Deus", declara o monge de 43 anos.
"As pessoas ficam um pouco surpresas no início, mas agradavelmente surpresas", destaca Knotz, que fez, como monge, um voto de castidade.
O religioso atende hoje a mais de 3.000 casais de fiéis católicos na Polônia desde 2000, com uma benção tácita de seus superiores. A iniciativa é tão popular que sua agenda está cheia até o ano que vem.
"Se você acredita em Deus, acredita que Deus está presente na vida, no amor, no matrimônio e na sexualidade. Parece natural falar de sexo, e eliminar alguns tabus e manchas do pecado", declara o monge, que vive no monastério dos capuchinhos em Stalowa Wola, sul da Polônia.
Autor de um livro chamado "O ato do matrimônio", o padre Knotz tem desde 2004 um site http://www.szansaspotkania.net (a sorte do encontro) em duas versões, polonesa e inglesa.
O monge admite que a educação tradicional da Igreja católica sobre o sexo apresenta fragilidades, mas rapidamente acrescenta que seus conselhos sexuais são reservados a casais heterossexuais que contraíram matrimônio.
No capítulo "A teologia do orgãos", o capuchinho compara o momento supremo do ato sexual com o encontro com Deus no céu.
"O amor de um casal casado, manifestado no sexo, aproxima o corpo humano do céu. O êxtase de uma relação sexual pode ser comparado à alegria da vida eterna", afirma.
"É por isso que este ato conjugal permite aos esposos começar a entender a doçura do encontro com Deus", acrescenta o padre Knotz.
O religioso insiste em uma "comunicação boa e aberta entre os casais", necessária para alcançar os orgasmos celestiais, e incentiva os maridos a darem tempo suficiente às mulheres para satisfazê-las plenamente.
A seus críticos, que o acusam de falta de experiência pessoal, o padre Knotz respondeu: "Não precisais padecer de uma doença do coração para ser cardiologista, nem ser alcoólatra para se tornar terapeuta".
O monge explicou que encontrou sua inspiração na abertura do olhar de sua família e nos ensinos do Papa João Paulo II, que tratou pela primeira vez o tema da sexualidade em um folheto publicado na Polônia em 1960 sob o título "Amor e responsabilidade".
Kasia e Jan Paluszewski, ferverosos católicos casados há 18 anos e pais de três meninos, de 16, 13 e 3 anos, afirmam que os conselhos do padre Knotz "reforçam e esclarecem" sua vida sexual e sua espiritualidade. "Ele escuta realmente os casais e é por isso que ele nos entende bem", diz Jan Paluszewski, um técnico de informática de 46 anos.

AFP/G1

Um selo do último rei da Judéia é descoberto em Jerusalém


Arqueólogos israelenses anunciaram nesta sexta-feira descoberta em Jerusalém de uma inscrição com o nome de um membro da corte do último rei da Judéia, que reinou há 2.600 anos.
"Descobrimos a impressão em argila, muito bem conservada, de um selo que leva o nome de Gedaliah, filho de Pashur", um membro da corte do rei Sedecias, mencionado na Bíblia (Jeremias 21-1), declarou à AFP a arqueóloga Eilat Mazar, responsável pela escavação.
Mazar disse que esta inscrição de um centímetro de diâmetro foi descoberta próximo de uma segunda que leva o nome de outro oficial da corte e que foi descoberta em 2005.
Segundo a arqueóloga, trata-se de uma "descoberta excepcional", pois é muito raro que inscrições estejam em tão bom estado de conservação.
No entanto, o renomado arqueólogo Israel Finkelstein, autor do best-seller "A Bíblia Revelada", minimizou a importância da descoberta.
"Dezenas de impressões de selos da época já foram descobertas e depois se sube que alguns eram falsos", declarou à AFP, recordando que o Museu do Luvre tem dois selos autênticos da Judéia, que remontam a mais de um século antes de Sedecias.
"Essa descoberta tem um interesse, mas não muda nossas idéias sobre o reino de Sedecias, cuja existência já foi provada pela arqueologia, confirmando o relato bíblico", acrescentou.
A escavação no bairro de Silwan, em Jerusalém Leste anexada, no sítio mais antigo da Cidade Santa, é financiada por diversas instituições de direita ou ultranacionalistas israelenses, sob a supervisão da Universidade Hebraica de Jerusalém.
Vasalo do rei da Babilônia, Nabucodonosor, Sedecias morreu em 586 antes de nossa era, depois de a revolta do reino da Judéia contra a Babilônia ter sido sufocada e a tomada de Jerusalém.

AFP
noticiascristas.blogspot.com

Evangélicos duplicaram no Peru em 14 anos

A população evangélica no Peru passou de 6.7% (habitantes maiores de 12 anos) no registro de 1993, para 12.5% atualmente. É o que indica o XI Censo de População e VI de Moradia, realizado em outubro de 2007.

(Fonte: Elnet) - Mesmo com esse aumento, a comunidade evangélica, com um total de 2,6 milhões de adeptos, ainda não é o maior grupo religioso do país. Quem ocupa essa posição é a comunidade católica, com 16,9 milhões de seguidores, o que representa 81,3 % da população total. Em 1993, os católicos eram 89% da população.

Peruanos que professam outras confissões religiosas diferentes da evangélica e da católica somam 3,3% da população - 679,8 mil, um pouco mais do que os 2,8% registados em 1993.O Censo também apontou a duplicação do número de peruanos que não professam nenhuma religião, que passaram de 1,4 %, em 1993, para 2,9 %, em 2007, totalizando 608,7 mil.

O Peru tem 28,2 milhões de habitantes. Lima é a cidade mais populosa do país, com 7,6 milhões de moradores. Os resultados do Censo foram divulgados no dia 22 de Julho, na presença de autoridades e representantes de organizações da sociedade civil.


www.overbo.com.br

Filme evangélico « Desafiando Gigantes » deu forças para retorno de jogador do Corinthians

Revelação do Timão, Marcelo Oliveira, viveu drama por problema no joelho e fez até tatuagem com frase de efeito para comemorar retorno aos gramados.

(Fonte: Globo Esporte) - Um ano, três cirurgias e muita paciência depois, Marcelo Oliveira está de volta aos jogos do Corinthians. Sem olhar para trás e tentando esquecer o drama que viveu na carreira, o volante quer recuperar o tempo que perdeu ao romper o ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo, dia 4 de agosto de 2007, contra o Goiás, ainda pela Série A do Campeonato Brasileiro.

Para suportar a tristeza e se concentrar na recuperação, Marcelo Oliveira se apegou à família e aos filmes. Como passava todo o dia no Parque São Jorge fazendo tratamento intensivo, aproveitava o tempo livre durante no período noturno para curtir a noiva, com quem mora junto, e procurar forças através das telas.

E foi na produção evangélica norte-americana “Desafiando Gigantes”, de 2006, que encontrou o maior apoio. Indicado pelo lateral-direito Marco Aurélio, do Vitória-BA, com quem jogou no Paulista, o filme conta a história de um treinador de futebol americano que consegue reerguer a carreira ao conhecer os ensinamentos da bíblia.

- É um filme de muita superação e fé. Me deu muita força. Foi com uma frase que vi nele (“Com Deus tudo é possível”) até fiz uma tatuagem nas costas – conta.

A história do volante, aliás, poderia até ir para a telona. Ele vinha sendo um dos poucos destaques do Timão até romper o ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo. Depois da primeira operação, voltou à mesa de cirurgia por conta de uma infecção. Pouco tempo depois, já treinando no clube, percebeu que não conseguia fazer todos os movimentos e passou por nova intervenção. Três em menos de um ano.

- Foi uma época muito complicada. Não conseguia nem dobrar a perna. Sempre tive a esperança de que voltaria a jogar, fiquei muito triste com o rebaixamento porque também fiz parte daquele elenco. O que passei não foi fácil – lembra.

Marcelo Oliveira foi relacionado para a partida contra o Criciúma, neste sábado, às 16h10m, no Pacaembu, pela Série B. Mais uma vez, vai precisar de calma para conseguir uma chance como titular.

- Não posso atropelar. O tempo que perdi não tem mais como recuperar. O jeito é ter paciência, a mesma que tive até agora – completa.


www.overbo.com.br

quinta-feira, 31 de julho de 2008

População evangélica duplicou em 14 anos

O XI Censo de População e VI de Moradia, realizado em outubro de 2007, indicou que a população evangélica no país passou de 6.7 % dos habitantes maiores de 12 anos, no registro de 1993, para 12.5 % atualmente.
Apesar desse aumento, a comunidade evangélica é a segunda minoria religiosa no país, com um total de 2,6 milhões de adeptos.
O Censo também apontou a duplicação de peruanos que não professam nenhuma religião, que passaram de 1,4 %, em 1993, para 2,9 %, em 2007, totalizando 608,7 mil.
Os católicos são a comunidade religiosa majoritária do Peru, com 16,9 milhões de seguidores, o que representa 81,3 % da população total. Em 1993, os católicos eram 89% da população.
Peruanos que professam outras confissões religiosas diferentes da evangélica e da católica somam 3,3% da população – 679,8 mil -, experimentando um ligeiro aumento em relação aos 2,8% registrados em 1993.
O Peru tem 28,2 milhões de habitantes. Lima é a cidade mais populosa do país, com 7,6 milhões de moradores (26,95 %). Os resultados do Censo foram divulgados no dia 22 de julho, na presença de autoridades e representantes de organizações da sociedade civil.

ALC

noticiascristas.blogspot.com

Se eles podem fazer propaganda do homossexualismo, sinto-me à vontade para fazer propaganda do heterossexualismo


Se professores do COLUNI (Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Viçosa — considerado a melhor escola pública do país de acordo com as notas do ENEM) podem fazer propaganda do homossexualismo em aula, para alunos de 15 a 17 anos, por que eu, pastor evangélico, leitor assíduo da Bíblia e cristão convicto, não posso fazer propaganda do heterossexualismo?
Se a colunista social Heloisa Tolipan pode publicar em sua coluna no Jornal do Brasil três fotos de afagos sucessivos entre Daniela Mercury e Alinne Rosa, vocalista da banda Cheiro de Amor, por que eu não posso fazer propaganda do heterossexualismo?
Se as novelas da Globo podem mostrar “casais” de homem com homem e de mulher com mulher (e até de dois homens e uma mulher) se acariciando, por que eu não posso fazer propaganda do heterossexualismo?
Se mulheres e homens homossexuais podem fazer um barulho enorme em favor da prática homossexual, do casamento gay e da adoção de filhos, por que eu não posso fazer propaganda do heterossexualismo?
Não se faz propaganda nem do homo nem do hetero de boca fechada. Desde que saíram definitivamente do armário, os gays abrem a boca para justificar a opção e a prática homossexual. Os pregadores da opção e da prática heterossexual estão sendo empurrados para dentro do armário, agora vazio e desocupado, por pressão da mídia, da sociedade permissiva e do movimento gay. O Projeto de Lei 122/06 favorece a propaganda da homossexualidade e desfavorece a propaganda da heterossexualidade.
Como posso fazer a propaganda da heterossexualidade? Voltando ao princípio de tudo, ao princípio do tempo, ao princípio da história, quando Deus criou o homem e a mulher (Gn 1.27) e apresentou um único modelo de relação sexual: “O homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e eles se tornarão uma só carne [ou uma só pessoa]” (Gn 2.24). A relação homossexual sempre aconteceu, mas nunca foi considerada normal. Até bem pouco tempo em qualquer dicionário ou enciclopédia, casamento era “o relacionamento que une um homem e uma mulher” (Enciclopédia Delta Universal) ou “a união legítima de um homem e uma mulher com o objetivo de fundar um lar” (Grande Enciclopédia Delta Larousse) ou “ato solene de união entre duas pessoas de sexos diferentes” (Novo Dicionário Aurélio). Para atender ao clamor gay, os dicionários estão acrescentando ou revendo alguma coisa. Por exemplo, o Dicionário Enciclopédico Ilustrado Veja Larousse, publicado em 2006, diz que casamento é a “união legal entre um homem e uma mulher”, mas, por extensão, pode ser também “qualquer relação conjugal entre duas pessoas”. O também recente Dicionário de Psicologia Dorsch (2001) define a formação de casal como a “reunião de parceiros sexuais”.
Ainda como propaganda da heterossexualidade, posso tornar conhecidos os textos das Sagradas Escrituras que tratam do assunto, todos de fácil compreensão, sem, contudo, centralizar essa anomalia (palavra de origem latina que significa irregularidade), deixando de lado todas as outras anomalias (apropriação indébita, corrupção, egocentrismo, injustiça social, intriga e muitas outras). Também não devo me deixar possuir por qualquer sentimento de arrogância ou de homofobia.
No meu modo de entender, o mais explícito, o mais contundente, o mais veemente texto contra a prática da homossexualidade está na Epístola aos Romanos, a maior e a mais teológica das treze cartas escritas por Paulo. É uma passagem dura, mas que não pode ser olvidada nem retocada. O apóstolo ensina que as práticas homossexuais não são primeiramente a causa, mas o resultado da depravação histórica e globalizada do ser humano. Por causa desse problema básico, Deus “soltou as rédeas” e está deixando a humanidade livre, não só para trocar “suas relações sexuais naturais por outras, contrárias à natureza” (Rm 1.26), mas também para matar, roubar, fazer uma guerra atrás da outra, esgotar e destruir o meio ambiente, e assim por diante. É sob esta ótica que ele fala abertamente sobre o homossexualismo feminino e masculino. Assim como as mulheres, “os homens também abandonaram as relações naturais com as mulheres e se inflamaram de paixão uns pelos outros [e] começaram a cometer atos indecentes, homens com homens, e receberam em si mesmos o castigo merecido pela sua perversão” (Rm 1.27).
A exemplo de Jesus Cristo, eu não posso apontar o pecado sem apontar a salvação, não posso apontar a culpa sem apontar o perdão, não posso apontar o dedo em riste para o meu pecado e o pecado alheio sem apontar o dedo para Jesus Cristo para repetir o mais substancioso pronunciamento de João Batista: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (Jo 1.29).
Se os professores podem fazer propaganda do homo, sinto-me em plena liberdade para fazer a propaganda do hetero!

Elben M. Lenz César é diretor-fundador da Editora Ultimato e redator da revista Ultimato.

noticiascristas.blogspot.com

O diário de uma menina obrigada a se casar revela as práticas da seita do Texas

"Ele me mostrou que devo realizar três uniões matrimoniais esta noite." Em 27 de julho de 2006, Warren Jeffs, profeta da Igreja Fundamentalista de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, explicou em seu diário as revelações divinas que havia recebido naquele dia. Uma delas mandava que ele casasse três menores, entre elas sua própria filha de 15 anos, Teresa Jeffs. Devia entregá-la a um homem de 38 anos. "Reuni minha filha e sua mãe, Annette, esta tarde para lhes explicar como ser esposas celestiais e manter-se ao lado de seu marido sempre." Naquela noite o profeta deu sua filha em matrimônio espiritual na fazenda Yearning for Zion (Anseio por Sião), no Texas. O marido escolhido por Deus era Raymond Jessop, filho de um bispo da seita, Merril Jessop, gerente da fazenda e substituto de Jeffs.
"Meu pai me disse que o Senhor queria que me casasse esta noite. Ele me perguntou: O que você acha? Está disposta?", anotou Teresa em seu diário. A vontade de Deus é inquebrantável na seita fundamentalista mórmon. A voz do profeta é a única verdade. "O Senhor me abençoou e me deu forças para me casar em 27 de julho de 2006, um dia depois de ter completado 15 anos", escreveu a menor em seu caderno cinco meses depois. Espera-se que as meninas mantenham relações sexuais desde o primeiro instante do casamento para engravidar e "encher a terra de fiéis".
Aquele foi um dia especial para a família Jeffs. Na mesma noite de 27 de julho, às 20h30, o profeta, o líder de todos os "santos" fundamentalistas, o tio Warren, tomou uma nova esposa. "Dou graças a Deus por esse presente e esta bênção", escreveu Jeffs. Ela tinha 12 anos e era, por sua vez, filha do bispo Jessop. Ambos trocaram suas próprias filhas. "Deleguei Merril para que oficiasse a união. E assim se uniu Merianne Jessop com Warren Jeffs. Esse sou eu!", diz o profeta em seu diário.
Esses textos pessoais chegaram ao tribunal do condado de Schleicher, no oeste do Texas. A polícia vasculhou a fazenda em abril passado e encontrou centenas de diários, fitas gravadas, álbuns de fotos e discos rígidos que estão sendo usados para determinar que tipo de abuso houve nesse lugar desde que a seita o comprou em 2004.
Ao lado do diário de Jeffs estão as fotos do dia de seu casamento. São seis imagens em que Jeffs usa terno preto com gravata branca. A menina Merianne Jessop chega à altura de seu peito. Vestida com um dos trajes que obrigam as mulheres da seita a usar, de cor pastel e abotoado até o pescoço, ela se agarra às mãos de seu marido, seu novo dono e senhor. Também foram encontradas muitas outras fotos nas quais se vê Jeffs "beijando meninas como se fossem suas mulheres", segundo um relatório judicial. Calcula-se que o profeta tenha mais de 60 esposas entre os assentamentos da seita no Texas, Arizona, Utah e Colúmbia Britânica, no Canadá.
Um mês depois desse casamento, um policial de trânsito de Nevada deteria Jeffs nas proximidades de Las Vegas. Estava sob ordem de prisão e fugia em um Cadillac vermelho, com três perucas de mulher, 16 telefones celulares, quatro computadores e US$ 55 mil em espécie. Seria extraditado para Utah, onde é condenado a dez anos de prisão por realizar o casamento de Elissa Wall, 14 anos, com seu primo-irmão de 19.
Outro julgamento o aguarda no Arizona, também sob a acusação de organizar casamentos com menores de idade. E agora se acrescentou um terceiro. A juíza Barbara Walther, do condado de Schleicher, acusou o profeta e outros cinco sacerdotes da seita por "crimes associados ao abuso de menores e à poligamia". Depois do julgamento no Arizona, Jeffs se sentará no banco dos réus no Texas para responder pelo que aconteceu na fazenda Yearning for Zion.
Jeffs transferiu para essa fazenda seus seguidores mais incondicionais. Ali casou meninas de não mais de 15 anos com bispos. Unir-se a um idoso é símbolo de poder, mas limitado: as mulheres são consideradas literalmente propriedade da seita. Cada sacerdote ou bispo deve ter pelo menos três mulheres para alcançar o céu. Quanto mais esposas, mais rápido se entra no paraíso.
A Agência de Proteção a Menores dos EUA transferiu no início de abril as 440 crianças da fazenda da seita para Fuerte Concho e depois para diversos locais do Texas, com famílias. Em maio a Suprema Corte do Estado ordenou que as crianças voltassem a ficar com seus pais, pois o "risco de abuso não era iminente". Agora parece que a juíza Walther tem provas suficientes para acusar Jeffs e uma boa parte de seus sacerdotes.
"Esta é uma tentativa desesperada do estado do Texas para lavar as mãos depois da barbárie que organizou em sua primeira batida na fazenda", disse na quarta-feira um porta-voz da seita, Willie Jessop, que qualificou a situação de "genocídio". Natalie Malonis, advogada que defende Teresa, a filha de Warren Jeffs, respondeu: "A imputação demonstra que havia um grande perigo para essas crianças".
A relação entre Malonis e seu cliente é tempestuosa. Teresa não se sente representada por ela. Em 20 de junho escreveu à jurista um e-mail em que dizia: "Cale a boca e pare de me chamar de vítima de abuso sexual. Estou cansada de que me chame disso, quando não sou nenhuma vítima de abusos sexuais e você não tem nenhuma prova que demonstre que eu tive relações sexuais".
Em seu mundo, o do fundamentalismo mórmon, Teresa se considera livre porque a liberdade é fazer o que Deus quer. As normas dos outros mortais não contam. Só importa o que o Senhor disser, e o Senhor só fala pela boca de uma pessoa, a de seu próprio pai, o profeta Warren Jeffs. O resto é pecado.

Tradução: Luiz Roberto Mendes Gonçalves

El Pais

noticiascristas.blogspot.com

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Após 4 anos, pastor tem permissão para entrar em presídios


Marcos Pereira da Silva, da Assembléia de Deus, foi ao presídio Muniz Sodré gravar um programa de televisão.

(Fonte: Estadão) - Depois de quatro anos proibido de entrar em presídios no Rio por suspeita de ligação com o Comando Vermelho, facção criminosa que domina importantes favelas na cidade, o pastor Marcos Pereira da Silva, da igreja evangélica Assembléia de Deus dos Últimos Dias, entrou nesta terça-feira, 29, no Presídio Muniz Sodré, no Complexo de Bangu (zona oeste). Ele foi gravar uma participação no programa Conexões Urbanas, da ONG Afro Reggae, que estréia em outubro no Multishow. Diante de cerca de mil presos, o pastor pregou a Bíblia, gritou dezenas de vezes "Levanta a mão e dá glória a Deus", fez "descarregos" e converteu detentos ali mesmo, diante da câmera de TV.

O pastor, que ganhou fama por ajudar a tirar homens do tráfico e a salvar pessoas prestes a serem executadas ou punidas por traficantes, saiu do presídio exausto e emocionado. "Não entendi por que me proibiram de entrar nas prisões. Durante dez anos percorri as carceragens e ajudei a acabar com várias rebeliões. Só fiz o bem", disse depois de três horas de pregação, ao lado de Márcio da Silva Rosa, subsecretário de Tratamento Penitenciário.

Um dos momentos mais inusitados da celebração foi quando o pastor desceu do palco e começou a caminhar entre os presos. À medida que ele colocava a mão na cabeça dos detentos gritando para que o demônio saísse daquele corpo, os homens caíam como pedras de dominó. Alguns choravam. A catarse coletiva, sob o sol nada ameno do inverno carioca, deixou o subsecretário feliz.

"Eventos como esse garantem mais um mês de tranqüilidade no presídio", avaliou. Dos 1.320 presos, apenas cerca de 300 não estavam na quadra diante do palco para ouvir o pastor. Apesar de não ter ali nenhum ex-chefe de tráfico, só são levados para o Muniz Sodré os presos que declaram pertencer ao Comando Vermelho.

José Júnior, coordenador do AfroReggae, Ong criada na favela de Vigário Geral há 15 anos, negociou a entrada do pastor no Complexo de Bangu com o governador Sérgio Cabral Filho (PMDB) e o vice-governador Luiz Fernando Pezão. A autorização chegou pelas mãos do secretário de Administração Penitenciaria, Cesar Rubem Monteiro de Carvalho.

"Apesar de o pastor viver um processo contínuo de investigação, ninguém nunca provou nada contra ele", defendeu Júnior.

Os presos pareciam encantados. Jonatan Belino, da favela do Jacarezinho, condenado a dez anos por assalto a mão armada, defendia o pastor. "A maioria aqui assiste de manhã na TV ao programa do pastor todo dia. A fé que ele passa ajuda a gente a agüentar isso aqui", disse, de Bíblia na mão. De fato, a maioria sabia cantar todas as músicas apresentadas pelos cantores de gospel que faziam parte da comitiva evangélica.

O subsecretário Silva Rosa garantiu que representantes de outras religiões também serão bem-vindos aos presídios cariocas. O pastor Marcos já se adiantou e marcou visitas nas outras unidades do complexo, inclusive Bangu 8, onde está preso o ex-banqueiro Salvatore Cacciola. "Não faço distinção nem de facção criminosa nem de diploma. Analfabeto ou doutor para mim é a mesma coisa. Quero dar a purificação e mudar a pessoa, tirar do crime", garantiu. Cacciola que se prepare.


www.overbo.com.br

Mais uma acusação de abuso de menores envolvendo a seita mórmon

As anotações do diário de Teresa Jeffs (15 anos) revelam que é bastante comum a seita denominada Igreja Fundamentalista de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (mórmon) realizar casamentos de menores com homens mais velhos. O profeta da seita, Warren Jeffs, pai de Teresa, deu sua filha em matrimônio a Raymond Jessop (38 anos), filho de um bispo da própria seita - Merril Jessop - e substituto de Jeffs.
"Meu pai me disse que o Senhor queria que me casasse esta noite. Ele me perguntou: O que você acha? Está disposta?", anotou Teresa em seu diário. A vontade de Deus é inquebrantável na seita fundamentalista mórmon. A voz do profeta é a única verdade. "O Senhor me abençoou e me deu forças para me casar em 27 de julho de 2006, um dia depois de ter completado 15 anos", escreveu a menor em seu caderno cinco meses depois.
O dia 27 de julho de 2006, foi especial para a família Jeffs. "Ele me mostrou que devo realizar três uniões matrimoniais esta noite,", diz o líder. Além de casa a própria filha de 15 anos, o profeta fundamentalista tomou uma nova esposa. "Dou graças a Deus por esse presente e esta bênção", escreve Jeff em seu diário. A "eleita" foi Merianne Jessop (12 anos) filha de Merril Jessop. Ou seja, ambos trocaram suas próprias filhas!
O casamento foi realizado na fazenda Yearning for Zion (Anseio por Sião), no Texas.Esses textos chegaram ao tribunal do condado de Schleicher, no Texas. A polícia vasculhou a fazenda em abril passado e encontrou centenas de diários, fitas gravadas, álbuns de fotos e discos rígidos que estão sendo usados para determinar que tipo de abuso houve na fazenda desde que a seita a comprou em 2004.
Além dos diários, o tribunal também tem as fotos do dia do casamento de Jeffs. A menina Merianne Jessop chega à altura de seu peito. Segundo o relatório judicial, também foram encontradas fotos do profeta ?beijando meninas como se fossem suas mulheres?. Calcula-se que o profeta tenha mais de 60 esposas entre os assentamentos da seita no Texas, Arizona, Utah e Colúmbia Britânica, no Canadá.
Jeffs estava em nas proximidades de Las Vegas em 2006 quando foi capturado para ser enviado à Utah, onde é condenado a dez anos de prisão por realizar o casamento de Elissa Wall, 14 anos, com seu primo-irmão de 19. Jeffs estava fugindo em um Cadillac vermelho e carregava 16 telefones celulares, 4 computadores e 3 perucas de mulher.
Outro julgamento o aguarda no Arizona, também sob a acusação de organizar casamentos com menores de idade.
Agora a juíza Barbara Walther, do Texas, acusou Jeffs e outros cinco sacerdotes da seita por "crimes associados ao abuso de menores e à poligamia". Depois do julgamento no Arizona, Jeffs se sentará no banco dos réus no Texas para responder pelo que aconteceu na fazenda Yearning for Zion.
Entretanto, a advogada de defesa de Teresa Jeffs (filha do profeta) Natalie Malonis, tem encontrado dificuldade de relacionamento com a cliente. Em junho, Teresa escreveu um e-mail enfático à Natalie: ?Cale a boca e pare de me chamar de vítima de abuso sexual. Estou cansada de que me chame disso, quando não sou nenhuma vítima de abusos sexuais e você não tem nenhuma prova que demonstre que eu tive relações sexuais".
Teresa, que foi criada no seio do fundamentalismo mórmon, acredita que tem liberdade para fazer o que Deus quer. E quem sabe o que Deus quer, é o seu pai, profeta de Deus...

SRZD

noticiascristas.blogspot.com

Vaticano estuda hipótese de união com anglicanos dissidentes


O Vaticano estuda com atenção o pedido do braço dissidente da Igreja anglicana de se unir à Igreja Católica, segundo um documento revelado nesta terça-feira, num momento de crise da comunhão anglicana.
O cardeal William Levada, prefeito da Congregação para a doutrina da fé, guardiã do dogma católico, afirmou aos dissidentes que está estudando "com uma séria atenção" a perspectiva de uma "união", conforme estes últimos propuseram, em uma carta publicada em seu site.
Em carta enviada em 5 de julho ao primaz da Comunhão tradicional anglicana, o arcebispo australiano John Hepworth, o cardeal Levada destacou, no entanto, que "a situação dentro da comunhão anglicana em geral se tornou sensivelmente mais complexa nessas últimas semanas".
Os anglicanos tradicionais se separaram da Comunhão anglicana sobre a questão da ordenação dos pastores mulheres em 1990 e reivindicam 400.000 fiéis.
Uma nova crise abala hoje a Comunhão anglicana sobre a questão da ordenação de bispos mulheres ou homossexuais declarados. Cerca de 650 bispos e arcebispos da Comunhão estão reunidos desde 16 de julho, até 4 de agosto, em Canterbury (sudeste da Inglaterra) para a Conferência de Lambeth", que acontece a cada dez anos.
Uma adesão dos dissidentes na Igreja católica possui diferentes problemas, principalmente porque o clérigo anglicano pode se casar, ao contrário dos padres católicos.

AFP
noticiascristas.blogspot.com

terça-feira, 29 de julho de 2008

Igreja trabalha para reverter a perda de fiéis

RIO GRANDE DO SUL - Considerado um dos assessores mais importantes do papa Bento XVI, o cardeal dom Cláudio Hummes esteve domingo em Santa Cruz do Sul, onde presidiu a ordenação episcopal de dom Irineu Gassen. Em entrevista coletiva, ele analisou a migração de católicos para outras igrejas e disse que, com um trabalho missionário, essa situação poderá ser revertida.


(Fonte: Gazeta do Sul) - Natural de Montenegro, Hummes era arcebispo metropolitano de São Paulo até outubro de 2006, quando foi convocado pelo papa para ser o prefeito da Congregação do Clero, considerado um dos setores mais importantes do Vaticano. Hoje, coordena o trabalho de 407 mil padres espalhados pelo mundo.

Em uma das salas do bispado de Santa Cruz, o cardeal concedeu entrevista coletiva no domingo à tarde. Ao menos em três momentos, ele apelou aos bispos e padres, e aos católicos praticantes, para que realizem um trabalho missionário, conforme decisão tomada no congresso de Aparecida, no ano passado. Frisou que não se trata de nenhuma disputa com outras igrejas, mas sim de um compromisso. “Nós temos a obrigação de trazer de volta aquelas pessoas que nós batizamos e que estão afastadas da nossa igreja.”

Salientou que os bispos, padres e outros religiosos devem ser missionários e que não devem apenas evangelizar as pessoas que vão às igrejas. “Precisamos sair, de forma organizada e entusiasta, e levar o evangelho lá onde as pessoas moram.” Também disse que os católicos têm a obrigação de evangelizar seus filhos. Para ele, cada família deve ser uma igreja doméstica.

Segundo o cardeal, as estimativas indicam que hoje 68% dos brasileiros são católicos. Frisou que apenas no próximo censo do IBGE será possível apurar se esse percentual aumentou ou diminuiu. Disse que algumas fontes da igreja avaliam que a migração de católicos para outras religiões estaria diminuindo, mas não existem números oficiais. “Mas tenho certeza de que, se sairmos em busca das pessoas, podemos reverter qualquer realidade.”

Números de padres cresce pouco

Levantamento realizado pelo Vaticano, no final do ano passado, revela que está havendo um pequeno aumento no número de padres. No entanto, ele não está sendo capaz de acompanhar o crescimento populacional. O maior incremento tem sido registrado na África, Índia e Coréia do Sul. Mas são números absolutos, já que são países onde a tradição católica ainda não é grande.
Dom Cláudio revelou que existe muita preocupação em relação à Europa, onde a igreja está constatando o envelhecimento do clero. “O número de idosos é maior do que o de jovens, quando deveria ser o contrário. Essa inversão da pirâmide é preocupante.”

www.overbo.com.br

Igreja Católica sofrerá grande crise interna, afirma Leonardo Boff

A Igreja Católica sofrerá uma "grande crise interna" porque os milhões de católicos do mundo não têm uma representação adequada nos assuntos administrativos do Vaticano, declarou o teólogo Leonardo Boff, promotor da Teologia da Libertação, nesta segunda-feira (28).

(Fonte: Folha Online) - "A futura crise na Igreja Católica se dará, porque no Vaticano não se encontram todos os genuínos representantes dos católicos no mundo", disse Boff, em conversa com os jornalistas, após uma visita ao presidente paraguaio eleito, Fernando Lugo, bispo católico suspenso pelo Vaticano por se dedicar à política.

"Na maioria dos países latino-americanos, pratica-se o catolicismo e existe a maior quantidade de praticantes dessa religião do que em outros continentes", avaliou Boff, insistindo em que "esses católicos não estão bem representados".

Quando era cardeal, chefe da Congregação da Doutrina da Fé, o agora papa Joseph Ratzinger puniu Boff por sua pregação em favor da Teologia da Libertação.

"O crescimento zero da Igreja Católica no planeta" é outro fator que atiçará sua crise interna, vaticinou Boff.

Durante seu encontro com Lugo, que tomará posse em 15 de agosto, o religioso brasileiro se pôs à sua disposição para assessorá-lo.


www.overbo.com.br

Postura liberal de igreja pode ter motivado tiroteio nos EUA

Washington, 28 jul (EFE).- A suposta postura liberal da Igreja Unitária Universal do Vale do Tennessee pode ter sido o motivo que levou Jim D. Adkisson, de 58 anos, a atirar neste final de semana contra os fiéis, segundo a Polícia.


O chefe da Polícia de Knoxville, Sterling Owen, informou hoje em coletiva de imprensa que as primeiras provas indicam que Adkisson, acusado de atirar e matar duas pessoas e ferir outras sete, cometeu o atentado devido à postura socioliberal da congregação religiosa.


Segundo Owen, a Polícia encontrou uma carta de quatro folhas no carro de Adkisson, na qual o criminoso relatava sua frustração por estar desempregado e seu "ódio pelo movimento liberal" da igreja.


A igreja é conhecida por seu trabalho social, seus programas de alimentos para necessitados e pela defesa dos direitos das mulheres e dos homossexuais, assim como de asilados políticos.


Adkisson foi acusado de assassinato em primeiro grau e está detido sob fiança de US$ 1 milhão.


Por se tratar de um crime motivado pelo ódio contra um grupo em particular, agentes do FBI (polícia federal americana) participam da investigação.


Segundo Owen, o detido teria agido sozinho e não pertence a nenhum grupo organizado, mas destacou que a investigação continua aberta.


Adkisson entrou ontem na Igreja Unitária Universal do Vale do Tennessee e começou a atirar no momento em que um grupo de crianças e adolescentes fazia a apresentação do musical "Annie, Jr." para cerca de 200 fiéis congregados.


Nenhum jovem ficou ferido, mas sete adultos ficaram feridos e dois morreram.


Greg McKendry, de 60 anos, morreu ao entrar na frente de Adkisson para tentar impedir que o agressor continuasse a atirar contra a congregação.


A segunda vítima fatal foi Linda Kraeger, de 61 anos, que morreu horas depois no Centro Médico da Universidade do Tennessee.


Cinco pessoas ainda estão internadas em estado grave em um hospital de Knoxville, e outros dois feridos já receberam alta. EFE

G1

Seita religiosa: quando Deus fala pela voz do pai


Raparigas e mulheres não se vêem como vítimas de abusos sexuais. O que conta é a vontade de Deus... através do homem.
No dia 27 de Julho de 2006, o profeta da Igreja Fundamentalista de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias recebeu uma mensagem de Deus, dizendo-lhe que, nessa noite, devia realizar três casamentos. Um deles seria o da sua filha de 15 anos, Teresa Jeffs, escreve o El País.
«Reuni a minha filha e a sua mãe, Annette, para lhes explicar como ser esposas celestiais e como se devem manter ao lado do seu marido, sempre», disse Warren Jeffs. Num rancho do Texas, Teresa foi entregue a Raymond Jessop, de 38 anos.
«O meu pai disse-me que o Senhor queria que eu casasse esta noite. Perguntou-me: o que achas? Queres?», escreveu a rapariga no seu diário. Sendo esta a vontade de Deus, nenhuma mulher da seita fundamentalista mórmon ousa questioná-la. Esta é a sua verdade: casar e ter relações sexuais com o seu marido para «encher a terra de fiéis».
Na mesma noite, a irmã de Raymond Jessop casou com o irmão de Warren Jeffs. Tinha 12 anos na altura da troca de filhas. O profeta tem mais de 60 esposas, um sinal de poder dentro da seita, conforme dão a entender os diários e fotografias descobertos pela polícia no rancho.
Warren Jeffs enfrentou várias acusações relativas a crimes de poligamia, abuso de menores e casamentos ilegais. Em Abril, as 440 crianças do rancho foram retiradas das famílias, mas em Maio tiveram de voltar porque o Supremo Tribunal considerou que «o risco de abuso não era iminente». As novas descobertas foram suficientes para condenar o profeta e outros homens da seita.
No entanto, os advogados de defesa das vítimas tiveram bastantes problemas. Natalie Malonis defende Teresa Jeffs, mas a sua cliente não a reconhece como tal.
«Cale-se e deixe de me chamar vítima de abuso sexual. Estou farta que me chama isso quando eu não sou nenhuma vítima de abusos sexuais e você não tem nenhuma prova que demonstre que eu tive relações sexuais», escreveu Teresa, num e-mail para a sua advogada.
É que, para Teresa Jeffs, ela é uma criança livre, porque o significado de liberdade é fazer o que Deus quer. A única coisa que importa para ela é aquilo que o Senhor diz. E o Senhor fala pela voz do pai.

IOL/Seitas
noticiascristas.blogspot.com

Evangelhos são obra de autores desconhecidos, dizem pesquisadores


Abertura de versão latina dos Evangelhos, feita na Irlanda por volta do ano 800; as imagens simbolizam quatro evangelistas (o homem de Mateus, o leão de Marcos, a águia de João e o touro de Lucas) (Foto: Reprodução)Atribuição a Mateus, Marcos, Lucas e João provavelmente aconteceu de forma tardia.
Com excessão do texto joanino, relatos parecem ter se baseado fortemente em Marcos.

Os Evangelhos do Novo Testamento, quatro relatos sobre a vida de Jesus aceitos por todas as igrejas cristãs, tradicionalmente são atribuídos a dois dos Doze Apóstolos (Mateus e João, filho de Zebedeu), a um companheiro do apóstolo Pedro (Marcos) e a um colaborador de São Paulo (Lucas). Para os atuais estudiosos da Bíblia, no entanto, o mais provável é que nenhuma dessas autorias tradicionais esteja totalmente correta. Embora muitos dos fatos contados pelos evangelistas possam realmente remontar à vida de Jesus, inconsistências e contradições deixam claro que nenhum de seus discípulos originais sentou-se pessoalmente para escrever uma biografia de Cristo.
"O que está claro é que os títulos que temos são um fenômeno editorial, que veio mais tarde", resume Luiz Felipe Ribeiro, professor de pós-graduação em história do cristianismo antigo da Universidade de Brasília (UnB), que está concluindo seu doutorado na Universidade de Toronto (Canadá). "Os títulos demoraram para aparecer no corpo do texto. Os primeiros papiros com a fórmula atual para os títulos -- 'Evangelho segundo Marcos' ou 'Evangelho segundo João', por exemplo -- são de meados do século 3 [mais de 150 anos depois da data em que os textos teriam sido escritos]."
De acordo com Ribeiro, os estudos sobre como os livros da época recebiam seus títulos e atribuições de autoria também revelam que essa fórmula (envolvendo uma estrutura gramatical do grego conhecida como acusativo) é curiosamente única dos Evangelhos; nenhum copista anterior teria pensado em falar da "Ilíada segundo Homero", por exemplo. "É muito improvável que essa mesma maneira de designar os textos surgisse de forma independente em quatro deles ao mesmo tempo. Por isso, tudo indica que se trata de uma mudança na maneira como os Evangelhos passaram a circular naquela época", diz ele.

Testemunho antigo -- ou não?
O fato é que, além dos títulos explícitos em papiros, a primeira referência a quatro Evangelhos escritos pelos autores que conhecemos tradicionalmente -- Mateus, Marcos, Lucas e João, nessa ordem -- vem do bispo Ireneu de Lyon, escrevendo por volta do 190. No começo do mesmo século, outro bispo, Papias (cuja obra original não sobreviveu, mas acabou sendo citada por escritores cristãos posteriores), menciona apenas Mateus e Marcos.
A poucas décadas de "distância" dos apóstolos originais, Papias até parece dispor de informações mais confiáveis, mas uma série de coisas em suas afirmações não batem. Primeiro, ele parece se referir a Mateus como uma simples coleção de ditos de Jesus (logia, em grego), escritos originalmente em aramaico, a língua do dia-a-dia na Palestina da época de Jesus. No entanto, Mateus é na verdade uma narrativa, e o texto que temos parece ter sido composto diretamente em grego. Já Marcos seria o secretário ou intérprete de Pedro, o qual teria anotado ("de forma desordenada", diz Papias), as pregações do líder dos apóstolos em Roma.
Além do fato de, na verdade, o Evangelho de Marcos ser uma narrativa altamente estruturada, sem sinal de desordem, ele não parece o tipo de coisa que um ex-colaborador de Pedro escreveria, afirma Ribeiro. "Existe, na verdade, uma hostilidade grande em relação a Pedro no Evangelho de Marcos, e talvez até uma rejeição de todos os Doze, que são retratados como covardes", diz o pesquisador. Todos os Evangelhos mostram Pedro vacilando e até negando Jesus, mas enquanto Mateus atenua isso com a famosa cena em que Jesus promete a seu apóstolo "as chaves do Reino do Céu", Marcos não apenas omite qualquer menção a isso como é bem provável que, originalmente, nem mostrasse Jesus aparecendo aos apóstolos depois de ressuscitar.
Explica-se: os mais antigos manuscritos do Evangelho de Marcos terminam de forma meio abrupta, no versículo 8 do capítulo 16. O relato termina com Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, e Salomé -- três seguidoras de Jesus -- indo ao sepulcro de Cristo. Lá, porém, encontram a tumba aberta e um misterioso rapaz de roupas brancas (talvez um anjo) dizendo que Jesus tinha ressuscitado. As mulheres, então, fogem assustadas, "e nada diziam a ninguém, porque temiam". Tudo indica que, mais tarde, foram adicionados os versículos de 9 a 20, que encerram o Evangelho que temos hoje e contêm as aparições do Jesus ressuscitado a seus seguidores.

Trecho de papiro do século 3 da Era Cristã com uma das mais antigas cópias do Evangelho de João (Foto: Reprodução)

Marcos, o primeiro
Na verdade, apesar de a ordem dos Evangelhos nas Bíblias atuais comece com Mateus, Marcos é quase certamente o mais antigo de todos os textos, talvez escrito um pouco antes do ano 70, quando o Templo de Jerusalém foi destruído pelos romanos. O consenso entre os estudiosos é que Mateus e Lucas usaram Marcos como a base de seus próprios Evangelhos.
"Ambos se baseiam na estrutura narrativa de Marcos; Mateus e Lucas foram aumentados acrescentando-se a Marcos extratos de uma coletânea de ditos de Jesus que hoje está perdida", escreve Geza Vermes, professor emérito de estudos judaicos da Universidade de Oxford, em seu livro "Quem é quem na época de Jesus" (Editora Record), recém-lançado no Brasil. "Quando Lucas e Mateus concordam entre si a respeito de algo, também concordam com Marcos; quando são diferentes de Marcos, também são diferentes entre si", diz Ribeiro.
Além disso, Marcos é o evangelista que mais coloca expressões aramaicas na boca de Jesus ou das pessoas que entram em contato com ele, como o uso de Éfata ("abre-te") para curar um surdo-mudo e Talitha cum ("menina, levanta-te") para ressuscitar uma menina. "É o único evangelista que permite ao leitor ouvir um eco eventual das palavras de Jesus em sua própria língua", diz Vermes.

Judeus ou pagãos?
Por essas e outras, a identificação do autor de Evangelho de Marcos como pagão de nascimento -- e mesmo de Lucas ou João, autores de narrativas que parecem muito influenciadas pela cultura grega -- não é confiável quanto alguns estudiosos costumavam imaginar. "Eu, por exemplo, acho que Marcos poderia muito bem ter uma origem na Galiléia", diz Ribeiro. "De modo geral, essa dicotomia cultural muito forte entre judeus e pagãos de origem grega que a gente costuma imaginar é relativa. O judaísmo estava sob forte influência helenística fazia tempo."
A influência judaica mais clara é a de Mateus, texto talvez escrito entre os anos 80 e 90 e repleto de referências à Lei de Moisés e às profecias do Antigo Testamento sobre a vinda do Messias. "Mas, mesmo no caso de Lucas, há um lado judaico bastante forte. A narrativa dele começa e termina no Templo de Jerusalém, por exemplo. Jesus nunca pisa fora do território de Israel na narrativa de Lucas. Isso não me parece à toa", diz Vilson Scholz, professor de teologia exegética da Universidade Luterana do Brasil (RS) e consultor de traduções da Sociedade Bíblica do Brasil.
Scholz diz acreditar que, embora figuras como os apóstolos João e Mateus não tenham escrito pessoalmente os Evangelhos, é possível que as narrativas sejam obra de pessoas de "escolas" ligadas a eles, que teriam transmitido a tradição oral ligada aos primeiros discípulos em forma escrita. Para Scholz, o Evangelho de Lucas, escrito pelo mesmo autor dos Atos dos Apóstolos (em ambos os casos a obra é dedicada a um patrono conhecido como Teófilo, e há remissões entre um livro e outro), é o que tem associação mais plausível com o autor tradicional.
Explica-se: Lucas teria sido um médico de origem grega e, de fato, sua linguagem é uma das mais polidas e de estilo cuidadoso entre os Evangelhos, diz Scholz. Os Atos dos Apóstolos também usam o pronome "nós" em certas passagens, dando a entender que o narrador estava viajando junto com Paulo. "Eu já acho que Lucas é tão problemático [como autor verdadeiro do Evangelho] quanto os demais", afirma Ribeiro. Ele lembra que há diferenças consideráveis entre o relacionamento de Paulo com os demais membros da Igreja como é retratado em Atos e a maneira como Paulo fala de Pedro e dos demais apóstolos em suas cartas -- nesse caso, Paulo é bem mais agressivo e menos condescendente em suas críticas aos seguidores originais de Jesus.

Testemunhas oculares
Um detalhe que solapa, ao menos à primeira vista, a idéia de que alguns dos autores do Evangelho presenciaram as pregações de Jesus é a falta de uma identificação de quem escreve no próprio texto, ou mesmo de afirmações diretas de que o escritor viu tais e tais fatos acontecerem. "Isso pode ser apenas um detalhe de gênero literário -- uma tentativa de demonstrar objetividade, por exemplo", pondera Scholz.
A única exceção é o Evangelho de João -- justamente o "estranho no ninho" entre os quatro textos aceitos no Novo Testamento, por não seguir a mesma linha básica de narrativa dos outros três e apresentar uma visão teológica muito desenvolvida e elevada de Jesus, considerado o Verbo de Deus encarnado. Com base nisso, ele seria o texto mais tardio, escrito por volta do ano 100. "Muita gente vê influência da filosofia grega sobre João, mas a divisão clara do mundo entre luz e trevas, que a gente vê nele, já aparece nos Manuscritos do Mar Morto, a poucos quilômetros de Jerusalém", diz Scholz. Em um ou dois trechos, o Evangelho de João diz que "a testemunha viu" os fatos narrados acontecerem.
"Eu acho possível que esse Evangelho remonte a uma testemunha ocular, mas o que ela viu foi retrabalhado pela comunidade à qual ela pertencia", avalia Ribeiro. Seria o misterioso "discípulo amado" de Jesus -- mas esse discípulo certamente não é João, o qual é mencionado separadamente no mesmo Evangelho. "Também vemos uma tensão política entre a comunidade desse discípulo amado e o grupo que seguia Pedro, por exemplo", diz o pesquisador, lembrando que, numa das narrativas sobre o sepulcro vazio de Jesus, Pedro e o tal discípulo correm até a tumba, mas só o discípulo amado tem coragem de entrar primeiro. Seria uma forma de mostrar a precedência dela sobre Pedro.
No fundo, o que se sabe de seguro sobre os escritores dessas quatro obras-primas da cristandade primitiva está mesmo embutido no próprio texto -- e, como tal, sujeito a interpretações. É muito difícil, por enquanto, colocar uma "cara" nos evangelistas. "Enquanto não houver outras descobertas arqueológicas de peso, ficamos nesse impasse", diz Scholz.

noticiascristas.blogspot.com

segunda-feira, 28 de julho de 2008

Atirador mata dois e fere 7 em igreja dos EUA

NASHVILLE, EUA - Um homem abriu fogo com uma espingarda numa igreja em Knoxville, Tennessee, na manhã deste domingo, matando duas pessoas e ferindo outras sete. Jim D. Adkisson, de 58 anos, foi dominado pelos fiéis pouco depois de começar a fazer os disparos na Igreja Universalista Unitária do Vale do Tennessee.

O ataque ocorreu às 10h18 do domingo. Adkisson entrou na igreja enquanto crianças estavam representando uma peça e começou a disparar, provocando pânico. Greg McKendry, de 60 anos, morreu no local. Já Linda Kreager, de 61 anos, faleceu horas depois no Centro Médico da Universidade de Tennessee. Outros cinco feridos permanecem internados em "condições críticas ou graves", enquanto que os dois restantes já receberam alta.

Segundo testemunhas, Adkisson disparou aleatoriamente contra os freqüentadores da igreja até ser dominado por três fiéis. Detido, ele enfrenta acusações de homicídio e teve a fiança estipulada em US$ 1 milhão.

oglobo.globo.com

domingo, 27 de julho de 2008

Google cede e fecha acordo para combater a pedofilia

Um acordo entre o Google Brasil e o Ministério Público Federal (MPF), formalizado ontem durante reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pedofilia, permitirá o acesso muito mais rápido aos conteúdos dos chamados álbuns pessoais do site de relacionamentos Orkut, investigados por suspeita de conterem pornografia infantil. O Google compromete-se a notificar automaticamente ao MPF todas as ocorrências de pornografia infantil detectadas no Orkut. A empresa assume ainda o compromisso de manter os registros de acessos e os números IP (protocolo de internet, endereços virtuais de cada usuário) por 180 dias.

Outra importante medida prevista no termo de ajustamento de conduta (TAC) diz respeito à criação de um sistema de filtro para remover e prevenir material comprovadamente ilícito no Orkut e o desenvolvimento de ferramenta que permita a cooperação direta com a SaferNet, entidade da sociedade civil que fiscaliza crimes na rede. A partir de reformulação no setor de atendimento ao consumidor, o Google obriga-se a responder em até 15 dias úteis a todas as reclamações de usuários do Orkut que se sentirem vítimas de ações criminosas no site.

O TAC põe fim a uma ação civil pública proposta em 2006 contra a empresa, que a acusava de não colaborar com as autoridades bresileiras na investigação de crimes de pedofilia na internet. Assinaram o termo os procuradores Sérgio Suiama e Adriana Scordamaglia, pelo MPF, e Alexandre Hohagen, diretor-presidente do Google Brasil, tendo quatro senadores como testemunhas - Magno Malta (PR-ES), Demostenes Torres (DEM-GO), Romeu Tuma (PTB-SP) e Eduardo Azeredo (PSDB-MG).

O Google será multado em R$ 25 mil por dia se descumprir o acordo. Também ficou acertado que o provedor desenvolverá campanhas de educação para o uso seguro da internet e poderá financiar a publicação de até 1,1 milhão de cartilhas para distribuição nas escolas, como forma de orientar crianças e adolescentes.

Para Demostenes Torres, os compromissos firmados pelo provedor no combate à pedofilia mostram os bons resultados do trabalho da CPI na busca da convergência de posições.

- Prevaleceu o bom senso e conseguimos promover a convergência. Fico muito feliz por termos chegado a esse momento exitoso - frisou o senador.

Hohagen havia se comprometido a atender aos pedidos do MPF em abril passado, quando depôs na comissão de inquérito. Na ocasião, foram quebrados os sigilos de mais de 3 mil álbuns fechados do Orkut. Desde então, as negociações para a elaboração do TAC esbarraram, de acordo com os procuradores, em exigências apresentadas pelo Google. Uma delas era assegurar imunidade civil e criminal para casos em que deixasse de enviar às autoridades os dados de usuários suspeitos de praticar crimes na internet - segundo Hohagen, para "preservar os funcionários", mas a imunidade só valerá no caso do envio de informações incorretas.

Sérgio Suiama lembrou as diversas tentativas nos últimos anos para fazer o Google repassar as informações sobre as páginas suspeitas do Orkut e atribuiu ao trabalho da CPI a vitória obtida ontem.

- O Google Brasil se dizia impossibilitado de entregar informações, alegando que os dados estariam hospedados em servidores nos Estados Unidos. Foi necessária a atuação da CPI para pôr fim ao impasse. Agora precisamos permanecer unidos na fiscalização, para assegurar o cumprimento do TAC - frisou o procurador.


Fonte: Senado Federal
www.paraiba.com.br

Padre é acusado de agredir travesti no altar

RIO - O padre Ademar Pimenta foi acusado de tentar agredir o travesti Fabiano Fontes Figueira, conhecido como Mayara, 29 anos, durante a missa do último domingo na Igreja Matriz de São Gonçalo, no Rio de Janeiro.

(Fonte: Terra) - Figueira teria se irritado com um sermão feito pelo religioso, no qual ele falou contra os gays. Ele então subiu ao altar, quando supostamente foi atacado pelo padre, que teria tentado enforcá-lo e chutá-lo.

Fabiano Figueira registrou queixa na 72ª Delegacia de Polícia (Mutuá) e já fez exame de corpo de delito. A Arquidiocese informou estar apurando o caso, mas garantiu já ter depoimentos de fiéis a favor do pároco.

www.overbo.com.br

Mais de 500 pedófilos identificados pela CPI no orkut

O senador Magno Malta (PR-ES) declarou que mais de 500 pedófilos já foram encontrados nas cerca de 3 mil páginas do portal de relacionamentos Orkut encaminhadas à CPI da Pedofilia. Ele informou que membros da comissão vão colocar o presidente Lula a par dos "alvos abertos" pelas investigações.

Para Magno Malta, o colegiado precisa do apoio do presidente para aprovar as mudanças na legislação que irá sugerir. O senador anunciou também que procurará líderes no Senado para pedir prioridade na aprovação das propostas da CPI.

O relator da CPI, Demostenes Torres (DEM-GO), citou como uma conquista da comissão o termo de ajuste de conduta entre a empresa Google - dona do Orkut -, o Ministério Público Federal e a Justiça Federal. De acordo com Demostenes, os álbuns fechados obtidos junto ao Orkut já permitiram o levantamento de grande número de pedófilos atuando no Brasil, não necessariamente brasileiros.

Na reunião de ontem, foram aprovados dois requerimentos, um deles reservado. Foi autorizada ainda a tomada de depoimento das duas vítimas de pedofilia em Niquelândia (GO). Segundo o parlamentar, foi acolhido, em sessão secreta, o requerimento de investigação sob sigilo que pode resultar na prisão de um pedófilo.


Fonte: Senado Federal
www.paraiba.com.br